História A Outra Realidade (Imagine Suga BTS) - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Min Yoongi (Suga), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Bts Imagine, Imagine Suga, Luta, Romance
Visualizações 32
Palavras 4.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia ! Eu ia att ontem a noite, mas tava muito lenta o spirit e ao esperar um pouco pra ver se passava, acabei dormindo toda tombada quase não conseguindo levantar de tão cansada rsrs

Desculpe ser um pouco longo, achei que fosse necessário.

Amanhã é o Enem, não é? Boa prova! Vocês vão conseguir! Boa sorte! [domingo passado eu estava me esquecendo do enem rs, me desculpe]

Boa leitura

Capítulo 15 - Escolhas - 15


Fanfic / Fanfiction A Outra Realidade (Imagine Suga BTS) - Capítulo 15 - Escolhas - 15

Capítulo 15

Escolhas

 

¥¥¥

–– Jin-hyung, eu tive um sonho. Um sonho muito parecido com a realidade. Eu amava uma garota, mas eu não sei quem é porque eu não conseguia ver seu rosto, apenas ouvia sua voz me chamando por um nome que também não me lembro. Mas nesse sonho, eu sofri um acidente no lugar dela, eu acho. Senão me engano... eu estava pra morrer por ela. 

–– E o que mais se lembra?

Yoongi hesitou;

–– Não lembro mais nada, eu só me lembro de uma canção. É familiar, mas no momento não consigo acertar qual é a musica.

–– E por que está dando importância pra isso, Yoongi-ah, se é apenas um sonho?

–– Por que eu não daria importância? Você sabe que raramente sonho. E nesse sonho eu podia ouvir a voz dela claramente como se estivesse ao lado do meu ouvido.

–– Woaah jinjja–– Sorriu, sendo bem humorado –– Por acaso está gostando de uma garota imaginária?

–– Isso não é estranho?

–– E se for lembranças de outra vida? Dizem que quando sonhamos com a morte, é porque são lembranças de como foi a nossa morte na vida passada.

–– Isso é loucura.

–– Mais louco que esse sonho seu? E se foi Jimin que estava conversando com você e você pensou que fosse uma garota? Você não notou que ele dormiu com você essa noite? –– Riu.

–– Hyung, estou falando sério! –– Negou-se a rir junto.

–– Tudo bem, é que desde que você voltou das montanhas com seu irmão, você ficou estranho.

–– Ele é quem ficou estranho, ele parecia ser outra pessoa. 

 

ѺѺѺ

Assim que sai do carro com pés firmes sobre a calçada, finalmente ouvi seu pronunciamento, o motivo de estar ali;

–– Quero conversar com você, é sobre o meu irmão.

Estava convicto de que tinha que ser naquele dia ou naquela hora. Eu me senti receosa do que estava por vir e o que ele pretendia, porque pela cara dele, não estava feliz em ter que me encontrar pra falarmos sobre Yoongi. Estava sério demais, talvez a ponto de querer que o nosso relacionamento chegue ao fim como pretendia desde o começo.

–– Me encontre na cafeteria da esquina. –– Disse rápido, sem dar-me a chance de responder, deixando claro que eu tinha que me virar com o tempo. E antes de minha avó se aproximar de mim após ter saído por outra porta do veículo, ele foi embora.

–– Quem é ele?

Como eu responderia a verdade?

–– É alguém que não foi com a minha cara. –– Uma indireta resposta de muito óbvio. De qualquer maneira, não faria diferença pra ela se eu dissesse que é irmão do meu namorado. –– Vó, como eu não comi nada, vou ali comprar um café pra mim, vai querer?

–– A secretária cuida disso pra você.

–– Pode deixar, é aqui perto mesmo e estou com vontade de andar, essa vigem me deixou com cãibra nas pernas.

–– Está bem, só não demore. E traga um café expresso.

–– Quem é dona Lurdes sem café preto?

 Mostrei meu pouco de humor mesmo adivinhando que meu antigo eu, fazia. Ela só deu um sorriso de leve e foi na minha frente acompanhada da secretária e alguns seguranças do prédio.

