História A princesa e o plebeu - Hinny - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Angelina Johnson, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Carlinhos Weasley, Cedrico Diggory, Cho Chang, Colin Creevey, Dino Thomas, Draco Malfoy, Duda Dursley, Fleur Delacour, Fred Weasley, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lílian Evans, Luna Lovegood, Molly Weasley, Neville Longbottom, Percy Weasley, Personagens Originais, Tiago Potter
Tags Gina, Harry, Harry Potter, Hinny, Jily, Romione
Visualizações 43
Palavras 2.967
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello Potterheads! 💓

Como estão?

Demorei, mas voltei!
O capítulo de hoje está bem legal, mas eu peço que vocês o leiam com calma, para não ficarem perdidos em relação a alguns nomes, beleza? 😉
Espero muito que gostem!
Chega de enrolação,
Boa leitura! ✨

Capítulo 5 - Capítulo 5 - O encontro



Gina 


A paisagem, passava como um borrão ao seus olhos. Verde era a cor predominante que ela via naquele momento. E talvez, a cor que ela mais pensava nos últimos dias. Fugir era uma decisão que ela tinha pensado a séculos, e agora, que realizara tal ato, se sentia louca. Não poderia fugir para sempre. Teria que voltar, isto era inevitável, mas por um dia, apenas isso, ela gostaria de se sentir livre. Hoje, não tinha guardas controlando o que ela fazia, nem horário para voltar. Era uma das sensações mais fascinantes que ela já havia sentido. 
As pequenas ruas e vielas de Hogsmeade continuavam no mesmo espírito de sua última visita a dias atrás. Trabalhadores vendendo os seus produtos, mulheres olhando nas vitrines os mais diversos vestidos e jóias, crianças correndo por todos os lados e os pais das mesmas os procurando feito loucos. 
Andou pelas mais diversas barracas de produtos, olhando com mais calma que a da última vez. Afinal, não tinha hora para voltar.
Uma coisa a chamou a atenção. Em um canto, uma criança chorava desesperadamente. 
Foi até e ele e se ajoelhou na frente do mesmo:


-- Hey...precisa de ajuda?- perguntou carinhosa 


O garoto a olhou confuso, como se não esperasse que alguém o ajudaria


-- Uns meninos ficam me chamando de coisas feias- soluçou o menino


-- Olha, se eu fosse você, eu não ligava. Todos nós somos diferentes. Se você ligar para a opinião alheia ela só irá se fortalecer. Os meninos que falam isso pra você, são idiotas e não sabem que você é muito maior do que pensa.- aconselhou sorrindo


-- E se eles fizerem de novo?- perguntou ele apreensivo


-- Se eles fizerem de novo, você apenas ignora. Não vale a pena brigar.


Gina sorriu e acenou, antes do menino sorrir, como agradecimento, e voltar a brincar com as outras crianças.


Se levantou com uma sensação de que alguém estava a olhando. Virou-se lentamente e se deparou com Harry a olhando, como se não acreditasse que ela realmente estivesse ali, ela sorriu com tal ato, e o mesmo retribuiu.


Era surreal, mas maravilhoso.


Porém, uma sensação de desespero a invadiu. O que diria? E se ele a perguntasse sobre os acontecimentos do outro dia? 


Não teve tempo de pensar em mais nada, pois o garoto começou a se aproximar lentamente. 
Ela não conseguia se mexer, nem falar, ao menos respirar direito.


-- Oi - disse o garoto tímido 


-- Oi...- respondeu na mesma intensidade


-- Er...Eu achei que não a veria novamente- disse baixinho- Você saiu tão apressada aquele dia, que eu até fiquei...- hesitou- preocupado 


Aí meu Deus! Ele havia pensado nela! Ou foi o que pareceu! 


-- Ah! Sinto muito, não foi nada educado.- respondeu sincera, embora um sorriso de canto passasse por seus lábios.


-- Tudo bem...Srta?- perguntou


Ferrou! Ele não pode saber o meu nome! O que eu falo?


-- Luna. Eu sou Luna Lovegood.


