História A Pele do Pecado - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Ansiedade, Bangtan Boys, Bottom!jungkook, Bts, Jikook, Tatuagem, Top!jimin
Visualizações 2.805
Palavras 24.178
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoal! Vejam quem voltou com mais uma história pervertida, porém emocionante e intensa... Espero rsrs. Quero agradecer a @Ruchiaa por ter doado o plot para o Busan City! Eu amei escrever essa história e nada disso teria acontecido sem eles! Estou realmente satisfeita com o resultado! Eu quase não peguei a ideia por estar insegura, mas fico feliz que tentei! Não me arrependo nadinha!

Enfim, boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo único - Intensos


Suas mãos suavam.

O jovem garoto, de fios escuros e contendo sorriso dócil, encontrava-se totalmente nervoso e deveras ansioso, sentimentos esses que o faziam agir da forma mais formal e educada que conseguia e que ele não gostava nem um pouco.

Mas não era culpa sua.

Afinal era sua primeira vez entrando nesse ramo. Seu primeiro trabalho e com grandes chances de dar errado. Isso o assustava, pois sabia a responsabilidade que tinha. Não que ele fosse um grande médico com vidas em suas mãos ou um bombeiro que tem a responsabilidade de manter todos a salvo, mas tinha o poder de marcar para sempre algo em alguém e não poderia errar no traço definitivo.

Para começar bem o seu dia, estava um pouco atrasado. Atrasado em seu primeiro dia de trabalho, uma ótima primeira impressão para um início. Por isso podia-se ver um garoto, trajando um moletom preto, calça jeans rasgada e timberlands de cor bege, correndo afoito pela calçada, carregando consigo uma pequena maleta com objetos que talvez fosse precisar.

Estava ofegante, seus pulmões queimando pelo esforço físico, e sentia o calor o atingir por causa das roupas, mesmo que estivesse frio naquela manhã. Passava entre pessoas que andavam calmamente, pedindo desculpas pelos esbarrões que às vezes acabava dando em alguns.

— Merda, merda, merda! — Proferia baixo ao que observava o horário em seu celular.

Realmente, seu dia havia começado ótimo.

[...]

Jimin suspirou mais uma vez.

O barulho dos carros, as buzinas incessantes, as pessoas passando por si e os passos ao seu redor, nada disso conseguia tirá-lo de seus pensamentos, tendo sua mente dividida entre duas escolhas difíceis, entre fazer ou não.

Estava parado em frente a um estabelecimento com a aparência rústica e com um toque ainda sim moderno, tendo grandes janelas de vidro para que todos que passassem pudessem visualizar ali dentro, vendo como o local era adornado por lindos desenhos bem trabalhados e grandes letras com o nome do local.

Encarou ainda duvidoso.

Observou mais um pouco, notando ter dois sofás encostados ao lado da parede. Logo abaixo havia um grande e aparentemente fofo tapete sob uma mesinha de centro totalmente de vidro. Ao lado oposto havia um balcão simples, onde um homem estava distraído com alguma coisa que passava em seu celular.

Aparentemente o movimento era pouco de manhã.

Respirou fundo mais uma vez, mordendo o lábio inferior logo após, para que assim tomasse a devida coragem de empurrar a porta de vidro do local; porém, antes que pudesse fazer tal coisa, acabou trombando sem querer com um garoto poucos centímetros mais alto que si, este que parecia estar apressado para algo, por isso esbarrara em si e entrara sem mesmo pedir licença ou esperar.

— Desculpe!

Foi a única coisa que ele proferiu antes de fazer uma rápida reverência e entrar no local, sem nem ao menos olhar para seu rosto. Talvez tivesse alguma hora marcada e por isso deveria estar atrasado para sua sessão.

Não sabia o certo, apenas que teria que parar de pensar e entrar logo.

Assim que finalmente atravessou as portas de vidro pode ouvir novamente o suave tilintar e, logo após, o recepcionista levantar minimamente o rosto em sua direção, mas foi por breves segundos. Olhou ao redor, vendo o vulto do garoto desaparecer aos fundos com certa rapidez e isso só aumentou a certeza de que ele também iria fazer tatuagens.

Sentia-se aliviado, afinal não seria o único, era o que pensava.

Caminhou a passos curtos até o garoto que parecia totalmente normal, vendo que não possuía tatuagens visíveis, mas ainda sim havia alargadores pequenos em suas orelhas e alguns anéis em seus dedos. Não usava nada muito extravagante, apenas uma roupa casual e de pouca visibilidade por conta do alto balcão em que estava escorado logo atrás.

— Hm — Murmurou ao aproximar-se — Olá? — Arriscou chamá-lo, pois não tinha a confiança de que ele daria atenção a si caso esperasse uma iniciativa.

Notou como o outro desligava o celular e por fim olhava para si, percorrendo os seus olhos por cada parte de sua face, como se o analisasse da cabeça aos pés e tentasse adivinhar se estaria ali não por vontade própria ou porque simplesmente gostaria mesmo de marcar algo em seu corpo. Era nítido o fato de que Jimin estava nervoso, mas mesmo assim tentou soltar um sorriso decente e amigável.

— Tem hora marcada? — Indagou de forma direta, apoiando o cotovelo no balcão e assim dando sustento para seu rosto que continha uma expressão nítida de tédio e o que menos queria era estar ali.

— Ah... Não — Respondera com um suspiro. Não havia marcado nada, na verdade, nem havia uma plena certeza de que faria essa loucura. — Eu ainda não tenho certeza do que quero — Explicou ao mesmo tempo em que gesticulava, mas não que fosse algo que condizia com o que estava falando — E...

— Sei. — Corto-o com um arquear da sobrancelha e um sorrisinho divertido — Temos muitos de você por aqui. — Continuou e Jimin apenas franziu o cenho para aquela breve fala — Sabe, é normal pessoas que nunca fizeram tatuagens antes virem se informar ou falar com o tatuador para escolher algo que combine ou seja do seu agrado.

— Ah, sim — Sentia-se um bobo por dizer algo tão insignificante, mas realmente não tinha o que comentar nesse momento — Então...

— Você pode seguir para aquela sala ali — Apontou com um suave movimento da cabeça — Ele é novato, mas parece ser bom no traço.

Não sabia ao certo o porquê de aquele sorriso aumentar até mesmo de um modo sugestivo, mas resolvera não contestar muito. Olhou por cima do ombro a procura de onde seria a porta da tal sala e, assim que a encontrou, soltou um rápido “obrigado” ao mesmo tempo em que se virava e por fim seguia em direção ao local.

Seu coração batia de forma rápida, mas ainda sim se acalmava aos poucos.

Suspirou baixo, dizendo a si mesmo que não deveria se preocupar e que poderia mudar de opinião caso não desse certo ou não gostasse, ou seja, não era obrigado a fazer naquele exato dia e saber disso o deixava mais tranquilo.

Ao que andava seus olhos analisavam aquela parte do local, notando um grande espelho logo à frente decorado por flores que não sabia dizer se eram reais ou não, mas eram lindas e delicadas. Resolvera parar por um instante para analisar-se, saber como estava sua situação atual, embora não precisasse de tamanha vaidade naquela ocasião.

Suspirou mais uma vez, estancando de frente a porta e prendendo a respiração por um alguns segundos. Ali, dentro daquela sala, tudo era muito bem iluminado e era tão decorado quando a parte de fora. No primeiro momento não visualizou ninguém, o que o fez franzir o cenho por um instante, mas apenas dar de leve com os ombros e por fim entrar completamente no local.

Não saberia explicar exatamente o que viu.

Havia grandes bancadas, mas não reconhecia aqueles instrumentos diversos que havia ali, apenas as tintas e as cores vivas que mostravam pelo pote transparente. Já no meio do local havia um tipo de maca ou cama, onde obviamente seria ali que iria se sentar ou deitar caso concordasse em fazer a tal tatuagem e, logo ao lado, havia uma cadeira para o tatuador. Ambos os objetos eram pretos, acompanhados de uma pequena luminária ao lado para que pudesse enxergar melhor o trabalho feito na pele.

Suspirou mais uma vez, mas este fora de admiração.

Assim que seus olhos pousaram nas paredes, não deixaram de arregalar minimamente e seus lábios entreabrirem com uma expressão surpresa. Todo o local era enfeitado por grandes e lindos quadros, cada um com um desenho deslumbrante, cheio de cores vivas e detalhes minimalistas, onde continham as mais diversas imagens, sejam de animais, plantas ou até mesmo pessoas.

Não se conteve a vontade de girar lentamente em torno de si próprio, percorrendo com os olhos ao ter o único objetivo de gravar bem em sua mente.

— Gostou?  — Seu corpo deu um leve sobressalto assim que uma voz proferiu exatamente atrás de si.

Como não esperava a presença repentina acabou por virar abruptamente em direção ao som, um giro rápido e totalmente instintivo, acabando por dar literalmente de cara com um garoto sorridente e com um rosto jovial.

— Ah... — Proferiu sem jeito, sem reação além de pura surpresa, pois seus pensamentos não processavam devidamente — Sim, são lindos.

— Eu te assustei? — Coçou um pouco a nuca, assim demonstrado estar um tanto acanhado — Desculpe — Riu — Estava na parte dos fundos, preparando algumas tintas. — Explicou ao mesmo tempo em que se virava de costas para si — Bom, a respeito dos desenhos, pedi para que colocassem alguns dos meus trabalhos. — Observou como o mesmo arrumava alguns objetos sobre uma pequena mesa ao lado da cadeira fofa — Acho que isso passa um pouco de confiança no trabalho. — Riu um pouquinho — Consegui? — Indagou divertido.

— Já estou impressionado — Resolvera retribuir o sorriso, querendo passar um pouco de confiança ao jovem.

— Sabe, cheguei atrasado hoje, então estou um pouco atrapalhado — Olhou por cima do ombro — E, ah, me desculpe se eu estiver falando demais... — inclinou-se minimamente em direção ao mais baixo — Eu estou falando demais? — Indagou realmente preocupado, pois não queria ser um chato e afugentar seu primeiro cliente.

Tombou suavemente a cabeça para o lado, realmente curioso pela resposta, e Jimin quase sorriu para aquela ação um tanto quanto fofa, mas, antes que pudesse fazer tal coisa, passar esses poucos segundos o encarando fez sua ficha cair.

— Ah! — Soltou surpreso, entreabrindo os lábios, acabando por chamar totalmente a atenção do garoto para si, este que piscou os olhos uma vez por pura confusão — Foi você que esbarrou em mim na porta — Relembrou-se agora enfim se recordando do rosto.

O garoto acabou por encarar mais um pouco, digerindo aquela informação, expressando claramente dúvida em sua expressão. Só após buscar tal cena em suas memórias que logo após arqueou ambas as sobrancelhas.

— Oh! Desculpe-me! — Proferiu rápido ao mesmo tempo em que se endireitava devidamente e por fim curvava-se em uma reverência — Não fiz por querer! Estava tão apressado que nem ao menos parei para olhá-lo. — Confessar tal coisa o fez ficar encabulado, pois praticamente ignorara a existência do garoto por culpa de sua correria.

— Ah, tudo bem! — Achou incomum toda aquela educação, mas não que fosse ruim. — Está escolhendo uma tatuagem também? — Indagou tentando puxar algum assunto e ao mesmo tempo tirar as suas dúvidas, podendo ver nitidamente o outro piscar algumas vezes os olhos, parecendo atônico, e logo após sorrir.

— Se for para ajudar — Respondera risonho — Prazer, sou Jeon Jeongguk, vinte anos, ao seu dispor — Brincou.

— Você é o tatuador? — Agora fora si que piscou algumas vezes, mostrando-se totalmente surpreso, fazendo com que o outro sorrisse um pouquinho mais.

— Sim — Riu — Por quê? Acha que sou muito novo para isso? — Arriscou ao mesmo tempo em que voltava a dar atenção para algumas ferramentas de trabalho — Mas pode ficar tranquilo que...

— Não — Jimin acabou por interrompê-lo de forma involuntária, tendo seu tom de voz baixo, e isso chamara atenção do Jeon — É que eu imaginei que geralmente os tatuadores têm desenhos em alguma parte do corpo — Explicou.

— Isso é bem estereotipado — Comentou, mas não demonstrava estar ofendido, apenas revelava um sorrisinho brincalhão.

— Desculpe. — Sentia-se um pouco envergonhado, afinal não reconhecera que aquele garoto mais novo que si era o profissional ali. Mesmo que estivesse com todas as evidências jogadas na sua cara, ainda sim resolveu ignorá-las e agora estava passando vergonha.

— Mas eu tenho sim — Aquilo fez o outro se surpreender — Apenas estão cobertas pelo meu moletom. — Puxou um pouco as mangas longas, mas ainda sim não dava para ver nada em seus braços — Não as deixo muito visíveis.

— Entendi — E lá estava ele, novamente sem nenhum assunto.

— Bom... — Sentou-se com um leve suspirar — O que deseja Senhor...?

— Jimin — Respondeu rápido, mas logo controlando um pouco mais os seus impulsos — Park Jimin — Sorriu. — Mas pode me chamar apenas de Jimin.

— Ah, sendo assim, me chame apenas de Jungkook — Então observou como um sorriso grande abria-se no rosto do mais novo, como se ele estivesse gostando mesmo de sua presença.

Ambos estariam mentindo se dissessem que não haviam se acalmado. Toda essa conversa, por mais desconcertante que fosse algumas vezes, ainda sim trazia um clima confortável para ambos, como se já fossem amigos de longa data.

— Então... O que vai querer? — Indagou já se preparando para traçar seja lá qual fosse a imagem escolhida pelo seu cliente.

— O quê?

— Sua tatuagem — Reforçou a ideia com um tom óbvio — Qual escolheu?

— Ah, claro — Riu nervoso — Sobre isso... — Notou como o moreno arqueava a sobrancelha. — Eu não tenho uma ideia definida.

— Oh — Tinha que admitir: Por aquilo o moreno mais novo não esperava.

Praguejou internamente.

Havia se preparado para diversas situações, para vários de muitos traços, para ainda sim não ter uma opinião decente para seu cliente. Como pode esquecer algo assim? Saber dar dicas e instruir tinha que ser uma de suas habilidades como profissional dessa área.

Era claro que alguém iria aparecer com alguma dúvida.

— Bom... — Coçou a nuca de forma constrangida. Por mais que fosse errado, ele não queria falar que não tinha ideia de como ajudá-lo — Você... Poderia sentar aqui e talvez conversar sobre isso. — Propôs com um sorriso não tão confiante. 

Jimin sentiu que havia algo errado com aquele garoto, mas não resolveu dar muita bola. Observou o estofado negro, que parecia ser de couro, antes de dar passos curtos em direção ao local e sentar-se ali com certa relutância.

Aquilo lembrava um consultório odontológico.

Encarou por um tempo qualquer ponto que não fosse o jovem ao seu lado, mas rendeu-se a curiosidade de analisá-lo, deixando que lentamente seu olhar focasse naquele rosto. Ele não estava olhando para si, na verdade olhava alguma coisa sobre o apoio que havia na cadeira, parecendo extremamente concentrado em analisar seja lá o que fosse. Não tinha noção do tempo, mas sabia que deveria ter passado muitos minutos fitando-o, pois aqueles olhos, que descobriu ser praticamente negros, desviaram rapidamente para sua direção.

Era como se o Jeon tivesse sentindo seu olhar em si. E de fato pode notar um leve queimar em sua pele.

O normal a se fazer deveria ser desviar rapidamente quando fora pego no flagra, porém, por algum motivo que não sabia dizer, os olhos se observaram atentamente e silenciosamente. Park Jimin se perdeu naquelas íris escuras, já Jeon Jeongguk continha uma mente completamente limpa, apenas se deixando levar, sem nenhum objetivo, mas querendo entender o que tanto aquele garoto olhava em si.

— No que tem dúvida? — O questionamento veio tão repentino que o mais velho teve que piscar algumas vezes para finalmente “despertar”.

— Como?

— Sua indecisão — Reforçou, mas ainda sim não quebrou o contato de olhares — É sobre o desenho, cores ou parte do corpo? — Sem querer Jimin acabou rindo mínimo para aquela pergunta. — O que foi? — Desta vez Jeongguk franziu o cenho e, mesmo que tentasse não demonstrar desequilíbrio emocional, ainda sim tinha o leve temor de ter agido ou falado como um bobo.

— Não. — Negou sutilmente com a cabeça — É que... — Suspirou — Eu nem ao menos sei se vou tatuar algo.

Novamente o mais novo se sentiu confuso. Suspirou alto, tentando não demonstrar muito, mas quase soltou um muxoxo derrotado. Seu primeiro dia e já atendera um rapaz complicado.

— Poderia explicar melhor? — Questionou ao mesmo tempo em que gesticulava minimamente com as mãos.

Jimin mordeu o lábio ao mesmo tempo em que se ajeitava no assento.

— Bem… — Encarou-o — É complicado — Ele não sabia se deveria se abrir mais ou não.

Era da sua intimidade que estava falando e literalmente acabara de conhecer aquele garoto, este que se ajeitou melhor demonstrando estar atento para o que fosse dizer, pois sua postura, e até mesmo o seu olhar, passava algum toque de determinação.

Ele estava com a certeza de que queria ajudá-lo.

— Vamos começar por... — Proferiu ao mesmo tempo em que desviava o olhar, demonstrando estar pensativo — O porquê de querer fazer uma tatuagem... Que tal?

— Um lembrete — A fala saiu tão fácil quanto respirar. Certa. Decisiva. Até mesmo confiante — Talvez.

— Ah — Seus lábios entreabriram minimamente — Então quer algo simbólico?

— Bem... Sim.

— Poxa. Isso é tão legal — Comentou diminuindo aquela tensão que o Park começara a sentir com a conversa — Eu vi que geralmente o pessoal faz apenas para ter um desenho legal no corpo mesmo — Puxou sutilmente a calça justa em suas coxas, ajeitando o pano, chamando a atenção de Jimin para aquela parte — Como uma caveira maneira ou um dragão enorme nas costas.

— Ah, sim — Foi tudo o que conseguiu responder ao piscar algumas vezes. Por um momento acabou analisando demais o formato daquelas pernas e como era revelador sob aquela calça justa e negra.

— E como você imaginou a sua tatuagem? — O garoto mais novo parecia realmente animado com aquele cliente.

