1. Spirit Fanfics >
  2. A queda Senju >
  3. Alma gêmea

História A queda Senju - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Alma gêmea


Fanfic / Fanfiction A queda Senju - Capítulo 2 - Alma gêmea

Um conto segredo dos irmãos Otsutsuki


Indra e Ashura, irmãos crescidos juntos, os descendentes de Kaguya, filhos de Hagoromo. Eles eram como unha e carne, sempre precisando um do outro e sempre fazendo tudo juntos. Opostos, mas ao mesmo tempo tão iguais. Indra amava o jeitinho bobo de Ashura, sempre sorrindo e gritando, mas sempre querendo impressionar Indra, já Indra, começou a se notar sentindo sensações e sentimentos   diferentes em relação ao irmão. 


Indra gostava até demais quando eles estavam muitp próximos, quando dormiam juntos ou quando Ashura o abraçava por trás, na mais pura inocência do ato. E Indra já se sentia um tremendo troglodita por pensar essas coisas com o irmão. 


Mas em um certo dia, em um certo outono, Ashura estava sentado no chão encostados com as costas na árvore, Indra deitado sob o peito do outro, completamente relaxado, recebendo um carinho nos cabelos longos. Mas, uma dúvida repentina surgiu em sua cabeça, o que o fez questionar o seu irmão.


-Ashura... você sabe... um de nós vai ter que assumir o posto de líder do clã, e eu já imagino que o nosso pai nos obrigará a procriar... mas se for você o escolhido, já tem alguém em mente? Alguém para se apaixonar? - perguntou Indra, levantando a sua cabeça para encarar o irmão mais novo, ainda com a cabeça encostada no peito do outro. Ashura bufou só de se imaginar com qualquer mulher da vila, ele conhecia todas e nenhuma conseguia prender a sua atenção, ele nem parecia que gostava de mulheres. 


-Na verdade, Indra... isso me assusta muito, eu imagino que nos dois seremos forçado a fazer apenas por fazer, eu não sei você, mas eu não consigo gostar de nenhuma garota, pode parecer bobo, mas você é a única pessoa que eu gosto no mundo - ele respondeu, olhando para o irmão, vendo que as suas bochechas ganharam um tom avermelhado.


Indra se levantou um pouco, mas tão perto quanto, o mais novo sempre admirou Indra em tudo, em sua beleza, em sua capacidade extraordinária nas lutas, e agora não era diferente. Ele admirou a beleza dos seus cabelos compridos e os olhos pintados, como ele sempre gostava. 


-Eu não sei o que há comigo, irmão, mas as vezes, eu sinto como se eu te amasse com tanta intensidade que duvido que seja algo normal entre irmãos... - Disse Indra, um pouco tímido, mas atrevido o suficiente - isso é o que me assusta. 


-Indra... - Ashura ficou sem jeito no início, mas acariciou com carinho o rosto do irmão, encostando a sua testa na dele - Somos irmãos, mas eu também gostaria que não fôssemos... - Indra relaxou seu coração em saber que não era só ele que sentia amor. 


-As vezes, eu me pego sonhando com um beijo... me pego pensando em como eu queria amar você de mil formas diferentes - Se entregou Indra, com os olhos fechados, lembrando de tudo o que já imaginou com o irmão.


-E eu rezo todas as noites para que na próxima encarnação, não nasçamos como irmãos... eu não quero ser seu irmão... eu quero ser seu, apenas! 


E eles eram assim, almas gêmeas, o desejo e o amor andando juntos por reencarnações, para que possam viver tudo o que não foram capazes de viver na pele de Indra e como Ashura, talvez consigam viver na pele Madara e Hashirama, ou talvez, só consigam na próxima reencarnação, como Naruto e Sasuke.

  


   Fim




Hashirama passou a noite com Madara naquele dia, fizeram amor mais uma vez antes que pudessem cair no sono para descansar seus corpos, Hashirama fez questão de dormir abraçando o corpo de Madara, se sentia tão confortável nessa posição que poderia ficar ali para sempre. 


Mas a manhã ensolarada logo chegou, iluminando o quarto do Uchiha, o despertando e deparando-se deitado no peito forte de Hashirama, que dormia tão lindamente, com as madeixas castanhas jogadas de lado e um pouco em seus ombros. Logo, como Madara não tinha o que fazer, sua mente começou a criar problemas para atrapalhar o momento que poderia ser tão feliz. 


