História A Prova De Balas - Capítulo 19


Escrita por: e RuhBiih

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Ciumes, Lucy, Nalu, Natsu, Romance
Visualizações 393
Palavras 1.974
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vidaaass meus amores meu, olha eu aqui de novo.
Galera o cap. Ta curtinho e pela demora nem compensa, mas peço que me perdoem, eu achei que daria pra mim postar nas férias mas foi muito corrido então hoje me sentei e escrevi rapidinho.
Peço que gostem e por favor me perdoem.
Bjss e me desculpem qualquer erro ❤

Capítulo 19 - Visita inesperada.


"- Seu imundo, não olha pra mim.
- Me desculpa mãe, eu...
- Cala a boca. -sinto um tapa forte do lado direito do meu rosto. Minha mãe está descontrolada- Você é uma escória pra minha vida Natsu, quando você vai embora igual seu pai?
- Eu não vou. Vou ficar com a senhora.
- Seu....
- MÃE, PARA, oque está fazendo?
- Cala a boca você também, você e ele tem o sangue ruim daquele inútil que me deixou.
- Tudo bem mamãe, vem vamos tomar um banho. -meu irmão mais velho tenta pega na mão da minha mãe que está completamente bêbada, mas ela se solta lhe dando um belo soco na cara-
- Não me toque. 
Com um impulso e instinto de irmão entro na frente dele também levando um soco"
.....

- Natsu.... Ei panaca, acorda pra vida porra.
Olho em direção do meu irmão que está escondido atrás de um muro de tijolos gastasdos de tantos tiros, me abaixo e corro para o lado dele
- Você está bem?
- Claro que não idiota, to levando chumbo e você o meu melhor atirador ta ai viajando.
Me sinto culpado mas não sei oque está acontecendo, ultimamente venho tendo breves flashbacks de quando eu ainda era pivete, até sonhos a noite eu tenho. Afasto qualquer coisa que me distraia e me concentro, precisamos sair daqui, a nossa cobertura logo vai chegar e precisamos ao menos estar longe o suficiente do caos para ninguém sair machucado. 
Duas horas depois estamos na base, Zeref esta com a perna machucada e eu com o lábio cortado e alguns hematomas pelo corpo.
- Dragneel -a voz firme do Capitão me faz entender que ele não é meu irmão protetor neste momento- Venha até minha sala agora.
Caminhamos devagar e em silêncio
- Que porra aconteceu lá? Onde estava com a cabeça filho da puta! Você quase matou todos nós. -puta merda, ele ta muito puto- Natsu seu viado, ta viajando de novo?
- Não senhor.
- NÃO SENHOR OQUE? 
- Me desculpe senhor, eu estava distraído e perdi o foco na mi....
- A sua distração quase me custou você, tem noção do que estou falando?
- Sinto muito senhor.
É tudo que posso responder para ele agora
- Está de guarda a noite -puta merda, depois de uma missão fudida dessas ainda ficar em guarda vai me lascar- e nas noites seguintes. 
- Sim senhor.
Ele continua parado me olhando enquanto eu permaneço em guarda. 
- Vaza daqui.
Frustrado me viro e vou para o meu dormitório. Me lavo, consigo fazer alguns curativos rápidos e logo estou na guarita de vigia. Algumas horas depois umas batidinhas de leve me chamam atenção e entra o Zeref com um copo na mão se sentando ao meu lado.
- Ei rapaz- me da um cascudo de leve- oque aconteceu lá?
Parece que seu humor melhorou. Por mais irmão que ele seja, ele ainda é o Capitão da base e é óbvio que não pode passar a mão na cabeça de um filha da puta igual eu que fiz aquilo.
- Minha mente está meio bugada -Ele me olha e me entrega o copo de café e se senta do meu lado- venho sonhando direto com a mamãe e quando eramos pequenos e algumas surras e... -recebo um tapinha de leve- 
- Ei relaxa, a veia iria ficar tão orgulhosa de saber que você mantém suas madeixas rosas igual ela. -o sorriso idiota dele me faz sorrir também- mas agora é sério, nunca mais deixe aquilo acontecer Natsu, poderia ter morrido. 
- Eu sei. 
- Agora que ja fiz você se sentir mal, pode ir descansar, o Snick te cobre. 
Agradeço feliz da vida e vou pro meu dormitório. 