Havia ficado interessado em algo simbólico. Parecia tão legal poder compartilhar isso com alguém. Chegava a ser ingênuo o jeito como olhava para o outro e mantinha um sorrisinho contido nos lábios.

— Eu não projetei nada — Mordeu o lábio — Não pensei ou achei uma que me chamasse atenção ou tivesse um pouco a ver.

— E qual seria o significado por trás? — Indagou rapidamente, pois em sua mente surgiam diversas perguntas. — O que quer ter representado?

— É algo pessoal.

O tom foi baixo, um tanto hesitante e com um toque cuidadoso, como se não quisesse desapontar aquele garoto. Não queria que ele se sentisse triste, afinal se mostrara completamente empenhado com isso.

Desviou o olhar antes mesmo que o Jeon esboçasse qualquer reação. Sentia uma vergonha estranha e não sabia de onde vinha ou sua qual fora a sua origem. Talvez por fazer desfeita da ajuda do garoto.

— Desculpe-me.

E tudo o que Jimin menos esperava era que ele pedisse desculpas para si. A descrença fora tanta que seu olhar se elevou rapidamente. Ao contrário do que havia imaginado, o mais novo estava praticamente encolhido em seu lugar. Pode notar os dedos longos das mãos se acariciarem de modo afobado ou como estava cabisbaixo, mas não o suficiente para esconder o seu rosto, este que continha uma leve coloração avermelhada.

Estava envergonhado por suas próprias ações.

— Eu não queria parecer invasivo. — Explicou — Não fazia ideia de que era algo tão íntimo. — Suspirou pesaroso assim que tocara a própria nuca com a destra.

O Park acabou por sorrir com todo aquele jeitinho que o mais novo tinha.

— Não tem problema — Sorriu um pouquinho mais — Não tinha como você saber.

— Mas...

— E você tem razão ao perguntar. — Ajeitou sua postura — Não tem como adivinhar o que deve ser feito, não é? — Assim Jeongguk sorriu novamente ao concordar com um pequeno aceno da cabeça.

Aproximou-se mais um pouco ao sentar na borda da cadeira; apoiou os braços sobre as pernas assim que cruzou os dedos de ambas as mãos e tomou fôlego como se tivesse algo intenso para dizer.

— Eu não quero ferir a sua intimidade... — Preferiu com extrema cautela — Mas não tem como fazer meu trabalho se não tenho uma base do que fazer... Entende? — Pequenas rugas se formaram em sua testa assim que elevou um pouco as sobrancelhas.

— Sim. Claro.

— Eu realmente não quero invadir seus problemas ou questões pessoais, mas... — Pode não parecer, mas todas aquelas palavras saíram de forma rápida e afobada, quase atropelando umas as outras.

— Calma! — Jimin proferiu, mas não estava incomodado, afinal sorria para todo aquele nervosismo. — Está tudo bem — Reforçou cada palavra. O jeito era lento e simpático. — Apenas respire fundo.

E Jeongguk realmente seguiu o conselho.

Sugou uma grande quantidade de ar, tanto que seu peito estufara de um modo grandioso, para então soltar de uma vez. Passou a mão por sua franja, jogando-a para trás. O calor era absurdo e repentino. O ambiente não estava quente, mas ainda sim suava.

— Só estou... Um pouco nervoso — Tentou sorrir, mesmo que em seus lábios todo o que aparecera fora uma linha torta e forçada.

— Um pouco? — Ironizou soltando um sorrisinho contido.

— Não ria assim — Sussurrou — É normal.

— O quê?

— Você é meu primeiro cliente.

Jimin se assustou de forma mínima. De seus lábios escapou um arfar; entreabertos. E ele não conteve sua surpresa evidente com aquela revelação. Talvez tivesse interpretado de outro jeito ou de forma errada.

— Nunca teve outra experiência com...? — Desistiu de indagar quando vira a cabeça negar lentamente; quase hesitante.

— Mas...! — Dissera rápido — Mas não precisa duvidar das minhas habilidades! Juro que treinei bastante! — Seus olhos eram quase suplicantes; trêmulos. Era nítido o quase arrependimento de ter revelado tal coisa.

Afinal iniciantes não eram bem aceitos, pois muitas vezes confiavam em pessoas com mais experiência. Era um instinto normal. Muitas vezes cruel por tirar tantas oportunidades.

— Eu não duvido — Sorriu gentilmente — Não duvidei em nenhum momento.

— Está sendo realmente sincero? — Os olhos arredondados cerraram com desconfiança. E isso o deixava ainda mais adorável.

— Sim.

— Eu me sinto tão... — Tentou gesticular algo com ambas as mãos. Não encontrava a palavra certa para o que sentia. — Saber que tenho a responsabilidade de tatuar algo que será importante para alguém é emocionante, mas assustador! — A expressão que mostrara acabou por fazer com que Jimin soltasse um sorriso.

Jungkook fazia com que uma empatia crescesse mais dentro de si a cada segundo que passava ao seu lado.  Não era ruim a sua companhia. Estava divertido, ele era divertido; contando de forma tão engraçada o que se passava consigo nesse exato momento.

E por um segundo seu sorriso desmanchou;

Apertou o próprio braço com certa força. Encarou o chão ou até mesmo seus sapatos, vez ou outra os seus joelhos. Havia se dado conta de que aquele garoto se abrira para contar seus problemas e temores. Confiado em si para dizer que era sua primeira experiência como tatuador profissional.

Dizer isso pode custar uma sessão perdida.

Mordeu o lábio inferior, respirou fundo e esfregou suas palmas suadas sobre o pano da sua calça. Estava tudo bem. Ele poderia ser desconhecido, mas não haveria problemas, certo? E por igualmente não conhecê-lo não tinha necessidade de ter tanta cautela... Talvez nunca mais se encontrassem quando saísse do local.

O que seria uma pena; tinha que admitir.

— Eu sofro de ansiedade.

A revelação repentina acabou por trazer um silêncio tenso naquela sala. Jimin proferiu antes mesmo de repensar as possibilidades. Não deixou sua mente pensar duas, três ou quatro vezes; apenas disse. Rápido e em bom som.

Não sabia se sentia aliviado ou arrependido.

Afinal o garoto a sua frente não esboçou reação alguma e isso fora o suficiente para querer ter o poder de voltar no tempo e deixar a maldita boca fechada. Seus dedos voltaram a tentar agarrar o pano da sua calça enquanto voltava a mirar algo que não fosse a sua frente.

Não deveria se envergonhar por causa disso; deveria? Porque se sentia assim?

— Hey.

O chamado foi suave; como se o Park fosse se desmanchar a qualquer momento; assim como uma pétala caindo de um rosa após uma leve brisa. O dito-cujo, mesmo que hesitante, conseguia ter vontade o suficiente para erguer o rosto pronto para encontrar a pior expressão que alguém poderia fazer.

Mas não;

Jungkook sorria para si; um sorriso tão doce e de algum jeito com o poder de esquentar seu peito; uma quentura gostosa; acolhedora. Era como se ele entendesse o que estava acontecendo e a confusão em que sua mente se metera.

Quase de imediato seus ombros relaxaram, a tensão se dissipou e tudo o que sobrara foi um Park Jimin totalmente vulnerável; ele sentia vontade de despejar todo o que sentia para aquele garoto; precisava disso. Era incrível o poder que tinha apenas com um simples sorriso.

E ele continuou assim; sem dizer nada.

Apenas inclinou-se para frente, manso e paciente, sem nenhuma vergonha quando seus longos e finos dedos deslizaram sutilmente pelo estofado em que estava sentado, passando sobre sua perna e por fim pousando sobre sua mão.

Jimin arfou discreto; arrepiou-se com o toque.

E o Jeon apertara suavemente as costas da mesma, com um delicado carinho com o polegar, como se ele estivesse dando forças apenas com ações e não com palavras. Achava que o modo de agir às vezes valia mais que qualquer outra fala e que isso se encaixava muito bem agora.

— Eu... — Proferiu baixo ao que engolia em seco — Eu sou cheio de inseguranças.

O mais novo, por alguns mínimos instantes, se viu absorto ao que estava acontecendo. Não que ele não estivesse interessado no que o outro iria dizer, mas encontrava-se em uma briga mental se deveria ou não chegar mais perto e apoiá-lo ainda mais. Sabia e sentia que estava sendo difícil para ele revelar tudo aquilo e imaginou se iria querer um abraço seu.

— Eu... Eu posso? — Proferiu antes mesmo que controlasse sua boca, notando como Jimin ficara confuso por alguns segundos e logo confirmava silenciosamente.

Na verdade não sabia se era uma confirmação concreta, porém resolvera se aproximar mesmo assim; caso o mais velho não quisesse apenas poderia se afastar de si, fora o que pensara. 

— Sabe... — Jimin continuou ao que tentava ignorar a presença quente que a cada segundos ficava mais intensa. Pouco a pouco a distância ia diminuindo e o braço alheio o envolvendo pelos ombros; um abraço indireto; um maior apoio — A ansiedade não ajuda muito quando o que você vê em si mesmo são apenas defeitos.

O mais velho riu de seu próprio comentário, mas não havia felicidade alguma ali; era nervoso; tenso; como se quisesse amenizar todo o clima pesado que sentira ao seu redor. E se culpava igualmente por aquilo já que antes havia uma atmosfera tão leve e divertida. Por que não poderia ser igual ao Jungkook e tornar seus problemas algo que pudesse ser dito de forma descontraída?

Suspirou pesaroso e o sorriso cresceu em seus lábios; sua mão direcionara para sua franja recaída sobre seus olhos, onde a mesma envolveu os fios e os lançou para trás; uma mania sua que achava completamente bobo.

Porém, bastou apenas esse movimento para que Jeongguk o observasse com atenção, pois achara completamente bonito aquela ação; sedutor; até mesmo um tanto provocativo quando a expressão se tornou séria novamente.

— Digamos que sou um artista tentando ingressar na carreira.

Aquela fala fez com que o mais novo piscasse algumas vezes ao encará-lo por um tempo, até que processasse a informação recente.

— O quê?! — Acabou por soltar alto de mais — Você é algum tipo de famoso?! — A expressão que o garoto fizera fora o bastante para tirar um sorriso sincero do Park.

Parecia tão ingênuo. 

— Eu não sou famoso — Olhou fundo naqueles olhos alheios — Estou começando ainda.

— É o que você faz?!

— Danço.

A afobação do Jeon era tão grande que se permitiu soltar um som de pura admiração, pois parecia algo tão incrível. E Jimin continuaria rindo das reações daquele moreno se não tivesse se lembrado de todas as críticas de si mesmo; aquelas que sempre o perseguia; que não o deixavam em paz; que sempre voltavam quando se olhava no espelho ou executava alguns passos.

— Mas não é suficiente. — Seus punhos cerraram; podia sentir as unhas de seus dedos fincados sobre sua pele e o machucando um pouco.

Frustração era o que sentia agora.

— O quê?

— Essa maldita ansiedade não me deixa em paz, Jungkook. — Pouco a pouco o olhar se tornava triste e, encarando assim tão de perto, o mais novo podia notar tal sentimento quase que de forma nítida — Sabe como é passar todos os dias tendo seu subconsciente cobrando mais e mais de si? — Mordeu suavemente o lábio inferior — Ou gritando que tudo irá dar errado?

— Jimin...

— Cada vez mais que eu olho para o palco e me vejo completamente travado — Seus olhos desviaram um momento para que pudesse olhar além; como se imaginasse tal lugar bem ali na sua frente — Algo que me impede de continuar, pois sei, tenho a certeza, que irei errar.

O Jeon não tinha palavras, apenas sentimentos. Seu peito apertava para tudo aquilo. Não poderia dizer que o entendia, pois não passara pelo mesmo para ter o direito de dizer que compartilha do mesmo sentimento, mas ele só queria abraçar aquele garoto; abraçá-lo mais forte e carinhoso.

— Não importa quantas vezes eu treine; não importa quantas vezes diga para mim mesmo que esteja bom; — Respirou fundo mais uma vez; então duas e até três vezes; tudo com calma e suavidade, pois, mesmo que estivesse hesitante no começo, agora se sentia mais leve do que nunca — Não importa quando vezes alguém grite que está perfeito.

Silêncio.

Isso resumiu o que aconteceu logo após, sendo confortáveis ao apenas as respirações suaves puderem ser ouvidas, mas não por muito tempo.

— Eu gostaria muito de vê-lo dançar. — O Jeon comentou depois de muito pensar se deveria dizer ou não; afinal não queria que o outro pensasse que é por caridade ou pena — E não estou dizendo apenas por gentileza.

Jimin sorriu. Riu e gargalhou suavemente.

Inclinou-se suavemente para trás, ainda com seus lábios curvados por sua, talvez, felicidade e então pendeu a cabeça na mesma direção; por alguns segundos ficara assim, encarando a luz fraca posta no teto.

— O que foi? — O moreno mais novo não sabia se deveria ficar contente por ter tirado essa reação ou se era algo ruim, mesmo que fosse apenas uma risada. — Estou falando sério.

— Ah — Sem se mexer, apenas dirigindo o olhar para o canto dos olhos, o Park olhou para si — É?

— Fiquei curioso, nada mais — Explicou ao que desviava o olhar, porém não sabia exatamente por qual motivo. Talvez aqueles olhos o desconcertassem um pouco.

— Bem... — Endireitou a postura com um leve mexer dos ombros — Quem sabe, hm? — As esperanças juntamente com a surpresa correram com velocidade para os pensamentos do Jeon. Realmente não esperava por isso. — Obrigado por me ouvir.

— Então... — Sorriu tímido, fugindo novamente com seu olhar para qualquer outro ponto — É isso que quer ter representado na tatuagem? — Indagou; e novamente voltou coçar a nuca.

— Não exatamente — Respondeu enquanto acariciava suavemente o próprio braço com a palma da mão — Eu não sei como representar isso... Ou se devo representar. — Olhou para um desenho pendurado na parede — Por ser algo até mesmo insignificante — Riu — Na verdade estou quase desistindo dessa ideia maluca.

— Não!

A resposta saiu quase que de forma imediata dos lábios rosados, impressionando até mesmo o dono destes. Jungkook não queria que ele pensasse de tal forma; estava realmente empenhado em ajudá-lo e daria sim a melhor tatuagem que poderia ter.

— Ah, quero dizer... — Embolou-se antes mesmo de falar mais alguma coisa — Eu quero fazer para você.

Afastou-se rapidamente do corpo alheio, afobado, para que pudesse pegar alguns papéis dispostos na mesa de apoio junto à cadeira. Iria desenhar infinidades de coisas, algo que o agradasse.

— Podemos pensar juntos — Proferiu.

 Assim voltou a fitar aqueles olhos estreitos. Incrível como eles passavam algum mistério. Não conseguia descobrir o que eles analisavam, ou o que procuravam. Apenas sabia que percorriam cada centímetro de si, e pensar nisso o deixava um pouco encabulado ou até mesmo receoso. A expressão séria daquele Park, até mesmo centrada, trazia um ar tão sedutor para si.  

— O que você tem para mim?

O Jeon arregalou, mesmo que de leve, os olhos. O tom fora tão baixo, rouco, perto do seu ouvido. Mordeu o próprio lábio ao que podia sentir o calor do corpo perto do seu. Apertou os papéis em suas mãos e manteve o olhar fixo no mesmo local. Tinha o pressentimento de que, se olhasse para o lado, o seu cliente estaria perto demais.

A respiração tocou a cartilagem da sua orelha.

 Sim; ele estava.

— Tudo bem?

Assustou levemente com a pergunta alheia tamanho era seu estado absorto. Piscou algumas vezes e enfim pigarreou com um engolir em seco. Balançou a própria cabeça, tentando afastar todos esses pensamentos. O que estava fazendo? Perguntou-se em pensamento.

— Sim. — Tentou sorrir, mas tudo o que saiu foi um curvar trêmulo.

Jimin não entendia o que estava acontecendo. O garoto simplesmente mudou de postura, tornou-se mais acanhado e simplesmente tenso. No final acabou por ignorar isso; afinal podia ser apenas coisa da sua cabeça.

Jeongguk pigarreou novamente.

— Então... — Rodou o lápis por entre seus dedos — É... — Percebeu que havia perdido a linha de seu próprio raciocínio e isso o fez ficar envergonhado. — Onde paramos mesmo? — Sorriu um pouco nervoso — Ah! Sim! — Estalou o dedo — Lembrei!

O Park o fitou por momento, piscou algumas vezes e gargalhou um pouquinho com aquele jeito de ser do garoto.

— Você é adorável; sabia disso? — Jimin acabou por dizer de forma mansa ao que apoiava o cotovelo na própria coxa e por fim descansava seu queixo sobre a palma de sua mão.

Aquelas palavras acabaram por revelar uma coloração avermelhada nas bochechas do mais novo, este que acabou por mexer em alguns fios do seu cabelo castanho.

— Bom... — Umedeceu os lábios — Podemos começar? — Desviara do elogio de forma nítida, trazendo uma risadinha do mais velho.

— Claro — Suspirou.  — Boa sorte em tentar achar algo que simbolize a minha auto-cobrança. — A voz saiu em um tom melancólico, carregada de certo cansaço; cansado de tudo aquilo dentro de si.

— Não quero dar um significado para isso — O Jeon proferiu de um jeito carregado de indignação assim como seu cenho se franzia de forma nítida, deixando claro seu desgosto.

— E seria para o que? — A sobrancelha arqueou; sua curiosidade e interesse eram claros.

— Não é algo ruim de pensar? — Indagou fazendo com que os olhos alheios se estreitassem mais — Acorda todos os dias, se olhar no espelho e encarar algo que remete a tudo o que te deixa com um sentimento ruim?

— Eu não estou compreendendo — Ergueu o rosto, saindo de sua posição anterior, exalando superioridade — O que está querendo dizer?

— Quero que você tenha marcado em seu corpo um lembrete... — Fez uma pausa proposital e dessa vez fora sua vez de encarar de forma profunda — Um lembrete de que, mesmo com essas cobranças, você continua vivo e bem — O alheio arfar não pode ser contido; sua surpresa era óbvia — Porque você é forte, Jimin.

— Eu não sei se... — Seus olhos desviaram para um ponto qualquer — E como pode ter certeza disso?

— Eu não tenho — Crispou os lábios — Eu apenas acredito.

— Você é maluco — Riu soprado; de um jeito fraco ou, em outra interpretação, algo leve.

— Talvez. — Sorriu.

