1. Spirit Fanfics >
  2. A primeira vez que um bebê ri >
  3. A primeira vez que se encontra uma carta misteriosa

História A primeira vez que um bebê ri - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


oie, antes de tudo eu queria dizer que esse capítulo não tem o habitual banner porque eu resolvi colocar um mapa mental de relações entre os personagens, não tá a coisa mais linda e organizada do mundo mas dá pra entender, e queria colocar uma correção: Jaemin é primo de Johnny, não de Jaehyun.

é isto, boa leitura!

Capítulo 4 - A primeira vez que se encontra uma carta misteriosa


Fanfic / Fanfiction A primeira vez que um bebê ri - Capítulo 4 - A primeira vez que se encontra uma carta misteriosa

– Então, basicamente, a fadinha foi enfeitiçado pelo amigo do seu namorado? E agora ele está apaixonado por você e mais 3 garotos?

A rainha ainda tentava entender aquilo. Não fazia ideia de como seu filho havia se metido naquela situação, mas com certeza estaria ali para o apoiar, já que seu marido provavelmente mandaria prender todo mundo se soubesse daquela história e tivesse visto a suculenta gigante crescendo na sacada do quarto de John, e não era isso que Bella queria, e com certeza não passava perto do que John gostaria que acontecesse.

O garoto assentiu, suspirando enquanto olhava para a mãe. Seu coração batia rápido em seu peito ao observar, pelo canto de sua visão, Mark e Jaehyun rindo sobre algo juntos. Tinha tanto medo de perder Jaehyun que até aquela fadinha parecia uma ameaça. Quer dizer, quem não se apaixonaria por Mark? Ele era fofo, inteligente, engraçado e sabia cozinhar! John sequer sabia fritar um ovo...

Queria tirar aquilo da cabeça, a possibilidade de Jaehyun gostar de Mark era mínima. Ele só estava sendo gentil, como sempre é com todo mundo, certo? Não havia nada demais naqueles risos e abraços. Jaehyun só estava tentando deixar o garoto confortável, afinal deve ser difícil estar apaixonado sem realmente estar por 4 pessoas. A cabeça de Mark deveria estar uma bagunça e Jaehyun só queria o ajudar.

Ou era isso que John esperava.

– Não vai falar nada pro papai, né?

Perguntou ao sair de seu transe sobre o relacionamento do namorado com o outro garoto. A rainha o lançou um olhar que dizia tudo, não precisava falar mais nada, mesmo assim, abraçou o filho e sorriu.

– Não se preocupe, meu amor.

John sorriu, suspirando aliviado. Na sala de chá, onde os outros meninos se encontravam, Renjun observava a interação entre o príncipe e a rainha.

– Eles são... bem próximos, né?

Deixou aquilo escapar, mesmo que não esperasse que alguém realmente o respondesse, já que Lucas se enchia do bolo servido a eles e Jaehyun e Mark riam de alguma coisa juntos. O humano prestava atenção naquilo e se lembrava de como nunca teve uma relação muito boa com seus pais e como esse era o principal motivo pelo qual ele estava ali agora.

– É. Mas isso é normal, né? Eu e minha mãe somos assim também. – Lucas o respondeu, entre dois pedaços de bolo. – Você e sua mãe não se dão bem, Renjun?

Mark parou de rir com Jaehyun, voltando sua atenção àquela conversa. Olhou para Lucas e negou com a cabeça, como se pedisse para que ele não falasse sobre aquilo com o humano.

– Eu não tenho mãe, Lucas. – Respondeu simples, levando um pouco do chá a boca.

Os lábios do mais alto ali se separaram em surpresa, ele se sentiu culpado por ter perguntado aquilo, seu coração apertou em seu peito.

– M-Me desculpa...

– Tudo bem, Lucas. Você não sabia. – Deu de ombros, sentindo Mark rodar seu pescoço em um abraço. – Meus pais morreram num acidente de carro, além da segunda estrela... Mas eu tenho uma família aqui, e é isso que mais importa.

Sorriu ao olhar para o fae que o abraçava apertado, esfregando a bochecha em seu ombro como um gatinho. Lucas abriu um sorriso, assentindo com a cabeça.

Jaehyun se mantia calado observando a cena. Tinha um sorriso mínimo em seu rosto e parecia apreciar o momento. Não queria falar nada pois não havia sido chamado na conversa e o assunto também não fazia respeito a si, mas gostava daquele tipo de interação calma e calorosa, era como se esquentasse seu peito, poderia passar dias falando sobre como o amor fraternal era algo lindo, mas duvidava que alguém o ouviria.

