1. Spirit Fanfics >
  2. A Potter Desaparecida - Fred Weasley love history >
  3. Capítulo 6 - Um dia sem igual

História A Potter Desaparecida - Fred Weasley love history - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Capítulo 6 - Um dia sem igual


Fanfic / Fanfiction A Potter Desaparecida - Fred Weasley love history - Capítulo 7 - Capítulo 6 - Um dia sem igual

Acordei abraçada a uma certa bola  de penas, sorri e beijo a cabeça do Keiko, mais uma noite sem pesadelos. Assim eu gostava, estava bem. Contente por estar mais um dia viva e pronta para viver o que estava por vir. Solto a minha coruja assim que a vejo de olhos abertos, ele salta pela cama e eu ri baixinho para não fazer barulho para a Hermione. 

- Fica calmo meu pequenino.- Falei e o Keiko pia. Olho para a porta do quarto e depois de volta para o Keiko.- Quem é que está ali?- Ele abanou as asas e eu senti-me um pouco receosa, levanto-me da cama e aproximo-me lentamente da porta. 

Porquê que o Keiko havia ficado tão agitado? Quem é que estaria ali?... Respiro fundo e abri a porta com muito cuidado, espreito pela pequena greta e não entendi. Abri a porta toda e ninguém estava ali, viro-me para trás para encarar a coruja. 

- Não te sentes bem pois não?- Questionei e depois ouço um "croac!", volto a olhar para a saída do quarto mas desta vez olho para o chão. Bem na frente dos meus pés tinha um sapo. Não nego que isto me deixou surpresa.- Bom dia para ti pequeno furasteiro, de quem serias tu?- Perguntei sorrindo ao agachar-me. O sapo coaxou e eu fiz sinal de silêncio e olho para a cama da minha amiga, noto que ela tinha acabado de acordar. Peguei no sapo e fecho a porta do quarto.

- São que horas?- Perguntou a sonolenta da Hermione. 

- Quase nove horas da manhã.- Digo e ela se sentou.

- A sério? Ainda?- Ela fala surpresa. 

- Sim mas se quiseres podes voltar a dormir, eu tenho que ir entregar este pequenote ao seu dono.- Falei sorrindo e dando festas no sapo Trevor.- O Neville deve de estar à procura dele.

- Esse sapo está sempre a fugir! O Neville sempre teve uma grande sorte em encontrá-lo.- Ela disse.

- O Trevor tinha fome, viu uma mosca e foi, fica aqui com o Keiko que eu  só vou vestir uma roupa decente.- Falei e pouso o sapo na minha cama.- E Keiko se simpático! Ele não é nenhum inimigo.- Digo já vendo a minha coruja a tomar uma pose de ataque, ela parou assim que falei e fui à minha gaveta ver qual roupa iria usar. Pego numas calças pretas que tinha uns pequenos rasgos nos joelhos, numa blusa preta com mangas cumpridas e outra blusa mas com mangas mais curtas e cinzenta, e por fim nuns ténis vermelhos. Estas roupas tinham sido umas das que trouxe da casa do Snape, foi ele que comprou para mim e ele tinha bom gosto. 

Vou até à casa de banho e troco a roupa rapidamente, no cabelo decido apenas fazer um coque. e sai só para encontrar a Hermione a encarar séria os dois animais que estavam sobre a minha cama. 

- Esse teu olhar sério, devia de me preocupar?- Pergunto chegando perto da minha cama, o Keiko voou logo para o meu ombro e o Trevor saltou para as minhas mãos e eu o coloco no meu ombro desocupado.

- Não, claro que não, eu apenas estava pensativa.- Ela diz continuando a encarar o sapo e a coruja.

- Nota-se, vou ver se acho o Neville.- Digo e ela assentiu, sai do quarto e fico a olhar para a porta. O que terá dado nela? A Hermione por vezes é uma pessoa um pouco estranha. 

Sai do dormitório feminino e espreitei para a sala comum para ver se o Neville estava por ali e sorri ao encontrá-lo ao lado do Lee. Eles pareciam que procuravam por alguma coisa. Desci as escadas em espiral e vou até eles.

- Suponho que procuras este pequeno aqui.- Falo e os olhos do Neville brilharam assim que viu o seu sapo.

- Eu pensava que o tinha perdido de vez!- Ele falou vindo buscar o pequeno animal do meu ombro. 