A animação e a criatividade tomaram conta dos pensamentos do mais novo, este que não hesitou em levantar-se rapidamente do estofado e por fim voltar para o seu devido acento. Apoiou seus instrumentos de trabalho, em específico algo que pudesse desenhar seus rascunhos, tendo um brilho em seu olhar.

Suspirou de forma audível, recostando-se no encosto de sua cadeira e por fim deslizando a ponta do lápis sobre seu queixo para que enfim mordesse o local de forma pensativa. Várias ideias passavam por sua cabeça e ela tentava formular cada uma delas para que formasse algo perfeito.

— Acho que sei uma tatuagem perfeita. — Ditou tirando o silêncio daquela fala, ajeitando-se devidamente para colocar “a mão na massa”.

Ambas as sobrancelhas do mais velho se arquearam e, para que pudesse enxergar melhor, aproximou mais um pouco.

— O que irá fazer? — Não hesitou em indagar.

— São palavras, mas igualmente complexas como um desenho — Explicou ao que a ponta do lápis deslizava pelo branco do papel — Elas tem um formato definitivo; algo que não pode ser mudado — Continuou sem desviar a atenção do seu trabalho — Se não for feita do modo correto, não irá funcionar.

— Conseguiu me deixar curioso.

Resolveu que era melhor ficar em silêncio assim que notou o quanto o tatuador estava concentrado. Limitou-se a apenas olhar, achando bonito o jeito como os traços ganhavam formas ou a leveza que ele fazia tudo aquilo. Não parecia ser algo complexo, ou era só impressão, mas a grafia era realmente interessante. Foram apenas alguns minutos, tendo o Jeon virando o papel de um lado para o outro, até mesmo de ponta cabeça, o que deixou seu cliente claramente intrigado; e um pouco confuso.

Até que finalmente aquele garoto pareceu satisfeito com que estava fazendo, erguendo a folha como se quisesse checar melhor o seu trabalho bem feito. O sorriso em seu rosto era enorme, tamanha satisfação, e por segundos Jimin pensou que não queria retirar aquela alegria.

— Pronto! — Proferiu enquanto as sobrancelhas alheias se erguiam.

— Então... — Jimin disse ao ver o sorriso do outro apenas aumentar. Seria algo tão maravilhoso assim? — O que você fez?

Jeongguk parou um pouco de sorrir para que pudesse morder de leve o lábio inferior. Seu olhar caiu em direção ao rascunho em suas mãos. Apertou mais forte o papel e sentiu como seu rosto se tornava quente. Era inevitável o temor que sentia; o medo de que seu cliente não gostasse ou não estivesse bom o suficiente.

Respirou fundo, de forma calma e controlada. Alternou o olhar entre a grafia e o próprio homem a sua frente, este que parecia deveras ansioso, mas ainda sim esperava pacientemente.

— Eu... — Proferiu ao que também hesitava, pensando se deveria dizer ou não — Espero que goste. — Concluiu de forma baixa, quase inaudível, mas foi o suficiente para que o Park sorrisse com aquelas palavras — Mas, se não gostar, eu... — Balançou a cabeça de forma negativa — Quero dizer, pode pedir outra.

— Sei que está ótimo.

O coração deu um batucar forte no peito do mais novo, este que não pode conter um arfar e um sorrisinho simples.

— Bom... — Olhou mais uma vez para o rascunho — Aqui está.

Jimin imaginou que iria ser entregue para si, mas tudo o que o outro fez foi virar o papel em sua direção e finalmente revelar o que ele tanto projetara. Alguns poucos segundos se passaram para que visualizasse o que estava escrito e por fim franzisse o cenho.

“Save Me”

Seu olhar desviou para a face parcialmente escondida do Jeon, que estava quase virando uma bolinha encolhida sob o olhar do mais velho.

— O que isso significa?

Indagou calmo, e em sua expressão não continha nenhum vestígio de emoções negativas, apenas... Confusas. Jungkook engoliu em seco.

— Pensei que... — Tomou fôlego; aquele assunto parecia tão delicado que tinha medo de ofender — Toda essa cobrança que você faz a si mesmo acaba que trazendo pensamentos negativos; e ninguém quer algo assim; por isso muitos e até você mesmo podem pensar que precisam de ajuda. — Fez uma longa pausa e tudo o que ganhara foi um silêncio torturante. — Porém quero que você sempre tenha um lembrete do que eu disse...

— O quê...? — A voz falhou.

O tatuador fora virando lentamente o papel, deixando-o de cabeça para baixo. Normalmente aquilo não deveria ter sentido algum, mas o que Jimin vira acabou por tirar todo o seu ar.

“ I’m fine ”

Era impressionante a forma como havia se transformado em palavras completamente diferentes e com sentidos opostos. E isso deixara o mais velho sem reação e completamente admirado.

— Eu quero que apenas você veja essa frase; I’m fine — Explicou ao mesmo tempo em que lentamente estendia o objeto delicado para o outro — Para que cada vez que olhe para ela relembre todas as minhas palavras. — Lentamente aquela folha era tomada de sua mão — Que mesmo passando por todas as inseguranças, você continua vivo e bem.

— Jeon... — O coração do dito-cujo novamente batucou de forma forte.

— O que achou? — O olhar alheio não desviou da imagem nem por um milímetro de segundo e isso deixava Jungkook tenso, muito tenso.

— Isso é... Impressionante.

O mais novo não pode conter o suspiro audível que escapou sem que ao menos desse tempo de segurar. Sentia vontade de sair pulando de felicidade e orgulho de si mesmo, pois era realmente gratificante criar algo e ser elogiado para aquele que foi destinado.

— Você é realmente talentoso — O sorriso que fora mandado em sua direção fez com que ficasse um tanto encabulado; e nem ao menos sabia o motivo, apenas que Park Jimin lhe trazia sensações estranhas — Pensar em algo assim... Incrível.

— Não está ajudando com meu autocontrole — Frisou rapidamente os lábios, praguejando mentalmente por ser tão indiscreto, ouvindo a risada alheia. — Bom... — Pigarreou ao que se virava de costas e simplesmente mexia em tudo o que estava sobre a mesinha — Pode ser essa mesmo?

— Claro — Não podia ver a expressão do mais velho, mas, por algum motivo, julgava que sorria.

— Antes do começarmos temos que escolher o local que será tatuado — Se permitiu olhar por cima do ombro, vendo aquele olhar firme em si e o curvar maroto dos lábios naquela face — Sem querer ser inconveniente, mas gostaria que fosse visível para você também. — Analisou-o dos pés a cabeça, como se pensasse onde deveria marcar aquela pele morena — E discreto.

— Discreto? — Sua expressão se tornara duvidosa — Oh! —Soltou ao que se dava conta do propósito daquilo — Por causa da minha profissão?

— Exatamente — Sorriu suavemente — Não vai querer ter problemas no contrato.

— Legal — Deixou-se cair sentado no estafado fofo, apoiando-se de lado no local reclinado e simplesmente jogando aquela franja, que teimava cair sobre seus olhos, para trás — O que sugere?

— E... Eu?! — Jungkook não pode conter a surpresa ao mesmo tempo em que apontava para si mesmo. Seu medo se tornou palpável.

— É. — Gesticulou com a destra — Não é você o profissional? — Sorriu ladino.

Impressão ou o moreno mais velho havia se tornado mais atrevido e acomodado? Aquele ser era uma caixinha de surpresas.

— Mas geralmente quem escolhe é o cliente... — Coçou a mandíbula de modo nervoso — Não é?

— Não pode dar algumas dicas? — Olhou para o próprio corpo — Onde seria o melhor lugar?

— Eu... — Suspirou ao que pendia a cabeça para trás. Estava sendo complicado, mas ainda sim interessante — Está fora de cogitação da cintura para cima.

Girou o corpo em direção ao garoto acomodado confortavelmente, acabando por apoiar cuidadosamente as mãos sobre a pequena mesinha atrás lotada de instrumentos do trabalho, estes que foram empurrados minimamente.

— Por quê? — Arqueou a sobrancelha.

— Já vi muitas apresentações de famosos e, vai por mim, em quase todas uma blusa sempre acaba subindo ou mostrando demais — Proferiu como se tivesse um alto conhecimento de tal assunto — E nada de braços, pescoços ou algo do tipo. — Revirou os olhos — É obvio que vão acabar mostrando.

— Então só da cintura para baixo.

— Não completamente — Riu, mas fora de nervoso — Você não irá usar calças sempre, certo? — Esperou que o outro confirmasse com a cabeça — E muito menos tênis ou algo do tipo.

— Aonde quer chegar? — Indagou estreitando os olhos, claramente desconfiado e o moreno tão pouco parecia gostar do que deveria dizer. Mostrava-se hesitante.

— Você terá que tatuar na região da sua cintura... — Era notável como cada vez mais se tornava incômodo — Ou seja, algo como a sua pélvis ou... — Gesticulou com as mãos, tentando se explicar apenas com isso. Perguntava-se como que, do nada, o clima ficara completamente estranho e até mesmo desconfortável.

O Jeon achava que, mais do que nunca, o outro fosse se levantar e marchar em direção a saída, dizendo como era pervertido ou um sem noção tentando se aproveitar do seu corpo e inexperiência. É claro que pensou que uma hora isso poderia acontecer; que teria que tatuar em lugares inusitados, mas não cogitou que seria bem no primeiro dia.

Porém, contudo, todavia, Jimin apenas o observou por um momento, como se cogitasse o que havia sido dito, não mexendo um músculo sequer; mantendo-se praticamente inexpressivo.

— Eu... — Proferiu rápido, incomodado com todo aquele silêncio, com medo de que tivesse estragado tudo.  — Digo... — Mexeu nervosamente nos próprios dedos das mãos, quase tremendo. Não se atreveu a virar em direção ao mais velho. Apenas continuou de costas — Ignore o que eu disse — Disse rapidamente, quase embolado, alternando o peso de uma perna para a outra — Foi só uma opinião e... — Dessa vez fora si mesmo a jogar os fios de cabelo para trás — Eu disse que é melhor o cliente dizer a preferência, na verdade...

Jeongguk. — O tom de voz usado para interromper fez com que o corpo do dito-cujo vibrasse em resposta; uma resposta positiva, tendo os mínimos pelos se arrepiando — Está falando demais.

— Estou? — Sorriu ao que finalmente tomava a iniciativa de novamente ficar de frente ao outro — Desculpe.

Enquanto terminava de girar o próprio corpo, Jimin postava-se de pé ao mesmo tempo em que arrumava calmamente a calça colada em suas pernas, um tanto reveladora de suas curvas e silhuetas, afrouxando o aperto em suas coxas. Completamente em uma posição ereta, jogou novamente aquela franja negra para trás, fitando um canto da parede a sua frente; tudo que indicava era que estava pensando.

— Na pélvis, hm? — Proferiu naquele silêncio olhando de relance, no canto dos olhos, para o mais novo — Isso me parece... — Tentou buscar uma palavra que se encaixasse e definisse bem aquele momento. Depositou ambas as mãos na cintura, apoiando o peso em uma de suas pernas — Diferente — Concluiu ao que um sorrisinho tentava escapar de seus lábios.

— Não precisa levar a sério — Jeongguk tentou contornar a situação, alisando sutilmente o próprio braço por cima do moletom — Foi um comentário desnecessário.

— Por que desnecessário? — A pergunta rápida e claramente repentina, deixando um pouco lento o raciocínio alheio.

— Bom... — Riu sem graça.

— Hm? — Girou os próprios pés, querendo encarar aquele garoto — Por que julga dessa forma? — Seu tom claramente dizia que estava tentando encurralar o mais novo.

— Achei que seria uma... Uma ofensa ou... Ou... — Olhou para o chão, seu olhar vagando pelo local sem um rumo definido — Sei lá — Deu de ombros. — É um ponto um tanto íntimo.

— Tem razão — As mãos deslizaram para trás, passando brevemente por cima da lateral do seu corpo e por fim alcançando a lombar junto às costas — Você foi sincero — As mesma refizeram o caminho, dessa vez em cima do cinto que usava, deixando que ambos os polegares resvalassem na borda do local — E eu deveria levar em conta o conselho de um profissional, sim? — Os dedos se fecharam no objeto envolto a sua cintura.

Por todo aquele processo, daquele deslizar de mãos com seus dedos enfeitados por alguns anéis, Jungkook não pode deixar de observar quase que de forma hipnotizada. Não sabia dizer, ou explicar, apenas pensar em como o jeito que aquele garoto mais velho se portava era totalmente atraente. Desde as expressões sutis até o jeito de sua postura ou ações.

Tudo parecia querer chamar-lhe a atenção e simplesmente seduzir. Seria algo natural daquele homem?

— Algum problema? — Jimin tombou suavemente a própria cabeça para o lado ao que sorria no ponto certo para fazer seus olhos cerrarem, como se o testasse ou simplesmente o instigasse — Você parece focado em algo. — Um aperto se fez maior sobre a fivela do cinto.

— O quê?! Não! — Respondeu rápido demais, provando que havia sim algo de errado e essa pequena gafe o fez praguejar mentalmente.

— Parece afobado, tatuador — O tom de voz mudara, mostrando sua provocação mais que nítida, mas ainda sim confundia ainda mais os pensamentos do mais novo; ele não sabia o que concluir — Mas enfim — Movimentou minimamente a cabeça, jogando a franja para o lado — Iremos começar agora?

Um arrepio percorreu a espinha do Jeon.

— Você quer? — Indagou um tanto surpreso.

— Sim — Expressou algo como de forma óbvia.

— É que você estava tão relutante com isso... — Proferiu ao que seu tom de voz ia diminuindo lentamente — Achei que não quisesse depois da minha opinião também.

— Não vamos problematizar isso — Jimin revirou os olhos ao que mostrava estar um pouco farto.

— Então... — Alisou o próprio pescoço e fechou brevemente os olhos — Vamos começar — Bateu uma pequena palma, afobado, ficando novamente de costas para que pudesse pegar algo — Será na... — Engasgou um pouco, engolindo a saliva quase seca por seu nervosismo — Na pélvis, mesmo?

— Unhum.

— Olha, você terá que deitar, obviamente, de barriga para cima, tudo bem? — Suou frio, o que o obrigou a retirar um pouco de excesso em sua nuca — E, ah... Terá que abaixar um pouco um dos lados da barra, tanto da calça, quanto da cueca.

Pensou em que tipo de situação constrangedora havia se metido, mas resolve espantar esses pensamentos para longe e, afinal, Jimin deveria estar tão incomodado quanto si mesmo, certo? Então não estaria sozinho nessa, já que revelar parte de um local considerado íntimo para um estranho não é uma situação muito comum.

É, foi o que achou.

Bastaram apenas alguns poucos segundos para que pegasse algumas luvas plásticas e enfim voltasse a olhar para seu cliente e simplesmente perder o ar e todo o controle de suas ações. Seus movimentos travaram e se viu largando uma luva que ainda não havia sido colocada.

Simplesmente porque Park Jimin estava completamente relaxado, como se estivesse em seu quarto ou totalmente sozinho, enquanto terminava de abrir a braguilha da calça apertada que vestia. Para isso teve que erguer a camisa social preta adornada de botões, onde deu para ver um pouco da sua pele morena abaixo do umbigo. Feito tudo isso, deitou-se sem se importar que aquela abertura no zíper fosse mostrar algo mais ao seu expandir com o movimento.

Não seria exagero dizer que Jungkook estava praticamente boquiaberto com toda aquela cena bem... Interessante.

— Jeon?

A voz o despertou rapidamente, este que se atrapalhou todo ao esquecer o que estava fazendo. Desconcertado, agachou-se rapidamente para pegar o objeto descartável que havia deixado cair, mas era mais um pretexto para esconder como estava encabulado ao praticamente secar o seu cliente com o olhar.

— Tudo bem aí? — A pergunta saiu de um modo divertido enquanto o mais novo terminava de levantar e arrumar os fios de cabelo no topo da cabeça, mesmo que não precisasse.

— Sim! — Novamente a resposta fora rápida. — Por que não estaria?

Riu, mas fora de puro nervosismo.

Ajeitou de uma forma um pouco afobada a cadeira onde deveria sentar, fazendo com que se aproximasse do corpo deitado logo a sua frente. Sentia o olhar alheio acompanhar cada um de seus movimentos e isso o incomodava, mas não iria dizer. Apenas não manteve nenhum contato de olhares, pois pressentia que iria piorar sua situação.

Sentou-se quase que de forma desajeitada, como se estivesse muito cansado depois de passar o dia trabalhando, arrumando o couro da roupa apertada em suas coxas. Suspirou, deslizando rapidamente ambas as mãos sobre o local até alcançar os joelhos para, logo após, inclinar sutilmente o corpo em direção aos objetos dispostos bem ao lado.

Tomou a maquininha de tatuagem por entre suas mãos, ajeitando algumas peças que Jimin desconhecia, apenas admirando a habilidade e agilidade do garoto ao montar aquilo.

— Em qual lado quer fazer? — Indagou do nada, ainda sem fazer um contato visual, terminando de ajeitar um papel transparente.

— Pode ser do lado onde você está — Ajeitou-se melhor naquele estofado — Assim será mais fácil.

O moreno mais novo apenas concordou com uma aceno da cabeça ao mesmo tempo em que erguia a máscara até chegar à metade do seu rosto. Aproximou-se um pouco, o bastante para que ficasse em uma posição confortável, e por fim analisou aquela situação.

Ou melhor, analisou o local onde deveria ser tatuado.

Viu como o Park seguiu com as mãos diretamente até a barra da calça, onde puxara o máximo que conseguira e assim revelar um pouco da sua pele. E isso foi o suficiente para perceber que, daquela forma, não daria muito certo. Afinal o espaço era muito limitado e até mesmo arriscado para começar a fazer o traço definitivo.

— Com licença. — Proferiu baixo — Pode soltar.

O pedido fora atendido, onde o mais velho observava atentamente as ações do outro. Jungkook simplesmente tomou a liberdade de erguer um pouco a camisa social do mesmo, mas não fora nada exagerado.

— Eu preciso que você puxe um pouco as peças de roupa para baixo — Instruiu claramente encabulado, mas tentava ser o mais profissional possível — Temo que, se você ficar segurando, além de você ficar cansado, também irá atrapalhar minha movimentação da mão e até mesmo borrar — Riu tentando amenizar ainda mais o seu constrangimento — Não vai querer um traço borrado.

— Entendo.