Estamos vendo, que dona Lurdes não é tão chata assim. Ou é só por um tempo? Espero que eu esteja certa.

Encontrei Geumjae sozinho, sentado à mesa que ficava próxima de uma janela da cafeteria. Não havia muita gente ali, mas foi fácil reconhecê-lo assim que pisei no local marcado. Ele me esperava enquanto saboreava um café em uma xícara, apto pra iniciar uma conversa tensa após o meu assento na cadeira da frente.

–– Quer pedir alguma coisa?

Reparei o como ele estava tranquilo.

–– Quero um frappuccino. –– Assim que respondi, ele olhou pro balcão e acenou brevemente pra ser atendido.

Eu não quis prestar atenção nesse detalhe, eu focava em estudar seu rosto e tentar adivinhar suas pretensões.

Depois de a garçonete ser informada do tipo de café que eu queria, Geumjae começou;

–– Qual é o seu nome mesmo?

–– Me chame de Luz.

–– Luz-ssi. Vocês estão namorando, certo? –– Balancei a cabeça que sim –– Se você voltar pra nossa realidade, como acha que o sósia do meu irmão reagiria? Você pensou nisso?

–– Eu não acho que era a minha realidade, eu acho que é essa. Eu acho que a minha consciência daqui foi para aquela realidade e acabou acreditando que era a minha vida. –– Vi arquejar de leve como se achasse isso idiotice.

–– E você se lembra perfeitamente como é sua vida nessa realidade?

–– Não –– Confessei.

–– Como pode ter essa certeza?

–– As coisas aconteceram tão de repente... –– Ele hesitou –– Como se eu tivesse criado uma realidade dentro da minha cabeça, coisas que eu queria que fosse real, como a vida dos meus pais e minha vida comum.

–– Então o que explica, nós dois, em realidade diferente sabendo desse fato?

Hesitei sem saber mais pronunciar. Eu estava começando a dar razão a ele, silenciosamente, porque literalmente fazia sentido nós dois sabermos disso tanto quanto os outros que foram comigo pra Coréia

Continuou;

–– Eu estava caminhando nas montanhas com meu irmão e meus pais. Era seu dia de folga e o convenci de caminhar comigo naquela noite. Mas talvez por estar escuro, que meu irmão se acidentou, caindo pra longe de mim. Quando fui pra salvá-lo, o encontrei desacordado. Talvez tenha batido cabeça e desmaiado, mas só então eu percebi que eu tinha entrado numa realidade diferente. Descobri naquele mesmo dia que nesta realidade, estávamos caminhando pela insistência da nossa mãe que queria que voltássemos a nos entender. Desde a morte do nosso pai nesta realidade, culpávamos um ao outro. Foi como se eu entrasse em uma versão do que podia ser se nós ou, nossos pais fizesse escolhas diferentes.

–– Um efeito.

–– Sim. –– A garçonete me trouxe o pedido e Geumjae continuou após ela se ausentar; –– Meu pai só morreu porque ele foi atropelado quando estava bêbado. Na minha realidade, ele escolheu se ocupar com o restaurante e foi deixando bebidas de lado. Aqui eu vejo que meu irmão seria um excelente jornalista se tivesse escolhido ser ao invés de fazer musicas. Por causa dessa escolha que aprendeu a tocar piano, mas aqui ele não tem talento pra isso, porque não escolheu arte.

–– Na minha realidade, meu biza-avô escolheu não voltar pra outro estado. Mas aqui ele voltou e agora seus herdeiros carregam sua herança que ele mesmo construiu em outra cidade. Eu estou vivendo o efeito das escolhas dos nossos pais ou avôs. E meus pais morreram em um acidente de carro.

–– E você sabe quando voltará pra nossa realidade?

–– Não –– respondi ao abaixar a cabeça, admitindo a verdade.

–– E como pretende lidar com o sósia do meu irmão?

–– Eu não quero esconder nada dele.

–– O que vai dizer, que você veio de outra realidade e vai embora a qualquer momento depois de ter o feito gostar de você? Após sua consciência ir embora, seu sósia continuará sendo como você? Acha que ele vai suportar isso? Você conseguiu roubar o coração dele, e agora você tem que reverter isso antes que seja tarde demais.