- Ele estava à porta do meu quarto e tinha fome, para a próxima tenta deixar umas moscas mortas numa pequena tigela durante a noite.- Digo e ele olhou para mim.

- Oh okay! Não vou me esquecer disso! Desculpa Trevor... Vou cuidar melhor de ti!- Ele falou e juro que ele pareceu uma pequena criança.

Fiquei a observar o Neville a voltar para o dormitório masculino e sorri por o ver tão contente, até que o Keiko piou e eu encarei-o com cara de má.

- Fica quieto!- Falei, ele reclamou a dizer que uma refeição tinha ido embora. Não dá para aturar esta coruja às vezes.

- É engraçado como os animais reagem a ti.- O Lee diz e tenta fazer uma festa no Keiko mas acabou por levar uma picada no dedo.- Ai! E muito protetores também!

- Ele não me está a proteger, o Keiko apenas gosta de picar os outros por achar engraçado.- Digo rindo um pouco e caminho até à saída.

- Achar engraçado?- Ele fala um pouco desentendido.

- Acredita em mim eu também não sei onde ele vê a graça nisso.- Digo mas o meu colega continuou a olhar para mim  confuso. Agora quem não estava a perceber era eu. Encolhi os ombros e fui para o Salão. O Lee veio sentar-se ao meu lado e fomos nos servindo.- Diz-me uma coisa, a Elaine é de que casa? Não a vi na sala comum de Gryffindor...- Perguntei curiosa.

- Ela é de Hufflepuff, conhecia através da aula que nós partilhamos de Transfiguração, ela estava a precisar de ajuda e eu prestei os meus doces serviços a ela, começamos a falar e acabamos por nos tornar grandes amigos, precisei de um pouco de dedicação para convencer os gémeos a aceitar mais pessoas no nosso grupo, eles só aceitaram a Elaine este ano e por incrível que seja não bastou muito para te aceitarem.- Ele contou-me.

- Talvez por eu ser a irmã do melhor amigo do irmão deles, também talvez por eu ser uma Potter e ser descendente de um dos marotos.- Falei orgulhosa, isso com certeza trazia-me orgulho. Sempre gostei de armar partidas e agora sei que o meu pai foi um maroto, é fantástico. 

- É talvez seja por isso mas eu também sei que eles te aceitaram porque gostam da tua companhia, foi o que o Fred disse e o George concordou.- Ele fala e começou a comer. 

Fiquei meros segundos a olhar para a sandes que tinha acabado de fazer, então foi por isso que eles quiseram que eu fizesse aquele juramento ontem. Eles realmente queriam ser meus amigos. Sorri e dei a primeira mordida na sandes. Estávamos no meio da refeição quando senti o meu corpo a ser movido para o lado e fiquei entre duas alminhas.

- Bom dia meninos.- Falei.

- Bom dia Harper.- Os gémeos falam e começam a servir-se.

- Que dia que está hoje!- Fred comenta.

- Só chuva! Não vai dar jeito nós irmos a Hogsmeade só se quiserem molhar.- O George diz.

Olho para o Keiko que ainda estava no meu ombro e ele piou se encolhendo. É... Ele não quer ir lá muito.

- Eu gostava de ir lá Keiko... Se vieres comigo compro-te o que quiseres.- Digo e os olhos dele ficaram semi cerrados mas acabou por aceitar. Sorri e dei-lhe um pouco de pão.- Vamos na mesma, não será uma chuvinha que estragará o nosso dia.- Falo e eles sorriram. 

- Ainda bem porque nós precisamos de comprar algo para um dos nossos novos produtos.- Fala George. 

- E o que é?- Perguntei curiosa.

- Vais ter que esperar para descobrir pequena Harper.- O Fred disse e eu sorri para ele.

O Harry apareceu com o Ron e a Hermione e eles os três sentaram-se à nossa frente, entrego uma sandes que fiz para o meu irmão e ele sorriu em agradecimento.

- Vou a Hogsmeade agora... Tudo bem para ti?- Pergunto para o Harry receosa pela sua resposta.

- Claro! Não precisas pedir-me para ir, apenas avisa-me.- Ele fala.- E tem cuidado.

- Nós cuidamos dela Potter fica descansado.- Os gémeos disseram.

- Agora é que estou preocupado.- Diz o Ron e eles atiraram uma maçã à cabeça dele e ele começou a reclamar que era sempre a mesma coisa. 

