1. Spirit Fanfics >
  2. A Prostituta >
  3. Traumas

História A Prostituta - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oii gente. Desculpe por demorar tanto, eu não estava conseguindo escrever nada pra essa fic, mas cá estou eu!

Boa leitura! 💖💖

Capítulo 9 - Traumas


Fanfic / Fanfiction A Prostituta - Capítulo 9 - Traumas

Anne

- Oi Taehyung

TH- Anne, você pode me encontrar naquela esquina? Preciso conversar com você

- Não Taehyung, eu não vou

TH- Por favor, Anne. É a última coisa que eu te peço. Por favor, venha e ouça o que eu tenho à te dizer.

- Eu não deveria ir, mas eu vou Taehyung. E eu espero que seja a última vez.

TH- Okay, estou te esperando aqui.

Última vez. É horrível pensar que seria última vez que eu veria o Taehyung. Eu não quero isso.

Me arrumei normalmente, mesmo que nada em mim estivesse normal. Se passaram três dias que o vi pela última vez, mas meu coração acelera como se fosse a primeira vez que eu me encontro com ele.

Ouvir a voz dele ao telefone foi bom, mas nada se compara à vê-lo sorrindo de pertinho.

Ele está lá, do outro lado da rua. Um pequeno sorriso apareceu em seu rosto, mas por algum motivo o sorriso se desfez e seu rosto demonstrou preocupação e desespero.

TH- ANNEEE

Olhei para os lados e vi a cena que eu mais temia. Dois carros, duas famílias, 4 mortes. Tudo bem na minha frente.

Meu coração acelerou mais do que em qualquer crise de ansiedade, minhas mãos começaram à suar e eu não senti as minhas pernas.

Gritos desesperados, o som de dois carros tentando diminuir a velocidade, os pneus cantando por um esforço inigualável e um baque.

Essa era a cena que eu mais temi ver. Aqueles eram o meus pais, essa era a cena que eu via toda vez que fechava os olhos.

Meu celular caiu de minha mão e mais nada. Lutarei contra essas imagens mais tarde.

Kim Taehyung

Ela desmaiou novamente, mas dessa vez tinha sangue junto à sua cabeça. Minhas mãos tremiam e eu não sabia se deveria tocá-la primeiro ou ligar pra emergência.

- ALGUÉM CHAMA A AMBULÂNCIA

Já começava à aglomerar pessoas envolta dos carros. Olhavam preocupados e curiosos.

??- Não pega nela moço. Pode ser pior

??- O que aconteceu com ela?

??- Ela foi arremessada do carro?

Burburinhos distantes ecoavam em meus ouvidos. Pessoas querendo saber o que aconteceu e por que a Anne estava caída e sangrando.

Não sei quanto tempo se passou até que eu ouvisse o som de sirenes e o pedido de licença de alguns enfermeiros.

??- Senhor, o que você é dela?

- Eu sou o namorado dela

??- O que aconteceu?

- Ela desmaiou e aí... Sangue

Eu estava chorando desde o momento que a vi caída no chão. Meu desespero tomou conta de mim.

Estavam colocando uma máscara de oxigênio nela e checando os batimentos cardíacos.

- O que vai acontecer com ela? Ela vai ficar bem?

??- Só saberemos quando fizermos exames.

Adiantou muita coisa perguntar. Estavam a colocando em uma maca e direcionando à ambulância, eu fui atrás desesperado.

??- Você não viu o que aconteceu? Ela não foi atingida por nada?

- Não. Ela só olhou tudo e desmaiou

??- Ela deve ter ficado assustada e a pressão caiu.

- Mas ela machucou a cabeça

??- Sim, ela machucou e é isso que nos preocupa. Não sabemos qual foi a intensidade da batida e nós temos que chegar o mais rápido possível para fazer a sutura e estancar o sangramento.

A ambulância se movia com muita rapidez. A sirene ligada era um grito de "sai da frente" para os outros carros.

Eu estava tomado por adrenalina, não estava cabendo em mim aquele desespero. Vê-la desacordada e ensanguentada era uma das piores cenas que eu vi em toda a vida.

Saber que eu não posso ajudá-la, não posso tocá-la, não posso vê-la sorrir e que posso perdê-la assim me dói muito.

Anne

Dor. É só isso que sinto. Minha cabeça dói em uma intensidade que eu nunca imaginaria ser possível. Ouço um pii incessante em minha mente e isso está me irritando.

Meu pescoço dói e está duro como nunca antes. Desconfortável demais.

