1. Spirit Fanfics >
  2. A prova d'água >
  3. Capítulo 64

História A prova d'água - Capítulo 64


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura 🥰

Capítulo 64 - Capítulo 64


Fanfic / Fanfiction A prova d'água - Capítulo 64 - Capítulo 64

POV OLIVIA

Estava sendo um saco ver a Alice grudada na Mariana, então eu nem olhava pra nenhuma das duas, durante o churrasco a Vivi pediu pra eu tocar alguma coisa, então entrei pra pegar o violão, quando ia saindo do quarto a Alice parou na porta.

- Oi! – ela sorriu.

- Oi!

- Você terminou com a garota lá né? – perguntou com descaso.

- Ela terminou comigo!

- Presta atenção que eu vou falar só uma vez! – Ela me olhou séria – Fica longe da minha namorada!

- Que?

- Isso que você ouviu, eu conheço garotas da sua laia, que vem toda fofinha, toda atenciosa pra roubar a namorada dos outros! – Ela disse e eu ri não acreditando naquilo – Então, fica longe dela senão eu passo por cima de você!

- Ah é? – eu a encarei – Eu pago pra ver!

- Você não vai durar um mês! – disse e eu vi a maldade nos seus olhos.

- Olha... se tem tanta certeza disso... – eu dei os ombros.

Passei por ela e toda e qualquer culpa que eu tivesse por gostar da Mariana, ou por ter beijado ela na noite anterior havia sumido, voltei pra onde todo mundo estava, logo depois a Alice apareceu.

- O que vocês querem ouvir? – Perguntei ignorando a presença dela.

- Eu gosto de Lulu Santos! – Ronan disse animado fazendo Marcelo revirar os olhos rindo.

- Já sei! – eu disse me sentando com o violão nas mãos.

- Posso gravar? – Vivi pediu.

- Pode!

Toquei "Só mais uma de amor" do Lulu, depois outra que a Vivi pediu, mas tive que ver os acordes no celular, parei de evitar o contato visual com a Mari, que não tirava os olhos de mim, me fazendo sorrir por dentro.

- Toca alguma coisa que você queira tocar! – Mari disse.

- Okay!

Ela achou meu cabelo engraçado

Proibida pra mim no way

Disse que não podia ficar

Mas levou a sério o que eu falei

Eu vou fazer de tudo que eu puder

Eu vou roubar essa mulher pra mim

Eu posso te ligar a qualquer hora

Mas eu nem sei seu nome

A encarei e sorri enquanto cantava, ela sorriu de volta sem piscar, eu não importava mais em disfarçar, acho que nunca disfarcei, a Vivian sabia, a Alice sabia, o Ronan sempre pareceu saber e o pai dela disse que eu era a noiva dela, mas... será que ela sabia?

Se não eu, quem vai fazer você feliz?

Se não eu, quem vai fazer você feliz? Guerra

Se não eu, quem vai fazer você feliz?

Se não eu, quem vai fazer você feliz? Guerra

Eu me flagrei pensando em você

Em tudo que eu queria te dizer

Numa noite especialmente boa

Não há nada mais que a gente possa fazer

Eu vou fazer de tudo que eu puder

Eu vou roubar essa mulher pra mim

Eu posso te ligar a qualquer hora

Mas eu nem sei seu nome

Se não eu, quem vai fazer você feliz?

Se não eu, quem vai fazer você feliz? Guerra

Se não eu, quem vai fazer você feliz?

Se não eu, quem vai fazer você feliz? Guerra

- Musica velha né? – Alice disse quando eu acabei, me segurei pra não revirar os olhos.

- Eu não acho! – Ronan disse sorrindo – Eu gosto!

- Eu também! – Mari concordou.

- Se vocês gostaram é o que importa! – eu sorri.

- E eu? Não importo? – Vivi perguntou fingindo estar ofendida.

- Você não! – brinquei.

- Vem comer galerinha! – Marcelo chamou.