Assim que terminamos de comer, fui buscar um casaco ao meu quarto e o Keiko enfiou-se dentro do carapuço como ele costuma fazer, principalmente quando eu vou sair. E ainda peguei em algum dinheiro que o Harry havia me dado e fui para a sala comum, os gémeos e o Lee já estavam à minha espera com os seus casacos vestidos.

Sorri um pouco para eles e saímos da sala, descemos a enorme escadaria e passamos pelas grandes portas de Hogwarts. Abracei os meus braços por sentir a brisa gelada a bater contra o meu corpo, vou passear... A única vez que me lembro que fui dar uma volta foi com o Snape... E mesmo assim não foi grande coisa mas já foi ótimo. Segui os três rapazes um pouco mais atrás deles, olhei para o céu e respiro fundo, o céu estava coberto de nuvens, que estavam muito escuras, agora não estava a chover mais em breve estará...

Levo uma mão para o meu carapuço para fazer festas ao Keiko que reclamava que estava com frio, esta coruja sempre gostou de reclamar com qualquer coisa, não fica quieto um segundo. Esfreguei as minhas mão para tentar aquecê-las e observo o Fred a diminuir a velocidade do passo para vir ao meu lado.

- O que fazes aqui tão atrás?- Ele perguntou.

- É que... Vocês três parecem estar a conversar sobre algo e eu não quero estar a meter-me na conversa... E porque eu gosto de observar o meu redor enquanto ando.- Respondi.

- Nós pedimos-te para entrares para o nosso grupo e fizemos o juramento que seríamos amigos para sempre então podes sempre meter-te na conversa, estás entre amigos não precisas de ficar afastada de nós.- O ruivo fala e eu suspirei, talvez devesse confiar neles também... Eles, principalmente o Fred, trataram-me com tanta simpatia. 

- É que...- Parei de falar quando senti o primeiro pingo  de chuva no meu nariz.

- Estamos quase a chegar! Vamos!- O Lee falou alto e fomos praticamente a correr para Hogsmeade.

Entramos num pub chamado Três Vassouras, os gémeos disseram para nos sentarmos numa mesa  e eu fico sentada no lado do Fred enquanto o Lee e o George ficaram à nossa frente. Uma senhora veio perguntar o que queríamos, eles pediram cerveja amanteigada e eu pedi chá e bolachas, o Keiko meteu-se entre mim e o Weasley e eu olho para o meu pequenino, espero bem que não esteja a tramar nada. 

- Dia desgraçado! Espero que consigamos ao menos chegar na hora de almoço.- O George fala.

- Yah espero mesmo que sim mas talvez com a nossa sorte iremos chegar depois do jantar.- O Lee comenta e os nossos pedidos chegaram, eu pego numa bolacha e parti um pouco, coloco na frente do Keiko e ele a foi picando.

-  O que ias dizer antes da chuva começa?- O Fred pergunta e eu suspirei, olho para eles os três.

- Não espero que aceitem isto mas que ao menos entendam, eu vim da Growller Schooll, com certeza que vocês já ouviram falar sobre aquele lugar e praticamente tudo o que ouviram é verdade, aquele sitio é horrível e não dá para ter amigos... Eu pelo menos não tinha porque eu sou simpática de mais... Mas eu tinha uma amiga... O nome dela era Jessie e por motivos de rivalidade a perdi... Por isso não fiquem tão surpresos se eu por acaso reagir mal com alguma coisa, disser algo que talvez não gostem, estar sempre um pouco mais afastada, ficar com medo fácil, não querer fazer novas amizades ou assim...- Suspirei e dou mais um pouco de bolacha ao Keiko.- Eu precisei de aprender a sobreviver e como foram tantos anos meio que acho isto muito estranho, esta... Como posso descrever, vida calma?

Encaro aqueles três e percebi que todos estavam super surpresos. Quem não ficaria?

- Então estás a querer dizer, que tu Harper, uma pessoa doce, linda, simpática e até tímida, veio da escola repleta de demónios?!- O Lee pergunta desacreditado e eu assenti lentamente.

- É basicamente isso.- Digo e pego na minha chávena para beber um pouco do meu chá.

- Quem é que de boa ou má consciência te colocaria nessa escola sabendo o anjo de pessoa que és?- O George questiona e eu sorri, é bom ouvir esses elogios mas não é hora de saberem mais alguma coisa.

