1. Spirit Fanfics >
  2. A Profecia >
  3. Escolha Errada

História A Profecia - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi meu povo, estão todos bem? Se cuidando direitinho?
Se hidratando e comendo diariamente?
Eu queria dizer que estou bem, até agora nenhum sinal de eu estar infectada, e espero que vocês também não estejam.

Vocês já devem estar careca de lerem para lavarem as mãos e etc
Então nem irei mencionar
Trouxe essa pequena historia, espero que gostem e que lhes de uma distração nessa quarentena que estamos

Aproveitem e desculpe se não ficou tão boa

Capítulo 1 - Escolha Errada


POV Rhysand


 

 Todo mundo sabe a grande profecia e o que ela diz. Mas ninguém sabe quem é as duas pessoas destinadas dar glória ao mundo ou a devastação do mesmo.

Bem eu sei, afinal sou uma delas. 


 

- Oi Rhyss - Ouço sua voz doce, seu sorriso era resplandecente. 


 

- Olá Feyre querida

E essa doce mulher caminhando em minha direção, era a outra pessoa da profecia.


[...]


 

 Eu e Feyre nascemos no mesmo dia, sendo ele o mais frio de todos os tempos. Cresci sentindo que faltava algo, meus pais nunca souberam dizer o que era, e muito menos esperavam que eu fosse parte da profecia.

Uma vez quando tinha 12 anos eu fiquei tão angustiado com a sensação pesando no meu peito, que meus pais decidiram se mudar para onde eu sentisse que seria melhor para mim.  


 

 E algo me dizia para irmos para a pacata cidade de Velaris, um lugar simples mas cheio ao mesmo tempo. E assim meus pais foram, eu fico me culpando pelo trabalho que tiveram ao ter que se mudar para tão longe, mas assim que chegamos na cidade, senti meu peito muito mais leve. 


 

 Estávamos arrumando as coisas dentro da casa quando eu senti algo forte me puxando. E eu comecei a seguir o que parecia ser um laço, onde a pessoa da outra ponta havia puxado com bastante força. 


 

 Eu corria quase tropeçando, mas por algum motivo eu não conseguia parar de sorrir. E foi então que eu vi ela, estava com um vestido branco com pequenos girassóis o estampado, ela estava sendo encurralada em uma árvore por dois outros garotos que pareciam mais dois ou três anos mais velhos que eu. Respirei fundo e cheguei perto. 


 

- Achei você - Os dois viraram em minha direção com caras surpresas, apenas ela não parecia, ela parecia saber que eu chegaria, tanto que suspirou aliviada. Cheguei mais perto e segurei sua mão - Vamos meus pais estão esperando, e eu ouvi sua mãe chamando também . 


 

 Comecei a andar para fora dali. 


 

- Acho melhor corrermos - Ela falou baixinho


 

- Porque?


 

- Porque minha mãe morreu quando nasci, todo mundo aqui sabe disso - Arregalei os olhos, segurei mais firme na mão dela e corri


 

 Ela ria enquanto corria, eu apenas sorria pois seu riso era tão lindo. E foi a partir daquele dia que começamos nossa amizade. 


 

 Alguns anos depois algo aconteceu e foi depois disso que percebi quem éramos e qual era o nosso destino. 


 

[...]


 

- Hoje finalmente consegui terminar aquele quadro - Sorri de lado para a sua felicidade. 


 

- Finalmente poderei vê-lo então? - Ela ri negando - Você prometeu que me mostraria quando terminasse - Falo abraçando seus ombros por trás


 

- Eu disse que terminei, não que ele está pronto 


 

- Não faz nem sentido Feyre - Digo rindo. Comecei a andar a direcionando a padaria que ficava ali perto. Olhei para o lado e via olhares maliciosos em nossa direção, fechei a cara olhando com raiva para eles, os mesmo apenas saíram de cabeça baixa. Suspirei e sorri - Vai querer comer o que hoje? 

 

[...]


 

- Porque às vezes parece que você está me protegendo de tudo e de todos? - Ela diz me olhando por cima dos cílios. 


