História A praga chamada amor - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Romance
Visualizações 4
Palavras 2.542
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Luta, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


olá pessoas!
boam aqui esta mais um cap editado pra voces
Boa leitura!

Capítulo 3 - Pessoa errada na hora errada.


Fanfic / Fanfiction A praga chamada amor - Capítulo 3 - Pessoa errada na hora errada.

    Por causa do meu encontro com a estranha garota, me esqueci completamente do primeiro dia de aula.

    Perdi a hora, como sempre. Acordei quarenta miutos atrasado. Por sorte, minha mãe teria uma reunião ali por perto da escola,  então tinhamos combinado que ela me daria um carona.

Coloquei meu novo uniforme, e fiquei me olhando por um tempo no espelho, estava me achando muito adulto e responsavel. Ri da minha atitude boba.

Peguei minha bolsa, que já estava arrumada graças a minha instuição, que dificilmente falha, e desci correndo. Como café da manhã tomei apenas um copo de leite e comi tres bolachas, para não correr o risco de desmaiar no meio do caminho.

Coloquei a mochila nas costas e, pronto para sair, fui proucurar minha mãe pela casa, achei que ela estaria no quarto dela se maquiando ou no banheiro prendendo seu cabelo. Entrei no quarto mas ele estava vazio, a sala estava com as luzes apagadas. Ela só poderia estar no banheiro teria de esperar de qualquer forma.

Lembrei-m de um documento que precisaria levar para a diretora, sobre a tranferencia de escola. “Se eu me lembro bem, ele estava na cozinha” Pensei comigo mesmo. Voltei para a cozinha para pegar o documento, ao adentrar no comodo encontro minha mãe.

    -Mãe você não está pronta ainda! - Ela estava sentada tomando café com seu pijama pink com listras azuis e com a frase " just be happy" escrita no meio com letras brancas e brilhantes. Seus fios amarrados em um rabo de cavalo bagunçado no topo da cabeça.

    - Bom dia pra você tambem Charlie – ela bocejou – Até você vai ficar me apressando, já não basta meu chefe.

- Mãe você prometeu me da uma carona pra escola lembra!?

- Ah desculpe filho, eu esqueci de te falar, me ligaram ontem avisando que a reunião foi cancelada. Vai ter que ir andando mesmo, sabe faz bem pra saude caminhar, ainda mais na sua idade. - Ela falava com a boca cheia de torrada, então algumas palavras sairam meio enrroladas.   - E além do que a escola nem é tão longe assim.

    - O problema e que eu estou atrasado!

Percebi que não adiantaria nada eu ficar ali discutindo com ela, eu iria acabar me atrasando mais. Dei a volta na mesa e peguei o documento que estava em um envolope branquinho.

    - Ninguém mandou ficar até tarde assitindo TV... - Enquanto ela falava eu fui ficando cada vez mais nervoso e ancioso, então não escutei as ultimas coisas que ela disse.

    - Tudo bem. Até mais tarde.

Recebi um beijo na testa e mais um pedido de desculpas, e assim eu sai apressado.    

   Sai de casa o mais rápido possível, até me esqueci do meu vizinho estranho. Fui correndo, literalmente, a maior parte do caminho. “Chegarei na escola ofegante e suado. Meu plano de causar uma boa primeira impressão foi por água a baixo.” Pensei.

    Quando percebi que faltava menos de um quarterão pra chegar no portão da frente da escola, comecei a andar mais devagar para tentar normalizar minha respiração e acalmar meu coração que batia descompassadamente dentro do peito .

Vi varios alunos chegando, reecontrando amigos e dando risadas. Todos aparentavam estar bem animados. Isso me deu até um pouco mais de confiança. Todos pareciam ser boas pessoas.

Mas... as aparencias enganam. 

    Entrei na escola e a primeira coisa que fiz foi pegar em minha mochila a carta que a diretora havia me enviado. A li novamente para conferir se estava escrito em algum lugar onde se localizava a diretoria ou alguma referencia. A escola não era tão grande assim mas tinha varios corredores, alguns, pelo menos em minha visão, bastante desnecessarios. Além de várias portas.

