História A próxima dama - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Saga Crepúsculo
Personagens Alice Cullen, Angela Weber, Bella Swan, Caius Volturi, Carlisle Cullen, Charlie Swan, Edward Cullen, Emmett Cullen, Esme Cullen, Irina Denali, Jacob Black, Jasper Hale, Laurent, Marcus Volturi, Mike Newton, Renée Dwyer, Renesmee Cullen, Rosalie Hale, Tânya Denali
Tags Amor, Bella Swan, Crepusculo, Dinastia, Drama, Edward Cullen, Gravidez, Reinado, Revelaçoes, Romance, Saga, Suspense, Twilight
Visualizações 22
Palavras 1.569
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Não me ame.


O silêncio constrangedor prendia a mesa durante o almoço enquanto garfos de ouro se contra batiam.

-Querido...- chamou Esme, esticando sua mão ao marido. -Tem certeza que não pode fazer nada por aquela criada, Alice? Ela iria se casar com o príncipe Jasper da Escócia, ele foi amigo de Edward durante a infância, você poderia tentar alguma coisa para não acabar com o noivado. -o olhar de Edward atravessou o meu, mas fingi estar ocupada em Esme.

-Mesmo que pudesse, sabe que é permanente proibido moças direitas não terem sua virtude antes do casamento.- eu sabia que eles falavam de uma antiga amiga, Alice, mas perdi o pensamento com o rumo que a conversa tomou, transformando meu rosto e minhas bochechas em fogo.
-Está certo Carlisle, moças não devem fazer sexo antes do casamento, não é Isabella? - falou Edward, seus lábios se comprimiam junto a comida, escondendo os dentes brancos de uma crise de riso. Eu engasguei, meu rosto explodia em vergonha, a noite passada não precisava ser comentada. Tossi desesperadamente enquanto expremia meus dedos contra o tecido acima da minha saia.
-É cla-a-ro.- respondi, ainda podia sentir a vergonha formigando pelo corpo. Porque ele era sempre tão vulgar?
-Edward!- repreendeu Esme. - A mesa é um lugar sagrado, tenha respeito.- sua voz estava brava. Edward e Carlisle abaixaram suas cabeças para a comida e riram baixo, mesmo com a repreensão dura de Esme os dois ignoraram. A semelhança entre ambos era gritante.
-Gostaria de me desculpar por ontem a noite.- eu disse, horas depois que o encontrei fora da mesa. -Pelo o que? Por ter insistido para eu fazer sexo com você?- ele riu. -Ah, que isso, eu sei que é complicado se segurar perto de mim. - ele mantinha um brilho indecifrável nos olhos.
O ignorei.
-Sobre Alice... Falam sobre Alice Brandon e Jasper Hale?- perguntei, ele estranhou.
-Exatamente. Não vai me dizer que já ficou bêbada e fez o mesmo pedido a Jasper.- ele riu. Esqueci, você nunca tinha bebido.- analisou.
-Espera. Eu não te disse nada disso.
-Estava bastante aparente na minha opinião.
Dei de ombros.
-Tudo bem, esqueça certo? É impossível ter alguma conversar normal com o senhor sem que faça alguma piada insolente.
Seu rosto ficou sério.
Os dedos de Edward roçaram no meu cabelo, fazendo cachos nas pontas, ele estava mais perto do que eu imaginava, observava meus olhos e meu rosto com cautela.
-Não me chame de senhor Bella, eu não serei seu rei, eu serei seu marido. - disse ele, seu olhos estavam profundamente escuros, a esmeralda havia sumido, como se eu visse sua alma através, ele estava sendo sincero. As palavras não tocaram, sentia- me magoada.
-Pensei...- sua e respiração estava próxima a minha, estava magoada, mas continuaria se ele se aproximasse mais? Ou se disse se oque eu queria ouvir? Isso ele não diria, e de certa forma eu também não poderia, amor algo é forte, não deve ser dito ao vento. -Pensei que me sentiria melhor se fizesse isso. Apresenta respeito, me faz sentir poderoso, gosto disso, mas à aqueles que não me importam.
Certo, então ele disse que eu importava para ele, isso era parte do que eu gostaria de ouvir, mas foi o suficiente.
-Pare Edward...- sussurrei contra sua bochecha.
-Tem razão, você não deve me amar. Não deve haver amor na nossa aliança, isso nunca acaba bem. Não me ame!- disse ele em uma agonia desesperada. Ele se recompôs, afastando-se devagar, a fraqueza de ambos diminuiu-se. -Alice Brandon vai ser executada por traição, ela não é mais virgem.- disse, sua voz era um murmúrio atraente. -Ela era a filha da criada que vivia com você não era? Digo da mulher que criou você?- falou ele.
-Isso é uma calúnia. Nós crescemos juntas, é impossível que ela não tenha me contado.- planejava silenciosamente um plano para vista-la
-Elá está morando na Escócia, presa em uma torre. Um primo distante e bastardo de Jasper está no castelo, parece que veio junto a Renné.-informou ele.
-Cauis Volturi?- perguntei. - Oque ele faz aqui?
-Isso é algo que está definitivamente perguntado a pessoa errada. Fale com sua mãe.- disse ele e saiu. Eu precisava falar com ela, sem saída, eu deveria infrentar a fera.

