História A receita do amor - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Personagens Originais, Seungcheol "S.Coups", Soonyoung "Hoshi", Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Gyuboo, Jeongcheol, Junhao, Meanie, Seokboo, Seoksoo, Soonhoon, Verkwan
Visualizações 37
Palavras 2.890
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olaaaa, ai gente eu tô tão feliz com esse novo projetinho, da vontade de chorar de tão perfeito que tá, de verdade eu tô bastante feliz.

Além de quê dependendo da repercussão eu vou ser privilegiado de um certo modo aí :3, não sei explicar.

Enfim, pra quem não me conhece, meu nome é Jamerson, tenho 18 anos e esse é oficialmente o primeiro capítulo de ARDA(A receita do amor), nome clichê mas eu tentei pensar em outro kkkkkkkkk, já larguei na capa mesmo então pronto, boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo 1: Kyungdan


Fanfic / Fanfiction A receita do amor - Capítulo 1 - Capítulo 1: Kyungdan

Curtido por @HYeSun_19 e outras pessoas...


[•••]


A indústria da moda está crescendo e isso não é da boca pra fora, em todo o lado, a todo o instante tem alguém vestindo modelos em moda na cidade ou até mesmo falando sobre eles, não é de surpreender que o mercado está crescendo também, não vemos muitas pessoas por aí seguindo um padrão de moda, mas as que seguem eu sinto a vontade de abraçar e ser amigo, bom... Talvez não seja bem assim, mas você reflete o que vê não é?

Eu precisava me adequar aquele estilo de vida, eu amava a moda e ser privilegiado pelos pais para mim não era tão surpreendente, mas eu era, e vivo até hoje abaixo de riquezas, ainda assim escolhi a moda como base. Prazer, Boo Seungkwan, trabalhando temporariamente na maior empresa de moda e acessórios de toda a Seul, cartões dos pais estourados de tanta roupa e que só pagarei eles quando meus pais voltarem da viagem super romântica deles, até porquê além de gastar o meu dinheiro eu gasto o deles, rs.

Resumindo, eu amo minha vida por ser tão acessível, digamos assim.

Mas como todavia, uma diva sempre tem seus problemas e os meus não eram apenas os diversos não pagos. Tudo começou quando eu entrei no ensino médio, e infelizmente um garoto me fez perder todas as pregas possíveis, o nome dele? Lee Seokmin.

DK era seu apelido, ele sempre fazia de tudo por mim, ele era um dos populares, e eu é claro, a diva do colégio. Ou o quê? Você esperava que eu falasse nerd? Só rindo mesmo. De fato eu chegava a ser o mais inteligente da turma, mas nunca deixei que os outros me dissessem o que vem da cabeça e sai pela boca, eu conseguia manter minha feição calma e forte, além de ser considerado o ''riquinho" do colégio. Então não demorou muito para que eu, Boo Seungkwan me tornasse a pessoa mais conhecida de todo o colégio, me tornei um dos populares e por um acaso me esbarrei em DK, um moreno de olhos perfeitamente delineados, lábios finos e uma pinta de galã de dar inveja. DK era definitivamente o homem mais charmoso e atraente de todo o campus, ele era lindo e era tudo o que eu sempre quis, ele era meu.

Por um tempo indeterminado, como azar, nada do que construímos era real, ao menos para ele que naquele final de tarde terminou comigo na frente de todo o colégio, me humilhando e dizendo todas as coisas horríveis que eu nunca imaginei que fosse ir a tona, minha fama foi destruída e meu coração despedaçado quando este ditou que tudo era uma aposta.

Aquilo de certa forma me traumatizou no ensino médio e felizmente como uma pessoa forte e decadente de dinheiro, eu superei! Um pouco.

— Levanta a coroa princesa porquê se não a cabeça vai cair.

Era só o que me faltava, esse demônio em forma de boneco plastificado e cabelos loiros falando comigo como se fossemos íntimos, credo.

— Bom dia ranço – gente, eu juro que tento entender meu ódio por esse garoto, mas ele é tão insuportável.

