1. Spirit Fanfics >
  2. A princesa perdida >
  3. Mudanças

História A princesa perdida - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


Depois de um bom tempo, aqui estou eu com capitulo novo ♥

Capítulo 26 - Mudanças


Eu estava com o coração partido em ver as irmãs em minha frente, chorando, lhe contando sobre a última lembrança da mãe com elas fora uma discussão, segurei nas mãos da Temari, que estavam geladas e tremulas, seu olhar estava distante como eu jamais havia visto antes.

 

Temari está sentada ao meu lado, na pequena mesa da cozinha, enquanto Ino está em minha frente. Ela deita a cabeça em meu ombro e eu lhe afaguei os cabelos, na esperança de amenizar um pouco a dor que ela estava sentindo dentro de si.

 

Aos poucos as lágrimas começaram a cessar, bem como a minha preocupação com elas crescia pelo perigo de deixar as duas sozinhas, a cidade não é tão longe, mas a casa delas fica totalmente isolada e isto me preocupa.

 

-O que estão pensando em fazer de agora em diante? Perguntei, vendo que elas já haviam parado de chorar, Temari ergue seu olhar até o meu, sem dizer nada, porém, como se quisesse me dizer algo.

 

-Vamos continuar a vender flores, é o que sabemos fazer. Ino respondeu-me, rapidamente, um pouco ríspida e sabendo o motivo da discussão, imaginei saber o porquê de ela estar assim comigo.

 

-Eu posso conversar com a minha mãe e leva-las para morar conosco. Temos um quarto sobrando, vocês podem dividir a cama, eu posso dormir com a Temari ou eu posso dormir na sala e ela em meu quarto. Disse olhando para elas.

 

Temari desviou o olhar, estava pensativa, enquanto Ino negava.

 

-Não vamos lhes dar trabalho, e além do mais, não vou lhe dar o gostinho de dormir com a minha irmã sem eu estar por perto, tarado! Respondeu firmemente e a Temari olhou indignada para a irmã e depois para mim, perguntando silenciosamente se elas atrapalhariam em algo.

 

-Não vão me atrapalhar, nem a minha mãe, tenho certeza de que ela vai gostar, e eu não sou nenhum tarado! Jamais tocaria na Temari sem a permissão dela. Respondi levemente incomodado com a insinuação da Ino.

 

-Eu acho melhor continuarmos...

 

-Nós deveríamos ir, Ino, o que temos a perder? Só temos uma a outra, e agora o Shikamaru e a mãe dele. Ela é uma boa pessoa, assim como a nossa mãe era, posso ser inocente, mas não sou burra, sei que duas jovens sozinhas em meio a uma floresta, não é algo aconselhável. Temari a cortou, e Ino olhava para o chão.

 

-Talvez você tenha razão.... Disse suspirando.

 

-Como a Temari disse, duas meninas tão novas morando sozinhas, não é algo muito seguro. Digo tentando convence-las de uma vez por todas.

 

-Você tem razão, Shikamaru. Respondeu a Ino, ponderando.

 

-Então nós vamos? A Temari perguntou.

 

-Não é um sim definitivo, ele ainda precisa conversar com a mãe, semana que vem, teremos uma resposta definitiva. Ino ainda estava um tanto quanto relutante e eu percebi isto, mas resolvi não prolongar a discução.

 

-Farei isto assim que chegar em casa, de qualquer forma, deixem as coisas arrumadas para viagem. Respondi.

 

E assim o fiz, chegando em casa, amarrei o meu cavalo e entrei chamando pela minha mãe.

 

-Shikamaru, o que houve? Chegou cedo. Perguntou um pouco preocupada, talvez eu tenha a chamado de uma forma um tanto quanto exasperada.

 

-Precisamos conversar. Disse me sentando no sofá e ela se sentou ao lado.

 

-Aconteceu algo com a Temari? Perguntou segurando minhas mãos.

 

Contei tudo que as meninas me contaram, e também como elas estavam quando eu cheguei, sobre a morte da senhora Yamanaka, e a proposta dele de trazer as duas para morar com eles.