Tentei achar a sala da diretoria mas acabei me perdendo mais. Em certo momento não sabia sequer por havia entrado.

    Resolvi pedir informação para alguém, ou não conseguiria sair nunca mais daquela escola. Havia um grupinho de quatro garotos proximos á mim, estavam conversando e dando risadas altas, pareciam ser bem simpaticos.

Eu já disse antes que as aparencias enganam?

    Fui até eles e pedi a informação.

    - Com licença. – tentei ser o mais educado possivel - Poderiam me informar onde fica a sala da diretoria?  

   Grande erro.

   O garoto mais alto do grupo, que inclusive era bem mais alto do que eu, com fios claros e longos até o pescoço, desenconstou da parede e se virou para mim. Todos ficaram em silencio me medindo de cima a baixo.

    - Ora o que temos aqui, o aluninho novo está perdido não é?

    Ele falava com um sorrisinho no rosto.

    - Talvez o bebe queira um mapa?

   Todos os outros garotos começaram a rir, exageradamente alto, junto ao mais alto.

   - Já sei! Você pode ser o nosso mais novo banco! O que acham? Já que nosso antigo acabou mudando de escola.

   - Desculpe não entendi.

   - Você é idiota ou o que? Simples, nos vamos até você e pedimos dinheiro e você nos dá o dinheiro. A não ser que queira virar um saco de pancada. Pra nós as duas opções são boas você escolhe, o que vai querer?

   - Não vou dar dinheiro a ninguém e muito menos ser saco de pancadas. Apenas quero saber onde fica a sala da diretoria.

   O sorrisinho no rosto do garoto sumiu e no lugar ficou com uma cara que não era muito agradavel.

   - Bom pelo jeito não vão me ajudar, então de qualquer forma, desculpe ter incomodado vocês.

    Continuei caminhando para frente, mas quando passei do lado do garoto ele me puxou pela gravata me enforcando e me jogou para frente, me fazendo cair.

   - Sabe eu acho que você prefere ser saco de pancada não é mesmo?

   Ele vinha caminhando em minha direção prestes a me bater. Fechei os olhos e coloquei os braços envolta da minha cabeça.

-

Ainda assustado não prestei atenção em quem era, apenas aproveitei a oportunidade para pegar minha bolça e o documento que se encontravam no chão. Iria sair dali o mais rapido possivel.

      - Me atrapalhando de novo não é? Acho que não vou ter mais pena de você por ser uma garota.

   Nesse momento eu parei o qu estava fazendo. Subi os olhos e percebi que era realmente uma garota. Me senti um pouco envergonhado por estar sendo protegido por uma garota, acho que isso feriu minha “masculinidade” de alguma forma.

   - Talvez você realmente precise de uma lição, a não ser que pessa desculpas. - Henry falava enquanto se aproximava mais dela.

   Achei que ele iiria agredi-la ali mesmo na frente de todos, mas quando me levantei, mesmo estando atrás da garota percebi que Henry estava com o rosto perto demais para agredi-la. Provavelmente ele não queria apenas um pedido de desculpas da garota, mas outra coisa.

   - Como você é patetico. - Ela empurrou o rosto de Henry com um pouco de violencia. - Por que não deixa o garoto em paz? Ah eu me esqueci, sua vida é chata demais por isso gosta de atormentar os outros não é?

  - Saia da minha frente e não se meta nos meus assuntos novamente se não...

  - Se não o que? Já te disseram que você não é nem um pouco intimidador? – ela soltou uma risadinha. – Você é apenas um gatinho fantasiado de tigre.

  - Você está começando a me inrritar princesa, então fique esperta, eu ainda vou te dar uma boa lição. Vamos! – ele direcionou o olhar para mim depois a gente cuida do novato. 

Henry e seu grupinho foram embora na direção contraria em que estavamos.

