1. Spirit Fanfics >
  2. A Promessa >
  3. Repercussões

História A Promessa - Capítulo 15


Escrita por:


Capítulo 15 - Repercussões


Fanfic / Fanfiction A Promessa - Capítulo 15 - Repercussões

Serenity começou a relatar para Rey o que havia se sucedido nos dias anteriores, a rainha contou sobre a ideia de Diamante de criar um objeto canalizador para Riny e a proposta de lhe auxiliar na criação de tal objeto. A guerreira a ouvia a explicação com uma expressão de censura e reprovação e questionou de modo zangado;

-Deixa eu adivinhar, você aceitou a proposta dele?

-Inicialmente não, mas as circunstâncias mudaram e eu decidi aceitar

-E por que você fez isso? Serena, nós poderíamos ter feito a bola com você!

A rainha deu um sorriso fraco para a amiga, era visível que a guerreira ficará chateada e irritada com o acontecimento.

-Rey... você sabe a resposta! – Disse de maneira cansada - Olhe o meu estado, eu mal consigo me manter sentada! A criação deste tipo de itens demanda muita energia e mesmo que fossem nós cinco eu temia pela vida de vocês! Sei que parece loucura eu ter feito isso sozinha em um sonho, mas eu sentia que daria certo e tentei!

Rey ficou em silencio processando aquilo, a energia das guerreiras e de Serenity eram totalmente diferentes, a rainha era muito mais poderosa e carregava toda energia lunar, não seria uma tarefa fácil conseguir controlar tal poder e de fato era perigoso que alguém sucumbisse se tentasse tal missão. Suspirando, ela deixou a raiva passar, controlando a voz e comentou;

-Você viu que a bola possui o símbolo lunar invertido?

A rainha fez um sinal positivo com a cabeça, talvez para Serenity aquilo seria só uma maneira que a seu sonho materializará o objeto, mas Rey sabia que a energia de Diamante também participara da criação da bola, sendo natural aquela modificação.

 

-Ele cuidou de você? – Perguntou Rey. A rainha franziu a testa ao ouvir a pergunta, ela não entendera ao certo o que a guerreira quis dizer com aquilo. Rey deu um suspiro profundo pois não podia perguntar coisas como “Ele te carregou até a sua cama? ” Então ela refez a pergunta

-Você utilizou muita energia para criar a bola lua, independentemente de ser no mundo imaginário ou real, alguém tem que ter lhe dado um suporte. Foi ele? O que aconteceu após a criação?   

A rainha parou para pensar um pouco, como que para recordar. Ela fez um sinal positivo com a cabeça e começou a relatar

-Após a criação da bola, em um piscar de olhos, da clareira estávamos novamente no quarto. Eu havia deixado comida e bebidas no escritório, parece loucura né?! Mas deu certo.... No sonho ele me conduziu para o escritório e lá ele me alimentou e – a rainha fez uma pausa, o seu semblante ficou triste, ela levou as mãos para o rosto e tentou imaginar como deveria relatar o que se prosseguira para a guerreira.

-E? – Questionou Rey ansiosa

-Rey, eu descobri o motivo dele ter atacado Tokyo de Cristal...

-Na verdade eu já sabia, mas velo contar os seus motivos, explicar que quer viver feliz neste planeta...Rey, eu sei que acontecerá e é tão cruel.

Neste momento a fala de Serenity falhou, ela respirou profundamente, lágrimas começaram a escorrer pelo seu e, com a voz embargada, prosseguiu;

– Rey, eu sei o futuro... Ele vai morrer, todos vão morrer e eu não posso fazer nada.

Serenity começou a soluçar. A guerreira do fogo sentou-se na cama da amiga e puxo-a para um abraço, a rainha começou a chorar igual uma criança e a guerreira começou a acariciar os cabelos dela a consolando. Em meio as lágrimas, Serenity relatou toda a história que Diamante havia lhe contado e como era evidente que o adivinho aproveitava da boa vontade do rapaz, usando-o friamente como um peão.

Rey perguntou se ela havia lhe dito algo sobre a verdade e, limpando o rosto, a rainha fez uma negativa com a cabeça. Ela explicou a amiga que havia tentado, mas o corpo falhou e ela não teve forças suficientes para tal ato. Rey respirou aliviada, ela recomendou que, caso o príncipe aparecesse em um novo sonho e tocasse novamente no assunto, Serenity deveria dizer a verdade porem continuar a omitir sua identidade.

-Conte sobre a vitória das Sailors, sobre a rainha Serenity e como ela é uma boa rainha. O incentive a conhece-la e, no momento oportuno, você irá contar a verdade e sua consciência em paz. – “E o restante será uma nova história” finalizou mentalmente.

