História A Próxima Geração - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Cameron Boyce, Descendentes, Dove Cameron, Sofia Carson
Personagens Carlos de Vil, Chad, Evie, Jane, Jay, Mal, Princesa Audrey, Príncipe Ben
Tags Booboo Stewart, Cameron Boyce, Descendentes, Descendentes Filhos, Dove Cameron, Ilha Dos Perdidos, Magia, Malévola, Mitchell Hope, Sofia Carson
Visualizações 140
Palavras 2.695
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Magia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Está ai mais um capitulo, eu espero que vocês gostem dele e nos vemos nas notas finais!

Capítulo 8 - Agora eles sabem!


POV’S MASON

Eu e a Juh estávamos acabando de nos arrumar para o almoço, estávamos em silencio e muito nervosos, pois íamos contar a verdade para todos, eles iam finalmente descobrir que a Mel fugiu para a ilha. Eu ainda espero que a Mel venha entrando por essa porta e a gente não precise contar nada, mas, por mais que eu espere, eu sei que isso não vai acontecer.

-Senhores, todos os convidados já chegaram, por isso a Rainha Mal solicita a presença de vocês no jardim do castelo imediatamente e ela pediu para a senhorita Melissa ir junto – Lúcio nos informa.

- Ok, nós já estamos indo Lúcio – a Juh fala, ele faz uma reverencia e sai – Mason, é agora!- assinto, pego na mão dela e descemos as escadas indo em direção ao jardim. Vejo que está todo mundo lá, meu pai está conversando com meu dindo, o Tio Jay e tio Chad. Minha mãe está sentada na mesa conversando com minha dinda, a Tia Audrey e tia Evie. Amélia está perto de uma das arvores tirando mil e uma fotos. A Clary e a Milly estão sentadas na grama brincando de Barbie com as babás e o Fred está brincando com o Dig e o Dude.

- Ai estão vocês, achei que não iam descer! – a minha mãe fala, e atrai os olhares de todos para a nossa direção - mas, cadê a Mel?

- A Mel? Então, engraçado você pergunta pq, an, como eu posso dizer... – a Juh começa a falar, eu percebo que ela não conseguirá contar e decido intervir.

- A Mel fugiu pra ilha – falo de forma rápida e direta e todos olham para mim espantados – ela fugiu faz uma semana.

- O-oque? – minha mãe nem ao menos consegue formular uma frase direito. – Co-como e por-por que?

- Nós não sabemos dinda – a Juh começa a explicar – tudo que sabemos é que no dia em que ela recebeu o resulto da prova de calculo ela fugiu para a ilha sem falar nada a ninguém. Ela apenas mandou uma mensagem para mim dizendo que ia passar o dia com o Mason, e uma mensagem para ele falando que ia passar o dia comigo, apenas para nos despistar. Porem eu precisei falar com ela e vim até aqui, porem não a encontrei então fui falar com o Mason, pois sabia que eles estavam juntos, mas ela não estava com ele e ai descobrimos tudo.

- Mas vocês tem certeza que ela fugiu para a ilha? – Tia Evie perguntou, estavam todos muito surpresos para expressarem suas opiniões.

- Sim, as coisas de minha mãe da ilha sumiram, junto com o seu diário e a malévola. – falo

- A Malévola? – minha mãe exclama finalmente se levantando – nã-não, não pode ser, não! Por que vocês não falaram nada imediatamente?- ela já começou a ficar com raiva, seus olhos estavam verdes. Meu pai vai até ela e a abraça para acalma-la.

- Porque um dia, eu e a Mel conversamos sobre ir para a ilha, e ela deu a entender que só queria ficar uma semana – Juh começa a ficar desesperada, vejo que ela está chorando por isso decido tomar às rédeas da situação.

- Por isso deixamos passar uma semana, achávamos que ela ia voltar depois desse tempo. Mas, ela não voltou.

- Por isso vocês inventaram toda essa historia de Catapora? Para ninguém poder vê-la? – perguntou meu tio Jay.

- Foi!

- Brilhante – meu dindo exclamou, todos olharam para ele – foi errado, mas brilhante.