Permaneço calada e ouvi o Keiko a piar, olho para ele e sorri, pego noutro pedaço de bolacha e dei-lhe. Ele disse para levar o meu tempo e que estava contente por eu me ter aberto com eles.

Continuei a beber o meu chá e presto atenção à nova conversa que eles começaram. Sobre Quidditch, desporto interessante por acaso, se eu não tivesse medo de voar talvez entrasse para a equipa, eu disse  talvez. 

Observo o Fred a pegar na última bolacha e a parti-la, deu um pouco à minha coruja e surpreendentemente ele não fez nada, vou lá entender o Keiko. Faço uma festinha na cabeça dele e ele piou. 

- Pensei que morreria antes de ouvir isso.- Falo com um sorriso e assustei-me por ouvir as mãos do Lee a baterem com força na mesa.

- Não! Chega! Já fiquei curioso de mais! Não aguento! Harper isto pode soar estranho, na minha cabeça já soa mas tu por acaso entendes os animais?- O Lee pergunta e eu fico surpresa.

-  Vocês não entendem?- Questiono curiosa e eles negaram com a cabeça.- Claro... Devia ter suspeitado... Obviamente que via muitos animais e eu tinha um certo pressentimento que os percebia só que nunca tive oportunidade de esclarecer até que encontrei o Keiko e ele tirou as minhas dúvidas, questionei os professores de Gwoller School sobre isso, se era possível e eles disseram que sim, que todos ouvem... Agora vejo que eles apenas estavam a gozar comigo.- Suspirei e o Keiko veio para o meu colo.

- Eu acho isso um máximo, consegues ouvi-los com vozes normais? Tipo como nos ouves?- O George pergunta e eu nego sorrindo.

- Não, acho que isso seria muito estranho, imaginem assim, o Keiko pia e o piar dele eu entendo como uma frase, ate agora não errei nenhuma.- Respondo e o Fred faz umas festas no Keiko e eu o encarei desacreditada.- Tens cá um interesse.

- Quer mais bolachas?- O Fred perguntou com um sorriso e eu assenti.

Este era guloso demais. Quando a chuva parou saímos das Três Vassouras e andamos pelas ruas de Hogsmeade, eu olhava para o lugar sempre com uma grande curiosidade e espanto. Era um novo terreno para mim, nunca aqui tinha estado. O Fred fez sinal de silêncio e puxou-me pela mão, entramos numa pequena loja chamada Dedos de Mel, olhei para aqueles doces  todos com um grande sorriso.

- Esta é a melhor loja de doces de sempre, costuma estar sempre cheia mas como o tempo é de chuva ninguém sai para se molhar.- O Fred explica e eu pego nos feijões de todos os sabores.- Qual é o teu preferido?

- Bem... Eu nunca comi um doce...- Explico e ele ficou em choque.

- Como é que nunca comeste um doce? Isso é impossível!- Ele diz e eu apenas encolhi os ombros.

- A vida não permitiu e não faças perguntas sobre isso Fred, já foi muito bom ter-vos contado sobre a minha antiga escola.- Digo e ele suspira assentindo.

Como eu nunca tinha comido um doce na vida, o Fred disse quais eram os seus preferidos e eu comprei dois sapos de chocolate e ofereci-lhe um. Saímos da loja e eu observando as vitrines dos estabelecimentos até que reparo na loja de animais, haviam muitas outras corujas lá. O Keiko picou a minha orelha e eu ri um pouco, eu não estava com ideias de comprar uma mas posso ficar a deslumbra-las.

Paramos na frente da loja "Zonko'sLogros e Brincadeiras", pelo que o Fred disse era a loja que eles vinham comprar alguns produtos para os tornar noutros ainda melhores, ou novas invenções. O Lee e o George estavam lá dentro e o lugar estava um pouco cheio.

- Temos mesmo que entrar?- Pergunto suspirando.

- Problemas com lugares cheios?- Ele questiona.

- Nem por isso mas se os poder evitar já é muito bom.- Respondi e ele sorriu.

- Não tens nada a temer, o teu salvador está aqui.- Ele diz e eu precisei de rir, o Fred estendeu-me o braço e eu o entrelaço com o meu. 