   Eu ainda não havia visto o rosto da minha salvadora ou sei lá o que ela era. E quando os garotos sumiram de vista ela também saiu andando sem sequer olhar em meu rosto. Eu não tinha a intenção de falar nada pois ainda estava com um pouco de vergonha, mas apesar de tudo eu ainda estava perdido.

    - Ei! Espere ai!

    Ela se virou. E para minha surpesa eu ja a conhecia.

Era a garota da loja. 

A mesma garota que havia roubado os pirulitos, e que estava comendo um naquele momento.

    Meus olhos se arregalaram instantaneamente, minha mente ficou em branco por um segundo, não conseguia pensar em absolutamente nada.

    Depois consegui voltar ao normal, graças a um garoto que havia saido de uma sala e batido a porta, fazendo um barulho alto e me tirando do tranze.

    - V-você poderia me .... Me dizer onde fica a sala da diretoria? - Minha voz falhou, eu gaguejei, eu ainda não tinha voltado totalmente ao normal.

    Fiquei observando cada detalhe dela. O formato do seu rosto, seus olhos, a unica coisa que estava diferente da quele dia era um curativo no pescoço e um arranhão na bochecha.

    - Vai reto é a primeira porta a direita. – ela apontou.

    Sua voz era um pouco grossa e rouca, mas mesmo assim era linda.

    - Obrigada - Antes mesmo de terminar de falar ela já estava andando. - Ei ! obrigada por antes também.

     - Relaxa. - Ela disse sem se virar para me olhar, apenas levou dois dedos até a testa fazendo um sinal.

     Fiquei parado ali alguns segundos para conseguir processar tudo o que havia acontecido e vendo a garota se afastar, até sair do meu campo de visão.

     Será que este seria o famoso amor a primeira vista? Acho que não, eu apenas achei uma garota atraente,não era algo tão estranhoa assim, apesar dela não estar nem um pouco arrumada. Ela se vestia de uma forma um tanto quanto diferente das outras meninas.

      Ela usava parte do uniforme feminino, que era uma camisa social branca, e uma saia azul marinho. As meninas também usavam gravatas mas a diferença era que a gravata masculina tinha algumas listrinhas brancas. Mas ela tinha seu estilo proprio. Usava a gravata feminina bem frouxa no pescoço, a camisa com algumas partes por fora da calça, e o terno do uniforme masculino. Ela não usava a saia mas sim uma calça jeans preta. Mas o que realmente chamava atenção eram sua botas pretas com detalhes brilhantes.

       Seu cabelo estava preso em um coque no alto de sua cabeça, isso a fazia parecer bem mais alta do que realmente era, estava preso com algo qu aparentava ser um acaneta ou um lápis.

        Ela não usava nenhum tipo de maquiagem ou bijouteria, apenas alguns pircings em suas orelhas. Em momento algum tirou as mãos do bolso do terno, algo que me intrigou bastante, apenas para ascenar para mim.

Era aquele tipo de pessoa que exalava confiança. Seu jeito de andar, seu modo de se vestir, e até mesmo seu olhar, mostrava que ela não tinha medo de exatamente nada muito menos de alguem. Pelo jeito nem mesmo a diretora possuia alguma autoridade sobre ela. Por esse motivo ela me assutava um pouco.

      Quando consegui retomar a conciencia continuei meu caminho em busca da sala da diretoria.

      Finalmente consegui encontrar. Era uma grande sala, com cadeiras enconstadas nas paredes e no centro uma mesinha com algumas revistas, sobre como decidir qual faculdade que você deveria cursar e como melhorar nos estudos. Mesmo não conhecendo muito bem a escola ou os alunos eu tenho certeza que nenhum aluno leu aquelas revistas.

     Em frente a mesinha tinha outra porta de vidro fosco, não se conseguia ver as coisas atraves dela nitidamente apenas os vultos. Lá sim, deveria ser a sala da diretora, onde eu estava devia ser a sala de espera ou algo assim.

