1. Spirit Fanfics >
  2. A parte mais doce do destino >
  3. Crystal Snow

História A parte mais doce do destino - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


*O dorama referido no capítulo é Holo, my Love e está disponível na Netflix. 💖

Capítulo 11 - Crystal Snow


Fanfic / Fanfiction A parte mais doce do destino - Capítulo 11 - Crystal Snow

[YOONGI ON]

Chega de perder tempo, eu pensei fechando a mochila. Levantei e me preparei para entrar na banheira. No mesmo instante bateram na porta. Era o rapaz da recepção trazendo bebidas e comidas...

Desculpe o incomodo. Foi o sr. Hoseok que pediu para entregar isto, disse o rapaz empurrando o carrinho para dentro do quarto.

Parece que Hoseok estava adivinhando meu pensamento. Preparei um coquitel com várias daquelas bebidas que estavam ali, à nossa disposiçao e levei uma taça para mim e outra para Ellie.

Entreguei-a a dela e apoiei a minha na beirada da banheira. Deixei o roupão caido no chão e entrei. A água quentinha fazia eu me sentir ainda mais confortável naquele lugar.

Ellie, que esta seja a nossa primeira noite com uma vista tão linda. Cheers. Eu disse erguendo a taça. Ela sorriu, tocou a taça na minha e virou. Sim, ela virou a taça inteira de uma vez só.

Tomei um gole e coloquei as duas taças no chão. Eu queria fazer aquela noite ser perfeitamente inesquecível.

Coloquei-a em meu colo e de frente pra mim.

Você sabia que é linda? Eu disse arrumando alguns fios de cabelo que se soltaram do coque e estavam atrapalhando a sua visão. Cada fiozinho de cabelo seu é especial para mim, Ellie.

Ela sorria sem parar.

Hummm, acho que assim você vai ter dores nos lábios, pare de sorrir. Eu disse brincando.

Ela ainda sorrindo disse que não conseguia e eu achei por bem ajudá-la. Beijei-lhe demoradamente enquanto acariciava as suas costas que pela primeira vez podia tocar

Ellie se entregava a cada mordida, beijo, chupão que eu dava. Ela me olhava com cara de quem estava pronta para fazer o que eu sugerisse mas eu não queria apressar tanto as coisas.

Sabe Ellie, nós não temos pressa. Podemos curtir cada minuto sem correria ... A nossa primeira vez pode durar dias, se nós quisermos.

Yoongi, você já fez isso antes?

Hum... Senti a timidez me pegar. Essa pergunta me colocava em má situação porque ela iria descobrir que é muito mais experiente que eu.

É... Quando eu ia falar a verdade ela me calou dizendo:

Eu já fiz muitas coisas, eu sou curiosa nesse assunto mas sempre sozinha, eu nunca tive ninguém.

Respirei aliviado. Eu também não... E não sou tão curioso como você, mas sim, já experimentei algumas coisas... Vamos aprender juntos então!

Agora era ela quem me beijava e fazia excitar ainda mais. Delicamente abri o fecho do seu sutiã e pude admirar os seus seios pela primeira vez. Eram lindos. Duas pequeninas peras que cabiam certinho em minhas mãos.

Assim ficamos até perdemos a hora. A noite caiu, o chuva cessou, o frio chegou com mais força.

Ellie, vamos para a cama? Eu convidei e ela fez que sim com a cabeça.

Tiramos aquelas roupas íntimas que estavam molhadas e nos deitamos do jeito que estávamos. Enquanto eu massageava o corpo dela, ela fazia o mesmo no meu, como se refletisse as minhas atitudes. Com carinho meus dedos encontraram o seu sexo e aos poucos fui sentindo que Ellie estava ficando molhada. Era isso que eu queria, despertar nela o mesmo desejo que eu sentia. Coloquei-a de lado e penetrei somente um pedacinho. Ela sorriu, gemeu baixinho e me segurou nos cabelos, por trás da minha cabeça.

Ellie, hoje vamos dormir assim. Não quero te machucar, a cada dia vamos fazer um pouquinho e quando você menos esperar, estarei todinho dentro de você! Ela gostou de ouvir aquilo, respirou fundo, talvez aliviada e se aninhou no meu colo. Logo depois, dormimos até o dia amanhecer.

[LUNNA ON]

Sentindo o coração dilacerado eu fui para casa. Hoseok não havia trocado mais que três palavras comigo hoje, Yoongi e Ellie não apareceram, tinham horas sobrando e decidiram folgar. Por sorte amanhã é sábado. Eu não aguentaria outro dia como este que passou.