Madara lembrou-se de Izuna, Izuna passou a noite fora, mas com certeza já estaria em casa agora, mas como Madara poderia explicar que dormiu junto com Hashirama? Ou pior, que ele de um dia pro outro se tornou noivo do Senju... Como explicaria as marcas de sexo do seu corpo? 


-Hashirama... Hashirama - Chamou Madara, chacoalhando os ombros do moreno - Acorda baka 


-O que...? Madara... - Falou Hashirama, ainda sonolento, puxando a cintura de Madara para que pudesse o abraçar - tá com saudade? 


Mas apesar de Madara achar bonito a ação do outro, ele usou as mãos para afastar seus ombros, ficando sentado na cama com os braços cruzados e uma cara emburrada.


-Baka, eu não estou saudade coisa nenhuma - falou ele, usando sua voz mais grosseira - eu to falando sério baka, você tem que ir embora pela janela 


Somente dizendo as palavras, Madara percebeu o quão idiota aquilo soava. Hashirama se sentou, colocando as mãos para trás para se apoiar, ficando em uma posição bem despojada e leve.


-Primeiro, Madara, se acalme, segundo, para de me chamar de baka -  respondeu Hashirama, calmamente respirando fundo - e terceiro, por que diabos eu tenho que sair pela janela? 


-Izuna já deve ter chegado, já pensou o que ele vai pensar de mim? - Madara dizia tudo de uma maneira muito paranóica.


O corpo de Madara pareceu congelou e embranqueceu quando ouviu as batidas na porta... Em completo pânico, Madara fez sinal para que Hashirama entrasse no banheiro, e assim que o maior levantou-se dos lençóis, Madara viu que ele estava nu e por consequência, Madara também estava.


-Izuna... eu já vou -  gritou Madara, quando procurou alguma roupa para se vestir, já vento que Hashirama já estava escondido no banheiro.


Madara vestiu um robe roxo com o símbolo Uchiha nas costas. Madara abriu a porta, colocando apenas a cabeça para fora, queria poupar que Izuna entrasse no quarto, mas o uchiha mais novo logo achou tudo muito suspeito. 


-Você estava dormindo até essa hora? Desde quando você acorda meio dia? - perguntou Izuna, cruzando os braços 


- O que? Já são meio dia? Meu deus... - Respondeu Madara confuso com a mão na testa, perdeu a noção do tempo mesmo 


-É, pelo jeito você foi dormir bem tarde - Rebateu Izuna, desconfiado - Mas eu to querendo pegar aquela camisa que você pegou emprestado e esqueceu de devolver - disse Izuna, empurrando levemente a porta, mas Madara não permitiu - me deixe entrar, Madara...


- Izuna... por favor... - pediu Madara baixinho, mas Izuna arqueou a sobrancelha, não era sempre que ouvia Madara pedindo por favor, o que tornou a situação ainda mais estranha 


-Madara... - Izuna o olhou com firmeza, empurrando a porta, e Madara permitiu que ele entrasse - Eu só quero pegar a minha camisa 


Izuna bateu os olhos nas roupas de Hashirama jogadas no chão ao lado das roupas de Madara, e logo encarou o irmão com um olhar questionador e sugestivo.


-Hashirama tomou banho aqui e pegou umas roupas... mas ele não dormiu aqui não, ele já foi - Respondeu Madara, encostado na parede, e Izuna o olhou claramente debochando internamente do que ele dissera.


-Engraçado, porque eu acabei de passar na casa do Tobirama e ele me falou que o Hashirama dormiu fora - mentiu Izuna, apenas para ver se Madara estava falando a verdade, e assim que o queixo do outro caiu, ele percebeu a mentira deslavada de Madara.


-Olha Izuna, eu não sei como explicar isso pra você, aconteceu... foi um acidente, na verdade - falou Madara com nervosismo, ele insistia em ver Izuna como uma criança


-Somos noivos, Izuna - respondeu Hashirama, chegando no quarto, vestindo um roupão de Madara que estava no banheiro.


Hashirama ficou ao lado de Madara com um sorriso aberto, apoiando a mão nas costas de Madara, que o respondeu com um soco na cabeça e um grito estérico.


-Você tem problema, HASHIRAMA? Como você conta assim desse jeito? Ele é só uma criança! 