 

- Você não precisa de proteção, não mais - Falo sorrindo de lado ao beber o café - Talvez eu esteja protegendo os outros de você - Falo ainda sorrindo de lado. Ela sorri de lado e me mostra o dedo do meio, pisco para ela. - Sabe a punição por ser má né? 


 

- Esqueci meu bloco de notas, posso escrever nessa tua cara de taxo? 


 

- Não preciso escrever na minha testa o quão lindo e incrível eu sou - Ela tenta se segurar mas acaba rindo, sorri. 


 

 Fechei os olhos aproveitando sua risada. Mas acho estranho quando ela para do nada, abro os olhos e vejo a tristeza em seus olhos. Olho na direção que ela olhava e lá estava suas duas irmãs mais velhas, haviam acabado de entrar. 


 

 Nestha nos olhava com raiva pura em seus olhos, Elain como sempre apenas ficava atrás da irmã sem impor nenhuma opinião. 


 

- Vamos irmã, não ficamos no mesmo lugar que essa aberração - Fechei a mão em punho quando ouvi isso, ia me levantar mas sinto a mão dela segurando meu pulso. 


 

- Não Rhyss 


 

- Mas Feyre ela  . . . 


 

- Eu disse não! - Seu aperto no meu pulso era forte, suspirei e segurei sua mão


 

- Ok, estou me sentando de novo. - Ela suspira concordando e solta meu pulso. Seu rosto era cinzento - Hey - Ela me olha, seu brilho no olhar era quase nulo - Eu tenho um marcador permanente aqui no meu bolso, e deixo você desenhar um pinto na minha testa


 

 Vejo seu rosto voltando ao normal, e ela dar uma leve risada. Suspiro aliviado. 


 

- Apenas um pinto? 


 

[...]


 

 A história de Feyre e o ódio gratuito que sua irmã a dá vêm desde o seu nascimento. Nestha diz que por culpa dela a mãe das mesmas havia morrido.

 

  Ela diz que se lembra de o quão fraca a Sra Archeron ficava cada vez mais que a gestação prosseguia. E deu seu último suspiro quando Feyre nasceu. 

 

 Então a mesma a culpa e a chama de aberração desde então. E isso sempre machuca ela, por isso desde que a conheci ela mora comigo. Antes na casa dos meus pais, mas hoje dividimos uma casa, não muito grande mas perfeita para nós dois. E na qual é cheia de suas pinturas. 


 

[...]


 

 Olhei para o meu braço, os desenhos que ela havia feito para se distrair. Iam de flores a estrelas , sorri com carinho para aquelas marcas. 


 

- Rhyss? - Levo um susto com a voz dela na minha porta - Ué o que estava fazendo? Parece até que estava aprontando. Virou adolescente de novo? 


 

- Dá um tempo - Digo rindo nervoso - O que você quer? 


 

- Hora de almoçar 

 

 Concordo me levantando e indo atrás dela, para a mesa. Nos sentamos como sempre um de frente para o outro. Agradeço por ela ter feito o jantar ela apenas sorri carinhosa. Estava quase terminando quando ela me veio com a pergunta:

 

- Rhyss, você . . . Gosta de mim? - Ela diz olhando para o prato já vazio. Coço a garganta


 

- Claro somos amigos - Senti minhas mãos suando aos poucos - Que pergunta besta 


 

- Não me vê de outro jeito? - Meu coração batia feito louco, cocei a garganta novamente. 


 

- Eu . . . Eu . . - Respiro fundo - Uma boba conta como te ver de outro jeito?


- Idiota - Ela fala rindo. Suspirei, ela não parecia triste. - Só queria ter certeza, porque eu meio que estou interessada em um recém chegado. Ele parece ser bem legal. E me achou interessante também . - Senti algo dentro de mim, quebrar um pedacinho.  - Rhyss, olha estrelas cadentes 


 

  Ela se levanta feliz, sorri de lado e devagar me levantei indo até a porta onde ela estava. Olhei para o seus olhos fascinados pela chuva de estrelas cadentes repentina, sorri e acariciei meu braço ao qual ela havia posto os seus desenhos. 