.....
" - São aqueles ali? 
- Sim, você vai pegar eles pra criar?
- Nunca, esses dois bastardos seriam uma má influência para o meu bebê, a mãe uma alcoólatra e o pai um drogadinho.
- Se ao menos a mãe deles tivesse algum dinheiro guardado dava pra ajudar com as despesas.
- Eu não pego.
- Eu não posso.
- E eu não quero.
O falatório da nossa "FAMÍLIA" a nossa respeito no enterro da minha mãe nos machuca fundo, la dentro do nosso coração, não queriamos ser regeitados e nem separados de todos como doentes contagiosos. Que droga, meu Irmão está de cabeça baixa e olhos inchados, ele até tenta disfarçar o choro como eu que o catarro ja endureceu na cara, mas não é tao bom assim então apenas soluça baixinho e não esbolça nenhuma emoção." 
- Ei pivete -Zeref me chama atenção- não se preocupe, enquanto eu estiver vivo, você nunca estará sozinho, vamos cuidar um do outro passar por isso. -meus olhos ardem e sinto lágrimas descendo- Ei ei ei, não chora, logo vai passar, e eu vou ficar com você pra sempre."
....

- Natsu? 
Abro os olhos perturbado e o Zeref me encara.
- Oque houve?
- Ué você deitou aqui ontem e até agora não apareceu no treino, achei que tinha acontecido alguma coisa. 
Olho em volta, estou no dormitório da base. 
- Me desculpe, vou me levan.... 
- Relaxa, vamos a um lugar hoje.
- Onde?  -Fico atento- 
- Surpresa. 
Me arrumo e saio acompanhado dele com o carro, vou com os olhos fechados para me ajudar com a tontura, um tempo depois paramos em frente a uma casa e Zeref sorri
- Anda pivete, não tenho o dia todo. 
Estou cismado, meu instinto aranha me alerta pra correr, mas o instinto aranha do Zeref é mais rápido e logo me pega pelo braço me arrastando para dentro.
 Várias agulhas, desenhos, gente feia que doia e cheiro de cigarro, estamos em um tatuador. Mas oque? 
- Opa, bom te ver de novo, aqui é ele.
Ele? Ele oque? Quem é o sujeito fantasiado de fantasma na minha frente? 
- Hum.
É tudo que ele diz, me arrastando para dentro de uma sala meu querido irmão me fala que pensando nele fez um desenho e quer tatuar em mim.
- Mas por que em mim? Faz você se gostou tanto do desenho. 
- Mas.... Mas eu queria ver em você mine Dragneel, faz vai. 
- Sai fora, nem vem.
- Mas quando for embora vai se esquecer de mim. -Eu me esquecer do meu anjo guardião? NUNCA.- vai Natsu, você tem um monte, essa nem vai fazer diferença. 
- Por que você não faz? 
- Não curto agulhas. 
Que mentira. 
Com raiva eu deixo que tatuem no meu braço um passarinho, na verdade eu não sei oque diabos é isso mas parece um periquito. 
Após um tempo saio a sala e Zeref se ilumina.
- E ai? 
- Fiz esse negócio feio, mas vem cá porque um periquito? 
- Não é um periquito é uma Ave.
- Essa Ave ta passando fome. Que droga é essa? Nem de longe isso é uma Ave
- Ué sei lá, era pra ser, foi a Mavis que desenhou. 
Meu Deus por favor te suplico, não deixe que meu lindo sobrinho nasça com esse talento divino da mãe pra desenhar. 
- Isso é terrível.
Ele sorri Largo e me abraça. 
- Porque escolheu vermelho? 
- sei lá, simpatizei com a cor. 
- Bom, por trás dessa arte muito linda e bem feita -Ta cego de amor- tem um significado simples, nada demais. As Aves são livres, são belas -Essa é feia- elas então sempre la em cima, mas isso não importa afinal o mais importante é que elas voam em bando, nunca sozinhas, então entenda, eu tenho vocês e vocês tem a mim. 
Mas que????
Não entendi foi nada.
- Bonitas palavras.
Ele sorri e vira às costas
- Bom ao menos a arte feia da Mavis vai nos identificar.
Nos indentif.... 
Zeref tira a camisa revelando suas costas, nela a mesma ave so que a dele é Preta e parece que agora ficou mais bonita. 
- Você tem um péssimo gosto. 
O tempo passa rapido e ja se foram dois meses longe de casa, nossa ja passou tudo isso? desde que eu vim para a base Militar de Elite não tenho notícias alguma de ninguém
- Sargento -ouço me chamarem- O Capitão quer vê-lo.
- Ok. Obrigado.
Caminho até o refeitório onde me disseram que ele estaria.
- Sargento, fomos convocados para uma reunião.
- Claro
Vou de encontro Zeref e o encaro.
- Pode falar.
- Humm, demorou. Tava fazendo oque? Pensando em alguém específico meu querido irmão?
- Na Lu.... Não é da sua conta. -ele me olha indignado me arrancado risadas-
- Como não é da minha conta? É claro que é da minha conta. -Eu sabia que ele iria responder assim. Pra irrita-lo viro as costas e saio andando- Ei Dragneel, não ouse me ignorar, até quando você perdeu a virgindade você me contou, por que fazer graça agora? -Dou uma risada alta e ele joga uma pedra em mim e sai reclamando- Troxa. 
- Nossa sargento, nunca vi o Capitão tão feliz, vocês são bem unidos né?
- Sim, nos somos. É pra ele que eu confio tudo. 
- É sem contar que esta na cara que se aman e se protegem.
Olho pro Zeref que está discutindo com um recruta que vassoura é melhor pra lavar banheiro e me arrependo do que disse. 
- Não amo não.
O soldado sorri pra mim
- Que inveja de vocês, eu nem tinha irmãos e o senhor foi presenteado com dois. 
Ele falando assim me faz lembrar que o Gray foi duro de engolir. 