Hesitei preocupadíssima, porque eu nunca que iria querer ferir o coração de Min Yoongi, nem diversos Yoongis.

–– Um homem que se diz guardião, nos disse que tínhamos uma missão. –– Revelei após longos segundos de hesitações, quase o fazendo desistir do assunto.

–– Guardião?

–– Ele sabia que não éramos desta realidade, e todo confiante dizia que não estávamos no mundo dos mortos.

O vi suspirar lentamente por estar hesitante.

–– Uma pessoa apareceu na... na minha frente e disse que n... que eu não ficaria aqui por muito tempo.

–– E?

–– E... nada.

–– Nada? Não falou nada de missão ou dimensão?

–– Nada.

–– E como você saberia que ele seria o tipo de pessoa incomum?

–– Na hora pensava que era um louco e depois eu, quem estava louco. Mas agora que você disse sobre essa aparição incomum, agora penso que era algo.

–– Olhe, Geumjae... Eu não vou conseguir terminar com seu... Bom, com o sósia de seu irmão.

–– Óbvio que não. Eu sei disso.

–– Sabe?

–– Você é uma... Fã, uma army, não é? –– Sinuou como se apresentasse o óbvio. –– Porque uma fã persegue, uma fã pode se tornar obcecada quando tem o que quer.

–– Geum Jae. Eu posso ser fã ou uma army, mas eu não sou perseguidora. Não me compare com uma sasaeng. Eu amo o seu irmão sendo um jornalista ou sendo um idol. Eu gosto da pessoa em que ele é. Sinceramente gosto mais dele desta realidade que da nossa.

–– Deixe me fazer uma pergunta, Luz-ssi. –– quer minha permissão? –– Por acaso, se tornar namorada do sósia de meu irmão, faz parte da tal missão? –– Hesitei tristonha, porque eu sabia das minhas convicções. O meu silêncio foi sua resposta, sem conseguir olhá-lo. –– É claro que não –– entendeu –– Que universo ia querer que você ou quem for, seja namorada dele sendo isso como uma missão? Por que teria que ser logo você?

Eu não entendia esses argumentos como uma humilhação, ou um confronto, e sim um puxão de orelha pra me fazer acordar das minhas ilusões e cair na real. No fundo eu sabia que tinha razão, mas eu não podia admitir isso facilmente.

–– Mesmo assim, eu não posso romper tudo com ele. –– Finalmente voltei a olhá-lo –– Eu poderia ficar aqui com ele, escolhendo não voltar pra minha realidade.

–– Por quê? Porque a sua realidade é tão ruim assim? Por acaso ter pais, uma vida normal e comum, paz... É ruim?

–– Não foi isso que eu quis dizer.

–– Não seja egoísta, Luz. Esse é o meu conselho. Você tem que fazer escolhas. Ou melhor, você não tem escolha –– e finalmente se levantou, dando o fim a nossa conversa –– E peço desculpas por ter te tratado daquele jeito no nosso ultimo encontro. Eu peguei pesado quando fiquei nervoso. –– Devo mostrar minha compreensão? 

–– Mas vai ser a segunda vez que me deixa sozinha no fim da conversa. –– Pensando alto, no fundo relatando isso propositalmente. –– Tudo bem. Eu perdoo sua precipitação daquele dia. –– Também me levantei pronta pra ir embora –– E obrigado por termos uma conversa cautelosa. E dessa vez, eu saio primeiro. –– Despedi dele apenas com a reverência leve e levei comigo o frappuccino por sua conta, saindo de perto dele, indo diretamente pra rua. Finalmente sendo a minha vez de deixá-lo para trás.

Só que eu tive que dar meia volta. Não até ele, prometi que eu levaria um café pra minha avó. Que besta, fui me lembrar disso só depois de ter saído da cafeteria. Poderia ter sido um “pisão” no meu ego ao ter que entrar de novo.

[...]

Embora Geumjae esteja certo de tudo o que tem dito, eu não podia terminar com o meu amor. Eu não queria. Eu o amava tanto que no nosso próximo encontro – secreto – eu não o resisti e continuei olhando no fundo dos olhos dilatados dele como também estavam os meus. 