 

- Você estando feliz, eu também estarei - Ela sorri para mim e me abraça forte. 


 

- Obrigada por ser meu amigo e por sempre estar ao meu lado. 


 

- Obrigada também - A abraço em retorno. - Sua felicidade sempre será a minha. 


 

[...]


 

- Hey cara relaxa a cara de bunda. Ninguém mandou tu não falar seus sentimentos - Cassian diz me dando um soco no braço. O olhei feio - Ah é esqueci, você não a vê com outros olhos. Nem ele mesmo acredita nisso né Az?! 


 

 Olhei para Azriel, ele apenas sorriu de lado dando de ombros. Revirei os olhos. E continuei a observar Feyre que conversava e mostrava animadamente Velaris ao desconhecido. Sorri para as bochechas vermelhas que sempre apareciam quando ela falava demais e sem parar. 


 

 O cara loiro para o qual ela contava sobre sei lá o que, a olhava fascinado. Mas eu ainda sentia que tinha algo errado com ele. 


 

- Rhyss, é sério você está realmente encarando demais. Se não sente nada realmente, apenas relaxe - Azriel fala calmamente. Suspiro cruzando os braços, me recostando na árvore a qual estávamos sentados usufruindo da sua sombra, fechei os olhos bufando. 



 

- Eu falo tu não faz nada, mas o Az fala daí tu obedece? - Cassian esbraveja irritado


 

- Quando ele chega a dizer algo é porque é verdade. Então sim. - Apenas sinto um peso em cima de mim e socos nos meus ombros. - Vai se fuder Cassian. 


 

- Também quero respeito seu patife duas caras. 


 

- Cass aí vêm a defensora do Rhyss - Ouço Az falar, abro os olhos e vejo Feyre vindo na nossa direção, e o cara loiro vindo logo atrás. 


 

- Cassian você sabe que o Rhyss é sensível - Ouço sua doce risada


 

- “Sensível meu cu” - Escuto ele sussurrar antes de sair de cima de mim - Irei fazer como o seu pedido e libertarei esse otário. 


 

- Ah quero apresentar a vocês o Tamlin, ele é novo na cidade e parece que vai ficar algum tempo aqui. - Suspirei baixinho e me levantei, estendi a mão para ele, ele estendeu também, mas seu sorriso não atingia seus olhos. 


 

- Meu nome é Rhysand, prazer - Ele apertou forte minha mão. Sorri de lado e a apertei ainda mais, o olhei com desprezo enquanto inclinava a cabeça em deboche. Vi ele franzir a cara levemente por causa da dor, foi ai que soltei sua mão. - Esses são Cassian e Azriel, nossos amigos, precisando de saber algum lugar por aqui, eles são perfeitos, sabem cada cantinho de Velaris. 


 

- Deixarei anotado. - Ele fala discretamente massageando a mão. Ia falar mais alguma coisa mas Feyre se pôs na frente rindo para mim.


 

- Você está todo sujo de grama no seu cabelo. Deitou de novo no chão foi? - Ela diz passando a mão no meu cabelo. Sorri e me abaixei para ela alcançar melhor, segurando sua cintura - Tem até na sua nuca. Você nunca muda. 


 

- Vocês são irmãos? - Ouço ele perguntar


 

- Claro que não - Feyre responde rindo - Nascemos no mesmo dia mas não somos ligados de maneira nenhuma além desse fato e da nossa amizade. 


 

- Mas diz ai Tamlin, o que você faz ? - Cassian diz sentando ao lado de Az que agora olhava interessado para o loiro. Feyre terminou a limpeza e sorriu para mim, limpando um pouco meu rosto, sorri de lado para ela. 


 

- Sou um caçador de mitos - Senti meu sangue gelar, levantei a cabeça e ele olhava para mim sorrindo de lado. Segurei Feyre e delicadamente a botei para o meu lado, a protegendo com meu braço - Ouvi boatos e vim verificar se eram verdades. - Olhei para ele imaginando como poderia me livrar dele. - E achei algo bem interessante. - Ele olha para Feyre, a vejo corar, pois ela não sabia o poder daquelas palavras e o que elas significavam


 

- Você tá falando daquela bosta de profecia sobre o bem ou o mal que assolará o mundo? Acredite meu amigo, aqui não achará nada além de pessoas preocupadas se acordaram cedo o suficiente para pegar o pão quentinho na padaria da esquina - Cassian fala rindo. Feyre riu concordando. 