Me lembro que eu ainda tenho um corpo e percebo que não o sentia. Olhos, é, eu tenho olhos. Abrí-los foi uma missão muito difícil.

O branco foi a única coisa que podia ver. Meus olhos doeram e eu lutei para mantê-los abertos. Pisquei diversas vezes e percebi um par de olhos sob mim.

??- Senhorita, não se mexa. Vou chamar o médico.

Médico? Estou no hospital novamente?

Só ali minhas lembranças me tomaram. Fui levada aos meus pesadelos. Carros, acidente, pais, morte, Taehyung.

- Onde está o Taehyung?

Disse de forma quase inaudível, o que não fez diferença alguma, já que não havia mais ninguém por perto.

??- Senhorita Anne, pode me ouvir?

- Sim

??- Ótimo, está falando também.

Ele abriu um olho de cada vez com uma luz direcionada à eles. Muito perto, por acaso.

??- Ótimo. Sente alguma dor?

- Sim, minha cabeça dói.

Direcionei minha mão à região dolorida e pude sentir uma atadura a envolvendo. Eu havia machucado minha cabeça?

- Como eu me machuquei?

??- Não se lembra do ocorrido?

- Eu me lembro de algumas coisas...

??- Você desmaiou após ver um acidente e acabou batendo a cabeça.

- Aquelas pessoas estão bem?

??- Infelizmente não. Por que? A senhorita os conhecia?

- Não, não conhecia.

Eu não os conhecia, mas a sensação de perda me tomou e pude sentir meus olhos arderem e serem tomados por lágrimas.

??- Senhorita?

Me olhava confuso e logo chamou uma enfermeira.

??- Uma dose de morfina

??- Sim, Doutor.

Em alguns minutos eu não sentia mais dor e o sono estava ameaçando me tomar. Eu queria continuar acordada e dizer que queria ver o Taehyung, mas na primeira tentativa era como se minha língua estivesse presa, na segunda parecia que eu gritava e ninguém me ouvia, ou simplesmente ouviam um sussurro, ou na pior das hipóteses, eu estava tendo alucinações e nem estava falando nada.

Me deixei ser tomada pelo sono. Era melhor dormir e permanecer presa à um outro plano, do que permanecer acordada e lutar contra memórias ruins.

Kim Taehyung

- Doutor, por que eu não posso ir lá?

Dr.- Ela está sedada, senhor.

- Por que não me chamaram antes de dar um remédio?

Dr.- Ela demonstrou estar com dor e tivemos que fazer isso.

- Pelo menos ela está melhor?

Dr.- Sim, está com os sentidos em ordem, está falando, ouvindo e se lembrando das coisas. Tudo não passou de um susto.

NJ- Olha aí Tae, não precisa mais ficar tão pilhado assim cara.

Dr.- Isso mesmo, ouça seu amigo.

NJ- Vamos Taehyung, você precisa de um banho, uma alimentação decente e de uma cama.

- Você sabe que eu não vou, então pra que insiste??

Dr.- Senhor Taehyung, não queira ficar internado também. Ficar 3 dias sem dormir e comendo mal pode prejudicar muita a sua saúde.

- Mas a Anne...

Dr.- Ela vai ficar bem. E vai dormir pelas próximas 12 horas. Dá pra você se organizar e voltar. Ela estará aqui te esperando.

Eles me convenceram. O que eu ficaria fazendo durante 12 horas em uma sala de espera?

Anne

De novo lutando para abrir os olhos. Esse branco me cega e faz minha cabeça dar pontadas.

??- Olá senhorita. Sente alguma dor?

- Não. Onde está o Taehyung?

??- Seu namorado?

- Hum... Não sei

??- Se for o mesmo que eu estou pensando, invista nele, ele é um bom partido.

- Por que está me dizendo isso?

??- Desde o dia que você veio ele não queria sair do hospital. Queria te ver a todo custo, não comia, não dormia, não ia ao banheiro e até ficou o primeiro dia sem tomar banho. Não são todos que fazem isso.

- Ele está aqui agora?

??- Sim, estava só esperando você acordar para vir te ver. Posso chamar ele?

- Chame, por favor.

Kim Taehyung

Ela está tão diferente. Mais magra, pálida, apática, mas continua fazendo meu coração acelerar. Ela está aqui.

- Anne...

Foi como um sussurro. Eu estava paralisado na porta. Não sabia se ela queria me ver. Mesmo que minha maior vontade fosse correr e abraçá-la, eu me controlei.