Eu só podia olhar pra ele sem conseguir me pronunciar sobre  que eu sentia por ele naquele momento. Era mágico. Conversávamos bastante e compartilhávamos sobre nosso dia-a-dia. Então em um momento me senti ousada de aproximar mais dele e cercar com meus braços o seu pescoço com a saudade de tocá-lo. Ele mostrava que permitia e gostava, porque queria fazer o mesmo comigo. Sem enrolação, selei meus lábios em toda parte de seu rosto causando um descontrole na batida do meu coração. E tinha momento que eu pensava estar sendo a errada de criar mais um cercado, uma barreira que me impedisse de contar toda a verdade, porque era a plena verdade de que eu iria embora a qualquer momento, mesmo não sabendo se estava cumprindo ou não uma missão desconhecida. Mas eu não me importava nada mais quando eu estava com Yoongi, eu já não me importava se ele era o sósia do meu Antares. A partir daquele momento, o considerei o meu Antares

Acredito que não temos um perfil pra fazer acontecer o tipo de amor... Agitado. Acho que pelo perfil que é o meu Antares, não tínhamos pressa, nem mesmo ansiedade pra realizar o que desejávamos no momento. O que eu quero dizer é que mesmo se amando demais, não nos preocupávamos quando ou onde nos tornaríamos amantes. Não era prazer que buscávamos, só queríamos ser amados verdadeiramente. 

Irresistivelmente mudamos de nível, passando a nos tornar como um doce vicioso. Não havia mais pensamentos negativos, tudo o que eu pensava era somente amá-lo, segurando firmemente seus ombros e o beijando sem parar, causando em minha barriga um tipo de energia quem eu chamaria de ansiedade, como se houvesse presença de borboletas buliçosas. 

E subimos mais o nível quando nossos corpos se juntaram selando uma única movimentação nos beijos. Seu perfume me deixava louca. E seus braços envolvendo em meus ombros faziam parte da intimidade que exercíamos. Como era magnífico sentir seus quentes beijos carinhosos em meu pescoço e em meus ombros como se ele não pudesse parar. E não posso descrever o como ele era único em me fazer única não podendo negá-lo de qualquer forma quando o sentia dentro de mim, atravessando o meu ponto fraco e deslizando cautelosamente pra frente e para trás com seu quadril como se eu fosse frágil. Eu pedia por mais e mais quando ousadamente eu acarinhava meus palmos sobre suas costas intencionalmente puxando contra mim. Eu precisava transformar a frase dos meus pensamentos em fala, dizendo a cada minuto o como eu o amava, mas eu não queria ser melosa.

Eu estava nos céus!

Semanas foram se passando e nos tornamos ainda mais íntimos até no ponto em realizarmos festas de beijos sobre invasão de água quente do chuveiro. Era impossível interromper aquele vicio de sentir seus lábios nos meus e escorregando sobre meu pescoço. A região dos meus ombros era prezada por ele, e todo o rosto dele era o meu favorito.

E mesmo molhados, não nos importamos de nos acomodar na cama, mesmo me deixando sentada sobre ele pra dá-lo a liberdade de acariciar minha nuca, levantando meus cabelos molhados e me derrubando pra baixo de si. Eu não via nada, eu só sentia, o sentia e não conseguia resistir a maneira que me deixava louca – louca por ele. Eu só podia sentir quando começava seu beijo apaixonado do meu ventre subindo até meu pescoço. E uma de suas mãos entrou em contato com a minha cocha e levantou com a minha ajuda no movimento, para então finalmente acontecer o mais esperado do momento, mesmo sendo o que eu havia me acostumado, adentrando-me para sermos um só. 

££

Geumjae sempre soube que nunca tentei terminar com seu irmão, mas ele também não podia interferir nas minhas escolhas nem mesmo a escolha do meu Antares. E justamente por isso que surgia um clima tenso entre a gente, até mesmo deixando Yoongi confuso. Então para que houvesse um clima de paz entre a gente, mesmo não sabendo dos motivos, o jornalista nos convidou pra jantarmos em sua casa, nós três, compartilhando uma refeição, juntos, pela primeira vez. 