-- Luna...- disse Harry sonhadoramente, como se acabasse de entrar em transe - Do palácio.- afirmou uns segundos depois


-- Quem te disse?- perguntou nervosa


-- Bom, só deduzi. Só alguém da realeza pode ter aquelas jóias e aquele vestido do outro dia, fora isso só os que moram no castelo podem usar, ou seja...- pausou- você trabalha para a princesa- deduziu ele
Espera, o quê? Bom, pode dar certo.


-- Impressionante! Ela sempre precisa da minha ajuda, então raramente consigo sair. Hoje, ela está bastante ocupada com os preparativos do baile que acabou me dando um...dia de folga.


O garoto deu um sorriso tímido antes de perguntar:


-- Er...Você quer dar uma volta?


-- Claro.- respondeu animada


-- Então, como é trabalhar no castelo?- perguntou o moreno enquanto caminhavam 


-- Ah...é muito legal. Geralmente, eu preciso fazer diversas coisas, mas, tem sido bom. Esses dias eu tenho achado uma ótima idéia vir em Hogsmeade, assim posso... dizer pra Princesa como andam as coisas por aqui.


-- Por que ela não sai? Sabe, o povo ama ela. Dizem que faz muitas coisas boas para o Reino.


-- Ela é muito ocupada, e seus pais, têm medo de acontecer alguma coisa. Eu acho bobagem, acho que a Princesa pode muito bem se defender sozinha.


-- Olha, eu sei que você trabalha pra ela, mas eu sinceramente, acho que ela poderia ser mais presente, sabe, o povo não a vê a anos. Ela parece ser o tipo de princesa, que só liga para jóias e vestidos e deixa o povo em último.


-- Na verdade, ela é o contrário disso. Não liga muito para vestidos e às vezes diz que nunca queria ser princesa.- respondeu um pouco ofendida com o comentário do moreno.


-- Bom, você com certeza a conhece melhor do que eu.- começou ele, Gina o interrompeu dizendo baixinho: "Você nem imagina"- Perdão, o que disse?- perguntou intrigado


-- Nada, nada...- respondeu incerta


-- Enfim, quer ir aonde?- perguntou ele mudando de assunto


-- Er...Bem, eu não conheço muito daqui...- começou a Princesa 


-- Perdão, eu me esqueci.- interrompeu-a- Eu conheço uma ótima cafeteria, quer ir lá?


-- Será um prazer.


Harry


Aí meu Deus! Finalmente ele havia conseguido! Agora sabia o nome dela!
Bom, aquele era um belo começo. 


Luna.
O nome dela era Luna.


Também sabia que ela trabalhava para a princesa, que diz ela, que é uma boa pessoa, embora ele ainda não acreditasse muito nesta caracterização.
E agora, como se não pudesse melhorar, estava prestes a ir à uma cafeteria com ela. Certo, certo, muitas pessoas achariam que isso é muito pouco, mas pra ele já era uma grande conquista. 
Estavam andando, em silêncio. Não em um silêncio desconfortável, pelo contrário, para eles - bom, pelo menos pra ele- palavras não eram necessárias. 
A garota, quer dizer, Luna, andava mexendo nas madeixas ruivas, enquanto olhava para tudo com grande admiração.


Hoje, suas roupas eram simples, não que ele se importasse com isso.


Finalmente chegaram a cafeteria, onde homens de diversas 'classes' estavam misturados, com mulheres com belos vestidos da época, ao seus ençalos. A cafeteria era simples, porém os mais belos homens e mulheres davam a ela, um ar "da época".
Uma garçonete, ao ver os dois entrarem, veio ao encontro deles:


-- Olha! Que belo casal! Os pombinhos querem uma mesa? Temos uma ali no fundo desocupada. É mais escura e bem privativa, se quiserem, é claro.


Luna corou furiosamente, olhando pra qualquer coisa que não fosse Harry.


-- Não... quer dizer... não somos um casal. Pode nos dar uma mesa... normal. - Harry explicou envergonhado.


-- Ah claro! claro! Perdoem-me o erro. De qualquer forma, se precisarem de ajuda, me chamo Rita Skeeter. É só me chamarem.


-- Tudo bem, muito obrigado. - Harry respondeu educado.