O Jeon ficou um pouco indignado com a calma que o outro mostrava em um momento como esse, pois Jimin apenas ergueu um pouco a cintura e simplesmente fora puxando e ajustando suas roupas até que se fosse possível ver a linha da virilha seguir caminho até sua intimidade.

Não hesitou quando virou o rosto para o lado ao não conseguir encarar todo aquele processo. Sentia que era errado e até mesmo erótico, sensual, algo parecido com isso. A sua face esquentou e não pode evitar sentir-se um bobo.

— Está bom assim?

A voz do mais velho o fez tremer levemente e acordar um pouco de toda aquela vergonha. Sentia vontade de tentar assoprar o próprio rosto e se abanar com as mãos, mas isso só deixaria mais claro o quanto estava vermelho e afetado.

— Sim. — Murmurou — Obrigado — Pigarreou suavemente, desejando beber algum copo de água ou talvez um suco.

Qualquer coisa que cessasse aquela secura em sua garganta e melhorasse a rouquidão inesperada naquele momento. Engoliu em seco, sentindo o incômodo disso, passando de forma imperceptível a língua sobre os lábios, apenas para hidratá-los.

Ajeitou-se novamente, arrumando um pouco mais a máscara e por fim marcando o traço provisório naquela região tão problemática, mesmo que não fosse algo tão grandioso. Suas mãos tremiam suavemente ao erguê-las, só na possibilidade de que finalmente iria tocar diretamente. Respirou fundo, com um leve retesar dos dedos, para que então pudesse continuar seu trabalho.

Jimin manteve o olhar fixado no teto por um momento, até perceber a movimentação ao lado e como algo se fixava suavemente em seu corpo com um toque frio por causa de algum produto. Isso chamou sua atenção e, quando olhou para a sua cintura, pode ver a letras negras e lindas grafadas em sua pele assim que um papel fora retirado pacientemente. Um sentimento de admiração cresceu dentro de si, imaginando que, se já estava tão bonito assim, imagina no final?

Sorriu, mas dessa vez foi ao perceber como o moreno exalava sua tensão apenas com a postura. Era tão nítido e óbvio.

— Nervoso? — Indagou bem humorado, mas mantendo seu tom baixo — Eu confio em você.

— Isso só aumenta minha responsabilidade... — O Jeon rebateu quase que de modo automático, típico de quem não pensa em suas palavras antes de soltá-las para quem fosse ouvir — E a pressão. — Completou ao que ligava aquela máquina e mergulhava a ponta na tinta preta. — Irei começar.

Ele estava quase deixando escapar um “Não me encare desse jeito”, mas limitou-se a morder de leve a ponta de própria língua. Resolvera sustentar aquele olhar, por mais intenso, carregado e até mesmo felino, ele iria sustentar.

O sorriso no rosto do Park abriu lugar para um nítido repuxar do canto do lábio quando sentira aquelas pequenas agulhas atingirem sua pele. Sua respiração pesou em seu peito, quase como se alguém tivesse colocado algum objeto pesado em seu tórax, dificultando a absorção do ar. Nos primeiros segundos conseguiu reprimir um gemido alto, mas não se conteve ao que o traço ganhava forma, acabando por liberar a sua voz contida de modo dificultoso. O suor frio escorreu por sua pele.

Fora quase que instintivo quando Jeongguk afastou de forma rápida e olhou para seu cliente, não tardando em retirar o excesso da tinta assim que passou suavemente um pano macio sobre a tez, com leves pressões que até mesmo aliviavam um pouco a dor. Jimin ficou incrédulo ao encarar as palavras e ver que não havia nem chegado na metade de uma letra, sendo que segundos pareceram longos minutos.

— Merda — Praguejou ao que escondia seus olhos ao depositar o braço sobre o local, este que mantinha o pulso fechado de uma forma tão forte que algumas veias sobressaltaram.

— Você está bem? — O Jeon sabia que não estava, sabia o quanto iria doer, mas mesmo assim precisava perguntar — Eu sei que parece estúpido, mas eu realmente preciso saber suas condições e...

— Apenas continue — Não queria ter soado tão rude, mas a dor e o pensamento de que aquilo iria demorar distorcia seus pensamentos — Por favor.

Os lábios alheios entreabriram prontos para insistirem na pergunta, mas hesitando quando pensou em o quanto poderia ser inconveniente naquela situação. Suspirou de forma audível, voltando a mergulhar a máquina na tinta e por fim perfurar aquela pele morena, tentando ignorar os grunhidos e os gemidos de dor que o outro soltava, mas sempre parando pouco a pouco e tentando ser gentil ao máximo assim que tornava a limpar aquela tinta não absorvida.

Seu toque era manso, mas firme, trazendo uma sensação agradável para Jimin. Algumas vezes seu abdômen retraia, sentindo os dedos resvalando, ou como levava vibrações por toda essa parte e até mesmo onde não deveria.

Droga, não poderia ter uma ereção indesejada apenas com isso. Seria patético de acordo com seus pensamentos.

Fechou os olhos, tentando esquecer o tempo, apagando todos os pensamentos negativos. Doía muito, mesmo que não quisesse demonstrar tanto, então era quase impossível fingir que não sentia nada ali. Tudo o que restava era se perder na escuridão. Os segundos se tornaram minutos, e os minutos foram se tornando cada vez mais longos e arrastados. O local se resumiu a um silêncio, apenas sendo atrapalhado pelos gemidos de dor, o pequeno som da pequena máquina trabalhando e as respirações densas.

[...]

— Pronto! 

Jimin nem acreditou que aquelas palavras finalmente haviam sido proferidas, acabando por soltar nitidamente o ar por entre os lábios entreabertos e por fim relaxar naquele estofado macio, sem o pingo de vontade de se mexer.

— Você foi forte. — Jungkook o elogiou ao mesmo tempo em que puxava a máscara, que antes estava sobre a metade do seu rosto, para baixo, sorrindo de um modo dócil.

Mas ele não se sentia bem assim por dentro.

Vamos ao fato de que Jeon Jeongguk queria se estapear até tomar vergonha na cara. O porquê disso? Digamos que esse moreno tenha prestado atenção demais nas reações do seu cliente; observando as expressões alheias, como os lábios se comprimiam ou separavam apenas para soltar um gemido alto; o suor brilhando naquela pele; a camisa social grudando sobre o mesmo e a notável movimentação do tórax por conta da respiração.

Não iria negar que fora difícil se concentrar nos traços quando se tinha uma visão dessas na sua frente. E não, não se orgulhava nenhum pouco disso.

É claro que em todo momento o Jeon sentia empatia com o outro, afinal sabia o quanto era doloroso e ruim de suportar, tinha experiência própria. Sua preocupação sabendo que existiam alguns riscos que poderiam correr por conta de ser a primeira tatuagem de Jimin, como desmaios, o obrigava a checá-lo a cada minuto, atendendo aos seus resmungos.

E quem acabou passando apuros fora si mesmo; afinal, o que faria com uma ereção palpável e bem marcada pela calça no meio de suas pernas? Poderia jurar que sentia até pulsar.

Ótimo; que maravilha; como se não bastasse agora seria um maldito sádico?!

Afastou rapidamente a cadeira em que estava sentado, o máximo que conseguia, retirando aquelas luvas de suas mãos empapadas de suor, tendo o plástico grudando nas mesmas. Mexeu um pouco na franja volumosa, esta que até mesmo estavam um pouco úmida.

— Posso vê-la? — Jimin indagou ao que lentamente se erguia apoiado pelos braços, tentando ser o mais cuidadoso possível — Estou curioso.

Seus olhos seguiram para o local, onde pode ver perfeitamente a recém tatuagem bem feita, algo que ficaria eternamente em sua pele, mas não se sentia nenhum pouco arrependido. Sorriu para aquilo, para o I’m Fine nítido para si, notando todo o carinho que o tatuador teve em projetá-la e marcá-la em sua pele.

— Espere um segundo! — Respondeu rápido, girando o corpo com tamanha agilidade apenas para que o outro não notasse seu estado embaraçoso. — Eu ainda preciso passar um pouco de pomada e protegê-la com PVC.

— Tudo bem. — Deitou-se novamente, mas agora resolvendo manter os olhos sobre cada ação mínima alheia.

Viu como o mais novo mexia de forma nervosa, e bem nítida, em alguns instrumentos de trabalho e assim preparava a proteção que seria feita sobre a tatuagem. Suspirou ao que sentiu a substância fria tocar sua pélvis, fazendo com que seu abdômen retraísse com isso.

Percebeu como os dedos eram longos, algumas veias sobressaltavam ao que cada vez mais seguiam por seu braço e desaparecia sob a manga dobrada do moletom.

Jungkook estava orgulhoso de si mesmo ao que admirava seu trabalho bem feito. Os traços delicados, o formato perfeito, e como podia ser lidas claramente ambas as pequenas frases. Era ótima a satisfação, mas não conseguiu focar muito nessa parte.

Não quando, ao que estava focado em terminar aquela última etapa, seus olhos negros instintivamente se movimentaram mais para baixo, onde não deveria ter encarado.

Não deveria mesmo.

Sentiu-se travar completamente quando, bem visivelmente, pode ver uma elevação sob as roupas levemente abaixadas do outro rapaz. Fora quase instantâneo o calor subir por seu corpo e se concentrar fortemente em suas bochechas, deixando ambas as bandas com um vermelho vivo pintando-as. Um tremor percorreu completamente todas as partes presentes em si e, assim que engolira em seco, suas pernas fecharam com mais intensidade e força, não sabendo exatamente o porquê daquela ação, apenas arfando baixinho ao que sua intimidade correspondia ao pequeno estimulo do roçar de suas coxas uma na outra.

Balançou negativamente a cabeça, como se fosse para espantar tudo aquilo, mas a verdade era que estava tão inebriado com as sensações; como se algo o tivesse drogado.

— Jeongguk.

Tremeu suavemente, ofegando baixo em resposta a aquele chamado, demorando um pouco para atendê-lo. Ergueu lentamente a cabeça, revelando seu rosto rosado e a expressão tão entorpecente, quase como se sua mente estivesse processando lentamente. Os lábios entreabertos deixavam a respiração pesada escapar, estes que foram molhados assim que a língua deslizou suavemente sobre eles.

— Algo errado? — Jimin indagou com aquele mesmo tom rouco, demonstrando estar preocupado, mas o moreno mais novo sentia e ouvia como um deboche para provocá-lo.

Se havia algo errado?

Sentia vontade de gargalhar, não sabendo exatamente por que; talvez por estar afetado por todo esse sarcasmo para cima de si, porém nem isso conseguia fazer.

— Eu só... Preciso me acalmar um pouco — Respondeu quase como um sussurro — Talvez um pouco de água — Olhou para os lados, sem saber exatamente o que fazer. Afinal, se levantasse teria que sair às pressas para que o outro não percebesse seu volume notável.

O Park olhou por um tempinho a tatuagem feita, concluindo que já estava pronta e protegida devidamente. Com isso, se permitiu erguer-se apenas com o torso, apoiado sobre os braços atrás de suas costas.

— Acalmar? Por qual motivo, tatuador? — Voltou a questionar; o tom suavemente demonstrando uma preocupação um tanto falsa, digna de cinismo.

Você.

Dessa vez tom fora tão baixo que o mais velho pensou ter ouvido coisas; se é que ouviu alguma coisa.

— O quê?  

O Jeon piscou algumas vezes, como se tivesse saído de um transe, amaldiçoando-se com todas as pragas possíveis por não conseguir manter a própria boca fechada.

— Nada. — Murmurou nervoso. — Não disse nada.

Apertou a própria coxa ao que deslizava seus dedos por ela, tentando desviar sua atenção para alguma coisa, mas acabando por morder o lábio ao gostar do próprio toque.

Precisava se controlar, sair dali o mais rápido e acabar com todo aquele clima estranho o sufocante, porém faltavam forças em suas pernas e cada vez mais se tornava doloroso permanecer com a calça apertada.

Aliviar. Precisava se aliviar urgentemente.

Fechou os olhos, mas bastaram poucos segundos para que sua mente se desligasse e quase, quase, deixara que sua destra seguisse demais sobre sua perna, tentada a segurar com força seu pênis coberto.

Grunhiu irritado, socando suavemente o próprio joelho.

Park Jimin o observou silenciosamente, notando como Jeongguk havia se desligado totalmente, esquecendo até mesmo da sua existência ali. Aos poucos fora se sentando lentamente, passando as pernas para fora do estofado e assim ficando de frente ao moreno; ambos os joelhos alheios roçando um nos outros.

Mas ninguém deu atenção a isso.

O mais velho sorriu um pouco, digamos que admirando o estado alheio, deixando seus lábios curvarem de jeito provocativo. Logo, pouco a pouco, fora se inclinando lentamente em direção ao Jeon. Aproximou-se do ouvido esquerdo, as peles quentes e suadas do rosto quase tocando, ignorando as pontadas de dor em sua pélvis por conta da tatuagem recente, respiração sobre a orelha e o vendo estremecer. Soltou uma risadinha rouca, acabando por roçar a ponta do nariz sobre o ouvido, apenas para provocar.

O moreno mais novo piscou mais uma vez, confuso com aquela situação, não entendendo bem toda aquela proximidade. Deixava seu corpo tenso, quente e quase clamante para que cada vez mais chegasse perto.

— O que você...?

— Diga-me Jeon... Você ficou excitado apenas por me ver gemer e contorcer de dor? — A indagação era carregada com um tom rouco, rude, impudico, porém cheio de intensidade, deixando o moreno ainda mais inebriado.

Foi imediato quando os olhos alheios arregalaram e, quase que na mesma velocidade, este se afastasse ao levantar levemente e abruptamente apenas para fazer tal ato, encoberto pela vergonha.

Não sabia se poderia ficar mais vermelho do que já estava.

Mesmo que não tenha realmente se erguido totalmente, ainda sim dava para ver claramente a braguilha da calça, onde esta continha uma elevação que, digamos, não deveria ter. Os olhos de Jimin automaticamente desceram por todo o corpo, desde a expressão assustada, até o volume saliente naquela calça. Sorriu de forma perversa, alarmando o mais novo, este que simplesmente retornou a desabar de forma desajeitada na cadeira e simplesmente insinuar que iria fechar as pernas.

Novamente se sentia um bobo, no mínimo idiota por pensar que iria fazer isso, mas não hesitou em ainda sim cumpri essa ação.

— Acertei?

 Tombou a cabeça para o lado de um modo tão cínico, sorrindo daquela forma provocativa, deixando seus olhos mais estreitos e afiados, capaz de cortar todas as estruturas do outro.

— E... Eu... — O mais novo engoliu em seco, grudando uma perna na outra, estimulado pelas mínimas pulsações. Jogou sutilmente a própria cabeça para trás, entreabrindo os lábios — Não queria... Ah!

Assustou-se levemente quando, simplesmente e de forma inesperada, Jimin depositou de forma rude o próprio pé na borda da cadeira, forçando Jungkook a entreabrir as pernas com o intuito de dar espaço e não ser pisado; este que observou o mais velho apoiar o cotovelo sobre a perna ao mesmo tempo em que deslizava os dedos indicador e polegar sobre o lábio inferior volumoso.

Sua presença repentinamente se tornara autoritária ao mesmo tempo em que tudo o que exalava era luxúria.

— Não acha que... — O sapato de cor preta deslizava sutilmente sobre a superfície fofa do acento, obrigando o moreno a separar cada vez mais as pernas e se abrir totalmente — Eu deveria aproveitar um pouco também? — Por fim a ponta do calçado roçou suavemente sobre o falo rígido do mais novo, este que retesou o corpo.

O arrepio intenso subiu por sua coluna.

— O que... O que está querendo dizer? — Jungkook indagou em meio aos ofegos, claramente temeroso sobre o que se passava na mente do seu cliente.

— Está louco para se tocar, não é? — Agora não era apenas a ponta que roçava, como também uma boa parte da sola do sapato — Irei fazer isso por você.

— P-Park... — Não teve tempo de formular uma frase.

Sua boca se ocupou em gemer alto ao que as mãos apertavam rapidamente os braços do assento onde estava, pois aquele homem mais velho achou que seria uma boa ideia pressionar mais forte o pênis alheio enquanto repetia o movimento várias e várias vezes de uma forma lenta, estimulando o local.

Caralho — Praguejou ao que fechava fortemente um dos olhos e exibia sua expressão de dor — Qual é o seu problema?

— Não gosta disso? — Pressionou um pouco mais forte, ouvindo um grunhido sôfrego escapar da boca alheia — Não minta para mim.

— Eu não... Argh!

Tombou a cabeça para baixo, consequentemente visualizando o pé alheio molestando sua intimidade, esta que correspondia com pulsares cada vez mais fortes. Percebeu sua visão embaçar por poucos segundos e os seus lábios entreabrir a medida que aquela pressão, agora se tornando gostosa no ponto certo, acabava proporcionando prazer para si.

Deixou que uma mão seguisse para rapidamente para a sua boca, tampando-a, abafando seus gemidos baixos.

A respiração cada vez mais densa onde, mesmo sendo reprimida pela palma sobre os lábios, podia-se ouvir lufadas pesadas se propagarem pela sala. Era nítido o quanto estava afetado, pesado e difícil de controlar, apenas por acompanhar o movimento do tórax. O cenho se franzia intensamente ao que aqueles movimentos sobre seu falo aumentavam drasticamente de velocidade, roçando em si, empurrando-o contra e trazendo choques prazerosos.

Jungkook estremeceu de forma intensa, apertando os dedos na região da bochecha, tencionando o corpo ao que seus lábios entreabriam com um sugar profundo do ar, mas não bastando isso quando, assim que Jimin perdeu um tanto de paciência com toda aquela descrição, aumentou a força imposta sobre o local sensível.

A cabeça lançou-se para trás, as costas arquearam e a boca ficou livre da mão que a escondia. Os olhos, fortemente fechados, traziam consigo uma boca entreaberta, mas livre de qualquer som.

Não seja assim, Jeon — O mais velho proferiu de forma mansa e rouca, deslizando sutilmente o polegar sobre o próprio lábio inferior volumoso — Solte sua voz, hm.

Respiração acelerada; corpo mole sobre a cadeira; as pálpebras se mexerem suavemente, apenas o suficiente para que os olhos ficassem cerrados, luxuriosos, mirando no homem que o enlouquecia com tão pouco.

A-ah!