-Mãe?- perguntei, abrindo o cômodo em que se hospedava.
-Olá, Isabella. - respondeu a voz nada tímida, aconcheado-se na porta. -Sua mãe está com Esme.- disse, parecendo esperar algo mais de minha reação sobre ve-lo.
-Obrigada. Volto depois.
-Não está me reconhecendo Bella?- surgiu na porta, análisei suas expressões e os olhos escuros.
Caius.- eu disse. -Me disseram que tinha vindo, mas não pensei que seria você, está tão… diferente.
Observei as mudanças de seu corpo, as antigas pernas magras foram trocadas, músculos dos braços tomaram os ossos antes fracos, o tronco longuinio se esticava em uma altura irreconhecível.
-Pensei que tivesse se tornado o rei da Itália. - disse, observando as mechas do cabelo loiro ainda mais comprido.
-Esse era o plano. Mas meu pai reconheceu seu bastardo mais velho depois de Aro. Marcus Volturi, ele é o rei agora, eu vivo no castelo como príncipe, mas tenho minhas vantagens.- ele se aproximou. Lembrei de algo.
-Eu tinha esquecido sobre isso, sua família carrega o sobrenome Volturi, o mesmo de Aro, o guerreiro mais fiel de Portugal.
-Ah sim. Nós fingimos que não, é uma vergonha para nós termos alguém que recusou o trono daquela forma. Sabe como ele era desde pequeno, a discórdia é seu lema.
Parecia conhecidencia demais para mim, ele estivera justamente ali quando seu primo atacou o castelo, com o puro intuito de machucar Edward, também exatamente quando minha mãe estivera junto. Algo parecia não se encaixar.
-Mantem contato? Com Aro, digo.- instiguei. Ele surpreendeu-se.
-Algumas vezes. - suas mãos guiaram meus dedos até os seus, recolhi em impulso, ser tocada era complicado, principalmente quando não eram as mãos de Edward.
-Mas me diga, porque acompanhou Renné até a Inglaterra?
-Seu pai está ocupado e Renné preferiu não visitar a Inglaterra sozinha, meus pais foram bastante amigos dela, sou como filho. - disse, sorridente, um sorriso liberalmente falso.
-É verdade.- eu disse, percebendo que me lembrava sobre algumas dessas coisas. -Sempre que eu visitava o castelo você estava lá, nos estragamos bons bailes. - eu sorri, minha infância solitária pareceu alegre aquelas recordações.
-E também me lembro que eu gritava para todas as paredes que seria seu noivo, compraria a Inglaterra para você.- ele riu.
-Uma dessas vezes foi a mesa de um jantar, você disse "Isabella será minha noiva, nem que eu tenha que matar Edward para isso com toda minha influência e dinheiro", com 7 anos e 3 moedas de ouro no bolso,e pai não planejava o deixar herdeiro - ele riu alto.
Cauis olhou alegre para as escadas.
-Nós corríamos de mãos dadas por todos os corredores.- não esperando, ele se levantou, curvando-se a mim com uma mão estendida.
-Seria uma honra repetir.- seus olhos negros brilhavam.
-Não posso. Podemos ser pegos, minha mãe cortaria nossas cabeças.
O desafio surgiu.
-Isso não nos impediu quando você era pequena. Os pensamentos voaram de repente, não estava feliz, e não seria, principalmente quando meu futuro incluía muito de Edward, à aquele castelo, qual eu tinha pavor. E ali, correndo o quanto minhas pernas conseguiam, aceleradas aos degraus da escada, uma das mãos presas aos corrimão, a outra era segurada com carinho por Caius. Na decida escorreguei um pé pela frente, ele prendeu seus braços ao contorno da minha cintura, seus lábios estavam próximos aos meus, o cabelo pareceria oleoso, o rosto imperfeito, olhei para o lado, não acharia ninguém que gostasse como Edward, esse era um doloroso fato.
Quando seu nome atravessou pela minha cabeca seu corpo também acompanhou, subitamente voando entre nós, caminhando ainda mais furioso depois de nos observar.
-É bom saber o que faz nas horas livres.- disse ele, respido, seus olhos não encararam os meus como esperava, saiu para a sala de Carlisle.
-Caius, procure minha mãe para mim, diga a ela que preciso resolver algo.- ele prontamente se apresentou, cumprindo a tarefa sem hesito.