 

- “Feyre, não estou me sentindo bem, pode me ajudar ir para casa?” - Falo baixo em seu ouvido, ela me olha preocupada e concorda


 

- Desculpa, eu tenho que levar o Rhyss. Até mais Tamlin, até mais rapazes. 


 

- Até Feyre. - Os dois respondem ao mesmo tempo. 


 

- Podemos nos ver mais tarde? - Tamlin pergunta, finjo uma tosse forte


 

- Hoje não, até amanhã - Feyre põe meu braço em seus ombros e nos guia em direção a nossa casa. 


 

[...]

 

“Estamos todos em estado de tensão com a guerra iminente entre . . “

 

  O rádio tocava enquanto Feyre me deitava na minha cama. 

 

- Você está melhor? - Sorri concordando. Ela suspirou se levantando, segurei seu pulso - Quer alguma coisa


 

- É . . . Pode reacender os desenhos que fez no meu braço? Eu realmente gostei deles. - Ela ri não acreditando mas concorda. Ela pega o canetão em cima do criado,  senta ao meu lado pega meu braço e vai refazendo seus traços já quase apagados. - Seu dia foi bom?


 

- Foi me diverti bastante. O que achou do Tamlin, ele é legal né? 


 

- O que faria se eu pedisse que não se aproximasse dele? - Falei de olhos fechados. Senti ela parar de desenhar. 


 

- Mas . . .Por que? 


 

- Eu . . . Só senti  . . .Não tive um bom pressentimento. 


 

- Isso é apenas ciúme. Igual tu tinha com o Cassian no começo. - Ela voltou a desenhar. 


 

- Não é igual Feyre. Por favor faz isso por mim - Ela me olha e vejo tristeza em seus olhos.


 

- Para de querer sempre controlar com quem eu ando - Ela levanta - Eu aceitaria até se tu dissesse que é porque gosta de mim . . . 


 

- Eu te amo - Digo olhando diretamente em seus olhos. 


 

- Mas eu não - Ela diz e sai do meu quarto. De novo senti algo se quebrar. Fechei os olhos deixando apenas a voz que saía do rádio ressoar no quarto


 

“Um milagre aconteceu, eles assinaram um acordo de paz, não haverá mais guerra” 



 

[...]


 

- Feyre? - Não ouço uma resposta - Irei ali comprar o café da manhã, volto já 


 

 Saio de cabeça baixa. Eu não devia ter dito aquilo, devia ter inventado uma história de que havia escutado algo ruim sobre ele. 


 

- Bom dia eu queria . . 


 

- Desculpe estamos sem nada - Franzi o cenho, olhei em volta claramente estava cheio de pães e bolos. 


 

- Mas as prateleiras estão cheias - Digo rindo não entendendo o porque daquele comentário


 

- Está tudo vendido, estamos sem nada - Franzi o cenho


 

- Se você não quer vender nada para mim apenas diga, mas também me diga o motivo. 


 

- Sabemos seu segredo abominação - Um cliente que estava ali ao lado com sacolas de pão na mão, comentou me olhando com ódio e medo. 


 

- Então me diga porque é tão segredo que nem eu sei - Falo sarcástico. 


 

- A profecia dos tempos - Ela fala tremendo. Arregalo os olhos. Engulo em seco e riu alto 


 

- Que merda vocês andam comendo? Não queria nada mesmo, passar bem 


 

 Sai da padaria. Que merda tava acontecendo? Olhei em volta e percebi que todos me olhavam com receio. Eu tinha que achar Feyre. 


 

 Comecei andar em direção a nossa casa. Todos evitavam passar perto de mim, acelerei o passo. Havia chego na nossa rua.


 

Parei ao ver quem estava prestes a bater na porta. Parecendo me notar ele me olha e sorri de lado. 