    Cheguei mais perto da porta para tentar ver se tinha alguem lá dentro, mas tomando cuidado para não chegar perto o suficiente para me verem de lá de dentro.

     Consegui ver o vulto de alguém sentado na mesa, que provavelmente era a diretora.

    - Com licença. - batina porta e a abri - Sou Charlie Parker o aluno novo. Recebi uma carta falando para eu vir até aqui.

    - Ah claro! O aluno novo. Prazer sou Blear Thompson a atual diretora - Ela estendeu a mão para me cumprimentar.

Fiquei um pouco surpreso, não esperava essa atitude, ainda mais vinda de uma diretora. A diretora da minha antiga escola não era nem um pouco amigavel com os alunos e nos olhava sempre com despreso, como se fossemos seres inferiores a ela.

    - Bom quero agradecer a preferencia pelo nosso colégio, vamos fazer de tudo para que você tenha otimas experiencias - Ela disse as mesmas palavras que estavam escritas na carta que havia recebido, percebi que era tudo ensaiado. - Mas eu o chamei aqui porque gostaria que você conhecesse a escolha melhor e ....

    Ela foi interrompida por um estrondo vindo lá da outra sala. Alguém havia aberto a porta com muita força causando o barulho.

    Me virei para trás rapidamente para tentar ver o que estava acontecendo mas a porta de vidro estava fechada consegui ver apenas dois vultos.

    - Com licença - a diretora falou meio bufando, e foi até a outra sala ver o que estava acontecendo. Seus sapatos de salto faziam um toc toc toc no chão de madeira.  Ao abrir a porta me contorci o maximo que pude para tentar enxergar a outra sala.  Consegui ver o rosto dos estudantes. Um deles era Henry o garoto que tentou me agredir, talvez por esse motivo ele estivesse ali, e o outro aluno era a garota, será ela estava ali por minha causa? Por ter me defendido?

Tentei escutar o que a diretora estava falando mas não consegui entender direito. A gorota não estava dando muita atenção para o que a diretora falava, estava mais interassada no pirulito que estava comendo. Quando terminou de falar, a diretora virou as costas e veio andando de volta para a sala com seus sapatos novamennte fazendo toc toc toc. Enquanto a diretora ainda estava de costas para os dois a garota dando um sorrizinho jogou o palito do pirulito em Henry, que apenas olhou feio para ela.

    - Bom já que estamos todos aqui. Vamos nos apresentar. Esse é o aluno novo Charlie Parker.

    - Sim sim, nós já nos conhecemos não é mesmo? - Disse Henry enquanto colocava seu braço em volta do meu pescoço.

    - Oh! Que bom! Mas continuando aquela é a srta...

    - Taylor. - a garota a interrompeu do canto da sala onde estava enconstada na parede.

    - Isso, stra Taylor. Antes de ser interropida por mais uma briguinha boba de vocês dois, estava falando que gostaria que Charlie conhece melhor a escola, por isso queria que alguém o apresentace a escola. Poderia fazer isso Henry?

   - Claro mãe! Eu vou adorar! - Henry falava de um jeito totalmente diferente de como ele havia falado comigo de manhã parecia ser até mesmo outra pessoa.

   - Ah! Esqueci de falar nós somos amigos de infancia! –  Taylor falou como se estivesse muito alegre em dizer isso. Ela pegou em meu pulço e começou a me puxar pra fora da sala. Mas antes de sair, parou na porta e disse

   - Henry se quiser terminar aquela nossa conversa de mais cedo você sabe onde me encontrar. – Deu uma piscadinha e saiu, praticamente me arrastando pelo corredor.

 

- A gente quer dizer tanta coisa e

acaba ficando calado...

Desconhecido 

 


Notas Finais


Então é isso pessoinhas
espero que tenham gostado!
ignorem qualquer erro de ortografia
Muito obrigado por estarem me acompanhando, comentem a apinião de voces pois isso e muito importante pra mim.
Bjão e até o proximo cap! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...