O silêncio confortável se instalou ali por um tempo, até Lucas elogiar o bolo novamente e Mark continuar o assunto, trazendo os outros dois para a conversa. Já batiam papo a algum tempo quando a rainha entrou no cômodo, com toda sua graciosidade feminina.

Os quatro se levantaram ao perceberem a presença dela, Lucas limpou o canto da boca com a manga da blusa e Mark escondeu o bigode de leite com a mão, procurando um guardanapo na mesa ao se curvar junto aos demais. A rainha soltou uma risadinha sútil e discreta.

– Meninos, decidi junto ao meu filho que já está tarde e seria melhor se passasem a noite aqui. Podemos ligar para os pais de vocês, caso haja necessidade.

Jaehyun assentiu com a cabeça, sendo abraçado por John que havia acabado de entrar na sala. Mark e Renjun também assentiram, já que não moravam com seus padrinho e madrinha, não havia necessidade de ligar para os dois. Lucas respondeu que ligaria brevemente para sua mãe para avisar sobre.

– Bom, vou pedir que ajeitem um quarto para vocês três. – A rainha disse brevemente. – Mark, posso te emprestar um pijama. John pode emprestar para Lucas. E... Renjun, posso pegar as roupas do meu afilhado para você.

– Mas e o Jaehyunie? – O fae perguntou, visivelmente preocupado. Bella achou uma graça o jeito do garoto, não sabia se era pelo feitiço, mas ele parecia se preocupar com os demais e isso era deveras bonito de assistir.

– Eu tenho minhas coisas aqui, Mark.

– Oh.

Sua boca abriu em um perfeito "O", e ficou assim por um tempo enquanto processava. Foi por isso que a rainha disse que iria ajeitar um quarto para os 3, Jaehyun dormiria com John. Era óbvio.

Pensar nisso deixou Mark um pouco chateado. Ele se apoiou em Renjun e abraçou sua cintura, ouvindo o garoto reclamar sobre o excesso de contato físico entre eles dois naquele dia.

A rainha se retirou da sala depois de um breve cumprimento e Lucas sentiu que finalmente podia respirar. Aquele tipo de situação o deixava tenso, visto que não sabia como se comportar na frente de um membro de família real, apesar de ter sido criado no luxo do dinheiro de sua família, não era um exemplo de etiqueta, sua mãe nunca havia se preocupado com isso.

– Podemos voltar ao meu quarto agora, enquanto os empregados ajeitam o outro quarto. – O tom calmo de John convenceu a todos, e em pouco tempo o grupo estava de volta ao quarto do rapaz.

As roupas prometidas foram entregues aos rapazes, Mark finalmente parecia uma fada jardineira com aquele pijama floral e Renjun ficou fofo com o pijama azul do filho da Cinderela.

– Podemos jogar algo. – Mark sugeriu, comendo uma maçã.

Lucas assentiu quase que imediatamente, empolgado com a ideia.

– O que você sugere?

Mark sorriu de lado, e Renjun revirou os olhos.

– Aquilo de novo não!

– Por favor, Renjun!

– Não, eu sempre perco, e nem temos o tabuleiro aqui.

Jaehyun arqueou a sobrancelha, não fazia ideia do porque Renjun estava reclamando.

– Do que estão falando?

– Mark gosta de um jogo humano, Banco imobiliário. – Renjun explicou. – Não temos jogos assim aqui, só depois da segunda estrela.

Mark revirou os olhos.

Lucas sentiu seu coração palpitar mais forte, Mark era adorável. Ele só conseguia pensar em como aquele fae parecia ter o dom de encantá-lo cada vez mais.

Já havia reparado na presença do garoto antes, Jungwoo costumava chamar Mark de "crush de amizade" de Lucas, visto que o mais alto estava sempre falando do quão o fae deveria ser legal e como a amizade dele com Renjun era bonita, seu maior desejo era se aproximar daquele baixinho e construir um laço de amizade com ele. A aula de dança pareceu a oportunidade perfeita, quando encontrou Yeri passando de fininho no corredor, – com clara intenção de perder a aula, diga-se de passagem – teve a brilhante ideia de puxar a ex-namorada para a aula, sabia que daquele jeito conseguiria falar com Mark. Tudo correu como esperado, é claro que não esperava que horas depois o garoto estaria apaixonado por si por causa de uma poção do amor, mas, bom, Lucas podia lidar com isso.

Jaehyun deu de ombros.

– Nós podemos beber.

Sugeriu, como se não fosse nada demais.