Eu havia aprendido a fazer um prato e eu queria cozinhar esse prato pra provar a Geumjae que eu podia me virar com o sósia do irmão dele, - vou dizer diretamente “irmão dele” - isso se eu conseguir ficar naquela realidade entre escolhas.

E enquanto Yoongi ligava a TV, seu irmão Geum se aproximou do fogão onde eu estava.

–– Até quando vai continuar com isso? –– Cochichou.

–– Eu fiz a minha escolha de ficar aqui.

–– E se não houver escolhas? Porque eu creio que você não veio pra essa realidade porque tinha escolha.

Ai, droga! Me deixe em paz Min Geum Jae!

E no meio do nosso silêncio, Geumjae notou um meu pequeno erro.

–– Não se usa esse tempero primeiro. É aquele! –– Apontou –– Da diferença no paladar.

–– Está me dando dicas ou tem um propósito de fazer esse prato falhar?

–– Eu sou filho de cozinheiros, não lembra?

Eu queria dizer umas boas pra ele, mas Yoongi se aproximou.

–– Ei hyung, a deixe cozinhar do jeito dela. –– Brincou.

–– Eu só estava assegurando de que o prato não fique salgado demais –– Também brincou.

Eu não achava graça nenhuma, mas eu tive que fingir estar fazendo parte da piada.

€€

Essas semanas que se passaram, eu fazia o noivado ser congelado e treinava mais artes marciais. Além disso, eu havia começado a dar continuação na investigação sobre o acidente de meus pais. Samuel ainda não foi embora do país, nem mesmo Felipe, Gabriele e Lucas, o mesmo que acreditava que não podíamos nos separar por causa da tal “missão”. Ele continuava sendo único a acreditar que somos mesmo de outras realidades e que realmente tínhamos um propósito a cumprir. 

E lembrando de que eu podia tentar descobrir sobre aquele homem que ameaçou a vida do meu Antares, fui-me ao prédio em que meu namorado trabalhava pra saber se ali havia alguma informação que me favorecesse. Aquele homem mencionou sobre Yoongi ter destruído sua vida.

Seus colegas sabiam quem eu era, mas eu não podia revelar que eu na verdade era a namorada, mas uma amiga que o conheceu por termos uma amizade em comum. Sempre que penso em revelar, ouço a voz do Geumjae na minha mente: “Não quero que meu irmão sofra com suas atitudes infantis, ele não merece passar por constrangimento em público” ele é realmente um irmão protetor.

E na conversa com os colegas, descobri o nome do sujeito no qual Yoongi se envolveu. Na verdade aquele homem estava sendo punido pelas denuncias que o jornalista Min fizera e publicara contra ele, por ilicitude. Eu queria aprofundar mais nessa investigação, mas eu não podia me envolver, eu não podia arriscar mais a vida do Yoon. Eu podia ter feito essa escolha certa, mas eu fui dar uma de Mia Smoak e fui atrás dele até encontrá-lo e quase colocar todos os meus planos por água abaixo. 

Não pensei cinco vezes, antes de tomar providencias errada, uma atitude que escolhi esconder do meu amor.

€€

Eu estava pra ir a casa do Yoongi no fim da tarde, no fim do horário de nosso trabalho pra sairmos com nossos amigos, mas quando toquei campainha de seu apartamento, ele não me atendeu. Ele disse que me esperaria em casa porque eu estava a caminho, então não tinha motivo pra sair por um instante. E se tivesse saído, deixaria um recado. O chamei e toquei varias vezes a campainha, mas ainda não tive respostas. 

Então fiz uma coisa que nunca precisei – que foi de invadir seu apartamento. Eu sabia de sua senha, pois ele me passou pra quando eu quiser sempre vê-lo ou passar a noite com ele. Quando digitei a senha e entrei, vi sua casa revirada. Isso não foi o que mais me assustou, porque quando o vi desacordado no chão e ferido, eu me desesperei.

–– Yoongi-ah! Yoongi-ah! –– o chamei até acordá-lo, o que além de mostrar estar com corpo dolorido, quis entender o que havia acontecido.