Enquanto Hashirama colocava a mão na cabeça sentindo a dor do soco, Izuna deu risada e apertou uma das bochechas de Madara e disse:


-Todo mundo já sabia que esse dia chegaria, todo mundo percebe a química entre vocês dois e... eu não sou criança, seu baka - disse Izuna com um sorriso - mas, imagino que não vai ser tão fácil contar ao Tobirama, nós sabemos que ele é bem áspero quando quer... 


-Aé... ainda bem o Tobirama, eu sempre me esqueço daquela pessoa, tão cheia de significado... - ironizou Madara, recebendo um olhar crítico de Hashirama.


-Eu aposto que Tobirama vai receber numa boa, semana passada mesmo ele estava me dizendo que eu deveria noivar logo - Respondeu Hashirama, com leveza na voz 


-Bom, vou deixar vocês se arrumar... não se esqueça que amanhã é o aniversário dele, não vai destruir o dia dele - disse Izuna, se afastando do quarto e fechando a porta, deixando apenas os dois homens sozinhos no cômodo.


Hashirama abraçou a cintura de Madara e ficou o encarando com um sorriso fino, admirando a beleza extraordinário que o Uchiha carregava. Um mistério no olhar juntamente com um ar sombrio, os olhos negros eram como abismos e encaram Hashirama desde da primeira vez, seduzindo e o chamando para afundar-se. 


-Eu não tenho medo de quase nada, Hashirama, mas temo que seu irmão complique nossa história - reclamou o Uchiha, alisando a pele do rosto moreno de Hashirama


-Ele só tem asco de você porque o seu clã matou muitos de nós, mas ele ainda não desenvolveu a capacidade de entender que o nosso clã fez o mesmo com o de vocês... e ele também tem um pouco de ciúmes porque eu sempre fui mais apegado a você do que a ele - Hashirama terminou de dizer, rindo um pouco.


-Que culpa eu tenho se sou mais divertido que ele? - provocou Madara, passando a ponta de sua língua no queixo de Hashirama. 


-Divertido eu não sei, mas delicioso, com certeza você é - Respondeu Hashirama, com um aperto forte na bunda de Madara, trazendo o quadril do mesmo para mais perto. 


-O que adianta ser delicioso, e não ter ninguém pra me devorar? - Madara disse desafiando a capacidade de Hashirama, que logo puxou seus cabelos da nuca.


-Engraçado, não foi isso que você disse ontem, aliás, ontem você gemeu igual uma putinha pra mim - respondeu Hashirama, com o maxilar trincado e olhar bem firme no rosto de Madara, assistindo o mesmo passar a língua nos lábios de uma maneira totalmente provocativa. 


-Você é Hashirama Senju, do clã do amor, todo fofinho e bonitinho... - Hashirama interrompeu a fala de Madara com um tapa em sua bunda, logo empurrando Madara para a cama.


-Você é uma putinha muito atrevida, Madara, mas não tem problema, eu vou te dar uma lição... - respondeu o Senju, tirando o cinto do seu roupão e amarrando nos pulsos de Madara, que não relutou.


Com o roupão aberto, mostrando a sua pele bronzeada e nua, Madara já sentiu água na boca quando viu o penis de Hashirama duro, mexendo-se para cima. Hashirama estava em pé na beira da cama e fez somente um sinal com a mão apontando para seu pau, uma ordem e Madara já entendeu.


-Chupe. 


O pau de Hashirama é grande e proposicional a sua altura, grosso como deve ser é tão delicioso quanto. Madara não podia usar as mãos, pois estavam atadas, então ficou de joelhos na beira da cama, submisso, começou a dar lambidas no membro, mas Hashirama estava com pressa hoje. 


Hashirama segurou os cabelos pretos com força e os puxou para trás, fazendo Madara o olhar nos olhos e então ele disse. 


-Faça um bom trabalho, putinha gostosa - ele disse, com a sua voz forte e rouca, com a mão em seu pau ele usou para bater levemente na bochecha de Madara, que não pensou duas vezes e engoliu-o, se afogando no começo. 


Hashirama gemeu rouco e sexy recebendo o boquete maravilhoso de Madara, enquanto admirava a bunda dele empinada. O Senju deixou as mãos nos cabelos de Madara, mas não forçou a sua cabeça, estava aproveitando aquilo que Madara podia lhe oferecer, que era extraordinariamente delicioso. O que fez Hashirama gozar na boca do Uchiha, que bebeu todo o seu leitinho enquanto o olhava com as bochechas coradas por conto do esforço que fizera. 