Deixo-me ser guiada para dentro da loja e sorri por vir alguns brinquedos a voarem por ali, nos encontramos com o George e com o Lee e ambos começam a mostrar-nos várias coisas que poderíamos usar. Eu observo algumas tintas para cabelo e minha cabeça começou a pensar numas futuras marotices. Solto o braço do Fred e pego em algumas tintas, vou pegas também em alguns produtos que me permitiam criar alguns doces mas não doces, teriam apenas o formato e o sabor ou o efeito seria à minha escolha. 

- Para quem não tinha muita vontade de entrar parece que vais  comprar a loja inteira.- Falou o Fred pegando algumas coisas das minhas mãos para me ajudar.

- Isto vai ser útil.- Digo.

-  E posso saber para o que?- Ele pergunta e eu sorri. 

- Vais ter que esperar para descobrir pequeno Fred.- Cito as mesmas palavras que ele tinha usado mais cedo, ele pareceu se recordar pois apareceu um belo sorriso em seu rosto. 

Ele veio comigo para a fila para pagarmos as  minhas coisas e ficamos atrás do George e do Lee, eles se viraram para nós e olharam para as tintas para o cabeço.

- Tens noção que isso diz permanente, certo?- Fala o George.

- Se não o dissesse não estaria a comprar.- Digo com um sorriso maroto e eles riram.

- Ohhh mas o Dumbledore vai ter que ter muita paciência, agora vai ter que aturar novamente o grupo dos marotos e a Potter pelos vistos não vai pegar leve.- O Lee fala. 

Apenas sorri, sim o Dumbledore teria que aturar muito mas ele não saberá que fui eu porque primeiro todos têm uma impressão de mim de que sou uma pessoa quieta, tímida e que gosta de ficar no seu cantinho, segundo eu consigo fazer as minhas partidas ou espetáculos sem que ninguém saiba que fui eu e terceiro tenho o Keiko para me ajudar no que for. Esperem só eu me sentir mais à vontade e depois só terei pena Hogwart.

Depois de pagarmos, fomos em direção da escola. O tempo continuava uma tristeza mas eu gostava deste clima, sei lá, eu também gosto de tudo. 

- Tenho quase a certeza que achei o quarto do Filch.- O George disse.

- Outra vez?!- O Lee falou bem desacreditado.

- A minha pergunta é onde ele arranjou tempo para ir! Quando é que saíste do meu lado?- Perguntou o Fred para o irmão.

- Oh meu irmãozinho, um mágico não deve de revelar os seus segredos, assim dizem os muggles a tentarem ser mágicos, coitados até sinto pena.- Fala num grande tom de ironia George.

Apenas ria baixinho com as suas conversas, estávamos quase a chegar à escola quando eu parei de repente e olho para a floresta proibida. Ela localizava-se atrás da escola e sempre me questionei o quão perigosa poderia ser mas agora... O sussurro que eu costumo ouvir... Ele chamava-me da floresta... Alguém me chamava ali. 

- Harper?- Chamou-me o Fred ao abanar-me pelos ombros. Fiquei a encará-lo confusa, foi como se tivesse sido puxada de um transe. Volto a olhar para a floresta e nada de sussurro. Isto foi tão estranho... - Estás bem?

- Sim estou... Pareceu-me ver apenas uma coisa, não se preocupem.- Digo ao ver que não era só ele que estava preocupado comigo.

Eles se encararam e sabia que não tinham acreditado em minhas palavras mas não questionaram. Detesto ter que mentir para eles mas acredito que seria estranho eu dizer que estava a ouvir um sussurro na floresta e que me chamava pelo nome. E se ele soubessem o resto da minha história tenho a certeza que eles consideravam isto um indício de loucura. Talvez seja... Quem sabe.

Volto a andar em direção à escola mas desta vez fico na frente deles a andar, o Keiko que tinha permanecido este tempo todo no meu carapuço, ele saiu e veio para os meus braços, eu o abracei e suspiro. O que seria isto? Porquê que a minha vida está num rumo estranho como este?

Volto a suspirar e assim que chegamos na escola, eram horas de almoço, fomos apenas à nossa sala comum para deixarmos as nossas coisas no nosso dormitório, depois fomos para o Salão almoçar. Eu sentei-me logo do lado do meu irmão.

- Como foi?- Ele pergunta com um sorriso.

- Divertido, eu gosto de passear.- Respondo e tiro algumas coisas para comer. 