A guerreira permaneceu no quarto até a amiga dormir, ao sair ela reparou que as bochechas vermelhas da mulher se destacavam na pele pálida, um indício de que a febre voltará.

Saindo do quarto lentamente, ela foi em busca de Amy que deveria estar na biblioteca. Ao adentar no local a guerreira viu que a amiga estava tendo uma reunião com o rei Endymion.

-Com licença - Disse se aproximando, ela parou ao lado de Amy e fez uma reverencia a imagem holográfico do rei

-Boa tarde Rey!

-Me desculpe a intromissão, mas receio que a rainha necessite de cuidados médicos 

Amy olhou para a amiga e se voltou novamente para o rei;

-Com licença, Endymion, em breve entro contato - Disse a guerreira da água fazendo uma reverencia. Rey imitou o gesto imaginando que o rei iria encerrar a ligação, mas foi um engano;

-Fique Rey, gostaria de conversar com você. 

-Claro...

-Amy me atualizou sobre a confecção da bola lua e sobre o estado de saúde da rainha, como você a avalia? 

-Ela quase esgotou toda sua carga energética e seu corpo respondeu de modo condizente. Ela terá que fazer repouso por alguns dias para recuperar a sua energia vital, mas aparentemente não é nada grave.

-E a princesa Riny?

-A pequena dama ficará na casa da Sailor Júpiter durante o período de recuperação da rainha. A sailor Mercury esta responsável pelos cuidados médicos de Serenity e eu e a sailor Vênus estamos revezando a sua guarda. 

A expressão do rei era séria, mas se mostrava satisfeita. Ele fez um sinal de aprovação com a cabeça e ficou um tempo em silêncio até fazer uma nova pergunta

-Quem auxiliou Serenity na confecção da bola lua? 

Rey gelou ao ouvir a pergunta, a sailor tentou não transparecer a sua aflição e rapidamente respondeu do jeito mais sério e calmo que pode;

-Fui eu, vossa majestade!

-Me espanta que você não tenha ficado no mesmo estado dela.... 

Rey engoliu seco e se justificou rapidamente; 

-A rainha não permitiria que usássemos energia a tal ponto, ela preferiu se sacrificar ao máximo para não me causar danos me utilizando apenas como auxílio.

-Compreendo - A voz dele soou pensativa e distante. 

-Senhor, é apenas isso?

-Sim

A guerreira respirou profundamente e então disse;

-Rei Endymion, se não for muito intromissão, me permite lhe fazer uma pergunta 

Ele franziu a testa ao ouvir aquilo, mas sinalizou de maneira positiva a incentivando a continuar;

-Desculpe me intrometer, mas gostaria de saber qual é a urgência de sua atual missão? Sei que deve ser algo sério para que não lhe permita auxiliar a sua esposa e nem retornar em um momento de doença

O rei a encarou de maneira séria e dura, ele tentava não transparecer o que realmente sentiu quando ouviu aquilo: raiva e ofendido. Com um toque de acidez e de mal humor ele respondeu-a; 

-É algo confidencial. Saiba que se a rainha criou a bola lua com vocês ela a fez com o meu consentimento e se não retorno ao seio de minha família e algo que diz respeito apenas a mim e a Serenity.

Rey sorriu de modo sarcástico para o rei, então ela fez uma reverencia se despedindo e desligou a chamada.

 

 

-A Rey é uma audaciosa! Eu creio que ela desconfia de algo - Disse Endymion com raiva.

Setsuna, a responsável pelo tempo, estava sentada próxima ao rei e havia ouvido toda a conversa. Ela se levantou aproximando-se dele por trás, levou as suas mãos para os largos ombros do homem e começou a massageá-los

-Ela sabe, Darien, mas não fará nada. Você sabe disso!

Ele deu um suspiro profundo e a mulher aumentou a pressão nos dedos, massageando com mais força. Ela prosseguiu;

-Nós temos que nos preocupar com as mudanças na linha de tempo e não com coisas fúteis. Vê a bola lua? A energia do objeto mudou - disse enquanto apertava um ponto de tensão no pescoço dele, este deu um pequeno gemido de dor.

-Mudou como? 

-Está mais poderosa e porta uma nova fonte de energia, a mistura da energia do cristal de prata com a energia de um outro poder igualmente alto, mas ainda não descobri qual é 

-Você teve mais alguma informação do cristal de prata? 

-Nada novo... Ele reage em resposta aos sentimentos de Serenity, mas eu não entendo como isso está mudando o futuro.

A guerreira parou de massageá-lo e o abraçou por trás dando um beijo no pescoço dele

-Acho que esta história está te deixando muito tenso, você deveria relaxar...