An- Tae... Não vai vir falar comigo?

Aquele sorriso. Mesmo em um rosto sem muita cor era o sorriso mais lindo que eu poderia ver em minha vida.

Seus lindos olhos cor de mel voltaram à vida, estavam mais que lindos. Cintilavam à luz do dia.

Dessa vez não me controlei e fui em sua direção. Com muito cuidado peguei em sua mão completamente tomada por agulhas.

- Aah Anne, não me assuste assim novamente.

An- Eu vou tentar...

- O que aconteceu com você Anne? Você simplesmente desmaiou... Eu fiquei tão preocupado.

Anne

O que aconteceu...

Isso me lembrou de tudo que eu havia esquecido quando o vi. O sentimento de perda e desespero me tomou novamente. Meus olhos se encheram e transbordaram em lágrimas.

TH- Eii, se acalme.

Aqueles braços. Eram eles que eu sempre quis e sempre vou querer. Apesar de todos os fios e agulhas em meu corpo, ainda era ele, ainda eram os braços dele, ainda podia sentí-lo me confortar.

TH- Não precisa tocar no assunto agora. Me fale quando se sentir bem.

Depois de um tempo tentando me controlar, pude juntar um pouco de forças para me pronunciar.

- Não Tae... Eu preciso dizer...

TH- Não precisa, Anne. Só fale quando estiver bem para isso.

- Eu não sei como começar... Acho que preciso voltar alguns anos para te fazer entender...

Simplesmente o ignorei e comecei a contar. Aquilo era necessário. Era o assunto que eu mais evitava, o assunto mais mal resolvido de toda a minha vida.

- 4 anos atrás eu estava em casa, como toda tarde. Era exatamente dia 8 de agosto, véspera do dia dos pais. Eu tinha 14 anos, estava em uma época em que eu odiava muita coisa, mas algo que eu amava mais que tudo era a minha família. Principalmente o meu pai

"Meus pais eram pessoas influentes, trabalhavam com moda, viviam viajando, descobrindo novos estilistas, novos modelos, apresentando novas coleções e tudo mais"

"Foi em uma dessas malditas viagens que tudo mudou. Meus pais saíram do aeroporto e como de costume seguiam para nossa casa de carro. Aquela estrada era perigosíssima, mas meus pais insistiam que morar distante era uma coisa boa à se fazer.

Naquela noite outra família estava destinada à passar pela mesma estrada e a quantidade de bebida ingerida pelo motorista não ajudou muito.

Havia uma curva muito perigosa e nessa curva os carros se chocaram. Meus pais morreram no mesmo instante. Eu estava em casa, ansiosa para encontrá-los depois de dias sem contato, queria sentir o abraço forte do meu pai, sentir o calor materno, mas as notícias foram as piores que eu poderia receber.

Eu não tinha família. Meus pais eram filhos únicos e seus pais já haviam falecido. Eu me recusei à ser colocada em um orfanato. E eu fui uma pedra no sapato daquela juíza. Ela analisou a situação: meus pais tinham um seguro muito bom guardado, eu era uma garota 'comportada' e sabia me virar.

A proposta foi que eu moraria em um pequeno apartamento sendo sustentada com o dinheiro desse seguro e todos os meses um agente iria me visitar e veria se eu poderia continuar ali, se estava tudo bem, e coisas do tipo.

Assim eu vivi a minha vida. Todos os dias meu coração acelerava, sempre no mesmo horário, sempre na mesma intensidade, a dor nunca diminuiu. Eu chorava incessantemente, sentia muita falta de ar, sentia que o mundo estava caindo sob mim e eu entrava em desespero.

A minha imaginação me levava à ver a cena dos meus pais morrendo. A cena do acidente era tão real, tão real que eu às vezes não sentia mais nada, ou seja, desmaiava por angústia.

Era como se eu visse toda a cena e não pudesse fazer nada. E eu realmente não podia. E aquele acidente foi a concretização de todos esses dias, todo esse pesadelo se tornou verdade. Bem ali, à poucos metros de mim.

Eu não via aquelas pessoas, eu estava vendo os meus pais morrendo bem na minha frente e eu não podia fazer nada..."


Notas Finais


E aí queridos? Vocês já imaginavam que ela não tinha os pais né?

Esse fato da véspera do dia dos pais é uma história pessoal mesmo. Meu pai realmente faleceu nessa data, acabei achando interessante e coloquei nesse cap.

Espero que tenham gostado!
Obrigado por ler 💖💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...