História A Playlist - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga
Tags Allhina, Hyuuga Hinata
Visualizações 63
Palavras 2.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, Literatura Feminina, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hellou cerejinhas, como o combinado, disse que as 18h eu apostaria e aqui estou eu sem falta.
Pedi no capítulo passado que escolhessem entre três ships e o mais votado foi Gaahina, que foi um belo de um desafio pra mim, mas eu amei a one e até agora é a minha segunda favorita depois de Sua Mãe Vai Me Amar. Levemente inspirada em Top Gun: Ases Indomáveis e Pearl Harbor (filmes excelentes diga-se de passagem e Top Gun tem uma das melhores trilhas sonoras)
Espero que gostem dessa one tanto quanto eu.

Capítulo 3 - Gaahina: Take My Breath Away


Fanfic / Fanfiction A Playlist - Capítulo 3 - Gaahina: Take My Breath Away

"Watching every motion
In this foolish lover's game
Haunted by the notion
Somewhere there's a love in flames"

Estava ansiosa vendo a multidão elétrica pela chegada dos pilotos. Há cerca de seis anos que ela havia se mudado para Suna e há quatro estava com ele, e sempre foi assim, mãos suando, coração acelerado, fôlego frio e pernas moles. Tentou aplacar seu nervosismo bebendo a Coca-Cola que Temari havia comprado para si na lanchonete, alegando que precisava se acalmar. A jovem sabia que jamais se acalmaria, não enquanto não pudesse seus olhos no rapaz de cabelo avermelhado e olhos de jade. Segurou a mão da melhor amiga ouvindo o zumbido dos aviões sobrevoando o hangar e seu peito teve que conter o coração que estava disposto a quebrar o esterno e sair pra fora da caixa torácica. Ele estava perto, podia sentir. 

Logo as aeronaves pousaram a multidão gritava ensandecida, por mais de dez anos o País do Vento travava uma guerra sangrenta contra a Nação do Relâmpago que finalmente acabou com a vitória do País do Vento e o armistício assinado pelo País do Relâmpago, e foi nesse meio que Hinata conheceu Gaara, ela uma enfermeira enviada pelo País do Fogo para ajudar os aliados, socorreu o Sabaku, capitão de uma das esquadras mais efetivas da aeronáutica de Suna e estrondosamente arrogante. Hinata o odiou no início. Detestava o sorriso dele, a kanji em seu capacete ao lado da alcunha "Shukaku", odiava os olhos verdes cristalinos e a pele de alabastro sempre bronzeada pelo Sol escaldante do deserto. Detestava o jeito como ele mexia com suas estruturas como se ela fosse feita de areia e soubesse dos efeitos que causava nela. 

Quatro anos antes

Mais um treino antes de sumir pelos ares e ele não estava preparado para o ataque surpresa que seu irmão jogou sobre si, terminando com o supercílio cortado e um inchaço leve no lábio inferior. Kankuro filho da puta

Estava esperando ser atendido quando viu a moça de longos cabelos índigo aparecer no corredor, ele jamais pensou que fosse gostar tanto de branco quanto naquele momento. Ela não usava aquele chapeuzinho ridículo de enfermeira, mas o uniforme impecável demonstrava sua subordinação ali dentro. Uma enfermeira aliada, dizia o brasão de Konoha em seu uniforme. Ela tinha grandes olhos perolados cor de lavanda e um corpo de parar a guerra. Torceu para que fosse ela a lhe chamar, e pelo visto os outros pilotos queriam o mesmo. 

-Sabaku no Gaara. - ela disse, suavemente mas com firmeza, queria saber se ela também iria gemer assim. 

Levantou pegando o capacete sobre seus pés, ouvindo murmúrios sobre a bunda da enfermeira, mesmo que concordasse, tinha que ensinar aqueles porcos a respeitar uma mulher. E a dita estava claramente em envergonhada pelos comentários. 

-Qual o seu nome, cabo? - reconheceu o uniforme de patente menor. 

-Yura senhor. 

-Você é de qual esquadra?

-Do Mestre dos Bonecos. 

Gaara assentiu, felizmente Sasori era seu primo, o que deixava as coisas ainda mais fáceis. 

-Ótimo, Akasuna ficará sabendo de sua conduta desrespeitosa perante a enfermeira… - Ele olhou para a garota, mirando no crachá de identificação dela - Hyuuga. Serão aplicadas às devidas punições, não só a você, mas a todo resto de vocês. Mais alguma palavra desse tipo a enfermeira Hyuuga ou qualquer outra aqui e vocês estão fodidos. - o ruivo fez sua autoridade valer, olhando para os cabos ali presentes como se não passassem de escória. Arrogante. 

-Sim senhor. 