Um sorriso sacana brotou nos lábios dele

-Sim, tenho que relaxar - disse enquanto sentia os lábios quentes de Setsuna em seu pescoço 

 

*******

 

Safiro chegou no campo de treinamentos cedo, ele desejava falar com o irmão antes das aulas, mas ficou surpreso quando não o encontrou no local. Petzai lhe contará que o príncipe havia solicitado ao adivinho alguns dias para estudos, justificando que desejava ler os antigos grimorios da família para tentar aperfeiçoar o controle da sua energia e buscar novas técnicas.

Safiro não ficou surpreso com a notícia pois o seu irmão poderia enganar a todos mantendo um semblante sério e solene, mas ele sabia que ele estava cansado e não aguentaria treinar. 

Após a finalização de sua aula, Safiro correu para o escritório da família e encontro Diamante sentado em uma mesa debruçado sobre vários livros antigos. 

O Príncipe estava tão concentrado em sua leitura que não percebeu a presença do irmão no local, este parou na frente da mesa e falou bem baixo, para que apenas o príncipe pudesse escutar:

-Você me deve uma explicação - a voz de Safiro era ríspida e não escondia seu descontentamento

O Príncipe levantou os olhos e viu que o irmão o encarava de um modo zangado "Ele ainda está com raiva" pensou o príncipe, ele se dirigiu a Safiro de maneira firme;

-Você terá sua explicação, mas primeiro quero saber o porquê de você estar no meu quarto ontem à noite.

Safiro olhou para trás verificando se a porta estava fechada, ele puxou uma cadeira e a posicionou próxima do irmão e começou a falar de maneira baixa como se quisesse confidenciar algo;

-Ontem à noite estive com Petzai, ela me contou que Karmesai viu Esmeralda e Rubens na porta de seu quarto tentando ouvir algo e isso se repetiu mais de uma vez...

O olhar de Diamante se estreitou, ele levou uma mão para a cabeça preocupado; Esmeralda e Rubens poderiam ser um problema sério, principalmente se estivessem querendo armar algo. Ele e Safiro teriam que começar a serem mais discretos.

-Eu acredito que eles desconfiam de algo – Safiro prosseguiu – lembra-se daquele dia que Rubens não estava no treino? Após a sua partida, quando eu sai de seu quarto, tive a impressão de velo correndo pelo corredor.

Safiro fez uma nova pausa, respirando profundamente. Ele olhou para Diamante que permanecia com a cabeça entre as mãos e com um olhar preocupado.

-Meu irmão – prosseguiu-  você sabe a gravidade da situação? Se o adivinho desconfiar de algo ele nos mata e pior, vai sobrar para a Petz... E não é isso – Safiro fez uma cara de zangado, colocando ênfase na sua entonação – O pior é que eu fui correndo contar isso para você e adivinha... você some sem me avisar e aparece horas depois esgotado. O que aconteceu?  

Diamante começou a coçar a cabeça desviando o olhar do irmão, agora chegará o momento difícil: Contar sobre a noite anterior.

-A.... bem, talvez, só talvez, eu tenha ajudado a Serena a criar um objeto canalizador – disse de modo descontraído e nervoso, ele notou que os olhos de Safiro se arregalaram e a sua boca ficou entreaberta, o rapaz estava em choque.

-O que você quer dizer com talvez?!  - Perguntou incrédulo

-Você sabe... – disse tentando disfarçar a vergonha e o nervosismo – Ela precisava de ajuda e eu me ofereci...

-Você se ofereceu? Você está louco? Quer condenar a todos nós? Se a rainha Metallia descobre que a família Black Moon ainda vive ela vem para cá e dizima a nós todos – A voz de Safiro era de puro desespero, Diamante deu um sorriso sem jeito para o irmão e continuou

-Então... digamos que eu também contei sobre a tragédia milenar e sobre a profecia para a Serena.

A cara de Safiro era de puro terror, ele levou uma mão ao peito sem saber o que fazer

-Está obvio! Você quer nos matar! Meu irmão, você está louco, LOUCO! – Safiro levou as duas mãos ao rosto, ele realmente estava desesperado – Você sabe quais as consequências disso? Uma exposição de poder e uma confissão de um plano para a derrubada do poder... É mentira, só pode ser mentira, por favor me diga que é mentira!

Os olhos do rapaz eram de pura suplica, mas o príncipe abaixou a cabeça fazendo uma negativa, então ele tentou pegar nas mãos de Safiro que repuxou.

-Por favor, Safiro, preciso que você se controle, eu sei fui inconsequente e um pouco impulsivo...