-Gostoso? Bom pra você? - perguntou Hashirama, com a respiração ofegante, sentindo os braços de Madara vim em seu pescoço, o puxando para um beijo gostoso. 


Hashirama pôde sentir o próprio gosto no beijo, e a forma vulgar que Madara o beijava só demonstrava o quanto Madara queria por mais, mas Hashirama se afastou, desatando os nós do cinto em seus pulsos.


-Eu vou tomar banho primeiro, aí depois você vai, vou rapidinho pra poder ir falar com Tobirama - Disse Hashirama e Madara o olhou sem entender


-Hashirama, eu to de pau duro e você aí falando de Tobirama? Vem cá - Madara se deitou na cama, abrindo seu robe e começando a se masturbar enquanto olhava para o noivo


-Bom, é que eu sou do clã do amor né, fofinho... que mais? Bonitinho... então, preciso resolver deveres do meu clã - respondeu Hashirama, cínico enquanto caminhava para o banheiro e Madara foi logo atrás, excitado e irritado.


-Tá bom, senhor pode tudo, você vai tomar banho e eu vou me masturbar bem do seu lado - Disse Madara com um sorriso vingativo, e logo se sentou na pia. 


Hashirama fingiu não se importar e deu de ombros, tirando o roupão e entrando no boxe, mas assim que os gemidos de Madara preencheram o local, Hashirama pediu aos céus para que aquele momento passasse logo, Madara era o demônio quando queria. 


O Uchiha gemeu o nome de Hashirama enquanto imaginava quicando no colo do mesmo, logo confidenciando em palavras tudo o que estava pensando.


-Eu to sentando tão gostoso no seu colo, Hashi... seu pau é tão grosso... você gosta de puxar o meu cabelo, não é...? 


Hashirama tinha que pensar em mil avôs para não se excitar, claramente ele não ia dar esse rosto ao Madara, mas não estava adiantando, aquilo era muito apelativo, Madara estava o enlouquecendo, até que o mesmo invadiu o boxe, admirando os músculos de Hashirama todo molhado. 


-Eu só quero que você me foda, forte e gostoso... é pedir muito? - provocou Madara, arranhando o peitoral de Hashirama que logo avançou para o corpo de Madara, o pegado no colo, prensando suas costas na parede, fazendo soltar uma risadinha provocativa, Madara sempre conseguia tudo o que queria.  


Hashirama enfiou seu pau fundo em Madara, todo de uma vez fazendo o gritar, pelo menos agora Madara não estava rindo, mas logo um sorriso travesso surgiu desafiando Hashirama, que começou a estocar com força, apertando os quadris com força... 




Depois de tomar um banho delicioso com Madara e de tomar café da manhã com os irmãos Uchiha, Hashirama decidiu ir para seu escritório, trabalhar um pouco e por fim, poder contar a Tobirama sobre seu noivado. 


Hashirama chegou no escritório com um sorriso de orelha a orelha, cativando seus funcionários que desejaram um bom dia a ele. Tobirama já estava dentro da sala quando Hashirama chegou, cumprimentando o irmão com um beijo nos cabelos e um sorriso, logo, Tobirama curioso perguntou o motivo de toda a alegria e Hashirama contou-lhe tudo.


-Hashirama, você está brincando comigo? Fala a verdade, fala que você não fez isso... - Falou Tobirama, de maneira firme como se estivesse se segurando para não surtar


-O que eu posso fazer, Tobi? Eu amo ele - disse Hashirama, com as mãos estendidas e o olhar preocupado, logo vendo seu irmão puxar os próprios cabelos 


-Você está arrastando o nome do nosso clã na lama, será que você não vê o que eu vejo? Primeiro, ele é doente mental, e outra, e aquele sharingan? Ele evolui com base no ódio que sente, e um dia, Hashirama, ele vai te odiar também, ele vai ser a ruína da nossa família e a culpa vai ser toda sua. - Gritou Tobirama, enlouquecido de raiva do irmão, que apenas encolheu os ombros e abaixou a cabeça ouvindo tudo 


-ele não é tão mal quanto você pensa, ele só... só é machucado - disse Hashirama, segurando o choro em sua garganta 


-E por acaso alguém te nomeou como mertiolate? Você é hokage, Hashirama, você tem noção de que se você escolher ficar com esse verme, você vai ter que abrir mão de ser hokage? É isso que você quer? 