Deixei meu violão encostado em uma cadeira e fomos comer tirar a comida, aproveitei que todos estavam conversando sobre coisas aleatórias e perguntei pra Vivi porque ela estava falando com meu irmão na noite anterior, ela disse que tinha esquecido uma blusa lá e que ele pediu o endereço dela pra mandar pelo correio, sorri e fingi que acreditei nessa conversa dela, quando fomos acabando de comer íamos saindo pra sentar na área de novo, quando coloquei meu prato na pia ouvi o barulho do violão cair, corri pra ver e estava a Mari, Alice e Marcelo lá fora.

- MEU VIOLÃO! – Eu o peguei olhando se tinha arranhado.

- Desculpa Liv! – Alice disse com uma inocência fingida.

- PRESTA MAIS ATENÇÃO! – Eu gritei irritada fazendo Ronan e a Vivi virem ver o que estava acontecendo.

- Liv foi sem querer! – Mari disse calma.

- Ahaam! – disse sarcástica.

- Não entendi o porque ficou tão brava! – Alice disse.

- Porque esse é o violão do Pedro! – Vivi disse com cara de poucos amigos, fazendo os olhos da Mari voltarem pra mim.

- Mesmo assim, foi um acidente! – Alice deu os ombros.

Me segurei pra não estourar e pular em cima dela.

- Só... fica longe dele está bem? – pedi tentando me conter.

- Tudo bem! – Ela sorriu tentando parecer legal e passou os braços pelos ombros da Mari.

Ela era mais maldosa do que eu imaginei.

Logo a Vivian me chamou pra irmos embora, me despedi de todo mundo e entrei no carro rápido.

- ELA FEZ DE PROPOSITO VIVIAN! – Gritei quando saímos do sítio.

- Eu sei! – ela disse tranquila.

- O que? – A encarei.

- Liv eu era a melhor amiga dela de infância, porque acha que eu não fiquei tão feliz em vê-la de novo? – ela me olhou e depois voltou os olhos para a estrada. – Ela nunca foi flor que se cheire!

- E porque você andava com ela?

- Nunca assistiu Pretty Littler Liars não? Ela era a Alison e eu não vou dizer que me orgulho de quem eu era na escola! – ela me olhou de novo - Eu vou te contar uma coisa, mas tem que prometer que não vai contar pra Mariana!

- Tá!

- A Alice sempre zoava a Mari pelas costas, mas eu pedi pra ela parar! – Ela parecia desconfortável contando aquilo – Ela perguntou se eu tinha uma queda pela garota e eu neguei obviamente, mas eu tinha dó dela sabe? As pessoas falando sobre os pais dela na cidade e tal, ai a Alice se aproximou dela, e acabou gostando dela porque a Mari a colocava em um pedestal! – ela revirou os olhos.

- E você nunca contou isso pra ela?

- Dizer que nos aproximamos por pena? Pra que? No final a Alice realmente se apaixonou por ela, então eu não vi porque falar e não adianta, algumas vezes já falei que a Alice não é tão boazinha assim, mas a Mariana parece não ouvir.

- Puta que pariu! – eu disse irritada.

Eu fiquei irritada com toda aquela conversa, claro que a Vivi tinha razão de não contar sobre essa história, mas acabou criando um monstro.

Tentei esquecer essa historia durante a semana, fui toda animada comprar meu piano digital, não era a mesma coisa que o piano de casa, mas era milhares de vezes mais barato, então era o que dava pra fazer, aproveitei pra comprar a roupa para o casamento, cheguei em casa e quase tive um ataque do coração ao ver meu irmão lá na frente me esperando com uma mala, uma M.A.L.A!!

- Oi maninha! – Ele sorriu quando eu desci do carro e me abraçou – Se demorasse mais um pouco eu ia ter que pular o muro da sua casa, aqui é bem mais fresco do que lá né? Eu gostei!

- Que diabos você está fazendo aqui? – eu disse quando ele me soltou.

- Vim te visitar!

- Sem avisar? – Olhei pro tanto de coisa que ele trouxe o que não era pouca.

- Eu vim fazer uma surpresa, não vai me chamar pra entrar?

- Claro! – eu ainda estava meio surpreendida.

Abri o portão e a porta, ele entrou com a mala, chamei ele pra me ajudar a tirar o piano do porta malas do carro.

- Que bom que voltou a tocar, a mamãe vai ficar feliz!