Mark passou a mão nos cabelos loiros, meio acanhado. Era extremamente fraco para bebidas, da última vez que se aventurara em beber havia acordado no dia seguinte completamente nú na cama de Lee Taeyong. Não foi uma situação agradável quando ele sentiu o corpo do garoto o envolvendo e deu um berro para quem quisesse ouvir.

– Nós podemos beber suco de maçã!

– Ou nós podemos beber. – Renjun abraçou os ombros do amigo. Àquele ponto estavam todos sentados numa roda no chão do quarto de John. – Estamos entre amigos, não estamos? Se você ficar bêbado, a gente te para e coloca pra dormir.

– Você só diz isso porque nem uma garrafa inteira de vodka te abala, Renjun. – Resmungou e ouviu Lucas rir ao seu lado.

A risada dele era tão bonita! Mark poderia ficar ouvindo aquele som o dia inteiro e não se cansaria.

– Tudo bem então.

...

Depois de 3 shots, Mark abraçava Lucas e esfregava a bochecha no braço do rapaz, como um gatinho, este último que estava rindo para o nada, depois de 5 copos.

Jaehyun e John se beijavam no sofá e Renjun não estava mais aguentando aquela situação. Resolveu ir para o quarto, que já estava pronto fazia algum tempo, e levar Mark junto consigo, mas o fae negou todas as vezes que o chinês tentou, alegando que queria ficar ali na companhia dos mais velhos por mais um tempo.

Renjun só não estava mais com cabeça para aquilo, para aquele Mark, então após seu convite para que fossem dormir ser recusado pela sexta vez, apenas se levantou e saiu dali, seguindo as instruções dos funcionários para achar o cômodo.

Se surpreendeu ao chegar lá, era 3 vezes o tamanho do quarto que dividia com Mark na NC. Era bonito e lustroso, os móveis pareciam novos em folha, como se tivessem sido comprados naquela manhã, apesar de Renjun duvidar, já que eles combinavam com todo o resto da arquitetura barroca do resto do castelo que provavelmente não era fácil de se achar em uma loja de departamento qualquer.

Se deitou na cama de solteiro que havia ali, o que o surpreendeu, já que achava que não existiam camas de solteiro em castelos chiques como aquele.

O que o surpreendeu mais do que tudo, na verdade, foi sentir algo no travesseiro que utilizava, fuçar um pouco e encontrar uma carta ali. Ligou a luminária ao lado da cama e trouxe o pedaço de papel mais para perto de seu rosto.

"NN. to J.", dizia no envelope feito a mão. Renjun se perguntou do que aquilo poderia se tratar, e como a curiosidade matou apenas o gato, abriu a carta.

"Jeno, espero que ache essa carta. Yeri e eu estamos preocupados, você parece acuado e não fala conosco já faz um tempinho. Sinto saudades de você, do seu beijo e do seu abraço. Você sabe como o seu corpo geladinho me faz ficar todo molinho, não sabe? Seus dons gelados me encantam e seu sopro nevado me aquece. Espero que esteja tudo bem, meu amor. Ficarei no aguardo de uma resposta."

Renjun franziu o cenho. Jeno era o príncipe filho da rainha Elsa, mas quem era NN?

Tentou pensar nas pessoas mais próximas de Yeri, em momento algum achou alguém que tivesse as iniciais NN. Suspirou e deixou aquilo de lado por enquanto, de qualquer forma não deveria estar se metendo na vida alheia.

Mas sorriu ao ler o nome "Yeri" ali novamente, se deitou na cama e abraçou o travesseiro, suspirando fundo enquanto pensava na menina que fazia seu coração bater mais rápido em seu peito. 

Sequer imaginava que enquanto tinha devaneios de amor com a menina pelo qual era apaixonado a tempos, o cheirinho de gardênia se espalhava pelo quarto de John novamente, dessa vez por outros motivos.

Mark e Lucas se beijavam intensamente, o mais novo se encontrava inclinado por cima do corpo grande do outro garoto, enquanto Jaehyun deixava beijinhos no pescoço do fae e John puxava a cintura do namorado para si novamente.

Os 4 haviam bebido demais.

Enquanto Mark se esfregava em Lucas e sentia a boca de Jaehyun em seu pescoço, não havia nada em sua cabeça além da imensa vontade de rir do que aquilo havia se tornado, também estava com sono.

– Johnny... – Mark chamou, manhoso, ao desgrudar os lábios dos alheios e se virar para encarar o mais velho, que arqueou a sobrancelha. – Vem cá, me dá um beijinho...

– Mark, eu namoro. – Disse sério, como se não houvesse acabado de beber alguns (bons) shots.

– Jaehyunie pode me dar um beijinho também! Não precisa ficar com ciúmes!