–– O que aconteceu?

–– Eu não sei, te encontrei assim. –– Ele reparou na bagunça da casa e continuou sem entender. –– O que houve? Você está muito machucado. Foi agredido?

–– Um homem apareceu e... fui seu alvo. Que bom que chegou só agora, se tivesse aqui eu não saberia o que podia acontecer com você.

O abracei, aliviada de vê-lo bem, pelo menos.

[...]

Aproximei-me dele e sentei ao seu lado no mesmo assento do sofá, com caixa de primeiros socorros em mãos. Ele havia me mostrado onde se encontrava a caixa enquanto me esperava na sala. Eu precisava tratar daquelas feridas de punhos em seu rosto. Comecei aplicando o medicamento parecido com mertiolate na maçã do rosto, depois, apliquei pomada cicatrizante e cobri com band-aid.

–– Você sabe quem fez isso?

–– Não. Foi tudo muito rápido.

–– E pela bagunça, parecia procurar alguma coisa.

–– Mas não faço ideia do que seja. Talvez tenham entrado no apartamento errado.

–– E se isso é coisa daquele homem que te ameaçou?

–– Depois que ele saiu da prisão, aquele dia foi a única vez que ele me encontrou, por que ele iria fazer isso depois de meses?

–– É... Não tem sentido isso.

–– Não quero pensar nisso. E acho melhor eu não sair hoje. –– Entendo, não estava bem pra sair.

–– Quer que eu te ajude?

Ele hesitou como se tudo dependesse de sua resposta. Logo em seguida, estudou meu rosto como se fossem duas coisas ao mesmo tempo: como se me admirasse e como se sentisse arrependido, o que eu não podia compreender. Enquanto quieto, mostrou-se não resistir em esperar; brevemente aproximou seu rosto e seu palmo em minha nuca e me beijou como forma de me compensar pelos meus cuidados ou me agradecer. Eu não queria parar, eu queria ser o tipo de namorada que tinha liberdade de grudar nele, mas sempre me lembrava que não era sempre que eu podia, até porque eu não queria enjoá-lo. Eu não havia feito esse tipo de pergunta, mas desde que o conheci, ele tem se mostrado ser semelhante ao Yoongi da minha realidade, o que porventura acreditei que preferisse mulheres não grudentas.

–– Vamos arrumar as coisas –– Disse, após necessariamente interromper o beijo que ele tanto queria continuar. Ele sorriu como se admitisse a minha razão.

–– Hum. Ok.

[...]

Passou alguns dias quando Yoongi me pediu pra eu lhe fazer companhia naquela noite. Estava fazendo mais de duas semanas desde a ultima vez que dormi ao seu lado, então aceitei e jantamos juntos. Já que foi ele quem cozinhou, fui lavar as louças. Ele estava mais cansado, então já foi ao banho enquanto organizava a pia. 

Eu estava me sentindo feliz porque era aquele tipo de vida que eu queria. Admito que eu queria viver uma vida perfeita relacionado a duas realidades; ele e eu mesmo naquela “terra dois” com meus pais vivos como na “terra um”, mas eu sei que era apenas uma fantasia. Nem tudo o que queremos, podemos ter, mas eu estava muito satisfeita com a permissão do destino em amá-lo e ser amada. Prometemos não esconder nada do outro, isso desde quando surgiu aquele jornal que relatou um noivado entre Samuel e eu. Com tempo iríamos lidar com isso, mas estranhamente ele pediu pra que nosso relacionamento continuasse em segredo da família. Talvez tivesse idéias melhores que a minha. Mas tinha mais uma coisa que eu não podia contar, não podia compartilhar com ele; pois se tratava de um assunto dele que eu não deveria ter me envolvido. Já arrisquei a minha vida por conta dessa obsessão em resolver com as próprias mãos e por causa disso, me machuquei muito. Se eu fosse mais louca, eu seria como uma vigilante noturna.

Então a primeira musica que veio a mente, relacionado a minha felicidade, foi uma famosa melodia que o considerei única na minha vida. Eu tinha noção das distintas realidades, mas ainda sim queria acreditar nas invenções da minha cabeça. Naquele momento, eu pensava no So Far Away e não o Confession, a nossa musica que ele mesmo adotou, só essa canção que não existia na minha realidade. Nam Taehyun compôs como se soubesse da existência de um amor entre Yoongi e eu.