Gemeu com um ofego rápido ao que seu olhar analisava o quanto Park Jimin estava duro para si. Não apenas isso como também suado, ofegante e completamente gostoso com aquele olhar de quem estava louco para tomar seu corpo.

Parecia calmo, mas ainda sim transmitia o quanto estava excitado.

Apenas isso, apenas por ver o mais velho daquele jeito na sua frente, fez com que reagisse a aquela carícia um tanto inusitada. Ondulou o corpo, o tanto que pudesse, jogando a cintura contra o pé alheio em constante movimento. Suas costas, mesmo que involuntariamente, arqueavam em direção aos movimentos.

À vontade, quase desesperado, de roçar em algo estava tomando-o. Roçar até gozar, gozar para seu cliente olhando daquela forma para si.

Jimin — Proferiu como um sussurro manhoso ao encará-lo, quase um sopro, sentindo seus lábios um tanto secos.

E isso fora o suficiente, não precisando de mais nada, para que o dito-cujo arfasse de forma alta e perdesse um pouco aquela compostura de quem estava estável com aquela visão. Socou o estofado, trincando o maxilar ao que sentia seu pênis corresponder a toda aquela entrega do mais novo.

Remexeu-se em seu lugar, sem parar os estímulos com o pé, apenas para sentir o pano das roupas que vestia roçar em seu pau e entreabrir os lábios com isso. Segurou com força os fios da franja negra, deixando que a mão deslizasse lentamente por seu rosto e segurasse de leve o próprio pescoço.

Me deixa te tocar — O pedido viera como uma bomba sobre o mais velho, este não pode evitar o arregalar de olhos por pura surpresa.

Não esperava que o outro fizesse tal pedido, tão direto, e sim que teria que avançar um pouco mais sobre si; que teria que convencê-lo a se perder nessa loucura e aceitar o prazer que poderia proporcionar.

Porém Jeon Jeongguk já estava perdido desde que tocara a ponta fina da máquina sobre a pele alheia.

— E você? — Aos poucos deixava de instigar o outro começando por diminuir os movimentos impudicos sobre a intimidade alheia para que, lentamente, afastasse a sola do sapato e trouxesse a perna em direção a si — Deseja os meus toques? — No mesmo ritmo as pernas iam se afastando, deixando claro o quanto estava duro por observá-lo — Dongsaeng.

Para o citado aquilo estava tão indecente; o jeito como Jimin abria-se para si e demonstrava sua virilidade. Até mesmo o modo como havia sido chamado, e assim descobrira que era mais novo que o outro, havia um toque que alcançava seus ouvidos e o fazia se sentir drogado.

— Sim — Respondeu ao voltar para a realidade e parar de encarar a ereção alheia sobre a calça apertada, podendo ver o sorrisinho convencido que era mandado para si — Me toque — Os lábios pronunciavam de um jeito lento e provocativo, apenas pelo tom sensual. — Hyung... — Sorriu suavemente de canto — Não é?

O mais novo tentou manter toda a pose que conseguira em poucos minutos, mas perdera na mesma velocidade quando sentira seu membro pulsar em busca de estímulos. Instintivamente, sem pensar, fez com que as próprias pernas chocassem uma contra a outra, esfregando-as ao que soltava murmúrios baixos de prazer, quase manhosos. Arfou alto, intrometendo-se naqueles roçares quando colocara o braço entre as coxas grossas apenas para que se esfregasse no local de um jeito um tanto afobado.

Jimin-ah! — Deixou escapar ao que, novamente, pendia a cabeça para trás e ofegava intensamente — Ah! Hm!

O mais velho se viu fincando as curtas unhas que tinha sobre o pano da calça que usava naquele momento, esta que estava o enfurecendo por simplesmente torturá-lo por causa de sua ereção presa sob ela. A outra mão tratava de tentar agarrar o couro do estofado em que estava, mas a tarefa se resumia a inda e vindas dos dedos deslizando falhamente pelo local com movimentos repetitivos.

— Se me deseja tanto... — Proferiu quase que de forma inaudível, rouco como nunca ouviria em seu estado normal, deixando que a própria língua passasse pelos lábios e por fim fosse fracamente mordida na ponta — Então venha.

Os olhares se encontraram após tais palavras, onde ambos se viam na mesma situação, onde naquele momento também não necessitava de mais palavras. Essa conexão não fora quebrada, nem mesmo quando Jungkook, sem muita pressa quando o corpo fora desencostando do encosto, se aproximava pouco a pouco, como se medisse qual seria a reação do outro.

Pacientemente o mais novo quebrava aquela distância, encarando o ser a sua frente, com uma lentidão admirável para quem estava necessitado e desesperado por mais. Assim, desse jeito, a visão intercalava entre os olhos estreitos e os lábios volumosos, claramente mostrando seu interesse em tomá-los ao que hidratava os próprios com passar da língua nos lábios.

Respirações densas, o corpo do mais novo se inclinando sobre o alheio, apenas para deixar aquela tensão quando as bocas estavam a centímetros de distância ao ponto de os narizes roçarem suavemente. O Jeon sorriu com aquilo, aproveitando tal feito para tocar mais uma vez o local com um carinho discreto.

— Tem certeza? — Jimin sussurrou mais como uma provocação, sorrindo de canto ao que correspondia os olhares sobre sua boca.

— Ainda pergunta? — Rebateu com um tom brincalhão, revelando seus dentes levemente saltados ao que sorria mais com um repuxar no canto.

Não precisou de nada mais, afinal não havia nada para que pudesse ser contestado. Por isso não precisaram de uma resposta verbal, muito menos de uma permissão, para que o Park se permitisse segurar o pano do moletom alheio e assim o puxar junto com o garoto que o trajava, este que teve que apoiar-se com as mãos sobre o assento onde o outro se encontrava a fim de não desabar de mau jeito.

Tão rápido quanto pudera processar, seus lábios se encaixaram perfeitamente aos do mais velho. Passou poucos segundos para que entendesse isso e arregalasse de leve os olhos por não esperar, mesmo que estivessem tão pertos antes. Aos poucos seu corpo ia suavizando, os braços querendo ceder e abrir mão da força que continha, e aquilo com apenas um encaixe das bocas. Estes se separaram minimamente, ambos calmos sob aquela situação, parando para sugar o ar uma única vez antes que voltassem a selá-las com um entreabrir dos lábios, onde estes deram passagem às línguas de ambos. Arrepiaram-se com o toque sutil, aprofundando mais aquele beijo com gosto e vontade, pois o prazer era algo que viciava.

Contudo Park Jimin tinha seus próprios planos, e um deles não era demorar muito naquele simples toque dos músculos. Logo aquele beijo não passou de um sugar do lábio inferior seguido de um puxão leve entre os dentes. O Jeon, necessitado de mais daquele toque, grunhiu frustrado ao ser recusado quando o outro afastou um pouco o rosto de si, sorrindo de uma forma travessa.

Pois era isso que o mais velho tinha como objetivo: Deixar Jungkook sedento por seus toques simplesmente por não os ter; apenas na espera de mais.

— Não seja apressado — Proferiu rouco e, a julgar pelo mais novo, um tanto detestável ao fazer esperar — Temos tempo para isso.

Mas eu quero agora.

Jimin sorriu com aquele pedido, ou melhor, com aquela ordem a julgar pelo tom de voz, porém não pretendia seguir os anseios alheios, não agora.

— Por que não se senta um pouco? — O tom era tão carregado de malícia, denunciando-o prontamente que não se referia a um sentar como faria normalmente sem estar nessa situação.

Obviamente sua conclusão estava correta, pois sentiu o braço do mais velho envolver-lhe a cintura com uma pegada forte e por fim puxá-lo para seu colo de uma vez só. Bastou um piscar de olhos para que Jungkook se encontrasse sobre a cintura alheia, tendo uma perna de cada lado do corpo alheio e estas estavam sobre o estofado de couro, fazendo-o com que sentasse sobre os próprios calcanhares.

Corou; constrangeu-se não apenas por estar em uma posição tão comprometedora onde ambos os corpos se encaixavam perfeitamente, mas também como podia sentir a ereção alheia sob si, pulsando em consentimento.

— Envergonhado? — Jungkook pensou se o outro não cansava de fazer tantas perguntas e delas não obter nenhuma resposta; apesar de senti que seria retórica — Que gracinha.

— Fale menos e faça mais, Park Jimin.

Estava ficando realmente impaciente com aquilo, com toda aquela lentidão que o outro gostava de explorar.

Jimin não se abalou com as palavras ditas, na verdade sorriu com escárnio antes que, seguindo esse mesmo ritmo, aproximava sua boca volumosa em direção a pele amorenada. Começou com um sutil selar na mandíbula marcada, deslizando os lábios por ali e, às vezes, acabando por resvalar de leve o dente, traçando todo o caminho em direção a orelha.

Mordeu a cartilagem, puxando de leve o pequeno brinco de argola que havia ali, prendendo-o entre seus dentes novamente para logo após distribuir mais alguns beijinhos no local. O dono deste tentava a todo custo resistir à tentação de inclinar a cabeça em direção, afetado pela respiração alheia sobre, mordendo o lábio inferior ao que gostava das ações feitas ali.

O Park encostou a boca sobre o lóbulo, rindo suave e rouco, baixo, provocando o mais novo com o seu deboche e afrontamento. Mas quem disse que o Jeon não estava gostando daquilo?

 — Eu vou ensiná-lo a seguir o meu tempo; e, quando acabarmos, você vai querer foder lentamente toda às vezes.

O mais novo não ousou contestar; seu corpo estremeceu em consentimento a tudo o que fora dito, cheio de expectativas para o que viria a seguir. Afetado desta forma, suas mãos tomaram o primeiro rumo, de forma involuntária, quando estas se firmaram fortemente ao ter os dedos de ambas entre os curtos fios negros do cabelo alheio acima da nuca. Respirou falho, ouvindo mais uma vez uma risadinha.

— O que você espera, Jimin?  — O tom era rouco, mas ainda sim, quase que imperceptível, o mais velho podia perceber um toque manhoso bem no final — Me toque — Pediu sôfrego, aumentando a força com que segurava as madeixas escuras, obrigando-o a encostar suavemente na lateral do seu pescoço, logo abaixo da orelha, ao erguer-se levemente — Me toque do seu jeito.

Não bastou mais que isso para que Jeongguk sentisse a boca alheia descer pelo seu pescoço, com leves selares, porém que arrepiavam intensamente quando se tinha a ponta da língua cooperando juntos aos lábios. Ao passar disso a destra do Park subia por sua coluna pouco a pouco, apenas a pontas dos dedos escalando o local, e por fim parava sobre a nuca parcialmente escondida pelo moletom. Ao mesmo tempo em que isso acontecia deslizava seus beijos por um único caminho invisível traçado, reto, por onde começava perto das clavículas e seguia em frente, com um pequeno encontro ao pomo de Adão e assim pudesse alcançar abaixo do queixo.

Essa ação fazia com que o Jeon correspondesse de modo que sua cabeça erguesse pouco a pouco e abrisse um caminho para que abusasse de sua pele. E essa fora a deixa que o mais velho tivera para agarrar os ralos fios de cabelo acima da nuca e os prende-lo com força.

Em resposta pode ouvir um grunhido de dor por parte de Jungkook, este que entreabriu os lábios e encarou o teto iluminado por pequenas luzes arredondadas e amareladas; em seguida, não muito satisfeito, livrou-se do aperto em seu cabelo e deixou que suas mãos descessem sutilmente para os ombros alheios.

— Hey — Murmurou ao mesmo tempo em que massageava o local com sutileza — Não acha que está na minha vez também de aproveitar um pouquinho? — Mordeu o lábio inferior, afinal era esperto e longe de ser calmo ou desperdiçar momentos.

— Ah, é? — Jimin sorriu daquele mesmo jeitinho travesso, afastando-se apenas o suficiente para pender um pouco a cabeça para baixo junto ao sorriso, também relaxando com os toques alheios.

— Não se faça de desentendido — Acompanhou o bom humor naquele momento, deixando que seus dedos, antes com uma gostosa massagem, descessem mais um pouco para o tórax alheio.

Brincou ali, remexendo nos botões da camisa social negra, mas sem realmente abri-la; ainda não. Subiu para o colarinho, arrumando-o, ou fingindo arrumar, para que então pudesse fazer com que seus braços caíssem mais para trás e rodeasse o pescoço alheio. Assim, afastou as cinturas com um leve empinar para trás, inclinando-se para frente até os narizes se tocarem.

— Estou fervendo, Hyung — Roçou ambas as bocas, tentado a junta-las, sabendo que o Park o observava e media o quanto poderia se controlar — Minhas roupas estão incomodando.

Você não faz ideia — O tom rouco, denunciando suas segundas intenções com aquelas palavras, fez com que o Dongsaeng sorrisse.

Aquelas peças irritavam em todos os sentidos e o sentimento disso era mútuo. Com elas os corpos não podiam se sentir completamente, as peles não podiam se tocar, o calor era infernal e as ereções não combinavam com uma calça colada.

— Não acha que devemos nos livrar delas? — O Jeon indagou divertido, roubando não mais que um simples selar dos lábios, antes que voltasse a se afastar sem muita pressa e assim ficasse totalmente ao alcance do olhar do mais velho; estava bem à frente dele, sobre suas pernas e pronto para aprontar alguma coisa, passava isso com o olhar e o curvar perigoso do sorriso.

Primeiro Jungkook bagunçou os próprios fios de cabelo, um tanto úmidos nas pontas pelo calor, deixando-o um pouco mais atraente. Em seguida tomou os próprios joelhos, deslizando por toda a extensão das coxas e mordendo o próprio lábio ao sentir seus polegares na parte interior, cada vez mais perto de algo muito necessitado de atenção.

Mordeu o lábio, desejoso por aquilo, desejoso por um contato quando as pontas tocaram suavemente a base de sua intimidade coberta. Estremeceu, ofegando em instantes, remexendo-se sobre as pernas abaixo de si e enfim segurando com força perto da virilha. Não era isso que queria fazer a primeiro momento, mas não conseguiu evitar se esfregar minimamente sobre o corpo alheio, gemendo baixinho para si mesmo.

Ah, porra — Praguejou de um jeito mais arrastado, perdendo-se um pouquinho ao que fechava os olhos e sentia, de forma proposital, o mais velho tentar mexer as pernas e aumentar seu descontrole — A-Ah — Molhou os lábios com a própria saliva, ainda absorto.

— Perdeu o rumo, tatuador? — Jimin provocou de forma debochada, mesmo que sua respiração voltasse a ficar desregulada e seu pau voltasse a pulsar com aquela cena quase pornográfica. Não reclamaria se o profissional ali começasse a se tocar na sua frente — Não consegue se controlar?

— Cale a boca — Em outras ocasiões isso seria contado como uma falta de respeito, mas Jimin estava pouco ligando para formalidades e tampouco Jungkook — Sua moral não está tão alta assim — Completou ao mesmo tempo em que encarava sem pudor a elevação no meio das pernas — Seu amiguinho aí está louco por mim, hm? — Riu com um pequeno gemido no final, este apenas para provocar, voltando para seu objetivo.

Em resposta o mais velho nada disse, não com palavras, mas sim com gestos assim que direcionou a destra, sem rodeios, ao encontro de seu pênis coberto. Apertou suavemente o local, encarando os olhos alheios por todo o processo, até que massageasse aos poucos e assim pendesse a cabeça para trás sem muito exagero; mordeu o lábio, entreabrindo os lábios e fechando as pálpebras.

O Jeon arfou alto, sentindo seu rosto quente e, por um momento, perdendo aquela postura provocadora e cheia de si apenas para se desconcertar um pouco e se remexer sobre as pernas. Mordiscou algumas vezes o lábio inferior, mantendo-se focado na cena à frente.

— Jimin-ah — Murmurou quase sem voz, estremecendo ao ter a atenção novamente; aqueles olhos lascivos tiravam suas estruturas — Quer ver as minhas tatuagens?

É claro que não era esse o real motivo para se livrar do seu moletom quente e pesado, mas ainda sim despertara o interesse do dito-cujo. Havia se esquecido que aquele garoto mais novo possuía alguns desenhos em seu corpo e novamente se viu realmente interessado em vê-las.

— Adoraria — Com a canhota começara a deslizar sobre a coxa alheia, massageando-a suavemente antes que, ao chegar perto da virilha, apertasse o local com força e assustasse um pouco o dono desta — Mostre-as para mim, Saeng.

O mais novo engoliu em seco, sentindo sua garganta seca e os lábios um pouco secos. Molhou-os novamente com a saliva presente em sua língua enquanto, aos poucos, suas mãos seguravam simultaneamente o pano grosso da roupa que vestia. Já fazia um tempo que ansiava em fazer isso, pois o calor era absurdo e o suor incomodava. Não enrolou muito com isso, retirando de forma rápida ao puxar por cima da cabeça e assim se ver finalmente livre.

Jimin deixou que um arfar escapasse de forma involuntária de seus lábios ao ver o que seria os braços fortes junto ao torso definido do moreno, este que trajava uma regata branca totalmente colada pelo suor que inundava sua pele, revelando suas curvas.

Mas não fora só isso que chamou sua atenção, como também a grande tatuagem que enfeitava sua pele, começando pelo ombro, e descendo pelo braço um tanto musculoso; eram flores em um tom azul claro, simplesmente bonito, presas a galhos. E, não terminando somente aí, um pouco abaixo, seguindo o formato do braço, havia algo grafado:

"I’m a mess, I confess"

Os lábios volumosos se curvaram em um sorriso totalmente involuntário para aquelas pequenas, mas tão significativas palavras. Seu olhar voltou para o rosto, notando os fios da cabeça bagunçados por causa do moletom recentemente retirado, observando o rosto, um pouco vermelho, de Jungkook. O observar assim por alguns segundos, perceber seu jeito travesso, o fez pensar em como seria conhecê-lo mais e ter a certeza que aquela frase o representava, pois parecia se encaixar muito bem com ele.

— São bonitas — Comentou ao que notava o acanhamento repentino do outro, reforçando seu pensamento de como ele era adorável — Mas não tanto quanto você.

— Idiota — Murmurou de volta tentando parecer sério, mas suas bochechas coradas e o sorriso mínimo o denunciavam — Ainda tem outra. — Mudou um pouco o rumo ao que o dedo indicador da destra segurava suavemente a gola da regata e assim a puxava para o lado — Essa aqui.  — Mordeu o canto do lábio — Mas só poderá vê-la se me despir.