Jaehyun riu baixinho, assentindo. Suas bochechas naturalmente rosadas já tinham um tom mais avermelhado, assim como Mark, não era muito resistente a bebidas, ainda que fosse mais que o fae. Além, é claro, de que estava completamente vidrado no cheiro doce que o garoto mais novo dali exalava.

John suspirou, parecia o único que ainda tinha o mínimo de sobriedade, e vendo seu namorado tão vidrado no outro garoto, suas inseguranças voltavam com força total. Não podia ceder, não igual Jaehyun estava cedendo, John nunca faria isso com ele, mesmo que não recebesse aquele tratamento de volta.

– Jaehyunie, já está tarde. Vamos dormir, sim?

O príncipe assentiu, ainda que com um biquinho estampado em seu rosto, e se afastou de Mark, que resmungou baixinho como se aquilo não fosse muito e continuou esfregando o rosto nas bochechas de Lucas.

John olhou para os dois ali, e então suspirou, pensando em como os faria ir para o outro quarto. Com certeza beber foi uma péssima ideia.

– Lucas, você pode ir com o Mark até o quarto? É o terceiro a esquerda.

O garoto assentiu, e mesmo que meio alheio ao que acontecia ao redor, se levantou e puxou o fae junto. Os dois se encararam e começaram a rir, muito, sem parar, e caíram no chão novamente.

John suspirou. Seria uma longa noite.


...


– Renjun está dormindo?

– Tenho quase certeza de que sim.

– Ele nos deixou a cama de casal.

– Garoto esperto.

Os sussurros no quarto escuro vieram seguidos de risadinhas e os dois corpos caindo na cama. Renjun ignorou (ou pelo menos tentou ignorar) aquilo, infelizmente seu sono era leve demais e havia acordado com Mark abrindo a porta do quarto com a delicadeza de um bêbado.

– Vamos aproveitar, então...

Os barulhos molhados e abafados que vieram em seguida foram abafados pelo travesseiro que Renjun jogou sobre seu ouvido.

Não podia acreditar naqueles dois. Por que havia dado aquela ideia estúpida de beber? Não tinha ideia de que iria acordar no meio da noite com seu melhor amigo transando com um garoto que, apesar de ser extremamente legal, haviam conhecido naquele mesmo dia.

Se visse Doyoung amanhã, acabaria com a raça daquele feiticeiro.

Não poderia ficar escutando aquilo, com certeza não. Bufou e acendeu a luminária que havia sobre a mesinha de cabeceira ao lado de sua cama, algo que claramente assustou os outros dois garotos, que estavam certos de que o chinês estava dormindo.

– Dá para os dois patetas pararem de se comer?! Eu to tentando dormir!

– Achei que você estivesse dormindo...

– Adivinha só: Eu não estou! Agora se deitem direito e vão dormir.

Mark assentiu, Lucas deu de ombros e saiu de cima do outro, se deitando ao seu lado. Os dois se abraçaram e esperaram Renjun desligar a luminária. No entanto, o silêncio do ato não durou muito.

– Renjun...

O garoto suspirou.

– O que foi, Mark?

– Dorme aqui com a gente?

Ele até pensou em negar, mas sabia que o amigo iria insistir naquilo até que aceitasse, então apenas pegou o travesseiro e se levantou, rumo a cama de casal. Não foi preciso chegar tão perto para sentir o cheiro de gardênia. Renjun suspirou e revirou os olhos.

– Boa noite, Markie.

– Boa noite, Renjun, Lucas...

– Boa noite.

E dormiram os três juntos, entrelaçados.


Notas Finais


bom, o que dizer sobre esse capítulo? não saiu exatamente do jeito que eu esperava e demorou muito tempo para sair. O que rolou é que eu achei que com o período de férias teria tempo de escrever com calma e adiantar bons capítulos, mas eu me envolvi com outros projetos e acabei esquecendo desse. Eu queria escrever muito, muito, muuuito mais coisa nele, mas não estava saindo e eu precisava postar algo!! então sim, ele demorou para sair e está mais curto que os demais, mas pelo menos saiu! espero conseguir postar, no mínimo, um capítulo por mês a partir desse.

além disso, quis mostrar mais as relações entre os cinco se desenrolando durante o dia, talvez tenha ficado meio parado, mas o próximo vai ser bem mais dinâmico. Finalmente esse dia acabou né? 4 capítulos para ele terminar kKKK enfim, agora as coisas acontecem mais rápido (eu espero)

me digam se preferem algo mais detalhado, contando os dias a fundo como está até agora, ou mais disperso.

é isso, espero que tenham gostado, se leu até aqui comenta "bolhas"!!

xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...