- Mas errado – minha dinda decidiu intervir – vocês tinham que ter nos contado assim que perceberam que ela fugiu, não importa se ela ia voltar, a ilha é perigosa, imagina se aconteceu alguma coisa com ela.

- Mas, não aconteceu – tia Evie fala ao perceber a cara de desespero da minha mãe ao ouvir que algo pode ter acontecido com ela. – afinal a Mel é uma menina forte, corajosa e destemida, com certeza ela está conseguindo se virar lá.

- É, ao não ser que alguém da ilha descobriu quem ela é e a sequestrou para à usar como objeto de troca para sair da ilha, isso não já aconteceu uma vez, com o Ben? – meu tio Chad fala, para piorar a situação né.

- Mas isso não aconteceu, se não, já saberíamos pois eles já teriam arranjado uma forma e entrar em contato para pedir a troca – minha tia Audrey fala tentando consertar o que o marido falou.

- Alguém mais sabia disso além de vocês dois? – meu pai fala, eu e a Juh nos entreolhamos e depois olhamos para o Fred.

- Eu sabia – ele se pronuncia e vai pro nosso lado

- Eu também – o Dig fala, ele estava no braço do Fred.

- Mas é claro que sabiam – meu pai fala – e agora o que vamos fazer?

- Vamos para a ilha, óbvio, resgatar minha menina – disse minha mãe, ela só chamava minha irmã assim quando ela estava extremamente preocupada com ela.

- Vocês não podem ir para a ilha, assim, do nada, vocês são as pessoas mais odiadas de lá, e ao contrario da Mel, vocês eles irão reconhecer na hora! – meu tio Jay falou

- O Jay está certo, vocês ficam, eu, o Jay e o Carlos vamos lá e traremos ela de volta! – tia Evie sugere.

- Isso não daria certo, vocês também são igualmente odiados lá e facilmente reconhecidos. Os únicos que poderiam ir agora seriam eu, a Audrey e o Chad, porem não conhecemos a ilha e não conseguimos imaginar aonde ela pode está! – minha dinda fala – o que podemos fazer agora é chamar a minha mãe, para esses três aí – ela fala apontando para nós – ou melhor, quatro – ela fala quando o Dig resmunga por ela ter o excluído – falarem o que sabem!

- A Jane está certa gente, por que não fazemos assim, a Jane liga para a Fada Madrinha e nós vamos para a sala de reunião esperar lá, e aproveitamos para tomar um chá para nos acalmar ok? – Tia Audrey sugere

- OK, vamos lá – minha mãe fala ainda abalada, todos saem do jardim passando por nós, decidios deixar eles irem primeiro, a Milly vem até mim com a cara triste porem mais fofa que eu já vi ela fazendo e fala:

- A Mel vai voltar, não vai? - ela estava com voz de choro

- O minha pequena - falo a pegando no colo - claro que vai!

- Ela não nós abandonou, não é?

- Claro que não, ela só fez uma viagem, apenas isso! Mas mamãe e papai vão traze-la de volta, não se preocupe - ela abaixa a cabeça no meu ombro e subimos para a sala de reuniões!

Eu, a Juh e o Fred nos sentamos lado a lado em um sofá branco que tem na sala. Meu pai se senta na cadeira dele e liga para meus avos, contando o que aconteceu e pedindo para eles virem para cá, minha mãe se senta na cadeira dela bastante apreensiva. Tia Evie está ao seu lado massageando seus ombros tentando acalma-la. Meu tio Jay está olhando para nós com uma cara de desaprovação. Minha dinda está falando com a F.M no celular e meu dindo está ao seu lado, com o Dude nos braços, ouvindo a conversa. Minha tia Audrey está pedindo para a empregada fazer um chá bem forte para todos e meu tio Chad está brigando baixo com a Amélia por ela não está nem ai para o que aconteceu com a Mel, ela está revirando os olhos o tempo todo. As babás levaram a Milly e a Clary para o quarto da Milly a pedido da minha mãe, isso não era conversa para elas estarem ouvindo.

 Depois de um tempo a F.M chega, junto dos meus avos, e se senta em uma das cadeiras, logo depois pediu para todos fazerem o mesmo e foi o que eles fizeram. Eu, a Juh e o Fred continuamos no sofá e a Amélia continuou sentada em um sofázinho que tinha na janela.