-Não entendo... qual problema... por que eu teria que abrir mão? - perguntou Hashirama, puxando o ar pelo nariz diversas vezes, assistindo seu irmão andar de um lado para o outro, o rosto avermelhado e os olhos furiosos 


-Você não poderia se casar com uma mulher não-Uchiha, não é? Tinha que ser um homem Uchiha... as outras vilas não nos levarão a sério, não nos respeitarão e tudo o que você fez pra mudar esse mundo, vai ter sido em vão  


As palavras do irmão mais novo machucaram Hashirama de uma forma que ele nunca pensou que Tobirama seria capaz de fazê-lo, aquilo doeu como mil espadas em seu peito e o Senju mais velho chorou, se sentando na cadeira de seu escritório e deixando suas lágrimas pesadas caírem em meio a tanta papelada. 


-Quem diria, Hashirama, o deus shinobi... o único capaz de usar o mokuton com excelência... o homem que trouxe a união e a paz para o mundo... derrotado pelo coração, e mais uma vez caímos por conta daquele clã maldito - Disse Tobirama, saindo do escritório do hokage, estava cansado de ser a babá de Hashirama.


Tobirama não conseguia acreditar como alguém poderia amar um Uchiha, até se quer conviver civilizadamente parecia algo extremamente complicado para o prateado. Amanhã seria aniversário do Senju, e ele já sabia que seria um fiasco... Izuna e Madara em sua casa, Hashirama tratando Madara como se fosse da família, Izuna fazendo suas piadinhas como sempre, estressando Tobirama a ponto de querer arrancar a cabeça do Uchiha mais novo, mas não havia ninguém que ele odiava mais que Madara, desde sempre rodeando Hashirama para corrompê-lo e finalmente estava conseguindo, somente Hashirama não conseguia enxergar... 



Sábado, aniversário de Tobirama


O aniversário de Tobirama chegou e Madara já não queria mais ir, na noite seguinte não recebera a visita de Hashirama em sua casa, e com isso, já sabia que Tobirama não tinha recebido bem a notícia do noivado do irmão. 


-Você não quer ir mesmo, Madara? - Perguntou Izuna, já arrumado, na porta do quarto escuro de Madara.


Madara estava deitado no escuro, estava triste por Hashirama, carente e principalmente culpado... 


-Não... 


-Meu Deus, você tá parecendo uma menininha - Respondeu Izuna, com as mãos nos bolsos - mas eu já vou indo, Mada, fique bem, onii-chan...


Madara não o respondeu, e Izuna já estava acostumado com o comportamento e a personalidade de Madara, ele poderia ser bravo e forte quando fosse necessário, ele poderia ser vingativo quando fosse magoado, mas ele também poderia ser sensível quando está apaixonado. Mas Izuna tinha um plano, independentemente do que Tobirama usou de argumento contra o noivado de Hashirama, cairia por terra se esse plano desse certo. 


Bateu na porta de madeira clara da mansão Senju, e logo foi recebido por Tobirama, e viu o sorriso do mesmo murchar quando viu quem estava na porta, e Izuna logo estendeu a caixa quadrada com um laço roxo, o olhando  sorrindo.


-Escolhi a dedo, vai combinar com a cor dos seus cabelos - Disse Izuna quando Tobirama pegou a caixa, de fato, o Senju nem esperava presente, mas agradeceu mesmo assim


-Vou abrir quando estiver sozinho, pode entrar - Convidou Tobirama, dando permissão para que ele entrasse.


Haviam poucos convidados, a maioria eram do próprio clã, com poupas exceções. Izuna varreu o local à procura de Hashirama, mas viu que o mesmo não estava, o que o deixou com uma pulga atrás da orelha. Enquanto Izuna estava se servindo de chá quente, ouviu a voz de Tobirama ao seu lado.


-Estava querendo falar com o meu irmão? - perguntou, se servindo de chá também, e Izuna revirou os olhos, encostando seus quadris na mesa para poder o olhar 


-Ué, achei que  o aniversário era seu - respondeu com cinismo, e Tobirama o olhou desafiador 


-Não se finja de desentendido, Izuna, saiba que eu não vou permitir que Hashirama se case com o seu irmão - ele disse, com um cochicho para que os outros convidados não possam ouvir 


-Não entendo o que a vida deles interfere no seu bem estar, você fala como um mal amado - respondeu Izuna, arqueando a sobrancelha e apreciando o semblante irritado do maior.