-Ótimo. - e entrou no pequeno consultório onde seriam feitos os curativos necessários. Hinata posicionou a prancheta na mesa lendo os dados dele enquanto colocava as luvas. Dando a Gaara um momento de observação. Tirou os olhos da ficha e o encarou, nitidamente envergonhada mas ainda sim, firme. Ele gostou disso. 

-Obrigada. 

-Não fiz mais que a minha obrigação. - respondeu seco. Idiota. 

-Ainda sim.. - ela molhou um chumaço de algodão na água oxigenada e limpou o corte ínfimo no supercílio dele, Gaara chiou, mesmo que ela pressionasse o algodão suavemente. - Desculpe. 

-Faça seu trabalho rápido, eu tenho que ir. - respondeu ainda mais grosseiro e Hinata conteve a gana de fazer ele engolir algodão e tudo mais. Respirou fundo e fechou os olhos por dois segundos antes de tirar o algodão e colocar o curativo, pondo com delicadeza o esparadrapo e terminando de limpar o sangue seco. Ela definitivamente detestou aquele cara arrogante e rude. 

-Pronto, está liberado. - disse e se afastou dele, indo jogar o algodão fora, Gaara suspirou sentindo o cheiro de jasmim e limão emanar dela. Pensou em pedir desculpas, mas ele não era do tipo que fazia isso. Pegou o capacete cor de areia e saiu da sala, gravando na mente o cheiro e o rosto dela. 

[···]

Estava com Temari almoçando quando ele chegou, beijando a testa da loura.

-Hina esse é Gaara, meu irmão caçula e Capitão da Esquadra do Deserto. - a Sabaku apresentou - Gaara essa é a Hinata, minha amiga de Konoha que veio prestar serviço. 

Gaara sentou ao lado da irmã e acenou com a cabeça para Hinata, a morena não usava o avental do uniforme, dando vislumbre do decote pequeno ao ruivo, aquilo deixou margem à imaginação fértil do capitão viajar em seu decote. 

-Já a conheço, ela limpou o supercílio que o 'viado do Kankuro fez o favor de cortar. 

-Deveria ter me contado, Hinata!

Hinata deu de ombros. 

-Não achei que fosse importante ué. 

Gaara notou que ela ficou no mínimo ofendida com sua postura do outro dia, mas ele era assim, fazer o que?

-Você foi grosseiro com ela, não é Gaara?

-Lógico que não! - Hinata olhou o ruivo com descrença. É o que?

-Eu te conheço há 23 anos, Gaara, você não me engana, sua cobra do deserto. 

-Não é minha culpa se sua amiga é sensível demais. 

Hinata se perguntou se seria presa caso enfiasse o garfo na mão do capitão. Provavelmente sim. 

Hinata apenas se levantou, pegou sua bandeja e deixou os dois ali, Temari xingou o irmão de todos os palavrões que conhecia e foi atrás da amiga, Gaara era mesmo um idiota. 

No dia seguinte, a esquadra Demônios do Deserto levantava vôo, e nele, Gaara sabia que teria que voltar vivo daquela missão de reconhecimento, nem que fosse para encher o saco da Hyuuga. 

[···]

Passados seis meses ele retornou à base, o avião destroçado e ele visivelmente debilitado, a equipe médica o socorreu de pronto, Temari e Hinata ficaram responsáveis pelo tratamento dele, para que pudesse, agilizar ao máximo o retorno dele ao céu, uma metáfora horrível que fez Temari querer enfiar um bisturi na garganta de Akasuna. 

-Hina eu vou buscar mais acessos para ele, vai tomando as numerações ok? - Temari disse e saiu sem esperar a réplica da morena, Hinata fez careta e foi para perto monitor cardíaco, tomando nota da frequência. Tirou do bolso o medidor de pressão para dedo e colocou no indicador dele, Gaara remexeu desconfortável e acordou tendo a bela visão de Hinata concentrada. 

-Tudo nos conformes, enfermeira? - Ele perguntou abrindo os olhos de jade para ela, Hinata engoliu em seco. A voz de Gaara parecia mais grossa ou era impressão dela? Deixou a prancheta no criado mudo e pegou um copo de água a ele. 

-Obrigado. 

-Não fiz mais que a minha obrigação. - devolveu as palavras dele. 

Gaara bebeu a água e sorriu, surpreso por ela se lembrar. 

-Poderá me perdoar por isso?

-Não. - falou e saiu enquanto Temari entrava. 

-O que você falou pra ela, baka?! 

-Por que sempre eu?

-Porque eu te conheço sua víbora. Magoe Hinata e eu te quebro inteiro. - deu um soco no peito dele, sobre a kanji tatuada. Ele grunhiu dor. 

-Porra Temari!

-Cala a boca, baka. - ela esbravejou - Você age como um cretino com ela desde que a viu, qual é a porra do seu problema, Gaara?