 

- Achei quem eu procurava - Tamlin diz vindo em minha direção. Olhei na direção que era o quarto de Feyre, a cortina estava fechada. Eu tinha que me distanciar dali. - Não tenha medo, é seu destino lembra? 


 

 Ri descrente, apontei os dois dedos do meio para ele e sai correndo, ouvi ele vindo atrás. “Fique no quarto até eu voltar Feyre, por favor” Desejei com toda a minha força. 


 

 Eu conhecia cada parte dessa cidade, se eu conseguiria uma coisa com isso era despista-lo.


 

 Passei as mãos nos bolsos e senti meu celular. Liguei para Cassian. 


 

- “O que deu? Tu nunca me liga” - Ouço ele falar ao atender no segundo toque, eu continuava a correr. 



 

- Acha a Feyre, e tira ela daqui, tira ela da cidade. Agora! 


 

- “Merda o que tu fez Rhyss! Az deu ruim precisamos correr .” 


 

 Desliguei o telefone, olhei para trás e não havia ninguém. Parei respirando fundo. Conhecia outro caminho para a nossa casa, com cautela fui na direção que lembrava ser o atalho. 

 

Estava quase na metade.


 

“Rhyssand, se estiver ouvindo estamos com a Feyre aqui na ponte, gostaria de nos fazer companhia?” Ouço a voz de Tamlin soar pela cidade inteira . Mas que porra!


 

 Corri em direção a praça. Senti meu pulmões queimando de tanto que eu estava os forçando. Cada vez que eu me aproximava mais podia ver a silhueta de alguém presa e Tamlin a segurando. Mas quanto mais próximo eu chegava, mais algo não parecia certo. Feyre não tinha aquela silhueta. 


 

- SEU IDIOTA CORRE DAÍ - Ouço um grito distante, olho na direção dele e lá estava Cassian, Az e . . . Feyre!  Que me olhava assustada. 


 

 Puta merda. Tentei correr para outro lado mas já era tarde demais. Pessoas me cercaram e me seguraram no lugar. 


 

- Não vai fugir da própria festa né? - Tamlin diz libertando a mulher que fingia ser a Feyre e descendo a ponte em minha direção - Chegou a hora pela qual esperei desde que descobri sobre essa profecia. Meu pai pesquisou mas nunca achou nada, segui seus passos e olha só a minha sorte, eu os achei. 


 

 Olhei para o lado, vi Cassian e Az tentarem segurar Feyre e a tirar daqui. Senti um pouco mais aliviado. 


 

-  Você deu trabalho para achar, mas quando achei foi fácil descobrir a verdade. O cara que não gosta de muitas pessoas a sua volta, vive olhando para os outros como se os quisessem mortos. Você é a criança que nasceu predestinada a destruição do mundo, o que faz de Feyre a outra metade da moeda.


 

- Feyre não! - Olho para o lado assustado e vejo ela correndo para cá


 

- E será matando você que Feyre podera assolar o mundo com a sua bondade. Vejam com atenção a mudança do mundo acontecendo - Olhei para Tamlin apenas a tempo de ver algo brilhante vindo na minha direção e acertando minha barriga.  - Morra aberração. 


 

- Vocês não deviam ter feito isso - Digo sentindo o sangue subir para a minha boca. Olhei para o lado e Feyre estava parada há alguns passos. Estava estática, estiquei minha mão em sua direção mas não consegui dizer nada. 


 

 Tamlin retirou, o que parecia uma espécie de punhal, da minha barriga, não consegui me manter de pé já que ninguém me segurava mais. Eu ainda olhava para Feyre. 


 

 Há vi cair de joelhos no chão pondo a mão no peito, seus lindos olhos cheios de lágrimas. Tentei sorrir para ela mas sangue saiu da minha boca.


 

- Rhyss . .  .


 

- Olhe Feyre, você pode libertar e mudar o mundo, faça aquilo que você está destinada a fazer. . . .


 

 Um grito de dor estridente saiu dos belos lábios dela e no mesmo instante o céu começou a escurecer, o rio ao lado havia ficado agitado, trovões e explosões foram escutados ao longe. 