Tobirama apertou os punhos e bateu a xícara na mesa, cruzando os braços para Izuna, que apenas sorriu e disse;


-Essa cara não me intimida em nada, aliás - Izuna fez uma careca olhando para Tobirama - Você deveria melhorar essa carranca, isso dá rugas, Senju 


-Sai da minha casa... - Expulsou Tobirama, chegando ao limite do seu estresse, e Izuna apenas terminou de beber e chá e se direcionou até a porta sozinho.


Claro que Tobirama não viu Izuna entrando em um dos quartos, claro, no meio de tantas gente na sala, ele não iria ver se alguém subisse as escadas. Izuna de primeira, entrou no quarto que ele julgou ser de Hashirama, tanto pela decoração quanto por algumas roupas penduradas na arara de madeira, estava vazio, Hashirama não estava no quarto. 


Ao lado, o quarto de Tobirama, claramente era do Senju mais novo, porque a sua armadura estava pendurada na parede como forma de decoração. Izuna sorriu vitorioso e entrou dentro do guarda-roupas de Tobirama, esperando o momento certo para atacar. 


Izuna estava quase desistindo do plano todo, não aguentava mais ficar de pé no escuro do guarda roupa, até que depois de aproximadamente 3 horas, Tobirama despediu-se de todos os seus convidados e entrou em seu quarto, trazendo consigo alguns presentes que ele estava ansioso para abrir, mas preferiu tomar um banho primeiro, começando a tirar suas roupas, mas Izuna não conseguia enxergar muito pela fresta do guarda-roupa. 


-Incrível como aquela praga me irrita... - Disse Tobirama para si mesmo, enquanto massageava as laterais de sua cabeça.


Sem suas roupas, Tobirama caminhou para o banheiro, onde tomou seu banho por alguns minutos, relaxando complemente com a água quente batendo em seus músculos. Logo, Tobirama sai do banheiro com uma toalha enrolada no quadril e outra secando seus cabelos. Se sentou na cama e o primeiro presente que quis abrir foi de Izuna, puxando o laço roxo e abrindo a caixa com delicadeza. Puxando a blusa azul clara do embrulho, nem reparou que atrás da blusa havia o símbolo do clã Uchiha, estava apenas admirando a frente por enquanto, Tobirama sentiu um cheiro doce e gostoso vindo da blusa, e logo a aproximou de suas narinas para apreciar o odor tão inebriante. 


Tobirama pareceu dopado quando se deitou na cama, deixando a blusa de lado juntamente com o pacote. Izuna viu a hora perfeita para sair de dentro do guarda roupa e subir em cima dos quadris de Tobirama, segurando o mesmo pelo pescoço, e por impulso, Tobirama segurou a cintura do Uchiha.


-O que você fez com o Hashirama? Onde ele está? - disse Izuna, com uma voz forte, intensificando um pouco o aperto da garganta do Senju 


-Aquele maldito... Madara... - resmungou Tobirama, um tanto atordoado demais para responder 


-Nossa, acho que eu exagerei no veneno... - Izuna disse, tirando as mãos do pescoço de Tobirama, agora frustado com o rumo que seu plano estava tomando 


-IZUNA O QUE? - gritou Tobirama de repente com os olhos arregalados e Izuna novamente grudou em seu pescoço 


-Para de gritar peste, quer chamar atenção? - Izuna reclamou, usando uma das mãos para pegar a blusa roxa de volta e esfregar no nariz do Senju, que logo desmaiou, sem mais.


Izuna ficou frustado, porque não era exatamente isso que ele tinha em mente, acabou esquecendo que Tobirama poderia gritar e não responder a sua pergunta, então apenas pulou para a parte dois do plano. Izuna carregou com dificuldade o corpo de Tobirama, era incrível como os músculos dele pensavam, mas logo chegaram na sala, onde Izuna jogou o corpo de Tobirama no sofá, respirando ofegante pelo peso que havia carregado. Mas Izuna relevou e de deitou em cima de Tobirama, que não havia tido a oportunidade de se vestir antes de ser envenenado. Para Izuna, estava sendo engraçado e bom demais para não ser aproveitado, sempre teve uma quedinha por Tobirama, mesmo o Senju sempre o tratando mal e sempre o afastando. 


Mas o real motivo para Izuna estar fazendo isso, era para que amanhã ele pudesse acusar Tobirama de ter transado com ele, para que assim, o Senju não pudesse julgar Hashirama.   



Notas Finais


Espero que gostem ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...