Observava Edward e Carlisle gritando dentro do escritório.
-Não vou dar mais dinheiro a ninguém Edward!- berrou Carlisle.
-Se não dará para o povo, dê ao Parlamento, eles saberam como economizar.- sugeriu Edward.
-Eu disse não! Mas eu entendo muito bem você Edward… está tentando estabilizar a Inglaterra economicamente pra estar pronto a uma guerra e assim não precisa se casar com a menina. Afinal, qual o problema com Isabella? Ela não te satisfaz?- perguntou rudemente Carlisle.
-Cale a boca. Não entendo a implicância de todos com Bella, ela é muito mais honrada que você.- gritou Edward, apontando o dedo para o pai. -Nem todos tem o prazer de comer todos os dias,ou usar roupas teceladas a fios de ouro, muito menos tomar seus vinhos caros.- gritou.
Carlisle tornou a seu rosto assustador.
Puxou a camisa para os pulsos de Edward, deixando a mostra os braços e mãos.
-Esqueceu-se disso? Esqueceu o que eu disse sobre respeito a mim? Porque caso esteja complicado lembrar eu posso demonstrar a você.- falou Carlisle.
-Não senhor.- respondeu Edward, ele estava agachado, os pulsos esticados, sua cabeça estava baixa e humilhada.
Contudo, porque afinal Edward tinha medo de Carlisle? E o que de ruim em suas lembranças eram revividas pelos seus pulsos?
Oque tinha do outro lado que eu não podia ver?


Notas Finais


Nunca fiquei tanto tempo sem postar não é mesmo gente? Desculpem-me por isso.
Algumas explicações;
•Eu escrevo e edito a história pelo celular, então é complicado tirar todos os erros de uma escrita rápida, assim como é difícil editar o capítulo depois de postado (*trava muito*), esse é motivo de tantos erros.
•Pessoal, quando os personagens se referirem muito a dinheiro, riqueza, poder e até mesmo sobre cor não os odeiem. Isso não é racismo ou preconceito da minha parte, mas antigamente esse era em geral o ponto de vista das pessoas, quanto mais brancas e ricas elas eram, mais se consideravam valiosas.

Algumas perguntas para vocês;
*Oque acham que o Edward esconde?
*Preferem capítulos mais longos, ou mais curtos?
*E sobre as notas finais? Preferem que eu converse mais nelas, escreva mais e conte mais coisas ou preferem elas mais pequenas?
*Como já foi dito, minha Bella tem um irmão, quem será o rei da França, me dêem dicas de quem pode ser esse personagem… crio algum, ou uso alguém da própria história? Quem?
*Vocês acham que a Bella e o Edward vai ficar juntos?
*Devo continuar?
Foi isso gente, espero postar no final de semana se tudo for como o planejado,e aviso que nessa história ainda terá muitas reviravoltas.
Aguardem e abraços.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...