O mais velho sorriu novamente, mas este não era nada decente e sim cheio de segundas intenções em resposta as investidas audaciosas. Endireitou o torso apenas para que pudesse chegar mais perto o outro e assim com a mesma mão, que apertava com gosta a coxa alheia, subisse um pouco mais, tirando um pouco o fôlego do Jeon quando esta perigosamente deslizou perto de sua ereção; não sendo este o objetivo, continuou o trajeto já planejado em sua mente, até que finalmente encontrasse a barra da camisa alheia.

— Acharia ótimo.

Park Jimin correspondeu à fala alheia anterior ao mesmo tempo em que seus dedos pacientemente invadiam o local e se colocavam sob o pano da peça de roupa, tocando diretamente a pele quente e molhada. Instigou com as curtas unhas, relando de leve, sentindo como estremecia. Não contente apenas com isso, resolvera passear com a ponta dos dedos, de um lado a outro, instantaneamente notando como a barriga contraia de maneira mais nítida e, junto a isso, o mais novo entreabria os lábios para sugar uma boa quantidade de ar, arfando, enquanto seus olhos fechavam suavemente.

— Mas não acha que eu estou vestido demais?

Aquela indagação trouxe de volta a atenção do mais novo, este que entreabriu lentamente os olhos e o encarou por alguns segundos, parecendo desligado, sem um raciocínio; seus olhos estavam inundados de desejo, claramente não dando a mínima para conversas, mas ainda resolvendo responder.

— Essas roupas ficam lindas em você — Arfou ao sentir a mão alheia subir por sua cintura sobre a lateral do seu corpo, experimentando suas curvas — Mas, sinceramente, prefiro vê-lo sem elas. — Ambos sorriram por causa da frase tão clichê nesses momentos, mas não demoraram muito nesse pensamento.

Jungkook se aproximou mais só com um movimentar das pernas sobre o estofado. Aquela posição era incômoda por causa da calça apertada e o tecido, mas nada que não pudesse suportar em comparação a estar no colo daquele Park. Ambas as mãos foram diretamente para os primeiros botões perto do colarinho, desabotoando-os lentamente, mordendo o lábio ao ter a ansiedade de ver aquele corpo.

Porém essas mesmas mãos vacilaram por alguns instantes quando, de forma audaciosa, Jimin resolvera provocar um dos mamilos com o seu polegar ao mesmo tempo em que sua canhota trabalha na virilha, vez ou outra alternando com pegadas fortes na coxa, mas nunca diretamente na intimidade claramente afetada. O mais novo estremeceu com o mínimo toque, fechando os olhos, parando o que estava fazendo apenas para abaixar a cabeça e suspirar.

— Você gosta disto — Proferiu o óbvio, deixando que sua boca fizesse algo mais útil quando direcionou para o pescoço a fim de deixar leves selares por toda a extensão, fazendo com que Jungkook inclinasse a cabeça para trás a medida onde seus lábios alcançavam.

— E você...? — Mordeu o lábio, reprimindo um grunhido, tentando ignorar um pouco os choques de prazer.

Deixou que suas unhas, mesmo não tão compridas, arranhassem de leve a pele pela parte despida perto das clavículas, invadindo um pouco os ombros por debaixo do pano da camisa e assim deixassem pequenas linhas vermelhas na pele. Subiu para o pescoço, só que apenas resvalando, trazendo arrepios no corpo alheio assim que alcançava a base da nuca. Brincou com os fios curtos de cabelo, enrolando-os de um jeito desajeitado em seus dedos, porém bagunçando-os à medida que os toques traziam sensações para si.

O mais velho sorriu com a ideia que passara em sua cabeça enquanto brincava com a sanidade do moreno ao ser tocado naquele ponto. Parecia ser no mínimo interessante de tentar então, aproveitando que estava marcando um pouco a pele do pescoço, deixou que seu queixo deslizasse sobre, descendo vagarosamente por cima da camisa, para que enfim encontrasse o mamilo endurecido que não estava sendo estimulado por sua mão. Soprou ali, por cima da camisa, notando como o corpo tremia em resposta. Assim resolvera tomá-lo com os lábios, sentindo o gosto do pano e assustando levemente o corpo sobre si.

— O quê...? — Jungkook parecia absorto, sem entender muito bem. — Mas que ideia é essa?

Jimin sorriu sem desistir e, colocando seus lábios ao redor do bico, deixou que a ponta da sua língua rígida molhada escapasse por entre eles e o instigasse ao pressioná-lo. Os músculos do corpo alheio travaram com esse pequeno contato; podia sentir nitidamente as pernas se fechando contra as suas ou como os dedos agarravam seu cabelo.

— Ji... Jimin — Proferiu falho, com os lábios trêmulos, remexendo ao sentir o músculo úmido mexendo-se minimamente de um lado a outro e por fim pressionando seu mamilo — I-Isso é... — Mexeu-se suavemente — Bom.  — Apoiou a própria testa sobre o topo da cabeça do mais velho, fechando as pálpebras fortemente, arfando com aqueles prazeres mínimos. — Me toca mais. — Suplicou sôfrego.

Ondulou de forma mínima a cintura, gemendo arrastado, mas curto com o roçar de seu pênis pulsante com o colo alheio. Tentou ir um pouco mais a frente, colando completamente ambos os corpos, impossibilitando que acontecesse muita mobilidade entre eles; mas Jungkook não pensava nisso contanto que pudesse sentir a língua do seu Hyung sobre seu mamilo e o pau dele pulsar contra o seu, sendo melhor ainda entre suas nádegas.

Aqueles dedos puxando seus fios traziam arrepios a sua nuca, onde percorriam sem um destino, mas nunca saindo de lá. Resolvera fazer com que sua boca abandonasse o local ao que sentira um puxão mais forte, obrigando que tombasse a cabeça para trás e suspirasse com um entreabrir de lábios.

— Não era você que estava louco para me tocar? — Indagou com um sorrisinho ao notar o estado alheio, tão perdido, repousando as mãos sobre a cintura.

— É. — Respirou fundo, encarando-o — Não é que é verdade?

E tudo o que Jimin viu foi um sorriso travesso antes que os braços alheios rodeassem seu pescoço e o puxasse para um beijo; aquilo que Jungkook tanto ansiava desde o começo, querendo novamente aqueles lábios para si. Aos poucos, tendo ambas as bocas tomadas por sugares intensos junto a choques prazerosos a cada encontrar das línguas, o mais novo fora induzindo o corpo alheio a se inclinar cada vez mais para trás; lentamente, sem desgrudar os lábios, até que o Park se encontrasse parcialmente deitado, tendo os braços apoiados pelos cotovelos no estofado, logo ao lado do corpo.

Obviamente o Jeon acompanhou o movimento, reclinando sobre seu cliente, se apoiando com ambas as mãos, uma em cada lado do rosto; cessou o beijo com um único selar para que então sua boca descesse pelo queixo e o mordesse na ponta. Sorriu, continuando o caminho por baixo do local, fazendo uma trilha de beijos ao que a cabeça dava acesso quando inclinada para trás.

Jiminnie.

Murmurou junto a um sopro, deixando-se sentar sobre o colo alheio para que pudesse ter as mãos livres e assim terminar de abrir aqueles botões. Não tinha pressa para tal, na verdade queria ver aquele torso ser descoberto lentamente, até o último botão existente. Mordeu o lábio, fazendo com que suas mãos deslizassem pelo abdômen, lentamente, sentindo cada centímetro daquela pele quente e suada.

Tocou até o limite dos ombros onde, nessa mesma parte, começou uma massagem suave por toda a extensão. Jimin relaxou o corpo, afetado pelos toques gostosos no local, suspirando ao que fechava os olhos e entreabria os lábios.

— Tem fraco por massagens? — O Jeon indagou com um sorriso mínimo nos lábios; ambos os polegares pressionaram a base do pescoço.

— Só as bem feitas — Arfou junto a um grunhido, cerrando os olhos e vendo como o outro exibia uma expressão de quem estava desacreditado — O.K — Riu de leve — Você descobriu meu ponto fraco, parabéns. — Trincou o maxilar — Satisfeito?

— Muito.

Rebateu rouco ao que se inclinava novamente sobre o corpo a fim de alcançar os ombros e assim puxar as bandas da camisa social, deixando que descesse sobre o braço, mas não muito, apenas o suficiente para revelar tal parte. Beijou de forma suave, aumentando a pressão dos dedos, porém não o suficiente para machucar, arrepiando quando ouvira o gemido fraco encontrar seu ouvido.

Ofegou em resposta, mordendo levemente a pele do pescoço, endireitando sua postura quando ergueu o torso novamente. Olhou por cima seu Hyung, encontrando-o tão desejoso, fodidamente desejoso daquela forma e o desgraçado nem estava totalmente despido. A destra seguiu para a franja grudada sobre a testa por causa do suor, sentindo os fios entre os seus dedos à medida que os empurrava para trás.

Após essa ação, tendo ambos os olhares se encarando, tocou todo o tronco ao suavemente deslizar a palma pela pele morena, desde o pescoço com arrepios, onde rodeou sem muita pressa o umbigo, sorrindo ao ver o abdômen contrair com isso, para então chegar ao seu novo objetivo e alvo; a braguilha da calça.

— Com pressa? — Jimin provocou revelando um sorrisinho, mesmo que, por dentro, seu subconsciente implorasse para que o mais novo agisse rápido.

— Como se você não tivesse — Sorriu ao observar o volume ali, mordendo o lábio ao desabotoar o único botão e ver o zíper abrir-se um pouco por conta própria — Devo enrolar um pouco mais?

— Você sabe que não.

 Suspirou ao sentir a peça afrouxar, remexendo-se ao mesmo tempo em que deixava suas mãos repousarem sobre as coxas do mais novo, alisando-as com leves apertos; um tanto frustrantes por causa da calça, pois queria sentir aquela pele. Subiu com os dedos, tocando a cintura, para logo chegar à lombar e arranhar levemente.

Está tão duro, Hyung. — Proferiu um tanto manhoso, arrastado na última palavra, deixando o dedo indicador invadir a barra da cueca à mostra pela fenda na calça, trazendo consequências para si quando sentira os dedos se apertarem sem uma força moderada na lateral do seu corpo; arrepiou-se junto a um gemido surpreso, notando o mais velho grunhir.

— Por que não faz alguma coisa?

— E deveria?

Sorriu de um jeito cínico; mas não imaginou que seria possível ser lançado para o lado e, em segundos, ser o que está por baixo. Bastou um piscar de olhos para que Jimin jogasse o corpo sobre si para o lado e por fim parasse no meio de suas pernas, deixando o outro desnorteado por um momento. Piscou algumas vezes, ajeitando-se melhor quando se virou no jeito certo de se deitar no estofado enquanto o mais velho acompanhava sem desgrudar os lábios do seu pescoço.

Deixou que o mesmo ficasse no meio das suas pernas, abrindo espaço para si, fechando os olhos ao se deixar sentir os beijos molhados por toda a parte até as clavículas ao mesmo tempo em que sua camisa preta era erguida pouco a pouco. As costas acompanhavam os movimentos, arqueando à medida que o pano subia, revelando seu abdômen levemente sarado ou, mais acima, seu peitoral. Ajudou a retirar por completo ao erguer os braços, estes que se enrolaram no pescoço do Park e o trouxe para si a fim de roubar-lhe um beijo e, finalmente, ter algum contato das peles desnudas. Suspirou sobre os lábios volumosos, gostando da sensação e de como ambos ferviam e suavam; o abraçou, deitando-o sobre si, sentindo suas coxas serem seguradas e erguidas suavemente.

— Jimin — Murmurou sôfrego ao que o soltava apenas para que pudesse ter as mãos livres e assim abrisse a própria braguilha, puxando um pouco a calça para baixo e por fim tocasse suavemente a própria intimidade com um aperto leve. Suspirou seguido de um morder dos lábios, pendendo a cabeça para trás e remexendo-se sobre a própria mão — Eu não... A-Ah.

— Shh — Proferiu rente ao ouvido como forma de acalmá-lo, porém conseguindo arrepiar por inteiro — Vou fazer você se sentir bem.

Por favor.

O Park sorriu para o tom tão necessitado, até mesmo um tanto manhoso e baixo. Afastou-se por poucos centímetros, apenas o bastante para que pudesse se sustentar sobre os joelhos e ter um sustento, assim podendo ver o corpo alheio jogado onde estavam; e com isso, observar a terceira, e última, tatuagem do Jeon: As fases da lua enfeitando sua clavícula esquerda. Era tão bonito, tão perfeito para aquele corpo, que o mais velho não reprimiu sua vontade de passar as pontas dos dedos ali, contornando com o indicador, sem retirar por um segundo o olhar do local; tudo parecia combinar tão bem com aquele garoto.

— Ji... Jimin... — O moreno ofegou após chamá-lo, notando seu olhar sobre si — Pode admirar depois?

O dito-cujo sorriu de leve, arrumando-se melhor, erguendo mais as pernas alheias e o puxando para si com um chocar, de tirar o fôlego, das intimidades. Jeongguk arfou alto, instintivamente agarrando-se ao couro preto abaixo de si, deixando suas mãos acima da cabeça; estava ansioso, era palpável, louco para os próximos toques alheios. Acompanhou o jeito como as mãos desciam por sua coxa, sem pressa, até que alcançasse a barra da calça e a puxasse um pouco mais daquele corpo.

— Eu vou admirar outra coisa — Murmurou ao mesmo tempo em que se apoiava com a canhota junto ao rosto do mais novo.

— O que seria? — Indagou no mesmo tom, sentindo sua coxa esquerda ser erguida um pouco mais; ambas as intimidades se tocavam sutilmente com a posição, porém era isso que Jimin queria.

— Suas expressões de prazer.

O Jeon não obteve tempo para pensar naquelas palavras, muito menos raciocinar alguma coisa coerente a não ser gemer e apertar com força o estofado, observando como os pênis, mesmo cobertos pelas roupas, proporcionavam prazer ao roçarem-se aos poucos, afinal os movimentos eram lentos sobre si. Sugou o ar, elevando o quadril quando sentiu uma pressão, fazendo questão de acompanhar as ações com a própria cintura.

A-Ah — Gemeu baixo, afobado, querendo mais que apenas uma velocidade lenta — Mais rápido. — Pediu para que, logo após, gemesse alto ao sentir ume estocar mais forte e bruto.

— Assim? — Indagou lascivo enquanto repetia o mesmo movimento, observando como a cabeça se lançava para trás e as costas arqueavam.

Si-Sim... Sim... — Gemeu acompanhado de um rebolar contra, mordendo o lábio, fechando fortemente os olhos — Faz de novo... Ah!

O mais velho queria continuar a provocá-lo, realmente queria tornar aquilo lento e torturante, mas se deixou vencer ao sentir o arrepio em sua espinha e como a vontade de gozar era mais forte que si. Deitou-se completamente, juntando os torsos, tendo as pernas alheias escapando e o envolvendo na cintura, puxando-o para mais perto.  Fechou os olhos, gemendo rouco, sentindo seus fios de cabelo sendo puxados a cada estocar forte que dava sobre a intimidade alheia. Grunhiu ao que o mais novo tentava ondular o corpo, ouvindo-o gemer manhoso, às vezes alto com os movimentos bruscos, enlouquecendo com os roçares.

O prazer partia dali, formigava em sua cintura, contraia seu abdômen e arrepiava a espinha da coluna até a nuca. Encostou os lábios volumosos sobre a pele do pescoço, chupando o local quando o Jeon resolvera morder de leve seu ombro e respirar ali; mas ainda sim dava para se ouvir os ofegos altos de ambos pela sala.

As mãos do mais novo, abandonando os fios, desceram para as costas, estes que foram arranhadas ao ponto de deixar marcas vermelhas sobre a pele à medida que se afundavam a cada pressão forte e desesperada que o outro fazia sobre si.

Jimin — Murmurou absorto, não tendo razão para chamar o tal — Jimin... — Remexeu-se — Jimin! — As palmas escorregaram um pouco mais e, preso em sensações, acabou por apertar a bunda alheia ao que chocava os corpos novamente.

O dono desta gemeu rouco, um tanto prolongado, tendo sua respiração pesada de forma audível; ocupou sua boca quando resolvera beijar a pele, todo o pescoço, confuso sobre se rebolava contra as mãos firmes em suas nádegas ou roçava sobre o pau pulsante abaixo de si. O Jeon passou a língua pelos lábios, estes que estavam secos, tendo sua boca necessitando de algum líquido; pensar assim, nessa situação, não ajudou nem um pouco com a sua sanidade. Estremeceu com a ideia, ofegando, virando o rosto para o lado a fim de alcançar o ouvido do mais velho.

— Eu quero rebolar em você. — Sussurrou necessitado, sôfrego e com um leve tom manhoso — Eu quero chupar você, Hyung.

Os membros alheios travaram ao ouvir o pedido, sem qualquer reação ao não ser manter as intimidades em uma pressão constante e agonizante quando Jeongguk começou a se contorcer, não de incômodo, e sim de um prazer quase desesperador. Seus lábios teimavam em soltar gemidos, mesmo que tentasse morde-los ou prendê-los com os dentes.

 Merda... Oh! — Lançou a cabeça para trás, arqueando-se o máximo que conseguia, entreabrindo os lábios — Ann-ah!

Esse separar fora o bastante para que Jimin conseguisse levar a canhota para o rosto e assim poder tocar a ponta do seu polegar sobre a boca rosada. Passou o dedo ali, lento, até que resolvesse afundá-lo para dentro da cavidade, sentindo como a língua úmida tocava-o. Quase que instintivamente fora envolvido pelos lábios, preso entre os dentes, sentindo o sugar dos mesmos ao chupá-los. O mais velho ofegou sentindo-se quente, ondulando a cintura ao sentir ir e voltar suavemente dentro do local. Tombou a cabeça para baixo, fechando os olhos, entreabrindo os lábios e, com um gemido arrastado, se aproximando vagarosamente do rosto de Jungkook.

Me chupa — Pediu junto a um gemido, necessitado e falho, parecendo não aguentar mais. — Saeng-ah.

O garoto arrepiou-se intensamente com aquelas palavras, reprimindo um gemido em consentimento. Agarrou ambos os braços alheios e, engolindo em seco, pouco a pouco o afastando de si, mesmo que seu corpo reclamasse pela falta de prazer que estava tendo ali. O instruiu a ficar de joelhos para que, com alguns movimentos, trocassem de lugar e posição. Sem falar absolutamente nada o Jeon fora deitando o outro ao mesmo tempo em que beijava a sua pele; desde o pescoço, descendo pelo tórax com leves chupões, até alcançar o abdômen.