- É! – Eu disse desanimada, porque tinha pensado em desfazer o quarto de hóspedes e colocar o piano lá, mas agora ia ter que por no meu quarto. – Deixa eu perguntar, a Vivian sabia que você estava vindo?

- Não! – ele negou, mas obviamente estava mentindo. – Pensei que sua casa era maior!

- Pra que uma casa maior?

- Sei lá! – disse dando os ombros.

Mostrei o quarto pra ele, dei um jogo de lençol e fui para meu quarto arrumar o piano, que era lindo, quando terminei tirei foto e mandei pra Mari.

Liv: "Meu novo bebê *-*".

Mari: "Muito fofo, vai dormir de conchinha com ele agora?".

Liv: "Provavelmente, por quê? Está com ciúmes?".

Mari: "Não... talvez".

Mari: "Porque no seu quarto? Não ia montar no quarto de hospedes?

Liv: "Estou com uma visita ¬¬', meu irmão apareceu sem ser convidado".

Mari: "Que amor".

Liv: "Porque eu tenho um pressentimento que tem algo a ver com a Vivian?".

Mari: "Porque eu também acho?".

- Nossa, você é uma anfitriã muito ruim! – Vini disse quando se sentou do meu lado.

- E você é meu irmão, eu não sou obrigada a fazer nada pra você!

- Quando você era mais nova era mais amável!

- Você me explorava!

- É! Bom tempos!

- Trouxe um terno?

- Não!

- Então vai ter que comprar, tem um casamento final de semana!

Expliquei quem ia se casar, ele ficou animado. O resto da semana deixei ele com meu carro, que só me buscava e me levava para o serviço, não tive que me preocupar em apresentar a cidade pra ele porque a Vivian já tinha se voluntariado pra isso e claro que aproveitou a presença dele pra ajudar o Ronan com a decoração. Ela passou pra buscar a gente para o casamento às 17:30 hrs, uma hora antes do horário marcado, ela estava linda com o cabelo preso em um coque solto e um vestido verde agua cheio de brilho, posso jurar que vi um certo brilho no olhar do Vinicius ao vê-la, mas pode ter sido só impressão minha mesmo, pedi ajuda pra ele pra por o piano no carro da Vivian enquanto acabava de me maquiar, eu investi em um vestido um pouco mais vintage azul royal que ia até os joelhos e um decote canoa e as mangas caídas. Fomos logo porque eu ainda tinha que arrumar o piano.

Quando estacionamos vi como a parte onde antes era só grama ficou linda, um arco em madeira branca cheia de passarinhos desenhados e decorado com flores de verdade em tons de azul e rosa tinham tomado um canto do gramado junto com um pequeno altar, cadeiras brancas estavam enfileiradas e viradas para o altar já na outra lateral da casa havia mesas redondas, um palco pequeno com varias pessoas lá arrumando seus instrumentos, e no meio das mesas e em frente ao palco tinha uma pista de dança, estava tudo bem simples e lindo.

- Que bom que chegaram! – Vi o pai da Mari vindo nos receber, ele estava com um fraque escuro e uma camisa branca por baixo, seus cabelos que geralmente não estavam alinhados, agora estavam penteados para trás e com gel. – Meu noivo está lá no quarto surtando e eu estou com medo de chover e acabar com a festa toda!

- Você está lindo! – Eu disse quando desci do carro e arrumei a sua gravada azul escura, ele murmurou um obrigado.

- Realmente está com cara de que vai chover mais tarde! – Vinicius disse olhando para o céu, eu só o olhei torto pra repreende-lo, tudo que o Marcelo não precisava era mais pilha errada.

- Vamos ver o que está acontecendo! – Vivi disse entrando.

- Me ajuda a tirar o piano? – Pedi para o Vinicius.

- Olha, eu contratei uma banda pra tocar, mas ainda assim eu quero que você toque na entrada tá?

- Claro!

Vini foi tirando o piano do carro e o Marcelo mostrou onde ficaria então eu resolvi entrar pra ver como Ronan estava, me deparei com a Vivian e a Mariana parada na porta do quarto deles com cara de entediada, mas linda com um vestido preto sem mangas, um pouco mais curto que o meu, todo rendado, ela sorriu ao me ver, me olhando dos pés a cabeça.