Tomei um banho e fiz um café amargo. Da minha varandinha eu via a chuva caindo e a vida das pessoas que seguiam animadas para o final de semana. Ouvi o celular vibrando na mesinha da sala, era Si-Won. Rejeitei sua chamada algumas vezes mas depois de muita insistência, eu atendi.

Lunna, te vi na escola hoje, sei que estava mal. Abra a porta, quero te falar uma coisa.

Abri a porta do jeito que estava, descabelada, com roupas de ficar em casa e sem maquiagem. Si-Won partiu pra cima de mim. Ele me colocou contra a estante de livros da sala, segurou-me no pescoço e me beijou com fervor.

SI-WON? Eu disse o afastando.

Calma, eu só quero saber uma coisa.

E o que é? Eu perguntei sem paciência.

Pera. Deixe-me testar mais umas vez, confie em mim e aproveite o momento. Ele disse me beijando mais uma vez.

E ai, sentiu alguma coisa?

Ham?

Por mim, sentiu alguma coisa me beijando?!

N-é-não, eu respondi sem olhar em seus olhos.

Lunna, olhe para mim, ele pediu segurando o meu queixo. Você sabe o que isso quer dizer?

Não!? Eu perguntei sem muita certeza.

Quer dizer que o amor que sentia por mim, mudou. A atração que eu tinha por você, também e então podemos voltar a ser amigos. Agora vamos pedir um hamburguer e conversar, quero saber o porquê dessa carinha tão triste.

Si-Won pegou o celular e pediu um lanche, enquanto isso, eu servia um café para ele.

Como ele percebeu que eu não ia começar a falar tão cedo, decidiu contar um pouco da sua vida na Europa. Contou que conheceu Jully e que ela viria visitá-lo em algum feriado. Notei que entre eles havia alguma coisa. Aos poucos comecei a me soltar. Si-Won parecia agora com aquele menino que conheci quando eu era uma estudante. De repente ele se levantou e disse assim:

Essa semana assistindo a um dorama ouvi a seguinte frase "Ter alguém na vida é um fardo perfeito!" Pense nisso, se você gosta tanto desse cara ao ponto de passar o dia sem trocar uma palavra, sem comer, sem sorrir, corre atrás dele. As vezes as paixões são platônicas porque o outro lado não fica nem sabendo...

Depois que tudo der certo, me conta. Agora to indo, bye!

Naquela noite fui dormir fazendo grandes planos para o sábado! Acordei pronta para arrasar. Fiz massagem no cabelo, unhas dos pés e das mãos. Saí e comprei uma roupa nova, me preparei para o que eu queria fazer. Comprei um ursinho que mais parecia um cavalinho, azul e lilás e anexei um bilhetinho:

Jung Hoseok, podemos recomeçar. O que acha de sairmos hoje? Um jantar? Cinema? O que quer fazer. Sinto sua falta, com amor, Lunna.

Pedi à loja que entregasse em casa e aguardei a sua ligação. Deu 18h, 19h, 20h, 21h (...) e nada, ele estava me ignorando.

Sem nenhum sinal de vida de Hoseok, passei o resto do sábado e o domingo deitada. Eu comi pipoca, sorvete, sopa, bolo, (...) Eu só fiz isso o dia todo. Até que saltei com o telefone vibrando:

Alô!?

Lunna, amanhã te pego em casa, você está proibida de passar mais um dia naquela escola com cara de bunda. Até.

Era o Si-Won. Eu nem queria ir e ele marcando de me buscar, que droga.

[YOONGI ON]

No dia seguinte acordei e fiquei admirando Ellie dormir. Ela estava toda descabelada, com os braços pra cima, numa posição feia, mas estava estranhamente linda! Como poderia isso acontecer? Levantei sem fazer barulho e fui fazer nosso café, coloquei tudo numa bandeja e chamei Ellie.

Chega de preguiça, vamos acordar Ellie. Incrivelmente eu acordei primeiro, geralmente eu sou o preguiçoso mas hoje eu tinha um ânimo a mais. Ainda sonada ela me olhava e sorria.

O que é? Ela perguntou.

Anda... vamos tirar o dia de folga mas não vamos ficar aqui. Eu vi no jornal que vai nevar. Temos que ir na sua casa, colocar roupas quentinhas e ir para o lugar mais romantico que você já viu... Palli. Não faça perguntas, apenas venha tomar um banho comigo! 