Enquanto fazia tal ação, aproveitava as mãos livres para que pudesse segurar a barra da caça alheia e por fim a puxar lentamente daquele corpo, tendo o mais velho erguendo a cintura para facilitar. Mordeu o lábio ao ver a cueca totalmente branca e bem marcada pelo volume presente ali; mas, antes que pudesse fazer qualquer coisa, abusara da paciência do Park quando resolvera se despir lentamente, quase torturante, ficando de joelhos e se insinuando completamente para si, retirando a própria peça de roupa para que ambos ficassem quase na mesma situação: Jimin trajando a camisa social preta com os botões abertos junto à boxer e Jungkook apenas com esta última, não se incomodando nem um pouco com isso.

— Está gostando de me provocar? — O mais velho indagou ao que deixava seu olhar observar aquele corpo, em todas as partes, não deixando nada escapar de seus olhos espertos.

— Não é você que gosta de fazer tudo lentamente? — Debochou enquanto deixava a roupa cair bem ao lado, junto a outras espalhadas pelo chão, tendo como resposta um sorriso quase como se estivesse incrédulo.

— Então irei fode-lo lentamente. — Rebateu rouco, quase como um rosnado, não tendo muita calma no olhar ao secá-lo. — O que acha?

— Mal posso esperar — A resposta fora pausada em cada palavra, claramente querendo provocar e tirar o outro dos eixos.

Aproveitando da sua ousadia extrema naquele momento, tentando-se não focar na parte envergonhada que tinha dentro de si, posicionou o corpo de modo que pudesse ficar acima do mais velho, ou seja, praticamente de quatro. Isto para que pudesse instigá-lo um pouquinho ao morder de leve a cartilagem da orelha, deixar selares curtos por detrás da mesma, descendo vagarosamente por esse mesmo caminho até o pescoço ao mesmo tempo em que ambas as suas mãos deslizavam por todo o torso, aproveitando sua liberdade para tocar aquele corpo. Continuou com os beijos lentos, até mesmo em tal parte, parando para dar uma pequena atenção à cintura quando sua língua rodeara o umbigo e brincara ali; Jimin se remexeu com essa ação, tendo a respiração desregulada, gemendo baixo e falho com as sensações, com o formigamento que começava ali e seguia direto para sua intimidade. Reprimiu um gemido, que deveria ser mais alto, quando um choque prazeroso passara por seu corpo ao que o moreno acariciava suas coxas internas, acabando por, instintivamente segurar os fios do cabelo alheio e erguer a cintura em direção a si.

Jungkook sorriu ao mesmo tempo em que beijava a virilha, gostando de desestabilizá-lo com seus toques, direcionando sua atenção as coxas e ouvindo um sugar forte da respiração.  Assim, segurando de leve a barra da cueca alheia, encostara os lábios sobre o pênis ainda coberto; deixou seu hálito esquentar o local e sentir o Park estremecer abaixo de si. Seus fios foram segurados com mais um pouco de força, fazendo com que soltasse um grunhido, mas não reclamou. Apenas roçou a boca ali, descendo vagarosamente até a base, obrigando o outro a curvar de leve as costas e respirar de um jeito pesado.

— Não faz assim — Murmurou inerte, de olhos fechados, entreabrindo os lábios quando sentira a palma da mão alheia roçar no local.

Tão quente — Jungkook comentou desinibido, totalmente lascivo, puxando um pouco a peça íntima — Tão pulsante, Jiminnie-ah.

Beijou a parte interna da coxa, mordendo de leve a pele do local, deslizando a ponta da língua ali e então notar seu Hyung estremecer com um remexer do quadril. Sorriu, sentindo os dedos abrirem para logo após fecharem em torno dos seus fios, puxando-os cada vez mais de forma dolorosa. Gemeu ao que deixava selares sobre o pano da boxer, esta que fora sendo retirada lentamente para que, enfim, livrasse a ereção daquele aperto doloroso. A glande fora aparecendo, onde o mais novo aproveitou para assoprar sobre o local como um jeito de provocar, ouvindo um gemido baixo escapar dos lábios alheios.

Tão sensível. — Continuou sapeca, claramente querendo enfurecer o garoto deitado.

— Ocupe sua boca com outra coisa além de falar, sim? — O Park rebateu quase como um rosnado, impaciente, querendo mais que controlasse a situação invés de deixar o outro fazer o que quiser.

O Jeon sorriu com aquelas palavras, um pouco acanhado, para logo em seguida terminar de tirar aquela peça íntima; acabou por fechar os olhos por instinto ao pensar que aquele pênis acertaria seu rosto, bufando quando, ao voltar a olhar, notar como Jimin havia se apoiado nos cotovelos e rido da situação. Sentiu suas bochechas esquentarem, o que o fez desviar o olhar, se achando um bobo por isso, mas excitando ainda mais o mais velho com aquele jeito falso de ser inocente.

Transparecer inocência enquanto tinha um pau ao lado do seu rosto; deveria rir, mesmo gostando daquela carinha de puritano.

Jungkook respirou fundo antes de voltar a mirar a intimidade descoberta a sua frente, engolindo em seco antes que, segurando de leve na base com uma das mãos enquanto a outra apertava a coxa, deixasse que sua língua escapasse de sua boca e tocasse a extensão ao inclinar a cabeça para o lado. Não bastou mais que um deslizar de leve para cima, sentindo pulsar, para que Jimin gemesse em resposta, cerrando os olhos. Novamente sua respiração ficara fora de controle, tendo os olhos teimando em querer fechar, mas não iria perder a cena que era ter aquele garoto o chupando; este que desviou o olhar para observá-lo, deixando que sua salivasse lubrifica-se o local e ajudasse a sua mão a deslizar mais fácil envolta do falo. Voltou à base com uma passada rápida em um dos testículos, tendo como reação morderes fortes nos lábios alheios, para então subir até a ponta e a envolver minimamente com sua boca.

— Merda! — O mais velho gemeu falho, um tanto rouco, segurando, com a mão livre, a borda do estofado enquanto a outra tratou de afundar um pouco mais seu pênis na cavidade ao empurrar para baixo a cabeça. — Oh! — Fechou os olhos por alguns segundos, mas não ficando nisso ao voltar a reabri-los; não iria perder a visão que era ter seu pau naquela boquinha rosada.

O moreno arregalou de leve os olhos, tomando cuidado ao tentar não roçar os dentes, controlando a respiração. Rodeou com a língua o local, salivando um pouco, experimentando descer mais um pouco e ouvir um gemido mais alto ser proferido pelo o outro. Voltou lentamente, respirando fundo, retirando completamente da boca e aproveitando para passar a ponta do dedo polegar na fenda, espalhando o pré-gozo presente. Escorregou a palma até a base para logo tê-lo novamente entre seus lábios, sugando suavemente ao mesmo tempo em que massageava os testículos, alternando algumas vezes para o períneo. Notava como Jimin ondulava o quadril, estocando de leve em sua boca ao que empurrava cada vez mais sua cabeça, mas não chegando a fazer a glande tocar sua garganta.

Podia ouvir murmúrios e suspiros, algumas vezes arfares altos junto a gemidos roucos e prolongados. Observou as expressões do mais velho, vendo como havia pendido a cabeça para trás, não conseguindo resistir por muito tempo.

— Jiminnie — Proferiu um tanto manhoso ao retirar o pênis — Jiminnie-ah — Os olhos alheios entreabriram, mas encarando apenas o teto — Olhe para mim... — Pediu um tanto sôfrego, tomando com seus lábios apenas a glande — A-Ah! — O gemido mandou vibrações para mesma, obrigando o dono desta a estremecer e gemer.

O dito-cujo resolver atender ao pedido de Jungkook e, sinceramente, não havia se arrependido. Sua intimidade pulsou fortemente com a cena que acontecia bem a sua frente: Jeon Jeongguk com seu pau enfiado o máximo que conseguia, de quatro ao estar empinado para si, enquanto uma de suas mãos livre se encontrava dentro da própria cueca, esta que estava manchada do próprio pré-gozo. Ele se tocava por dentro da boxer, dando para perceber os movimentos ao mesmo tempo em que gemia e rebolava suavemente. Estava corado, os lábios inchados e completamente... Bagunçado. O Park reprimiu um gemido de completo deleite, estático, não querendo desviar daquela cena.

J-Jungkook-ah — Jimin deixou escapar, rouco, tendo este apertando o próprio falo ao ouvir seu nome sair de forma tão impura.

— Geme assim de novo, Hyung-ah — Pediu como se necessitasse daquilo, bombeando a intimidade alheia enquanto fodia a própria mão de um jeito um pouco desengonçado.

Fechou os olhos por um momento, trincando o maxilar ao sentir o prazer o pegar de jeito, acabando por, mesmo sem querer, apertar o pênis em sua mão. O Mais velho praticamente urrou de deleite junto a um misto de dor, remexendo-se, arqueando as costas quando sentira os lábios novamente tomarem sua glande.

Jeon — Gemeu ao que voltava a afundar-se naquela boca, controlando os movimentos quando segurara pelos fios do cabelo e os puxava na velocidade que queria, tendo o dono deste aceitando sem reclamações, apenas gemendo. — J-Jeon, você... Ggukie... Faz... Gostoso! — Lançou o quadril, o fazendo engasgar um pouco.

Cada vez o moreno mais novo ficava afobado com os próprios toques. Ao que os segundos passavam seu desespero era maior, sendo nítido quando tentara um tanto dificultoso puxar pelo menos um pouco o pano da sua cueca. Suspirou sobre a intimidade ainda em sua boca, esta que estava sendo chupado do mesmo modo apressado; gemeu ao tocar na própria glande agora descoberta.

Ji... Ah!... Minnie — Proferiu rouco, mas manhoso, tirando um pouco sua atenção do outro apenas para fechar os olhos e morder o lábio, respirando de forma dificultosa. — Minnie, eu quero tanto você!

O mesmo encarou a cena, ofegante, antes que erguesse seu torso e se sentasse um tanto contragosto, porém querendo tomar aqueles lábios com os seus; e foi o que fez. Segurou rapidamente o rosto, puxando-o para si de um jeito rápido, não tendo tempo para pensar. Ambas as bocas se encontraram com gosto, necessitadas, e alguma vezes até mesmo desengonçadas ao ter as línguas se encontrando de um jeito gostoso. Jungkook continuava gemer baixinho durante os intervalos da respiração, pois não conseguia parar de se estimular. Estava tão gostoso, tão excitante, tão perto de gozar.

— Vêm, saeng. — Chamou ao mesmo tempo em que o puxava para si, obrigando-o a acompanhar o movimento do se corpo.

Lentamente o moreno fora direcionado novamente para o colo alheio, arfando alto ao sentir sua bunda ser segurada com força pelas mãos atrevidas, aproveitando sua posição inclinada, invadindo e retirando completamente aquela peça íntima. Fora engatinhando sobre os joelhos até que ficasse devidamente sobre o mais velho, estremecendo ao sentir ambos as intimidades roçando suavemente, só que, dessa vez, sem nenhum pano para atrapalhar. Ofegou ao lançar a cintura para frente e aumentar o atrito, encarando os pênis rígidos e sedentos para se aliviar.

As mãos tremeram, querendo tocar-se, mas apenas segurou a vontade enquanto se ajeitava melhor, ou seja, sentar sobre o pau do seu Hyung, afoito para rebolar no mesmo. Mordeu o lábio, experimentando esfregar-se de frente para trás, sentindo sua ansiedade aumentar novamente. Encarou o rosto a sua frente, notando como Jimin entreabria os lábios, mas destes não saiam nada, como um gemido mudo.

Ah! — Gemeu assim que os dedos em suas nádegas se fecharam com mais força, provavelmente deixando o local avermelhado. — Bom...

Jungkook-ah — Murmurou junto a um gemido rouco, controlando-os ao selar a pele morena a sua frente — Quero tomá-lo para mim.

— Faça — Permitiu sôfrego, agarrando-se ao outro quando seus braços o envolveram pelo pescoço, empinando-se — Eu quero gozar com você dentro de mim. — Park Jimin sentiu seu corpo inteiro estremecer, dos pés a cabeça, onde terminava diretamente em seu pênis. Respirou fundo, tentando se controlar pelo menos um pouco.

— Não diga isso — Murmurou rouco ao que o encarava — Não tenho tanto controle. — Notou como um sorrisinho travesso crescia nos lábios alheios, este que se aproximou até que fosse possível o contato entre as pontas dos narizes.

— Ah, é? — Proferiu no mesmo tom de voz, rebolando lentamente, observando os olhos cerrados — E quem disse que eu quero que se controle?

O mais velho não precisou dizer ou fazer alguma coisa após aquela pergunta, já que o Dongsaeng agiu por conta própria ao se ajeitar melhor no colo alheio, posicionando o pênis do mesmo no meio das suas nádegas. Roçou por um curto tempo, apenas experimentando, até que gemesse baixo ao sentir a glande tocar seu ânus pulsante, prolongando ao ter as mãos apertando forte sua bunda e afastando as bandas da mesma. Jimin, aproveitando essa situação, deixou a palma descer um pouco mais para baixo, tendo a ponta do dedo indicador tocando a entrada ao encontrá-la.

O Jeon estremeceu.

Circulou o local, roçando suavemente, ouvindo os arfares do moreno sobre si, até que forçasse para enfim penetrá-lo, porém, inesperadamente, usando não apenas um, mas sim dois dedos de uma vez. Jungkook gemeu um tanto alto, assustado e dolorido, o abraçando mais forte até que seus corpos estivessem completamente colados. Após isso, um pouco recuperado, desferiu um leve tapa nas costas alheias, ouvindo a risada do Park alcançar seus ouvidos.

— Desculpe. — Proferiu bem humorado, mesmo naquela situação quente. — Você quem pediu.

— Babaca. — Sussurrou falho, fincando suas unhas na pele do outro — Apenas faça logo. — Apoiou sua testa no ombro suado, respirando fundo.

Jimin o observou por um momento, encarando seus fios escuros do cabelo suado e um pouco do rosto escondido sobre a curvatura do seu pescoço. Cuidadoso, começara a estimular lentamente, nada muito apressado, ouvindo uma lufada de ar junto a um rebolar tímido. Aos poucos, pacientemente, fora aumentando a intensidade dos movimentos até que estocasse o local com uma força considerável. O mais novo gemeu baixo rente seu ouvido, nada muito exagerado, estremecendo para o prazer adquirido apenas com aquilo.

Jimin-ah — Sussurrou, quase sem voz, fazendo vergões pequenos nos ombros por consequência das suas unhas curtas arranhando-os — Mais... — Rebolou com um franzir de cenho, desejando ir mais fundo dentro si, mas acabando por não conseguir. Beijou a pele um tanto machucada por sua culpa, tentado conter os gemidos, mas sendo em vão cada vez que iam e voltavam, rodeando ou separando os dedos, alargando-o para algo maior.

Roçou-se, necessitado, deitando seu rosto no ombro como se estivesse cansado daquilo, apenas deixando-se gemer baixinho, fechando os olhos para aquelas sensações.

— Já ta’ bom, Hyung. — Proferiu, mesmo não tendo a total certeza disso, só querendo ser fodido com força até finalmente gozar.

— Mas...

— Não contesta.

Interrompeu-o sem cerimônias, em um tom até mesmo autoritário, pouco ligando se iria doer demais ou não. Estava louco, cego de desejo, tendo seu pênis completamente dolorido pela falta de um orgasmo, que já deveria ter vindo há muito tempo. Mexeu-se de modo que aqueles dedos o abandonassem, não ouvindo um resmungo sequer do mais velho, este que apenas sorria para o desespero do outro, este que se colocou de joelhos, dando espaço suficiente para que fosse penetrado por seu pau pulsante.

Jungkook segurou a intimidade alheia, posicionado-a em sua entrada, gemendo ao rebolar aos poucos sobre tal. Sua cintura fora segurada, sendo marcada por um vermelho intenso ao ter os dedos afundando de forma firme em sua pele, quentes e cheios de expectativas. Experimentou penetrar-se apenas um pouco, trincando o maxilar ao sentir a glande o invadir pouco a pouco, abrindo-o de um jeito doloroso. Tentou reprimir o gemido de dor, mas de nada adiantou quando o mesmo saiu quebrado junto a uma lufada de ar intensa, como se o fôlego faltasse; ou talvez realmente faltasse.

O Park nada mais fez do que apertar o corpo no mesmo ponto em que continuava a segurar, gemendo rouco ao sentir o aperto ao redor do seu pênis. Grunhiu, tentando controlar a respiração, acabando por morder desajeito o ombro do seu Saeng para tentar se controlar.

O Jeon suspirou, estremecendo, grato pela paciência que o outro tinha consigo, pois deveria ser torturante se manter parado. Sugou o máximo de ar possível, resolvendo descer mais um pouco, fechando com força os olhos ao que se permitia gritar a cada centímetro preenchido.

— Ji-Jimin — Murmurou choroso, apenas querendo que se acostumasse logo, porém claro que não seria tão fácil assim, ainda mais no jeito que havia se preparado.

O dito-cujo atendeu ao chamado, mas não com palavras, e sim roubando mais um beijo daqueles lábios com aparência tão delicada. Claro que Jungkook não recusou, tentando focar no que era as línguas se tocando de um jeito bagunçado. Entretanto, não esperava que isso fosse uma distração para que o mais velho o penetrasse com uma estocada só; rápida e direta.

O moreno não hesitou em morder, mesmo que sem querer, a boca alheia, chegando até mesmo a fazê-la sangrar. Arregalou os olhos para logo voltar a fechá-los, afastando-se para gemer, ou gritar, o máximo que podia e precisava. No canto dos seus olhos podiam-se ver lágrimas, contrastando bem com a expressão de dor com um misto de luxúria.

— S-Seu... Seu... Aaah — Não conseguia dizer uma frase completa, pois seu interior ardia intensamente. Soluçou, sentindo a mão alheia tocar seu rosto e acariciar seu cabelo.