-Ela me desconcerta - assumiu encabulado e Temari o olhou desconfiada - Não sei como agir perto dela e ajo como um babaca. 

-Então comece a agir direito, porque eu não estava brincando.

A partir daquele dia, Gaara passou a tentar se comportar melhor perto da Hyuuga, o que para ela não fazia diferença já que sempre o saía quando ele chegava, e então ele passou a estar nos lugares que ela mais frequentava, ele não assumiria sua derrota tão facilmente, e ainda mais quando estava tão disposto a conquistar a enfermeira, tudo bem que ele começou do jeito errado, mas é errando que se aprende. Certo?

Encostou na mureta ao lado da recepção onde Hinata estava, ela organizava as fichas e tentava ignorar a presença do Sabaku. 

-Vamos fazer uma aposta, Hyuuga.

Hinata o olhou de relance, curiosa, mas não daria o braço a torcer. 

-Eu parto em missão daqui há dois dias, e se eu voltar vivo, você sai comigo. 

-Que tipo de aposta é essa, Sabaku? Se você morrer eu faço o que? Choro no seu túmulo? - respondeu sem olhá-lo. Há tempos ela tinha perdido a vergonha ao lado dele, devido a todas as vezes que o ruivo a tirou do sério. 

Ele sorriu.

-Eu juro que vou adorar ver você chorando por mim. Pena que não vou estar aqui para te consolar. 

-Sinceramente… - ela maneou a cabeça negativamente, por que ainda se surpreendia com Gaara?

-E então?

-O que eu tenho que fazer pra me deixar em paz?

-Aceitar minha aposta. Se eu morrer, você fica com meu capacete. - Ele falou, era sabido ali que Gaara era aficcionado em seu próprio capacete, assim como todos os outros pilotos. 

Ela suspirou, sabia que não ia se livrar dele tão cedo, e talvez nem quisesse mais, tamanho costume que tinha com ele por perto. 

-Tudo bem, Sabaku. Agora vai que está me atrapalhando. 

Gaara ampliou o sorriso e pulou no balcão da recepção, beijando a bochecha dela antes de sair, Hinata corou e jogou uma caneta na direção dele.

Em dois dias, ela e Temari estavam no hangar da aeronáutica, para se despedirem de Gaara e Kankuro que partiriam em outra missão, a Hyuuga apertou o colar que usava nervosa. O espaço aéreo entre os países do Vento e do Relâmpago ficavam cada dia mais perigoso, devido ao grau que a guerra chegou. Sabia que poderia ser a última vez que olhava para o ruivo arrogante, mas rezou que pudesse voltar vivo. 

Quem diria que ela iria se apaixonar não é?

Acenou para ele que virou-se pra ela e a irmã, dando um sorriso de lado, garantindo que voltaria vivo. Não perderia por nada, por mais atraente que fosse ver Hinata chorando por ele, não estava a fim de morrer.

 Não quando tinha que voltar para ela. 

Agora

Hinata sorriu com as lembranças. Mas agora estavam em paz, poderiam reconstruir suas vidas sem a ameaça de um bombardeio ou de ataques camuflados.  Finalmente ela poderia viver sem precisar se despedir dele, com medo de ser a última vez. Perdeu o fôlego ao reconhecer os revoltos cabelos vermelhos no meio dos pilotos, ele conversava com Sasori enquanto esquadrinhava a multidão em busca dela e da irmã, a encontrando num grupo de adolescentes enlouquecidas, Hinata deixou a lata de refrigerante com Temari e correu na direção dele, empurrando quem ficasse no seu caminho. Gaara sorriu e derrubou o capacete no chão, abrindo os braços para que ela pudesse pular em si, e suspirou quando sentiu o cheiro dos cabelos dela em si, foi a missão mais longa dele, um ano longe, sem poder mandar notícias, preso dentro do território inimigo, e ainda sim conseguiu destruir um dos principais bunkers do exército inimigo, podendo levar seus compatriotas a um avanço significativo em guerra. O que os deu a vitória. 

-Eu disse que voltava. - apertou os braços no pescoço dele, afundando o rosto ali, absorvendo o cheiro dele, cheiro de verão, pimenta doce e fogo. O seu aroma favorito

-Ai de você se não voltasse. 

-Eu não deixaria a minha garota sozinha no meio de um bando de urubus famintos. 

Hinata sorriu, sentindo-se um pouco sufocada, afinal Gaara sempre tirou seu ar. 

Ele finalmente estava em casa. Ele finalmente ficaria com ela.


Notas Finais


TAKE MY BREATH AWAAAAYYYYY caralho essa música é perfeita, apenas!!
Demorei um pouco a me adaptar a esse casal, e hoje eu adoro, sempre tão emblemático :3
Se tudo der certo, posto o próximo ainda hoje, então torçam por mim aí galeris.
Espero que tenham gostado <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...