- O que está acontecendo? – perguntei tentando não me sentir constrangida pela forma que ela me olhava.

- Ronan está nervoso e não quer deixar ninguém entrar!

- Deixa a gente entrar Ronan! – Vivi bateu na porta, mas pode se ouvir um "não" de dentro.

- Como está a perna? – Perguntei.

- Ainda manco, mas está melhor! – Ela sorriu.

Ficamos algum tempo ali tentando convence-lo a abrir, mas eu não conseguia tirar meus olhos da Mari, logo ouvimos a tranca se abrir, Vivian virou a maçaneta e entramos, ele estava sentado na cama com uma calça azul, uma camisa branca, um colete cinza e uma gravata azul mais clara, seu terno da mesma cor da calça estava pendurado e ele visivelmente nervoso.

- O que houve? Você está lindo! – Vivi perguntou.

- Eu não acerto o cabelo, eu estou horrível! – ele disse nervoso mexendo a perna sem parar.

- Eu dou um jeito nisso! – Vivian deu um jeito de subir na cama mesmo de vestido – Me passa a escova ai! – Apontou para a Mari, que pegou e jogou pra loira.

- Olha pra mim! – Me sentei ao seu lado quando a Vivian mexia no seu cabelo. – Ele te ama, você ama ele?

- Muito!

- Então não tem porque se preocupar assim, eu sei que você quer parecer perfeito, mas vocês já estão juntos a anos, ele sabe o quão perfeito você é quando cozinha pra ele por amor, quando briga por bobagem ou quando acorda com o cabelo bagunçado! – o encarei e ele assentiu.

- Está certa! – respirou fundo – ele já me viu pior que isso!

- Prontinho! – Vivian disse, olhei e ela tinha penteado todo para o lado fazendo a parte da frente ficar mais alta. – O que achou?

- Está bom! – Ele disse se olhando no espelho.

- Só sente de novo então pra eu passar a pomada pra fixar assim.

Com o tempo os convidados começaram a chegar, inclusive a enjoada da Alice, Marcelo me explicou que eu tocaria duas vezes, quando ele entrasse e depois na entrada do Ronan, fui para o piano e fiquei testando tudo, deu a hora e a Vivian me deu um sinal, eu comecei a tocar, Marcelo entrou devagar sorrindo pra todos meio constrangido, depois que ele parou no altar Ronan se posicionou no final das cadeiras, ao seu lado e de braços dados havia uma Mariana que sorria como nunca, percebi que não estava programado aquilo pela cara de surpresa e emoção do Marcelo, continuei tocando até eles chegarem ao altar, então parei, Mari abraçou o pai e depois o Ronan e foi para o seu lugar de madrinha do próprio pai, me sentei do lado do Vinicius que estava do lado da Vivian que por sua vez estava com a Alice do outro lado, não conseguia tirar os olhos da Mariana, ela estava visivelmente feliz pelos dois, quando a cerimonia acabou o pai dela falou sobre a comida e a festa, fazendo a gente se dirigir para a parte onde estava o palco.

O tempo todo durante a refeição a Alice não saiu do lado da Mariana, o que me fez não me aproximar muito, porque eu sabia que alguma hora estouraria com a garota e não era o dia para aquilo, então fui conversar com os músicos, eu e o vocalista conversamos muito sobre música, ele disse que não pensava em fazer faculdade de música, ele falou que tocava teclado e engatamos uma conversa sobre as diferenças dele para o piano, até ficar obvio pra mim que ele estava dando em cima de mim descaradamente, Ronan se aproximou animado.

- Vocês podiam deixar ela cantar alguma coisa com vocês né? – Ele perguntou.

- Não, eu... não, obrigada! – Sorri sem jeito.

- Claro que pode, eu ia adorar! – o garoto disse.

- Pronto! – Ronan sorriu – estou esperando.

- O que você quer cantar? – Ele perguntou.

Tentamos encontrar alguma música que a banda soubesse e eu também e que fosse no mesmo tom.

- Atenção! – Ele disse no microfone – Vamos começar com uma música meio antiga, mas é aquilo: o que é bom não sai de moda! – ele sorriu pra mim já passando a correia da guitarra pelo pescoço. – Essa é pra quem está, esteve ou quer se apaixonar! – ele disse animado saindo do microfone.