 

Sombras rodeavam Feyre agora. Tamlin se afastava aos poucos. 


 

- Não estou entendo mais nada, não era para isso estar acontecendo


 

- Você não  entendeu ainda Tamlin?  - Ouço ela dizer mas já não era a sua voz, eram milhões de vozes ao mesmo tempo. - Lembra de cada palavra da profecia?


 

- Claro que lembro - Ele a responde. Olho para a minha barriga sangue escorria sem parar. Tento me levantar novamente mas sem êxito. -  “O bem eo mal nascerão no mesmo dia. Crescerão juntos e serão ligados um ao outro. Se um morrer o outro assolará o mundo com o que vêm guardado dentro de si desde o seu nascimento”. 


 

- Exato, “O que vêm guardado dentro de si desde o seu nascimento”. - Não era Feyre falando, era algo além dela, além desse mundo. - Você sabe o que aconteceu quando eu e Rhysand nascemos? Minha mãe morreu, já a mãe de Rhysand, a qual tinha uma saúde fraca ficou mais saudável que nunca. Você ainda acha que eu sou aquela que trará vida? 


 

 Eu ouvia gritos e pessoas correndo. Raios caiam sem precedentes e muito próximo das pessoas. O chão tremia causando rachaduras. Comecei a tentar me rastejar em direção a Feyre. 

 

- Vocês sempre julgam e julgam apenas por aparentar tal coisa. A destruição desse mundo chegaria mesmo sem a minha presença. E o melhor é que vocês poderiam ter adiado o destino de vocês, mas foram gananciosos e quiseram apressar as coisas. Eu poderia ter passado por esse mundo sem causar dano algum - A coisa dentro de Feyre diz rindo. - Esse coração mortal era tão cheio de amor e bondade. Sempre sendo cuidado por aquele que a acompanhava - Ela diz me olhando, estava quase conseguindo chegar perto dela - Mas vocês o quebraram abrindo a passagem para mim, e bem aqui estou. A destruição e morte desse planeta. . .  - Segurei sua mão, tudo em mim gritava de dor - Meu pobre companheiro. - A coisa diz se ajoelhando e apoiando meu corpo em suas coxas - Você será o único a não sofrer com eles. Você cuidou bem tanto de mim, quanto da minha parceira que vive em você. 


 

- Eu ainda posso consertar isso - Digo fracamente. 


 

- Não , não pode. Feyre já não quer mais viver no mesmo mundo no qual você não esteja. Agora me deixe parar essa sua dor. 


 

- Feyre! Eu sei que está aí ainda. Então me escute bem sua cabeça dura. Lembra daquela vez do coelho? 


 

- Essa é nova para mim - A voz diz, e consigo ver pela mudança de expressão que agora eu conversaria com Feyre - Rhyss! - Sinto ela me abraçar e chorar


 

- Lembra do coelho? - Ela assentiu confirmando. 


 

“ - Socorro Rhyss, eu acho que eu matei ele - Tínhamos 15 anos na época, seus lindos olhos estavam cheio de lágrimas, e em suas mãos um pequeno coelho estava sem se mexer. - Eu apenas peguei ele e  . . . 


 

- Está tudo bem. Não foi sua culpa. 


 

- Foi sim, eu senti a vida dele saindo quando o toquei - Arregalei os olhos - Já não é a primeira vez, toda vez que toco em uma flor isso acontece. Até parece que eu controlo a morte.


 

- Bem . . . E se você tirar a morte dele então. Ao invés de manter, pense em tirá-la dai. 


 

- Mas é impossível


 

- Tenta 


 

 Feyre fechou os olhos levando o pequeno coelho até o peito. E na minha cabeça eu já tentava inventar outra história que justificasse a morte do coelho. Mas aconteceu algo que me fez pensar que Feyre era excepcional. 


 

 Feyre brilhou, e o que parecia um pequeno floco de neve veio voando e entrou dentro do coelho. E no mesmo instante o coelho abriu os olhos, dei um leve pulo para trás . 


 

- Deu certo, o coelho estava vivo. Me desculpe coelho, me desculpe mesmo. Mas eu consegui fazer você voltar. Me desculpe de novo - Ela diz soltando-o e o mesmo sai pulando para algum lugar. Ela olha sorrindo para mim. 