Então fui cantarolar no tom baixo sem intenção de ser ouvida pra surgir pensamentos de como cantava mal.

–– So faaar away... naegedo kkumi idamyeon, naegedo kkumi idamyeon. Don’t fall away... naegedo kkumi idamyeon. Humm... humm... hummmmmmm. First Love... First Love...

 

££

Encontrei-o na cozinha depois de ter me levantado e ido fazer o básico em que acho que toda pessoa tem obrigação de fazer. Ah, qual é?! Eu gosto de estar cheirosa e de bom hálito também, quem não gosta?

Yoongi estava distraído com algo que pensava ao invés de terminar de fazer o café da manhã. Tudo bem não ser a refeição que não tenho costume de digerir, como arroz, omelete e algas, mas já que é ele quem está cozinhando para nós, eu como com bom gosto.

–– Levantou cedo –– Falei, mas ele pareceu não se importar em ver meu rosto. Me aproximei e beijei seu rosto com liberdade de amá-lo e acariciá-lo, mas ele não disse nada, na verdade não me correspondeu, mas também não recusou. –– O que foi com você?

Ele parece triste e, desapontado com alguma coisa.

–– Você está me escondendo alguma coisa, não é Luz? –– Olhou para mim, bem sério, uma maneira que me deixa travada –– Está sim, eu sei. Por que está fazendo isso comigo?

 

ѺѺѺ

 

_ Luz Off _

 

Dona Lurdes estava ocupada cuidando pessoalmente de seus papeis em um escritório alugado, que tratava de seus negócios brasileiros, e por conta disso, pediu pra que sua secretária preparasse seu próximo voo de volta ao seu país natal. Mas um inesperado pedido de visita surgiu, sua secretária foi informada de que um sujeito coreano e desconhecido tinha assuntos de seus interesses. Lurdes não queria receber ninguém, mas um assunto chamado “sua neta e um jornalista” chamou sua atenção, despertando uma curiosidade. 

–– Mande-o entrar –– Pediu ela, decidida.

O convidado entrou e finalmente deu as caras para tentar fazer um acordo, ou uma nova aliança que podia favorecê-la. Mas ele não foi o único que apareceu, ele estava acompanhado por uma mulher que se apresentou como sua tradutora.

–– Pois me diga, jovem rapaz. Quem é você?

Após ouvir uma tradução, se revelou;

–– Me chamo Min Geum Jae. Eu sou irmão mais velho de Min Yoongi. O jornalista com quem sua neta está namorando.

–– E o que veio fazer aqui na sala de uma mulher ocupada?

–– Presumo que a senhora não aceita o novo relacionamento de sua neta com o jornalista, então vim dar o meu total apoio pra que esse namoro não continue.

–– E por que eu deveria confiar no irmão do jovem jornalista?

–– Porque eu sei o que é melhor pro meu irmão e também não aprovo as escolhas desses jovens. Porque se eles continuarem, as coisas vão dar erradas e não é isso que o destino quer.

–– Destino? Acho que esses jovens acreditam que esse relacionamento é coisa do destino.

–– São ingênuos.

Impressionada, arqueia sobrancelhas.

–– Hum, gostei desse garoto. E não traduza isso, por favor. –– Interessada no assunto, se levantou da cadeira –– O que você propõe?

–– Que não cancele o noivado. E então eu farei a minha parte. 

 


Notas Finais


Eae, o que acharam?Ainda vou mostrar o que a Luz fez quando foi procurar por aquele homem que ameaçou Yg (vamos precisar ter um pouco de ação, não é?)

Comentem! >.< Teorias, venha compartilhar.

Nova OST YoongixLuz que ele escolheu pra você (a musica que só existe na realidade 2) Essa é a musica que o Suga tava falando pro Jin sem se lembrar dela.
https://youtu.be/ATMKkZKgBYg

Tentarei att na quinta da semana que vem, pois talvez irei a fazenda na sexta :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...