- Pois bem, a minha filha me falou que aconteceu, mas pedi para ela contar de forma resumida, pois queria saber da historia toda pessoalmente - a F.M começou a falar – por tanto, tudo que eu sei foi que a Melissa conseguiu fugir para a ilha, que isso aconteceu à uma semana e que essas três crianças esconderam isso pq acharam que ela voltaria em uma semana! Porem ela não voltou. Mas agora vamos às perguntas. Por que ela fugiu?

Nós nos entreolhamos.

- Nós não sabemos – comecei a falar – nós suspeitamos que ela tenha fugido por não aquentar a pressão de Auradon em cima dela para ela ser uma “princesa perfeita”. Mas nós não temos certeza e também não sabemos qual foi o estopim para ela decidir fugir.

- Muito bem – avaliou a F.M – por que vocês acharam que ela voltaria em uma semana?

- Alguns dias antes dela fugir – dessa vez foi a Juh que respondeu - eu a encontrei no telhado do colégio admirando a ilha! Conversamos sobre ir para lá e ela disse que gostaria de passar só uma semana lá na ilha, nada mais do que isso.

- Por que você não nos falou sobre essa ideia dela? – perguntou minha mãe a Juh.

- Porque nesse mesmo momento eu a perguntei se ela estava falando serio e ela disse que obviamente não estava, e que não iria conseguir ficar mais tempo sem magia, já basta o que tempo que ela estava sem ela por causa do castigo.

- Vocês sabem como ela fugiu? – F.M voltou a fazer as perguntas.

- Do mesmo que jeito que a tia Mal fugiu anos atrás – Fred falou – ela colocou um feitiço em sua scooter e conseguiu com ela atravessar a barreira da ilha!

- O que? – minha mãe exclamou – mas eu escondi aquele feitiço no meu diário junto com minhas coisas da ilha lá no porão! Como ela conseguiu?

Essa na verdade era uma ótima pergunta, como ela conseguiu tudo isso? Olho para a Juh que olha para mim e da de ombros, logo depois olhamos para o Fred que está olhando para a frente e noto que ele engoliu o seco. A Juh olha para mim com os olhos arregalados e eu também estou assim.

- Fred! – a F.M chama sua atenção

- Vovó – ele fala com a voz falhando

- Você tem algo a dizer?

Ele olha para nós e depois para o restante das pessoas, depois relaxa os ombros soltando um ar que ele estava segurando.

- A Mel pode falar com a Malévola – ele solta e todos nós exclamamos, até a Amélia que estava foda-se para a conversa começou a prestar atenção.

- O que? Como? – pergunta minha mãe desesperada. – Vocês sabiam disso? – ela aponta para mim e pra Juh e balançamos freneticamente a cabeça negativamente.

- Eles não sabiam de nada, ninguém sabia e não era para ninguém saber, eu descobrir isso sozinho, não foi ela que me contou. Ela descobriu que podia falar com a Malévola eu acho que com oito anos, por isso que com 10 pediu para cuidar dela.

- Por que ela não me contou isso? – minha mãe pergunta triste por a Mel não ter confiado nela para contar isso.

- Porque ela sabia que se contasse você iria tomar a Malévola dela, e ela adora conversar com ela, pois a Mel sempre gostou da ilha, e sempre quis saber como era vida nos tempos, bem, nos tempos de vocês – o Fred fala e aponta para a F.M  e para meus avos – mas não tinha ninguém para contar a versão dos vilões, e era essa a versão que ela queria saber já que a versão de vocês ela pode ler em milhões e milhões de livros existentes. A Malévola contava para ela, contava como era no tempo que os vilões estavam soltos e “amaldiçoavam reinos inteiros”.

- Íamos tomar porque a Malévola poderia manipula-la e coloca-la contra nós – meu pai argumenta e minha mãe concorda com a cabeça.

- é, acontece que a Mel não é uma garota manipulada, ela não deixa ser levada facilmente, pq acha que demorou dois anos para ela cuidar definitivamente dela? Mas ela também sabia que vocês não iriam confiar nela e iriam tirar a única fonte de historias dos vilões que ela tinha.