 

 Depois desse dia, pesquisei mais sobre as coisas e descobri o porquê de tal cena. E foi ali que realmente decidi que ninguém machucaria Feyre, tanto pelo bem dela quanto pelo do resto do mundo” 



 

- Você não é só destruição. Você também é a barreira que impede isso. - Meus olhos pesavam - Prove para todos o quão forte você é querida. Prove para todos aquilo que eu já sei. 


 

- Mas eles machucaram você - Ela diz com sua testa colada a minha. Forcei minha mão até seu rosto, o acariciando - Eles tiraram você de mim


 

- E machucá-los não vai apagar isso. Você os machucando ou não, não vai impedir o que já começou - Estava difícil ficar de olhos abertos


 

- Eu posso tentar fazer igual aquele dia. - Sorri negando. 


 

- Não adianta mais meu amor. Mesmo que eu me vá, lembre-se, você não é definida por uma profecia ridícula. Você não é a destruição, você é a barreira que a impede. - Me esforço para me sentar, ouvindo várias coisas rompendo. Sorri acariciando seu belo rosto - Eu te amo, amei desde a primeira vez que a vi e sempre irei amar. 


 

 Vi algo brilhante vindo na nossa direção, empurrei Feyre para o lado, e senti esse algo penetrar meu peito, algo me dizia que foi no meu coração. 


 

- NÃO! - Ouvi uma milhão de vozes inclusive a de Feyre nesse grito de dor. 


 

 Cai no chão apenas tendo o tempo de  ver Feyre jogar alguém longe com apenas um movimento de braço, logo depois escuridão. 


 

- “Pela primeira vez de vários lugares que eu e destruição, como vocês o chamam, passamos, esse é o primeiro planeta estupidamente burro.” 


 

 Ouço uma voz doce, mas assim como a voz da Feyre, era mais de uma, mas todas doces e agradáveis. Olho para frente e o que parecia ser uma mulher estava sentada no que parecia o chão, afinal era apenas um branco sem fim. Olhando bem, ela não tinha uma forma específica, ia mudando a cada segundo, levei um susto quando por um momento vi minha própria face na dela. 


 

- Desculpa mas eu não estou entendendo, o que é . . 


 

- “O que é esse lugar? O que estou fazendo aqui? Acredite, mesmo que eu responda, não irá nunca fazer sentido para vocês” 


 

- O que é você? Isso que eu ia perguntar. 


 

- “Eu sou o que vocês chamam de Vida. Eu sou aquela que está com você desde que nasceu, bem ai nesse órgão que faz você continuar vivo. Coração se eu não me engano”.- Concordo , ela sorri mas põe a mão no peito e logo volta ao normal - “Graças ao seu sentimentos inquebráveis, não tive muitas aberturas para fazer coisas boas a esse mundo” - Dou de ombros, ela ri e põe a mão no peito de novo - “Parece que por causa disso eu não havia saído completamente quando esse órgão foi atingido. E isso me deixou fraca.Mas fico feliz por você ter protegido ela, protegendo assim meu parceiro também”


 

- Feyre conseguiu o conter? 


 

- “Na verdade parece que os dois estão bem felizes em levar esse planeta inteiro à beira das cinzas.  Ele sabe que se eu perder a vida, é apenas ele a impedir de ir embora que eu volto. Mas sempre esquece isso.” 


 

- Mas e você, o que é capaz de fazer? 


 

- “Eu crio vida, mas também tiro” - Ela fala sorrindo de lado


 

- Então dê vida ao meu corpo de novo. 


 

- “Não meu querido você não entendeu. Eu CRIO vida, ou seja dou uma nova vida aquilo que não existe ou que deixou de existir. E . .  bom, você não morreu ainda” 


 

- Não, você que não entendeu. Tire a minha vida e ponha de volta. - Falo me levantando e indo até ela. - Você disse que pode tirar 


 

- “Sim mas . . . “


 

- E que pode criar de novo. Então o que está esperando. Me mate. 