Olhei e todos os olhos estavam em mim, comecei a cantar Look after You – The Fray, mas ainda estava meio sem graça, quando eu cantava com os meninos nunca era em um palco e eles quase sempre estavam bêbados.

Se eu não disser isso agora eu certamente enlouquecerei

Como se deixassem a última coisa que quero ter

Perdoe a urgência, mas apresse-se e espere

Meu coração começou a se partir

Me fixei aos olhos conhecidos, Vivian sorria já com o celular na mão, meu irmão também estava com um leve sorrido nos lábios assim como Marcelo ao lado do Ronan.

Oh, oh, oh

Oh, oh, oh

Seja minha garota

Oh, oh, oh

Oh, oh, oh

Seja minha garota

Eu cuidarei de você

E então eu olhei para a Mari e ela estava lá com o mesmo olhar de quando me viu cantar a primeira vez, a primeira vez em que a vi como algo mais do que minha amiga, a primeira vez que eu senti meu estomago se revirar só pela intensidade com que ela me olhava.

E agora, namorando fixo, tão poucos vêm e não vão

Você quer ou não ser a única que sempre saberá

Quando eu estou perdendo meu controle, a cidade gira ao meu redor

Você é a única que sabe, você diminui isso

Vi a Alice me encarando com ódio ao lado dela, mas eu não me importava mais, não com ela ou com sua raiva.

Oh, oh, oh

Oh, oh, oh

Seja minha garota

Oh, oh, oh

Oh, oh, oh

Seja minha garota

Eu cuidarei de você

Eu não me importava que todos estivessem olhando se a Mariana continuasse me olhando, eu estava cantando aquilo pra ela porque obviamente fazia todo sentido pra nós e eu não precisava perguntar se aquilo fazia sentido pra ela também ou se aquele embrulho no estomago também acontecia com ela, porque ela estava lá, parada me encarando e não existia mais ninguém no mundo, no nosso mundo.

E se sempre existiu dúvida

Meu amor, ela decai sobre mim

A soma mais garantida

Ela disse mais garantida

Oh, oh, oh

Oh, oh, oh

Seja minha garota

Eu cuidarei de você, de você

Oh, oh, oh

Seja minha garota

É sempre ter e nunca segurar

Você começou a sentir-se em casa

O que é meu é seu, aceite ou ignore

O que é meu é seu para fazer de si mesma

Oh, oh, oh

Oh, oh, oh

Seja minha garota

Quando acabamos todos bateram palmas, sorri para a banda, o garoto perguntou se eu não queria cantar mais, disse que seriam músicas calmas nesse começo, mas eu recusei, desci do palco e meu irmão veio me parabenizar, disse que a Vivian filmou e que ele mandaria pros nossos pais, eu fui ao banheiro, quando voltei estava tocando If I Knew Then – Lady Antebellum, Vini veio até mim, juro que queria matar ele, porque estava tentando chegar até a Mari.

- Dança essa comigo? – ele perguntou estendendo a mão.

- Sério? – perguntei sem acreditar. - Cadê a Vivian?

- Já está dançando. – ele disse olhando para a pista de dança, onde no meio de várias pessoas estavam o Marcelo com o Ronan e a Vivi com a Mari.

- Tudo bem! – peguei na sua mão e ele me levou para a pista de dança.

- Parece que vai cair um mundo de agua mais tarde, que bom que começou cedo a festa.

- Também acho! – olhei pro céu que estava escurecendo por causa do entardecer e pelo tempo de chuva se formando também.

- Acho que agora eu te entendo!

- O que? - perguntei sem entender.

- O porquê de você querer ficar aqui!

- É? – achei graça.

- Você construiu uma família aqui, uma ótima família!

- É – concordei – Eu acho que sim! Mas não significa que não sinto falta de casa às vezes!

- Todo mundo sente, mas ela estará lá pra você sempre!

- E você? Porque não saiu de lá ainda?

- A verdade? – ele perguntou e eu assenti – Quando você foi embora alguém tinha que voltar pra acalmar as coisas, ai eu fui me acostumando!

- Desculpa por isso!