Fiquei em silêncio o resto do almoço, ainda não conseguia entender o que era aquele sussurro e isso perturbava-me imenso. Porque alguém daria ao trabalho de me chamar? O Keiko piou chamando a minha atenção e dei-lhe pão, mas ele volta a piar.

- Não quero conversas fofinho, não agora.- Falo baixo para a minha coruja no meu colo e ele fica em silêncio. 

Assim que terminei de comer, não esperei por ninguém e volto para a sala comum, vou para o meu quarto e olho para o casulo, deve de estar quase a sair daqui. Meu Merlin quero muito que seja uma fadinha. 

O Keiko foi para cima da minha cama e eu vou até aos meus livros dar uma revisada sobre algumas coisas de poções. E fiquei a tarde inteira nisto. A Hermione felizmente não veio aqui ao quarto a querer saber o que se passava e nem me chatear com mil e duas perguntas. Como eu sempre digo, eu gosto da Mione mas ela às vezes... Passa dos meus limites.

Espreito pela janela e vejo que a noite se fazia cada vez mais presente, acendi algumas velas pelo quarto e deito-me sobre a minha cama e fico a encarar o teto. Estes momentos calmos e de solidão... Não é que goste mas já tinha saudades de ter este tempinho só para mim. 

Olho para o relógio na parede e vi que eram horas de jantar mas não estava com vontade de descer a enorme escadaria... Não queria. Aproveitei este tempinho para ir tomar banho, levo o meu pijama atrás e fui tomar o meu banho quente. Porquê que fiquei tão afetada com este sussurro, não foi como os outros, desta vez eu sabia de onde ele vinha... E isso deixa-me ansiosa e super curiosa...

Assim que terminei, seco-me e vesti o meu pijama. Suspirei ao encarar-me no espelho e ao sair do quarto fico em choque. Ele estava muito mais iluminado e tinha alguns pratos com comida a flutuarem.

- Mory? O que estás aqui a fazer? O que é tudo isto?- Pergunto com um sorriso. 

- Mory percebeu que Harper não estava no salão para comer e Mory sabe que ficar sem comer faz mal, então o Mory fez o favor de trazer o jantar à Harper!- Ele fala todo contente e eu sorri ainda mais.

- Então espero que te sentes ao meu lado para comermos.- Falo me sentando na cama e ele olha para mim espantado.

- Nunca convidaram o Mory para se sentar ao lado como um igual... E nem para comer...- Ele fala bem tímido o que de certa forma me fez lembrar de mim mesma.

- Mas eu te considero como um igual por isso senta-te ao meu lado e vamos comer.- Digo e ele sorriu e veio para o meu lado todo contente.

Começamos a comer e ele começou a entreter-me com belas histórias de lugares maravilhosos que ele já visitou para servir os seus mestres anteriores. Ele coitadinho sofreu de escravidão, este pequeno não merecia.

No final, num estalar de dedos tudo desapareceu. O Mory com muita pena teve que voltar para a cozinha e eu agradeci pela sua companhia e ainda pedi para ele voltar a vir ver-me quando quiser. Ele disse que viria com um grande prazer.

Quando ele desapareceu, aparatou possivelmente na cozinha, a Hermione abriu a porta e olhou para mim com um sorriso.

- O Harry quer falar contigo.- Ela disse.

- Onde ele está?- Pergunto me levantando da cama.

- Na sala, aproveita agora que todos ainda estão no Salão.- Respondeu e eu assenti confusa, o que será que ele quer mostrar-me? Ou dizer-me?

Sai do quarto e do dormitório, desci as pequenas escadas em espiral e sento-me no sofá ao lado do meu irmão.

- Tudo bem irmão?- Pergunto curiosa.

- Claro, tu é que não apareceste para jantar.- Ele fala.

- Não te preocupes pois eu jantei no meu quarto.- Digo com um sorriso ao qual foi correspondido.

- Ainda bem, olha mana eu queria apresentar-te uma pessoa.- Ele diz e eu fico mais curiosa.- É uma pessoa da nossa família, para mim a última pessoa que nos ama verdadeiramente e que está ansiosa para te conhecer.

- Deixa de suspanse e diz-me logo quem é!- Falo com um grande sorriso.

- Nosso padrinho, Sirius Black.- Ele fala e eu fico surpresa.