- E iriamos ter tirado com razão, por causa disso ela fugiu para a ilha – meu pai fala.

- Ah, por favor, ela teria fugido do mesmo jeito, só iria ter fugido de outra maneira. A Mel sempre quis ir para a ilha, já antes de conseguir falar com a Malévola ela tinha esse pensamento.

- Ele tem razão – minha avó fala – lembro-me dela ter cinco anos, eu estava brincando de boneca com ela e ela disse que a boneca dela iria fazer uma viagem para a ilha, e que algum dia ela também iria para lá!

- Mas o que aconteceu nesse dia especificamente? – meu avô perguntou – porque pelo que entendi, ouve a faísca para ela fugir não foi? Então, o que houve nesse dia?

Todos começaram a pensar, meus pais se entreolharam.

- Ah não, a culpa foi nossa – minha mãe falou com meu pai.

- Por que vocês dizem isso? – perguntou tia Evie

- Nesse dia ela tinha recebido o resultado da prova de Calculo – começou meu pai – ela não tinha ido bem na primeira prova, mas nessa ela tinha tirado 10, e nós não demos a mínima para isso, eu estava ocupado resolvendo uma encrenca que o Mason tinha arranjado no colégio – ele olha feio para mim que encolho os ombros.

-É, e eu estava ocupada com a Milly que não parava de correr de roupão de um lado para o outro do castelo! – minha mãe disse chorando e meu pai a abraçou.

-Fada madrinha tem algum jeito de irmos para a ilha hoje ou amanhã pegar a Mel? – meu avô perguntou

- Creio que não! Temos que primeiro falar com todos do conselho real e com todos os reis e rainhas de todos os reinos de Auradon. Para ai fazermos uma votação para decidir quem vai na ilha e se é seguro vocês irem até lá!

- E quanto tempo isso vai demorar? – minha avó pergunta

- Acho que umas duas semanas!

- Duas semanas? – exclama minha mãe em tom mais alto – isso é um absurdo, a minha filha está sozinha na ilha dos perdidos e... – a F.M a interrompe

- Eu sinto muito Mal, mas os fatores não estão ao seu favor! A Mel foi por vontade própria para a ilha e até onde sabemos ninguém a capturou ou fez mal para ela se não já teriam pedido resgaste ou ela já teria voltado. Ela não corre risco nenhum lá ao contrario de vocês. Vamos fazer essa votação e então enviar guardas reais para fazerem a vistoria da ilha, para ver se ela está segura.

- E por que esses guardas não trazem a Mel de volta? – meu dindo pergunta

- Duvido que ela aceite voltar com eles, ela vai é se esconder deles de todos os jeitos, e eles não saberiam onde procura-la – tia Evie falou

- Então esperemos! – minha mãe falou e tia Evie foi acalma-la enquanto meus pais falava com meus avos.

Tia Audrey e tio Chad foram falar alguma coisa com Amélia, provavelmente pedindo para ela não espalhar isso para todo mundo e meus dindos estão falando com F.M.

- Vocês sabem que o que fizeram foi errado não sabem? – tio Jay veio falar conosco.

- Sabemos! – Fred falou

- Vai ter castigo? – A Juh perguntou

- Ainda vou resolver isso com a sua mãe, mas agora acho melhor vocês saírem daqui, deixem as coisas esfriarem. Vocês contaram tudo não foi? – ele perguntou

- Sim, contamos! Pelo menos eu acho, Fred? – Confirmo com ele, pois tudo é possível com esse garoto.

- Sim, sim contamos – ele confirmou.

- Ótimo! Agora Julieta vá arrumar suas coisas para voltar pra casa!

- Ok pai! – ela fala e se levanta indo para o quarto da Mel, eu e o Fred vamos com ela!


Notas Finais


Eita, que agora eles sabem de tudo mesmo ein, até o que eles não deveriam saber eles sabem! Como a Mel reagirá ao saber que todos sabem da Malévola? E gente do Céu o que vocês acharam da reação de cada um ao descobrir? Cometem o que acharam e não esqueçam de favoritar a fic!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...