Seguiram para uma mesa "normal", onde se sentaram e começaram a olhar o menu.


Antes que pudessem falar algo, uma outra garçonete apareceu na mesa deles:


-- Já pediram queridos? - perguntou prestativa 


-- Er... eu vou querer um misto quente e um café, por favor - a menina pediu 


-- Vou querer o mesmo - Harry disse 


-- Certo, trarei em alguns minutos - a garçonete disse antes de dar meia volta.


-- Então... Você já sabe um pouco sobre mim, conte-me sobre você - a garota pediu, apoiando os cotovelos na mesa e seu rosto nas mãos, esperando que ele falasse.


-- Hum... Deixe-me ver. Eu tenho uma irmã caçula, embora isso você já saiba - disse lhe dando uma piscadela - Minha mãe é estilista e meu pai carpinteiro, eles são tudo que eu tenho. Eu sou péssimo dançarino, sou estremamente chocolátro, principalmente pelos chocolates amargos...- Gina/Luna fez uma careta engraçada, o encarando abismada.


-- Como assim? Todo mundo sabe que o melhor chocolate é o ao leite.- o interrompeu, argumentando.


-- Só se você quiser ter uma baita dor de barriga no final do dia.- rebateu indignado.


-- Tá! Tá! Continua...- se rendeu revirando os olhos.


-- Hum...Er... - pensou.


Ao ver sua dificuldade para pensar em algo para dizer, Gina/Luna pediu:


-- Conte-me algo que você nunca revelou a ninguém.


-- Er... Ah! Já sei! Eu tenho chulé! - disse rapidamente, e logo se arrependeu. Que tipo de garota gostaria de saber se um cara tem chulé ou não?


-- Sério? - perguntou ela boquiaberta.


-- Er... Sabe como é, com todo o tempo que o meu pé fica no calçado, acaba...dando um cheirinho. - ele respondeu, já sabendo que não tinha como aquela situação melhorar.


A garota continuou o olhando boquiaberta, antes de jogar a cabeça pra trás, soltando uma gargalhada gostosa, que soou como música para seus ouvidos.


-- Agora entendi porque você nunca contou isso pra ninguém. - ela brincou, ainda rindo.


Contra a sua vontade, ele a seguiu rindo também. Aquela era uma situação tão estúpida para o seu lado, que ele preferia rir para não chorar
Por sorte, a garçonete chegou a mesa deles, entregando seus pedidos.


-- Que delícia! - ela disse depois de mastigar um pedaço de sua comida.


-- É, aqui é uma ótima cafeteria. Você amaria a torta holandesa daqui. Sério. É maravilhosa! - ele acrescentou tomando um gole de suco.


-- Por que não experimentamos? Agora fiquei curiosa! - argumentou já sinalizando para a garçonete.


-- Luna... É melhor não.- sussurrou desesperado.


-- Por quê não? - ela perguntou curiosa, embora ainda não parasse de sinalizar para a garçonete.


-- É que a torta é muito...- hesitou, baixando ainda mais a voz - cara.


-- Não tem problema. Eu pago.- disse e um segundo depois a garçonete chegou - Oi, pode nos trazer dois pedaços de Torta Holandesa?


A garçonete a olhou assustada, como se ninguém nunca tivesse pedido aquilo à séculos. Disse que traria em minutos e seguiu em direção a cozinha.


-- Tem certeza disso?- Harry insistiu.


-- Tenho Harry. Fica tranquilo. - respondeu ela, firme.
Minutos depois a garçonete voltou com os dois pedaços da torta.


-- Aí-Meu-Deus! Isso é incrível!- ela disse espantada, depois de engolir um pedaço de torta.


-- Eu sabia que ia gostar. - Harry disse sorrindo, também comendo.


[...]


-- Harry, muito obrigada pelo dia. Eu adorei tudo. De verdade.- agradeceu a garota, depois de terem passado um belo tempo na cafeteria, e darem uma caminhada pela vila. Sempre conversando.


-- Eu que agradeço Luna. - disse sincero. Sem perceber, deu um passo lento na direção da garota.


-- Harry...- ela murmura, sua voz baixa, profunda, e seu nome parece eterno em sua boca.