-Um pouco? – Disse Safiro espumando

-Meu irmão, me escute por favor – pediu o príncipe, Safiro ficou quieto e fez um sinal para que Diamante prosseguisse

-Eu concordo que fui bastante impulsivo, mas eu fiz isso porque eu podia ajudar ela, me entende? E se eu quero o apoio da princesa lunar eu preciso ganhar a sua confiança;

Diamante fez uma pausa para ver a reação do rapaz, este continuava em silencio mas parecia um pouco mais calmo. Safiro pensava que o irmão tinha um bom ponto ali, mas não iria admitir aquilo, não naquele momento. Diamante continuou;

-Ela quase padeceu e se eu não estivesse lá isso provavelmente iria acontecer, a princesa lunar é, de fato, muito poderosa mais não tem total domínio de sua força. Após a confecção do canalizador eu a levei para a casa e acabei lhe confidenciando os fatos que você já conhece e, meu irmão, ela chorou – a voz do príncipe se encheu de emoção – Ela chorou e me falou que a história das guerreiras não terminava daquele jeito e me perguntando; “Como uma filha da lua viveria no reino negro? ”

Safiro ficou inquieto com aquilo, ele não havia parado para pensar, mas uma descendente da princesa lunar que roubará o príncipe terreno de Beryl nunca iria sobreviver, não em uma terra governada por ela.

-Qual é a resposta? – Perguntou ansioso

-Não sei, Safiro, eu não sei – murmurou Diamante – Ela estava muito fraca e precisava descansar, eu achei mais prudente encerrar o assunto.

Safiro olhou para o irmão e, de modo muito sério, perguntou;

-Você está apaixonado por ela?

-Eu não sei – o príncipe respondeu levando as duas mãos ao rosto, a sua voz parecia conter desespero, ansiedade e amor. Safiro sentiu pena do irmão e puxou a mão dele, tentando ver o seu semblante

-Está tudo bem, meu irmão! – A voz de Safiro era calma, não demonstrando a raiva e indignação que sentira a pouco – Vai ficar tudo bem, eu vou te ajudar, você sabe que eu vou, mas primeiro eu quero que você sempre me conte tudo e não me esconda mais nada

Diamante fez uma positiva com a cabeça

-Outra coisa, você vai ter que ser mais cuidadoso e ir menos a terra... Esmeralda e Rubens são problemas e se sonharem o que está acontecendo estará tudo perdido

-Eu sei disso – respondeu cabisbaixo

-Ótimo... vejo que você separou alguns registros – disse apontando para os livros - você está tentando descobrir algo sobre a luta de Beryl contra as guerreiras?

-Sim

-Eu vou te ajudar com isso..., mas quando você retornar a terra tente coletar informações com a Serena. O que ela disse faz sentido e se há outra versão da história nós temos que descobrir antes de fazer algo precipitado.

O príncipe mais uma vez assentiu, estava feliz por ter a ajuda do irmão e por ele estar ali

-Obrigado por tudo, muito obrigado

Safiro deu um sorriso para e o abraçou “vai ficar tudo bem, tem que ficar” pensava o caçula.   

 

*******

 

Diamante estava deitado em sua cama inquieto, ele não conseguia dormir e sua cabeça continha inúmeros pensamentos e todos sem uma resposta definida. Ele havia prometido para o irmão que ficaria algum tempo sem ir a terra, mas o desejo de saber como Serena estava era mais forte e então ele se levantou decidido a ir ver como ela estava.

Ao chegar no planeta, ele se concentrou na presença da mulher, presença esta que estava fraca devido ao esforço da noite anterior. Ele se concentrou naquele lampejo de energia e se teletransportou para onde ela estava.

Ele a encontrou sozinha em seu quarto, perdida em um sono profundo. Devagar mente ele se aproximou da cama e começou a analisar as feições do rosto dela, notando que, mesmo pálida e abatida, o seu semblante era sereno e parecia que ela estava tendo bons sonhos.

Ele sentou-se ao lado da cama, no chão, e pegou a mão de Serena entrelaçando os seus dedos no dela. O príncipe fechou os olhos e começou a cantar uma música baixinho, uma música de Nemêsis que falava sobre força e amor.

 

Mina, a guerreira do amor, era a responsável pela segurança de Serenity naquela noite e estava sentada no jardim observando a rainha através de uma grande janela.

Dado momento da noite a sailor se assustou com ao sentir uma nova presença, a presença do Príncipe Diamante que havia aparecido no quarto, mas o sentimento inicial foi substituído por pena "Pobre homem, sinto que estamos o condenando." Pensava tristemente enquanto assistia-o zelando por sua protegida.


Notas Finais


Boa noite pessoal!
Safiro, sem sombra de dúvidas, é um dos meus personagens favoritos
Gosto do zelo que ele tem com o irmão e de como é sensato!

Espero que estejam gostando da história, qualquer coisa me contem o que estão achando
Desejo a todos uma ótima semana! 😄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...