História A Prisioneira de Jeff The Killer - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Lendas Urbanas
Personagens Personagens Originais
Tags Assassino, Jeff The Killer, Slender
Visualizações 125
Palavras 568
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 25 - Capítulo 24


Pov. Sarah

Gritos. Sons desesperados de uma pessoa em sofrimento.

Estou na cozinha com o garfo nas mãos, paralisada.

Não consigo comer.

Não sabendo que algo terrível está acontecendo lá embaixo.

Estou tremendo. Fecho meus ouvidos com minhas mãos desesperadamente. Após acordar desorientada, pensei que tudo não tinha passado de um pesadelo; eu iria olhar pra o lado e o meu Jeff estaria deitado ao meu lado; iríamos comer juntos, quem sabe sair novamente, e depois terminariamos o dia saboreando um ao outro até a exaustão.

Em troca, me encontrei sozinha. Sozinha não, com as lembranças da noite passada.

Ele estava no porão.

Olho depressivamente para o vazio.

Eu não tenho ideia do que eu posso fazer.

Eu não posso lutar contra ele; eu não sou imbecil a esse ponto.

Mas eu ficarei em silêncio enquanto ele está lá embaixo torturando uma pessoa?

Uma parte de mim queria dizer Sim! Isso não é da sua conta!

Mas eu não sou assim... não sou um monstro.

Jeff aparece, como um anjo vingador ou melhor dizendo, um demônio.

Ele senta na cadeira a minha frente.

Jeff: Fez meu café?

Aceno nervosamente e me levanto para buscar.

Coloco o prato a sua frente de cabeça baixa e volto para meu lugar.

Ele começa a comer devagar enquanto me encara.

Sorrio para ele, tensa.

Ele levanta as sobrancelhas, mas continua a me fitar de um jeito que me deixa inquieta.

Jeff: Não está com fome? - ele pergunta

Sarah: O que? - olho para meu prato intocado - Ah... não - respondo amargamente

Mais um grito. Dessa vez, um pedido de socorro abafado que apenas nós podemos ouvir.

Olho para a porta do porão e aperto os lábios.

Jeff: Os gritos dele estão te estressando? - Jeff me pergunta sombriamente acompanhando meu olhar

Sarah: Não! - exclamo com medo dele fazer alguma coisa

Ele suspira audivelmente

Jeff: Sarah eu sei que isso não é natural para você... se eu tivesse como evitar isso, não o teria trazido para cá

Fecho os olhos. Ele está arrependido... de traze-lo, não de estar machucando um ser humano!

Jeff: Mas o que eu direi é sério - ele continua - Não quero que você vá até o porão entendeu? - sua voz se torna

dura - Imagine...que é apenas uma brincadeira. Tudo vai acabar logo baby

Ele segura minha mão e eu sinto um arrepio.

Levanto a cabeça e aceno. Ele sorri satisfeito e termina a refeição.

Observo silenciosamente nossas mãos juntas em cima da mesa.

Imagino quantas vezes essa mesma mão foi usada para machucar e infligir dor aos outros.

Sinto meu coração contrair com uma dor invisível.

Pov. Jeff

Ela não olha para mim. Sarah fodidamente não consegue nem olhar pra mim!

Estou sentado ao seu lado no sofá, meu braço em seus ombros enquanto vemos filmes na TV como sempre fazemos.

Mas hoje é diferente. Ela esta imóvel sobre mim. Nada de sorrisos ou comentários sobre as cenas de assassinato.

Eu poderia jurar que ela se encolheu quando o imbecil do filme foi morto.

Meus olhos estreitam. Eu sei exatamente por que.

O filho da puta no meu porão.

Esse merdinha não pode ser um homem... não, ele tem que gritar sempre que eu arranco uma de suas unhas!

Minha paciência está se esgotando e se eu ver ela fechar os olhos quando ele berrar novamente..

Jeff: Você sairá comigo hoje - decido ainda de olho na televisão

Sarah: Para onde? - ela sussurra,

Jeff: É uma surpresa

Ela se remexe de meu aperto, parecendo incerta mas quando no filme uma mulher solta um grito irritante mas (veja só) muito parecido com o nosso visitante do porão.. ela parece se decidir.

Sarah: Sim, vamos...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...