Mais um passo.


-- Luna...- seus rostos estavam perigosamente pertos agora.


Ele, naquele momento, podia ver cada detalhe do rosto da Luna/Gina. Tinha oito sardas no nariz, eram fofas. Seus olhos mel, o olhavam com carinho, e ele tinha certeza que os dele estavam na mesma condição. 
Ele conseguia sentir claramente, o perfume floral que Luna/Gina exaltava. 
Ele nunca tinha visto uma garota tão bela quanto ela.
E disso ele tinha certeza.
Seu olhar baixou para seus lábios vermelhos, e subiu novamente aos olhos.
Os narizes, neste ponto já se tocavam, e ansiosamente, Harry fechou os olhos, aguardando o toque que estaria por vir, mas que não veio por causa de seis palavras:


-- Harry! Finalmente te achamos! Estávamos preocupados!- sua mãe lhe dizia ao fundo.


Sua mente, novamente ressurgiu. Droga mamãe! Justo agora?


Abriu os olhos, para ver Luna/Gina o olhando com curiosidade, como se não acreditasse no que quase havia acontecido.


-- Er... Oi mãe. - passou as mãos pelos cabelos ébanos, envergonhado.


-- Oi filhão! Não vai nos apresentar sua amiga?- seu pai debochou, enfatizando o "amiga".


Harry, por um instante, olhou para Luna, e viu que ela estava tão envergonhado quanto ele.


-- Er...Essa é a Luna- a apresentou.- Luna, esses são meus pais, Lilian e Tiago Potter. E essa é a minha irmãzinha Hannah. - a menina, estava escondida atrás das pernas do pai, envergonhada.


-- Você deve ser a famosa Hannah. Já ouvi falar coisas maravilhosas sobre você. - Luna disse se ajoelhando, para ficar na mesma altura da menina.


-- Já ouviu?- ela perguntou tímida.


-- Claro! Harry me disse, que seu sonho é morar no castelo. E que você adora fazer vestidos com a sua mãe.


-- É...isso é verdade.- murmurou baixinho, saindo de trás das pernas do pai.


Gina sorriu e estendeu-lhe a mão:


-- Sou... Luna Lovegood. É um prazer conhecê-lo.


A garota pareceu pensar, antes de estender a pequena mãozinha e apertar a mão da mais velha, que sorriu com o ato.
Quando separaram as mãos, Gina/Luna se levantou saudando seus pais:


-- É um prazer conhecê-los - apertou a mão de seu pai, e abraçou sua mãe.


-- O prazer é nosso querida.- Lilian disse educada.


-- E então filhão...Atrapalhamos algo?- Tiago brincou.
Harry e Luna/Gina coraram furiosamente, desviando o olhar.


-- Tiago! Pare com isso! - Lilian deu um tapa em seu braço. Ignorando o ato do marido continuou- Como vai querida?


-- Muito bem, obrigada. - "Luna" respondeu.


-- Harry você deveria ter avisado que iria demorar, ficamos preocupados!- exclamou sua mãe novamente. 


-- Desculpe mamãe... Nem eu sabia que ia ficar tanto tempo fora. - Harry desculpou-se.


-- Tudo bem filhão. Vamos indo para casa, não demore para voltar.- Tiago disse.


-- Certo.- Harry concordou, ajeitando os óculos.


-- Foi um prazer conhecê-la querida! - sua mãe disse educada. Hannah deu um aceno com sua mãozinha, saindo junto com os pais.


-- Desculpe por eles...- Harry disse envergonhado, passando as mãos pelos cabelos desgrenhados.


-- Tudo bem, eles são maravilhosos. Devem ser muito felizes.- Gina/Luna afirmou


Harry sorriu em agradecimento e perguntou:


-- E seus pais? Nunca me falou sobre eles.


-- Er... Eles moram comigo. Eu amo eles, mas às vezes podem ser bem...irritantes.


Harry riu gostosamente, e Gina se perguntou porque ele não ria assim mais vezes.


-- Você deve estar exagerando... Apesar que, isso explica o fato de você ser tão chatinha...- brincou ele.