- O que? Ir embora?

- É, e deixar vocês lá!

- Qual é, é comigo que você está falando, eu nasci pra isso, na verdade não! – ele disse pensando melhor – Como nasci antes, quem nasceu pra me dar trabalho foi você! – ele sorriu.

- Então eu fiz meu trabalho certo! – Eu sorri de volta.

- Muito lindo esse momento de irmãos, mas você poderia me devolver meu acompanhante? – Vivian se aproximou com a Mariana.

- Com certeza! – Eu disse o soltando, que pegou de imediato a mão da Vivian.

- E quem vai dançar com uma manca? – Mari perguntou sorrindo.

- Eu ac... – comecei a dizer, mas fui interrompida pela aproximação da Alice.

- Eu obviamente meu amor! – ela disse sorrindo falsamente, vi a Vivian falar algo pro Ronan olhando para nós e ele veio andando em nossa direção.

- Pensei que você ia dançar comigo! – Ronan se aproximou da gente, encarei a Vivian e ela sorriu maliciosa. – Afinal é o meu casamento e a gente agora é da mesma família! – ele sorriu e a estendeu a mão, ela pareceu pensar um pouco, mas foi obrigada a ceder, Ronan começou a dançar e a levar meio para longe.

- Acho que somos nós então! – eu disse e a Mari estendeu a mão para mim, que peguei, passei minhas mãos pelos seus ombros e ela segurou minha cintura, olhei em volta e a Vivian tinha voltado a dançar com o Vinicius, ela piscou pra mim e sorriu antes de voltar a conversar com ele distraidamente – Você acredita em... Cupido? – Perguntei sorrindo.

- Cupido? Tipo um anjo gordinho de fraudas que atira flechas por ai? – Ela perguntou achando graça.

- Não! – eu ri.

- Ou você está falando em garotas loiras e padrastos recém-casados com nossos pais? – Eu a olhei surpresa e ela sorriu – Eu percebi esse esquema todo!

- Eles são bons nisso!

- Muito! Eu os imagino roubando um banco!

- A Vivian seria a líder, com certeza! – eu ri imaginando.

- Meu pai não pode saber, ele é certinho demais!

- Verdade! – eu sorri.

POV MARI

Meu pé estava doendo um pouco pelo meu esforço da semana toda, ajudar nos preparativos da festa, fisioterapia, dançar, mas não parecia doer tanto se eu estivesse dançando com a Liv, ter ficado com ela no final de semana passado me fez pensar em tudo aquilo, não terminava com a Alice pela barra que ela estava enfrentando em casa com os pais se separando, ela era muito apegada a eles, mas trair também não estava fazendo eu me sentir melhor.

- Você cantou maravilhosamente bem! – eu sorri olhando naqueles olhos castanhos.

- Obrigada! Gostou da música?

- Sim, acho que o vocalista também! – Eu olhei pra banda tocando e o menino não tirava os olhos de nós, trinquei o maxilar.

- Eu aposto dez reais que ele vai me dar o número dele quando acabar a festa.

- Sério que está apostando isso? – eu a encarei.

- Que? Eu não posso culpa-lo, quem resiste a mim? – ela sorriu convencida me fazendo querer beija-la e te bater ao mesmo tempo.

- Que ego né?

- Eu estou brincando! – ela olhou para trás e ficou séria, segui seus olhos e vi minha mãe entrando na festa, olhando cuidadosamente e procurando alguma coisa. – Você vai lá?

- Vou! – Os olhos da minha mãe se encontraram com os meus.

Caminhei até ela, que vestia um vestido vermelho bem comportado, segurava a bolsa com as duas mãos.

- Oi! – Ela disse quando me aproximei – Como está a perna?

- O que faz aqui? – Perguntei irritada.

- Calma.

- Se veio estragar ou falar alguma merda pode dar meia volta porque ninguém te quer aqui! – eu disse dura.

- Na verdade... – Ronan apareceu atrás de nós – eu a convidei!

- Você? – Olhei pra ele, que parecia sereno. – Por quê?

- Porque ele é um cavalheiro! – minha mãe disse olhando pra ele com resiliência.

- Não que você seja uma dama!