— Me perdoe — O Park murmurou com o lábio inferior um pouco inchado pela mordida, dando para perceber alguns filetes de sangue; culpa daqueles dentinhos salientes e afiados — Mas era melhor começar de uma vez. — Sua respiração era densa, doía em seu peito de tão pesada, mas ainda sim tentava consolar o garoto trêmulo em seu colo. Tentava ignorar o fato de estar completamente dentro do outro, no interior quente e apertado, o enlouquecendo aos poucos ao que se contraia fortemente.

— Não importa mais. — Rebateu de forma fraca, movimentando-se lentamente, grunhindo baixinho — Eu apenas quero foder. — Notou como os lábios volumosos entreabriam, claramente querendo dizer algo, mas fora mais rápido — Vai passar. — Um gemido curto escapou dos seus lábios — Não é a primeira vez que faço isso.

Se Jimin havia entendido bem, interpretou que o garoto em seu colo não era mais virgem, o que facilitava sua situação. Só esperou que se acostumasse com seu volume e a invasão inesperada, aproveitando esse tempo para que ambos trocassem pequenas carícias e assim estimulasse o mais novo a rebolar sobre o colo. Gemeram de forma simultânea, tendo Jungkook sentindo uma pontada pequena de prazer ao se remexer com cuidado, pois ainda era doloroso.

Fora aos poucos, ofegando, abaixando o olhar para a sua intimidade, inclinando-se vagarosamente para trás e assim se apoiando com as mãos sobre as coxas alheias, tendo a sua segurada também pela destra do mais velho. Tentara erguer o quadril, estremecendo fortemente ao sentir um arrepio de prazer percorrer em seu corpo,  um pouco descontente ao sentir a dor acompanhar o movimento.

Ggukie — Gemeu tentando estocar, pelo menos um tanto, aquele ânus e o sentir um pouco, ouvindo o mais novo soltar sua voz novamente — Te machuquei?

Continue — Rebolou contra com maior intensidade — Por favor.

Atendendo ao pedido, o Hyung ergueu a cintura, indo mais fundo, mais intenso, mas lento observando como o moreninho entreabria os lábios, deleitoso, lançando o quadril para frente em resposta. Audacioso, resolvera erguer-se para se penetrar, soltando um gemido manhoso com o chocar das peles, repetindo o mesmo movimento, tentando ignorar a dor e seja lá o que fosse atrapalhar seu prazer. Tombou a cabeça para o lado, sentindo o mais velho dedilhar sua cintura e acariciar sua barriga, logo abaixo do umbigo, lançando sensações prazerosas.

Com isso, mesmo que de forma vagarosa, Jungkook pegava o ritmo de seus movimentos, gemendo cada vez mais à medida que o vai e vem sobre o colo se intensificava ao subir cada vez mais, ao ir mais fundo e certeiro, muitas vezes rebolando lentamente e gostando daquela tortura que era não ser apressado, não sentar forte naquela intimidade e sim ser vagaroso, captando cada centímetro. O corpo se contorcia suavemente, às vezes lançando para frente com força e voltando lentamente, fechando os olhos e se perdendo naqueles prazeres.

Lentamente a feição do rosto do Jeon mudava cada vez que o prazer o pegava de jeito; O Park o observava acima de si, mexendo-se no próprio ritmo, se entregando cada vez mais e tornando-se notável na expressão necessitada e manhosa: Os olhos fechados de forma serena, os lábios rosados entreabertos, as bochechas coradas pelo calor e certa vergonha, os fios encharcados de suor e a franja colada a testa. Via como o mesmo inclinava a cabeça para trás, indo mais fundo, revelando seu pescoço. Combinar tudo aquilo com o fato do mesmo estar sobre si, sentando em seu pau, sobre os próprios calcanhares e totalmente nu; é de ficar alucinado.  As tatuagens no corpo combinavam perfeitamente com a pele morena, combinavam perfeitamente com Jeon Jeongguk.

Gemeu de puro deleite, combinando aquela visão com a sensação de penetrá-lo. Poderia gozar agora, só com isso.

Aaahh... Hyung — O gemido despertou o mesmo da admiração, focando-se no que estava sendo dito — Isso é tão... — Inspirou fortemente, mordendo o lábio — Bom.

Jimin sorriu sincero, suspirando e gemendo rouco, mas baixo. Aproximou-se do outro, novamente colando os torsos um no outro, ambos fervendo pelo calor. Assim, cuidadosamente, fora envolvendo o mais novo em seus braços, puxando-o para si, o abraçando fortemente. Arfaram quase ao mesmo tempo, tendo si mesmo beijando a pele do pescoço enquanto Jungkook roçava o nariz no pano da sua camisa social preta, esta que ainda se mantinha trajada em seu corpo. O mais novo afagava-se ali, cheirando o perfume forte e marcante, mas agradável, presente no local. Isso parecia excitá-lo mais, porém também o acalmava.

A boca do mais novo se abriu em um gemido mudo ao mesmo tempo em que suas mãos apertavam forte o pano perto do colarinho, consequência da investida do quadril que o seu cliente fizera sob si, indo forte e intenso. Liberou o ar com força, de forma audível, para então gemer contido ao ter sua bunda agarrada e as bandas afastadas uma da outra. Com isso, em poucos segundos, seus olhos cerraram ao sentir o Park estocá-lo lentamente, com pausas, para que pudesse ir fundo e voltar vagaroso.

Naquela sala não havia mais conversas, apenas gemidos, ofegos, arfares e o som das peles se chocando. Nenhum dos dois precisava dizer alguma coisa, apenas murmúrios e comentários de que como aquilo estava bom e intenso, mesmo que em um ritmo lento.

— Saeng — Proferiu junto a um sopro, fechando fortemente os olhos ao que suas estocadas se tornavam necessitadas — Gostoso. — Gemeu rouco rente ao ouvido, arrepiando o garoto.

— Jimin — Murmurou, roçando seu rosto na camisa social antes que se afastasse um pouco e tomasse os lábios alheios em mais um beijo, completamente necessitado.

Os gemidos eram abafados pelas bocas, estas que se tomavam de um jeito sensual, sem ser esfomeado, no mesmo ritmo paciente da penetração. As mãos do Jeon subiram para o pescoço alheio, tocando junto aos fios na nuca, para então voltaram o caminho e apertarem os ombros assim que tomou a iniciativa que seria cavalgar com mais velocidade.

Separou-se para gemer, tendo os olhares se encarando, pertos o suficiente para que os rostos se tocassem minimamente. As vozes se misturavam com a curta distância, tendo o Park tocando as costas do outro quando abandonara as nádegas, subindo até que alcançasse o cabelo e o puxasse para trás, obrigando o Jeon a abrir caminho para seu pescoço. Jimin aproveitou ao beijar o local, perto do pomo de adão, deslizando os lábios por ali e beijando a ponta do queixo.

— Me deixa fazer o resto. — Sussurrou ao que ajeitava o moreno.

— O... O quê...? — O Jeon indagou sem compreender, olhando para os lados, tentando processar o que estava acontecendo.

Foi aí que percebeu que estava sendo levado para trás, ou seja, sendo deitado no estofado. Suspirou quando suas costas tocaram o coro do mesmo, um tanto frio, arrepiando-o. Olhou para cima, observando as luzes sobre si ou como seus desenhos nos quadros presenciavam aquelas cenas. Em seguida focou-se no mais velho, deixando suas mãos caírem para os músculos dos braços, encarando o olhar fixo em si.

Corou ao mesmo tempo em que virava o rosto para o lado, se vendo como um completo bobo por isso.

Minnie sorriu achando um tanto fofo, deixando-se tocar nos fios de cabelo alheio e os tirar de frente aos olhos escuros como a noite. Apoiou-se com as mãos ao lado da cabeça alheia, começando a se mexer, primeiro com um rebolar, sentindo como o outro apertava com as unhas a sua pele.

Aaah! — O mais novo gemeu dengoso, cerrando os olhos, enlaçando a cintura com as suas pernas.

J-Jungkook... Tão quente — Arfou junto a um estocar forte no interior, seguidos de outros do mesmo modo, tentando-se a todo custo manter o ritmo desacelerado.

Deitou-se sobre o dongsaeng, mordendo a cartilagem da orelha, querendo ouvi-lo gemer bem pertinho do seu ouvido. As mãos afoitas do mesmo seguiam por suas costas, terminando em suas nádegas, onde eram apertadas com gosto ao que rosnava em resposta, gostando da sensação.

Eu quero gozar — O pedido veio rápido, como se fosse desesperado — Eu quero muito gozar, Hyung.

As mesmas mãos abandonaram a bunda, onde estas, sem pestanejar, seguraram o falo endurecido. O mais novo gemeu com o próprio toque, circulando a glande com o dedo, observando-o e notando o quanto estava duro, o quanto estava vermelho e pulsante, o quanto queria se aliviar. Deslizou a palma pela extensão, tentando de algum modo rebolar de um jeito que fosse prazeroso para si e para Jimin, gemendo dengoso ao perceber seu prazer aumentando e a vontade desesperada de querer chegar aos finalmente. 

O Park se afastou para ver melhor a cena, notando como o corpo acompanhava suas estocadas, observando com prazer àquele rostinho desesperado por um orgasmo. Os olhos lacrimejantes, as bochechas vermelhas, os lábios sendo mordidos, ou o jeito que se abriam por não conterem a voz. Não desviou sua atenção dali, pois sabia que o outro iria gozar, e não iria perder essa cena.

— N-Não me olhe assi-Ah! — Virou rapidamente o próprio rosto para o lado, deixando que sua mão o bombeasse na velocidade que queria, ou seja, rápida; fazendo com que todo o seu corpo se contorcesse e a coluna arqueasse cada vez mais que as sensações se aproximavam do limite — Hyung! — Soluçou curto, fechando os olhos — Ahh... Ahhh... Ah, Jimin!

Nesse momento o mais novo arqueou-se completamente, agarrando-se rapidamente no estofado acima da própria cabeça com a destra, entreabrindo os lábios, mas deles não saindo nada, deixando a cabeça pender para trás. Por alguns segundos ficara praticamente paralisado nessa posição, deixando o mais velho curioso, até que finalmente enlaçasse com mais força o quadril alheio e assim chegasse ao clímax. Ergueu a cabeça, os olhos cerrados, a boca sem deixar de gemer um minuto, sendo dominado completamente pela luxúria ao gozar fortemente e sujar-se com isso.

Foi satisfatório, libertador e cheio de alívio.

Enquanto seu corpo dava pequenos espasmos e o prazer esvazia de si, seus membros tensos iam relaxando, totalmente largado e sem forças. Nem ao menos ligava mais se o Park o observava com tamanha atenção que fazia sua pele queima; apenas não imaginava que, com mais algumas penetrações, mínimas, o mesmo também desfalecesse ali, sobre si, gemendo rouco e franzindo o cenho, claramente querendo fechar as pálpebras, porém não permitindo que isso acontecesse.

Era realmente bonito vê-lo atingir o ponto alto de tudo aquilo, contudo não deixou de sorrir de forma fraca ao ouvir seu nome escapar da boca volumosa, mesmo que baixo, ou como havia percebido que o tal havia chegado ao orgasmo.

— Você é um pervertido, Hyung — Sussurrou fraco, deixando que o mesmo apoiasse a testa na sua, ainda inerte em seu prazer — Gozou me observando? — O dito-cujo sorriu com a pergunta, dando para ouvir sua risadinha.

— Não tem moral para isso — Rebateu com humor ao que, com cuidado, retirava-se de dentro do outro e o fazia sentir o gozo escorrer por entre suas pernas; estremeceu — Você é um maldito sadomasoquista.

— Suas expressões não ajudaram muito — Resmungou claramente encabulado, quase até mesmo que emburrado — Como pode ser malditamente gostoso até mesmo sentindo dor?

Ambos gargalharam sem muitas forças. Um silêncio se formou, a não ser pela respiração pesada de cada um, mas não era algo ruim ou incômodo; e sim aconchegando e necessário, acalmador. Sentiam os batimentos acelerados e, com isso, puderam ouvir os próprios pensamentos que diziam: O quão loucos foram nesse dia; afinal haviam acabado se conhecer, era apenas para ser uma tatuagem, revelaram seus temores e no fim acabaram nus em um estabelecimento público que, por milagre, não chegou ninguém.

E isso tudo em um primeiro dia de trabalho; quem iria imaginar?

É claro que deveriam estar no mínimo desesperados, mas o aconchego foi mais forte que a vontade de levantar. Que mal faria mais uns, digamos, cinco minutinhos de cochilo?

[...]

É, não foram apenas cinco, seis ou talvez dez, mas uma noite inteira. 

— Somos malucos.

O mais novo concluiu com um suspiro, não parando quieto ao andar de um lado para o outro e esperar cavar um buraco com os próprios pés. Já vestido em sua calça, tendo a blusa preta um tanto amassada, se limpando como pode, porém com uma aparência totalmente acabada, tentando ignorar as pontadas de dor em sua bunda. 

— Nós estamos ferrados... Quer dizer, eu estou muito ferrado.

Já a maior preocupação de Park Jimin era querer saber como não levou um tombo após adormecer em cima daquele espaço minúsculo onde ele rendeu-se ao cansaço. Sentiu cada parte de si recebendo as consequência de dormir em cima de um garoto mais novo que si e totalmente destruído. Estava desnorteado, não sabendo que horas eram, mas provavelmente de manhã.

— O que fizemos? O que eu fiz?! — O Jeon literalmente agarrara os próprios fios de cabelo, mesmo que seus músculos reclamassem de dor.

— Fodemos. — A conclusão rendeu em um olhar furioso em direção a si, no mínimo mortal, enquanto cruzava os braços, mas nada que assustasse muito o mais velho. — O quê? 

— É sério; se alguém descobrir isso... — Estalou a língua no céu da boca, finalmente parando e depositando as mãos na cintura — Adeus meu emprego. — Lamentou-se cabisbaixo, como se estivesse carregando um peso enorme e vergonhoso em seus ombros. — Você poderia demonstrar um pouco de preocupação, pelo menos. 

O seu cliente, também já devidamente vestido, na medida do possível, e com sua nova tatuagem protegida, aproximou-se vagaroso, com calma. Seus passos eram cruzados, bonitos e charmosos, enquanto combinavam bem com a mania de jogar a franja para trás ao ter os fios entre seus dedos. Os olhares se firmaram tendo o Jeon tenso, já o Park sereno, até mesmo sorrindo, andando até que não sobrasse nada mais entre eles do que poucos centímetros de distância.

— Não se preocupe — Os olhos estreitos observaram com cautela o rosto a sua frente — Não irei contar nada — Era interessante que, mesmo sendo mais baixo, conseguia se impor e não torna-se uma piada, conseguindo ser levado a sério — Fica só entre nós. — Seu dedo indicador tocou a boca alheia, deslizando sobre os lábios entreabertos. Encarou essa parte, como se fosse algo muito interessante para se analisado, ou tenha simplesmente se perdido naquela boca, tentado — Preciso ir.

— Imagino. — Jungkook respondeu no mesmo transe pelos lábios do outro, poucas vezes desviando para os olhos ou qualquer outra parte. — Isso é um adeus?

Os olhares se encontraram no mesmo instante, parecendo relutante quanto a isso. Estava claro que aquela ideia não os agradava muito.

— Talvez — Os dedos foram diretamente para o queixo, segurando com certa delicadeza — Você quer que seja?

Não precisou de resposta, apenas um beijo profundo onde o moreno mais novo tomava o rosto por entre suas mãos e o puxava para si. Aquilo já dizia tudo, já mostrava que não seria o fim, que era um aviso de que iriam voltar a se reencontrar. Os lábios se mantiveram colados por um tempo, onde paravam com suaves selinhos e nada mais que isso. 

Jimin não demorou já que se afastou antes mesmo que o mais novo pudesse abrir os olhos, o deixando sozinho enquanto seguia em direção a porta. Parou, ficando de costas por alguns segundos, até que virasse apenas o rosto para trás.

— Vou ter que passar novamente aqui para retocar o traço, não é?

O Jeon o encarou por um tempo, processando aquela fala, e sorriu entendendo, mas seu cliente já havia saído definitivamente da sala para ver esse gesto ou ouvir as próximas palavras.

— Estarei esperando.

 

Park Jimin ajeitava sua camisa social, resmungando sobre os botões abotoados de forma errada ou como o pano estava amassado; não poderia ser mais óbvio. Analisou sua tatuagem, soltando um som de dor ao arder um pouco, mas nada insuportável. Sorriu ao ver os traços, apenas levantando o rosto quando ouviu o som do sino da porta do estabelecimento.

Deu de cara com o garoto da recepção, esse que pareceu surpreso ao vê-lo ali naquela manhã. Parecia que o mesmo havia acabado de abrir o local, ou seja, chegara agora. Ambos se encararam, Jimin sentindo suas bochechas um tanto quentes e o outro o analisando desconfiado, parecendo que em algum momento alguém fosse atacar o outro. 

— O que você…? — Observou o Park de cima a baixo, estreitando os olhos — O que está fazendo aqui? Eu já te vi antes… No caso, ontem. — Cruzou os braços — Como entrou… Espera, quando você saiu? Eu não o vi sair ou ir embora. — Esticou-se um pouco, o suficiente para que pudesse ver atrás do cliente — Cadê o novato?

Jimin simplesmente deu de ombros, sorrindo de um jeito travesso, continuando a andar e desviando do garoto que o atendera um dia antes, como se ele não fosse um problema ou perigo. Virou-se em direção a ele, caminhando de costas, com cautela. 

— Ah, com certeza irei voltar para mais ideias — Sorriu de um modo sugestivo ao que abria a porta para a saída, só aí se lembrando de que não tinha pagado o serviço. — Ah! E tinha razão!

— O quê? — Piscou sem entender, mostrando uma expressão como se estivesse falando com um louco.

— Ele é realmente bom no traço.

Mas, quem sabe, esse pequeno calote seria mais um pretexto para voltar. 


Notas Finais


É isso! Mais um história gigante para a minha coleção hsuaushua O que acharam? espero realmente que você tenham gostado tanto quanto eu! Agradeço novamente pela doação do plot!

Caso queiram ter uma ideia das tatuagens do Jungkook:

Fases da Lua: https://i.pinimg.com/564x/34/2b/bf/342bbf9c0c133e93a8737a3d2143325b.jpg

Flores (cor diferente):https://www.donagiraffa.com/wp-content/uploads/2012/04/Tatuagem-Feminina-nos-Ombros-09.jpg

Frase: https://i.pinimg.com/originals/5c/61/cf/5c61cf5b2c210a86b8c0aad4c84dff57.jpg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...