 

- “Ok, se não der certo não me culpe” 


 

- Como é? - Um estalo e novamente um apagão, eu não ouvia nada. 


 

“Feyre” 

 

 

 Passarinho, eu ouvia passarinhos. Abri os olhos, pelo menos tentei, senti meu peito pesado. Era um lugar claro e macio, cama eu estava em uma cama. Abri a boca para falar algo mas nada quis sair. Ouvi a porta abrir, quis levantar para ver quem era mas meu peito doía. 


 

- Você acordou - Ouço a voz de Az


 

- Bem vindo de volta ao mundo dos vivos. - Agora era a voz de Cassian. 


 

 Az parou ao meu lado sorrindo e me ajudou a sentar, suspirei pela dor mas também de alívio por poder ver o quarto por inteiro. Estava em uma casa diferente, uma cama de casal. 


 

- Primeiro de tudo - Cassian fala de braços cruzados - Porque não nos disse - Fechei os olhos esperando a bronca - Que você era uma mulher por dentro - Franzi o cenho e os dois ali riram alto. 

 

 Az pegou o celular e me mostrou um vídeo. No qual a mesma voz que vinha da Vida, falava através de mim com o seu parceiro, dizendo que esse mundo merecia uma segunda chance, pelo menos até ela se curar por inteiro. E logo depois disso, Feyre me pegou no colo e saiu andando como se fosse nada e quanto mais se afastava mais as coisas voltavam ao normal. 


 

- Feyre me carregou no colo como . . .- Senti minha garganta doer


 

- Uma noiva? Sim - Cassian disse rindo de novo


 

- Acho que tá na hora dela voltar, quer a cumprimentar? - Az diz se levantando e estendendo a mão para mim, aceitei a mão saindo da cama aos poucos, não parecia nada machucado, apenas dolorido mesmo. 


 

- Todo dia ela insiste em sair para ir procurar algo para comer na floresta, mesmo eu tendo dito que podemos pedir pelo telefone - Cass fala me ajudando do outro lado


 

E juntos me levaram até a cozinha


 

- Ok meninos, aceito aquela comida que vocês prometeram por telefone - Sorri ao apenas ouvir sua voz. Ela estava tirando o casaco e batia as botas para tirar a neve, o que me fez pensar, onde estavamos? - Cassian? Azriel? - Ela se vira e finalmente posso ver seu rosto de novo

 

 Não sei quanto tempo havia passado, mas para mim pareciam séculos. Ela sorriu, aquele lindo sorriso que eu sempre amei e correu na minha direção me abraçando forte. Os dois me soltaram me deixando apenas apoiado nela. 


 

- Sentiu minha falta Feyre querida? - Sinto ela concordar. Suspirei e deixei meu rosto descansar em seu pescoço - Também senti. 


 

- Rhyss? 


 

- Diga


 

- Eu também te amo. - Meu coração acelerou de uma forma que achei que morreria novamente. Me afastei segurando seu rosto, suas bochechas estavam vermelhas. 


 

- Só que falta mesmo você não me amar, eu sou perfeito para cacete. 


 

 Ela riu e me abraçou de novo. Respirei fundo. 


 

 Foda-se o mundo, foda-se destino ou profecia. Enquanto eu estiver com Feyre nada mais me importa. 







 

{Nem sempre as coisas são como parecem. Não saia acusando apenas por suspeitas} 


 


Notas Finais


Peço desculpas se em alguma hora era para ser "Feyre" e eu escrevi "Kelsey" , eu sai dela mas ela n saiu de mim kkkkk
Sério gente eu tava lá escrevendo de boas, pensando da Feyre e quando olhava para a tela estava Kelsey kkkk


Enfim espero que tenham gostado, foi pequena eu sei
e talvez os personagens n tenham ficado com as suas personalidades identicas
mas é que eu to aos poucos me largando do universo de AMDT e tentando entrar nos outros que são meus fav tbm
Mas é aquela historia, Feyssand ja é tão perfeito, que n sai coisas melhores que eles mesmos kkkk

Boa noite/Bom dia/ boa tarde
Continuem bem e saudaveis
Amo todos vcs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...