 

-Shikamaru, eu não sei, digo...

 

-Não podemos deixar as duas sozinhas, por favor, a senhora sabe como as coisas são difíceis.

 

-Eu entendo, meu filho, mas não sei se conseguimos ganhar o suficiente para quatro pessoas, e também, só temos mais uma cama e você sabe que não é tão grande, aliás, aquele quarto é minúsculo.

 

-Daremos um jeito, eu vou correr atrás de tudo, nem que eu preciso dormir na sala por um tempo, ou trocar de quarto com as meninas, eu não sei, mas não posso deixar a minha namorada e a irmã na mão. Falei exasperado, demonstrando toda a preocupação dentro de mim.

 

Com a respiração forte, colocando os meus pontos sobre a mesa, apenas sentindo o olhar de minha mãe sobre mim, enquanto, agora, ando de um lado a outro pela sala até sentir sua mão em meu ombro.

 

-Está certo, Shikamaru, elas podem vir para cá.

 

-Obrigado. Respondi soltando o ar que nem mesmo havia percebido que havia trancado.

 

-Nunca o vi tão determinado, acredito eu. Comentou soltando uma risada. –Você a ama muito, não é mesmo?

 

-Muito. Respondi sorrindo.

 

 

 

-Porque implicou tanto com ele? Perguntou-me Temari.

 

-Minha irmã, ele é um homem, eu sei que você o ama, mas só estou tentando te proteger, bem como você faz quando algum homem se aproxima de mim. Respondi, cansada da discussão que se formou entre nós pouco tempo depois dele partir.

 

-Ele não é um homem casado ou com intenções ruins que são claramente visíveis nos homens com quem você teima em tentar se relacionar.

 

-Não quero um relacionamento com eles! Digo tentando cortar o assunto. –E antes que continue, eu já concordei, não é o suficiente? Ela abaixou o olhar e em seguida o ergueu de encontro ao meu, assentindo com a cabeça e saindo de casa.

 

Discutir com a Temari não é algo que eu gostaria, longe disto, mas conheço a minha irmã e sei o quão inocente ela pode ser, e se ele se mostrar outra pessoa? Os pensamentos se esvaem junto com a voz da Temari ecoando pelo quintal.

 

“Oh raven,

(Oh corvo,)

 

An omen you warn,

(Um presságio você avisa,)

 

You've circled my head,

(Você circulou a minha cabeça,)

 

From the day I was born

(Desde o dia em que nasci) ”

 

Fui até a janela, vendo ela cantar e dançar, segurando a sua saia, graciosamente, como se houvesse aprendido em algum lugar, como se dança. Sempre dissemos que é um talento dela.

 

“Oh raven,

(Oh corvoo,)

 

There's blood in your eyes,

(Há sangue em seus olhos,)

 

Oh what have you seen?

(O que você viu?)

 

What will happen to me?

(O que acontecerá comigo?) “

 

A sua maneira ela vai interpretando a letra da música com caras e bocas entre rodopios e gestos simples com os pés e as mãos, preciso confessar que gostaria de ter este talento.

 

“Oh raven,

(Oh corvo,)

 

You shadow my soul,

(Você “escurece” o meu coração,)

 

Forewarning a storm,

(Prenúncio de uma tempestade,)

So cruel and so cold

(Tão curel e tão frio)”

 

Talvez eu deva ir até a cidade, pensei me lembrando de Karui, ela precisará saber que nos mudaremos em breve.

 

Oh raven,

(Oh corvo,)

 

Do lend me your eyes,

(Me empreste os seus olhos,)

 

And show me my fate

(E me mostre o meu destino)

 

So I may survive

(Para que eu possa sobreviver) ”

 

-Temari, vou à cidade conversar com a Karui sobre a nossa partida, gostaria de ir comigo? Ela negou.

 

-Ficarei aqui, organizando as coisas para a nossa partida. Concordei e segui para a cidade, pedindo a Deus que tenhamos tomado a decisão correta. Gostaria que a senhora ainda estivesse aqui, mãe...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...