Obviamente que a família Black era muito comentada em Gwoller School, um dos grandes comensais da história, ele fugiu duas vezes no ano passado e ninguém conseguiu apanhá-lo. E depois tem a sua prima Bellatrix Lestrange, a mais leal comensal do Lorde das Trevas. 

- Estás a brincar certo?-Questiono ainda mais surpresa.

- Claro que não, eu também fiquei assim quando descobri e foi de uma forma muito pior para ser sincero.- Ele responde e eu encarei-o curiosa.- Encontrei o Sirius na casa dos gritos em Hogsmeade, por uma passagem debaixo do salgueiro lutador, e eu confrontei-o, apareceu um antigo professor chamado Lupin e eles contaram-me muita coisa como por exemplo o Sirius nunca foi um comensal e não foi ele que denunciou os nossos pais foi o Pedro Pettigrew, eles os três eram amigos dos nossos pais, principalmente do nosso pai. 

- Faziam parte dos marotos?- Pergunto e ele assentiu com um sorriso.

- Pronta para conhece-lo?- Ele pergunta.

- Claro mas como?

Ele apenas mostra mais um sorriso e olhou para um relógio, depois sentou-se na frente da fogueira e eu fico sem entender. O que ele estava prestes a fazer? Quando noto as chamas a formarem um rosto e fico surpresa. 

- Olá Harry.- Falou aquele rosto de um homem nas chamas.

- Olá, ela está aqui Sirius.- O meu irmão fala e eu estava cada vez mais surpresa, nunca tinha visto nada parecido. O Harry fez-me sinal para ir para o seu lado e foi o que fiz.

- Olá...- Falo tímida e o nosso padrinho sorriu.

- Ela tem a cara da vossa mãe e um ar pai.- O Sirius fala.

- Concordo, quando tivermos juntos ela terá um bom tempo para gastar em contar histórias dos seus feitos futuros.- O Harry comenta. 

- Futuros feitos?- Pergunta o Sirius, o Harry olhou para mim com um sorriso e eu entendi o que ele queria dizer. 

- Vou dar continuidade ao nome Pontas.- Respondo à pergunta e isso fez o nosso padrinho rir.

- Já posso imaginar, o mapa foi um dos melhores feitos realizados pelos marotos e sei que os gémeos já causam um bom estrago.- Ele fala e eu concordei.

Começamos a ouvir vozes a vir para a sala comum e olhamos com urgência para o rosto nas chamas, ainda achava este método de comunicação muito boa. 

- Melhor eu ir, gostei muito de te conhecer Harper e fico tão contente por estares de volta, um dia terás que me contar o que aconteceu contigo todos estes anos, agora tenho que ir, tenham cuidado.- Ele se despede e desaparece bem na hora que a porta foi aberta e as pessoas começaram a entrar. 

O jantar já deve ter terminado, eu seguro a mão do meu irmão e o puxei para o topo das escadas em espiral. 

- Eu realmente gostei de saber que temos um membro da nossa família vivo que nos ama, isso alegrou-me muito.- Digo e ele abraçou-me.

- Eu sabia que isso iria alegrar-te, vou ter com o Ron agora, ele está a tentar fazer um trabalho de transfiguração e não se safa.- Ele conta e eu ri um pouco, era mesmo a cara do Ron.

Ele foi para o dormitório depois de beijar o topo da minha cabeça me deixando ali, temos um padrinho, o famoso Sirius Black que passou treze anos em Azkaban injustamente... O Pedro foi o culpado... Tenho que esclarecer este assunto melhor um dia mais tarde com o meu irmão.

Vi os gémeos a olharem para mim no meio da sala e eu sorri, eles devem ter ficado preocupados comigo por não ter apresentado ao jantar e por ter ficado desaparecida a tarde inteira. 

- Amanhã falamos gémeos?- Pergunto continuando a sorrir. 

- Isso ainda foi uma pergunta?- O George perguntou-me de braços cruzados e com um sorriso. 

O Fred apenas olhava para mim e eu fico a olhar para ele à espera que tivesse alguma reação, não demorou muito que ele mostrasse um lindo sorriso. Palavras não precisavam de ser ditas, ele sabia que eu precisei de ter este meu tempo para mim. 

Acenei para os dois e fui para o meu quarto, desejei uma boa noite à Hermione e abracei o Keiko para dormirmos. Hogwarts mudou a minha vida por completo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...