Owwwnn seu fofo, Ellie disse enquanto rapidamente devorava o seu café e me seguia até o chuveiro.

[HOSEOK ON]

O sábado chegou e eu sabia que se ficasse em casa iria acabar cedendo à Lunna. Mas eu não podia, ela precisava entender que eu tenho sentimentos. Ela precisava também aceitar os seus sentimentos, então eu fiz uma mochila, me agasalhei e coloquei-a nas costas. Fui para a rodoviária e tomei um trem para o interior. Não era para tirar fotos de pessoas apaixonadas? Entao é isso que eu vou fazer.

Cheguei na cidade umas 2 horas depois, desliguei o meu celular e encontrei um lugar para dormir. Por sorte estava rolando o festival "Cheery Blossom" onde as Cerejeiras fazem nevar as suas flores. Esta era a oportunidade excelente para a ocasião que eu precisava.

Fotografei idosos, casais de jovens, crianças brincando, pessoas admirando as flores... eu queria que Lunna estivesse ali comigo, e como queria! Mas eu não podia encontrá-la, não agora! Eu vi num programa de autoajuda da televisão que isso é parte do processo para a ver reconhecer os seus sentimentos.

Dormi o domingo todo! Um processo de hibernação para não pensar na solidão. Essa parecia a minha antiga vida, quando meus pais não estavam em casa e eu ficava sozinho constantemente. A noite, arrumei a minha mochila e me programei para ir direto para a escola no dia seguinte, sem passar em casa. E assim eu fiz!

Ao entrar no portão, que desagradável! Lunna vinha andando de braços dados com Si-Won. Eu quis vomitar. Corri para a minha sala para não precisar ver aqueles dois juntos. Yoongi que sorria de orelha a orelha sozinho enquanto roia as unhas não podia disfarçar a delicia de final de semana que devem ter tido. Ainda mais que eles ficaram juntos desde a quinta-feira. UUUAHHHH como é bom vê-lo assim, feliz!

No intervalo nos falamos rapidamente, ele apenas me abraçou! Aquele abraço disse mais do que mil palavras e eu respondi dizendo que não tinha nada para me agradecer. Eu queria mesmo é que ele fosse feliz com Ellie!

Chegou a hora do almoço e eu nem fiquei no refeitório, não aguentava sentar longe dela, não queria sentar perto dela também,  tudo era difícil! De longe eu a vi com Si-Won, ela ria de jogar a cabeça para trás e eu me sentia um IDIOTA por ter pensando que ela ia sentir a minha falta. Peguei meu almoço e fui para a sala de trabalho, era lá que eu ia comer.

Finalmente dei carga no celular e consegui ligá-lo. Recebi inumeras chamadas perdidas de Lunna. HUM! EU não atendi e ela nem se preocupou, em vez disso, quis foi me substituir.... eu pensei. Ela entrou na sala, deu boa tarde. Respondi com um olhar carinhoso por trás do computador, eu não podia maltratá-la, ai era demais pra mim! Não nos falamos mais que isso... Lunna deu uma risada de nariz quando recebeu uma mensagem no celular. Ela saiu para ir ao banheiro e eu não aguentei, fui olhar, era uma foto ridícula de Si-Won. Até eu ri. Aishhh.

Quando ela voltou para a sala eu comecei a tagarelar, totalmente fora do que eu tinha treinado!

Do que você tanto ri?

Não sentiu a minha falta?

Não se preocupou comigo? Ah esquece, eu disse, pegando a minha mochila e indo embora antes do horário!

Caminhei as pressas para casa. Eu queria esquecer tudo o que estava vivendo, eu me sentia péssimo. Quando entrei no prédio, senhor Lee me entregou um embrulho que chegara no sábado. Enquanto subia os 11 andares eu fui abrindo o embrulho. Era um cavalinho, ele até parecia comigo e junto dele, uma cartinha. Através do elevador panorâmico eu via a neve cair lá fora. Eu li a carta, vi a neve e apertei o térreo. Eu tinha algo para resolver e não era dentro de casa...

Como a neve se esconde, lembro do que você me deu

Você me deu a coragem de viver

Nós nos conhecemos há muito tempo

Então, agora, como fazemos? Você pode fazer funcionar?

Este amor frágil

O mundo se move mais rápido do que pensávamos

Como vamos mudar?

Ainda não sabemos

Mas com certeza vamos




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...