História A preferência de textos se dá por estar morto entre estrelas - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 59
Palavras 400
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Droubble, Poesias

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - .estrelas mortas estão ao redor de planetas solitários


Escrevi, há três invernos atrás, um texto num post-it verde, embora sempre me dizeram que post-its foram feitos às pouquíssimas palavras, e não aos textos. No entanto eu nunca fui alguém só de palavras. Textos são mais fáceis para mim, pequenos e imensos, pois estão cheios de sentimentos que fluem gradativamente a medida que vivo, ou ao menos finjo viver. E palavras passam rápidas como um dia. 

Mas é óbvio que foi impossível escrever algo imenso, então resumi o que sentia naquele momento. Confesso que para mim sempre foi, e ainda é, difícil dizer o que sinto aos estranhos, e, para piorar, eu também me considero um estranho pior do que os outros, todavia é como se naquele dia, há três períodos longos, que contam em vinte e quatro dedos, seus trezentos e sessenta e cinco dias, os planetas estivessem rondando minha cabeça junto de seus sóis e luas sussurrando histórias melancólicas sobre como é ruim ter que viver uns longes dos outros, dizendo-me sobre solidão e derrota. Senti-me como eles, de fato. Sozinho, afinal até meus gatos foram levados. Sou entediante demais e se é capaz que eu enjoe de mim mesmo, por que os outros não fariam o mesmo? Por que os outros ficariam? Para ver essa melancolia pura se detonar?

É como se, por todos os dias, fosse meu dever encarar as mesmas perguntas e fazê-las tangíveis ao contato humano em prol de absolutamente nada, apenas julgamento. Como as coisas foram se tornar assim? A mesa virou de repente e todo vidro tornou-se ca(c)os, cortando-me de dentro para fora. A cosmogonia explica o surgimento do universo, só que se em minhas camadas internas existem infinitos outros, quem explicará? Sou mais um planeta solitário por aí, caçando rumo em meio da morte de estrelas que já passaram por nós e nem sabíamos.

Cansei-me de tantas questões. Decidi regar as plantas mortas em esperança que voltassem à vida, mesmo isso sendo um ato ingenuamente burro. Efêmera existência. São nessas horas que faço de mim poeta e deixo o papel vazio, como quem está o mesmo por dentro. Assim, nem o mel tem doce e a manhã é a noite mais clara.


[...]

A curiosidade te mata quando você é incapaz de imaginar o que está no papel, leitor e, mesmo que eu esteja tendo uma conversa comigo e contigo simultaneamente, eu ainda prefiro guardá-lo e deixá-lo descobrir sozinho.

[...]



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...