....
"- Ele é meu irmão, tira as mãos dele. 
- Eu não quero a droga do seu irmão, não quero ter nada a ver com você, vá se ferrar. Eu tenho a minha mamãe
- Vai você. Eu não gosto de você.
- Não te perguntei.
- E sua mãe morreu, aceit...
- CALEM A BOCA OS DOIS. -recebo um belo cascudo- Natsu eu não sou sua propriedade, então sim, posso ser amigo do Gray também. E Gray, eu não vou tomar o lugar da sua mãe. So quero te ajudar a não se matar. 
- Não preciso de vocês.
- Ok. Não precisa da gente mas vamos ficar juntos e ponto final.
Não falamos mais nada. Apenas vejo ele se afastar e se sentar logo a frente, que se dane, não gosto dele."
....

- Natsu? 
- Oi Capitão.
- Você tem visita. Esteja pronto em cinco minutos. 
Nossa como ele esta esquisito. 
- O senhor esta be...
- Você tem visita. Esteja pronto em cinco minutos. 
É a deixa para que eu me cale. Ja entendi.
- Sim senhor.
Visita? Como assim visita? Quem é? 
Me arrumo em um segundo e logo estou entrando no escritório principal. 
- Com licença, Sargento Dragneel se apresentando senhor. 
- Entre por favor fique a vontade.
Meus olhos vão de encontro com os de um militares e um superior, na sala também esta Zeref e o Major. 
- Senhor Dragneel estamos aqui para levá-lo de volta. - De volta pra onde?- sua missão demorou um pouco mais do que o previsto e estamos confiantes que ja conseguimos capturar um suspeito de conspirar contra a vida do Capitão Dragneel. 
- Suspeito? 
- Sim.
- Se é um suspeito vocês não deveriam estar um pouco mais atentos, talves seja uma cilada pr....
- Sargento, ja esta decidido, não torne tudo ainda mais complicado Ok.
- Mas... -Encaro Zeref que está de calado, ele sabia, por isso não me olha- Ok. 
Saio acompanhado pelos militares das forças especiais meio encabulado, pra que tanta gente? 
- Se me derem licença preciso pegar minhas coisas.
- Claro.
Isso não ta normal. Sei lá, meu instinto diz que ai tem, porque o Exército mandaria as forças especiais buscar apenas um homem só?


Notas Finais


Por favor não me abandonem.
Me perdoem ❤
Comentem ai em baixo oque acharam e prometo postar assim que der
Bjss até a próxima 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...