-- Insolente! Como ousa? - ela rebateu dando um tapa no braço do moreno, que confessou a si mesmo, que a garota tinha uma força impressionante.


Harry riu e defendeu-se:


-- Eu estou brincando ruiva! - ao ver que ela não parava de batê-lo, continuou - É brincadeira!


Ao ver que a garota não parava de batê-lo, argumentou:


-- Luna! Eu estava brincando!


-- Só vou parar quando retirar o que disse! - continuou batendo.


-- Tá bom ruiva! Eu retiro o que eu disse! Você não é chatinha!


Gina/Luna parou imeditamente de bater no moreno.
Na verdade, os pensamentos dela estavam no novo apelido que ele lhe dara. Ruiva.
Era como se eles já se conhecessem a tempos.


-- Muito obrigada.- agradeceu irônica.


Harry, por mais que estivesse amando estar na presença da menina, tinha que voltar para casa, ou sua mãe ia te dar uma boa surra.
Quando ia se despedir, "Luna" foi mais rápida:


-- Harry, eu agradeço muito pelo dia, mas acho que devo voltar para o palácio.


-- Ah... Tudo bem, é melhor eu ir indo também.


Gina/Luna, pareceu pensar por um segundo antes de jogar os braços pelo pescoção de Harry, lhe dando um abraço.
Harry, bobamente, a abraçou pela cintura, colocando sua cabeça na curva do pescoço dela, exalando o aroma floral que ela possuía.
"Luna" parecia estar fazendo o mesmo.
Relutantemente, se separaram.


-- Te vejo por aí.- "Luna" disse sorrindo, antes de dar meia volta e sair de seu campo de visão.


-- Tchau...- ele murmurou bobo, sem ter certeza se ela tinha ouvido.


[...]


Gina


Ela não podia acreditar que isso tinha acontecido!
O dia tinha sido maravilhoso.
O que ela não tirava da cabeça é aquela aproximação que ela e Harry tiveram. O que será que teria acontecido se os pais de Harry não tivessem chegado?
O pensamento a fez corar.
Ela achou que tinha longe demais em mentir para ele, dizendo que seu nome era Luna, trazendo também a amiga para a sua grande mentira.
Ela estava decidida que da próxima vez que o visse, contaria a verdade.
Porém, agora estava mais preocupada se Hermione e a verdadeira Luna tinham conseguido e seus pais não tinham ficado sabendo de nada.


[...]


Passou pelo corredor estreito, sujo e fedido. Estava quase chegando ao seu quarto, mas aquela passagem secreta parecia uma eternidade.
Tinha conseguido entrar no castelo, pelo visto Luna tinha feito um ótimo trabalho.
Quando saiu da passagem secreta, entrando em seu quarto, viu Hermione e Luna sentadas em sua cama parecendo extremamente preocupadas.
Quando a viram, se levantaram abruptamente da cama, indo até ela com passos apressados.


-- Como foi?- Luna perguntou ansiosa


-- Foi muito legal. Depois conto mais detalhes. Agora me contem como foi o dia.


-- Foi muito cansativo! Fiquei horas conversando com seus pais sobre seu baile, foi bem chato.- Hermione disse num suspiro.


-- E eu tive que arranjar várias desculpas para manter os guardas longe. - Luna lamentou-se - Agora conte tudo!


[...]


Depois de toda a história contada, Hermione veio com seu sermão:


-- Gina, estou muito feliz, por você, mas uma hora vai ter que contar a verdade para ele. Ainda mais, quando você coloca a Luna no meio. 


-- Eu sei, eu sei... Só tenho medo de ele não me aceitar como sou.- Gina disse tristemente.


-- Se ele gostar de você gostar de você não irá ligar para quem você é.


Gostar. Estar apaixonada. Amar.
Ela não sabia qual, mas algum desses, definia sua relação com Harry.
E logo, ela descobrirá.

 


Notas Finais


Gostaram?
Espero que sim!
Falando a verdade, não gostei muito da frase final, mas é a vida!
Lembrando que comentários e críticas construtivas são muito bem-vindas!
Amo vocês 💕
Obrigada por lerem!
Beijos e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...