- Por favor Mari! – Meu pai apareceu atrás do Ronan – Sua mãe é uma convidada minha, espero que você seja educada!

- Eu não estou entendendo!

- Eu posso esclarecer, vem comigo! – Ele colocou a mão no meu ombro e saímos andando, olhei para trás e vi o Ronan conversar algo com a minha mãe.

Encarei meu pai quando já estávamos longe, ele sentou em uma das cadeiras de uma mesa que não tinha ninguém, me sentei em outra me servindo de água.

- Vai explicar agora? – perguntei meio seca.

- Eu não disse que fui conversar com sua mãe esse tempo atrás?

- Sim!

- Conversamos mais vezes! – disse com calma.

- E daí?

- E daí que ela tem melhorado Mariana, ela abriu a cabeça dela pra muita coisa.

- Ahaam, porque água se transforma em vinho com facilidade! – eu disse com ironia.

- Não estou dizendo que está sendo fácil pra ela, mas eu a convidei e ela veio!

- Provavelmente pra acabar com a graça da festa!

- A única pessoa que está estragando alguma coisa aqui agora é você, que está sendo rude. – até para me dar um sermão ele era calmo.

- E eu não tenho motivos? – perguntei indignada.

- Todos não temos? – ele perguntou retoricamente – Ela está se esforçando.

- Vocês brigaram no hospital pai!

- Porque é isso que pais fazem Mari, você acha que quando você era neném e nem eu e nem ela sabíamos o que fazer a gente fez o que? Discutimos, por sempre querer o melhor pra você!

- Ela quer o meu bem? – eu ri sem humor.

- Ela quer, então abaixa a guarda e por favor não estraga a festa tudo bem? – ele me encarou – Tudo bem Mariana?

- Tá!

Ele se levantou e foi até lá, cumprimentou minha mãe e começaram a conversar os três.

- Encarar não vai fazer você ficar com uma super audição! – Vivian se aproximou falando.

- Nem vai fazer vocês se acertarem! – Liv continuou.

- Eu não quero me acertar com ela!

- Não, não mesmo? – Vivian perguntou.

- Não!

- Mas eu acho que ela quer! – Liv disse.

Resolvi ignorar a presença dela lá, as meninas começaram a conversar comigo, dançaram perto de mim as músicas agitadas, pra que eu não tivesse que me levantar, quase no final da festa ela se aproximou da gente.

- Oi meninas, Oi! – disse olhando pra Liv, Mari, Alice e Vinicius, que a cumprimentaram e se afastaram. – Oi Mariana!

- Oi! – disse seca.

- Eu já estou indo!

- Tudo bem!

- Eu posso conversar com você antes? – assenti meio contragosto – Eu quero me desculpar pela minha reação, mas mais que isso, me desculpar todas as vezes que eu disse coisas horríveis sobre... sobre sexualidade sem saber que estava te atingindo também! – Senti meus olhos arderem, mas me segurei – Todas aquelas vezes eu queria tanto ferir seu pai que não via que estava ferindo você!

- Tudo bem!

- Não está tudo bem, eu demorei pra ver meus erros e eu sei que pode demorar pra você me perdoar por eles, mas eu espero mesmo que a gente consiga! – eu assenti – Tchau minha filha! – Ela se levantou, me beijou no rosto e saiu, quase perto da saída vi ela esbarrar na Liv, elas falaram alguma coisa, se despediram e ela saiu.

- Foi ruim? – Vivi perguntou se aproximando.

- Não sei! – disse sincera.

Fiquei pensativa depois disso até o Ronan vir me tirar pra dançar, disse que sabia que eu estava bolada e que não era dia para isso, logo voltei a me animar, era quase meia noite quando a festa acabou e começou a chuviscar.

- A gente podia ir em uma boate né? – Vivi perguntou animada.

- Está com pique hein? – Liv brincou.

- É sério, é bom que a gente deixa o casal sozinho! – Ela sorriu e eu concordei.

Então fomos todos para a tal boate, eu, ela a Liv, Alice e o Vinicius, todos no carro dela, o lugar estava cheio de gente, mesmo com a chuva lá fora, Vinicius e ela fora buscar bebidas pra gente.


Notas Finais


Bom final de semana meninas♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...