— Bom dia antipático.

— Você já experimentou ir para o inferno hoje?

— Já é bem frequentado por você né Kwannie – Jeonghan respondeu e eu só faltei pular em cima dele, mas das últimas vezes que aconteceu isso eu me ferrei bonito quebrando minha unha, além de ter apanhado feio, então next.

Ai que saco, se eu tivesse um botão de deletar uma pessoa na face da Terra eu teria deletado o indivíduo que deu a luz a esse garoto, se bem que deve ser melhor do que esse lixo. Parei.

No fundo ele era a graça daquele lugar, ele iria em todo o lugar, era sociável, fazia palhaçadas, mas como eu sou muito orgulhoso para admitir, next de novo.

Depois de um tempo finalmente o infeliz foi embora e eu pude voltar aos meus delírios matinais em paz, não durou muito né já que todos começaram a ir para as suas posições, consequentemente me fazendo correr para a minha também. Ah sim, talvez seja de surpreender que eu fico muito bem nas câmeras, incrível, uma verdadeira beldade.

Ou pelo menos segurando elas. Sim, eu sou fotógrafo da look's the here. Ah mas Seungkwan como você conseguiu esse estágio se você não gosta de fotografia? A resposta é, nem eu sei, ou talvez saiba e não queira contar. No momento é confidencial tá delírios? Vou chamar de delírios.

— Todos prontos? – o produtor de imagem dizia.

— Todos menos o modelo né – disse sem paciência.

O modelo era o mesmo de sempre, não sei o quê lá Junhui, era indescritível como esse garoto era um lerdo flutuante. Meu Deus imagina um cérebro com um Q.I -1, agora diminui 4000 vezes (eu sequer sei se existe isso e tô falando do garoto), sinônimo da lerdeza, além de ser um doido de carteirinha.

Não sei como ele conseguiu chegar aqui pra ser sincero, garoto burro. Neste exato momento ele estava bem preocupado em mexer no celular e não na quantidade de pessoas que estavam esperando ele acordar.

Foi então que um anjo chamou a atenção dele e ele sorriu pedindo desculpas, revirei os olhos, quem aguenta essa forcação meu pai?

— Ninguém aqui vai desculpar não, já é a quinta vez que isso acontece, ninguém aguenta mais – pronto, Jeonghan falou tudo o que todos sentiam só que de um jeito mais exagerado, aquele garoto era tão exagerado meu Deus.

— Mas o quê? – e então se iniciou uma discussão.

Eu juro que tento não deixar evidente meu ódio por aqueles malucos. Mas como vou levar a sério um loiro oxigenado surtado e uma Nazaré Tedesco sonsa? Ai delírios só vocês para me entenderem.

— Hoje...

Eu ia surtar se aqueles dois continuassem gritando, então eu fui fazer o que eu sei de melhor, desenhar vestidos, afinal aquele dia seria longo.


[•••]


Terminei mais um dia longo de fotografia, uau que chocante.

No começo eu não sabia tirar fotos, mas com o tempo fui aprendendo com um professor muito gato por sinal, o nome dele era Choi Seungcheol, eu nunca dei tanto flerte a alguém como dava para aquele homem, pena que ele nunca se tocava. Era um saco, mas eu fazia de tudo para ficar o mais próximo daquela empresa, ficar próximo da indústria da moda, mas meu pai não tinha dinheiro o suficiente para compra-la, então...

Caminhei até a saída preparado para mais um sermão por chegar tão tarde em casa, quando alguém parou na frente da porta. Era Jihoon, um baixinho assustador e que fazia parte da produção do cenário. Aquele garoto era macabro.

— O diretor vai falar, aconselho você a ficar – ele disse me olhando com aquela cara de criança psicopata.

Tá, eu nunca ficava para essas palavras finais porquê sempre era a mesma coisa clichêzão, mas se ele está pedindo eu faço sem nem pensar duas vezes. Ai vou dropar o emprego um dia.

Brincadeira.

— Enfim pessoal, como todos estão cientes com a reunião da semana passada – que eu fiz questão de ir embora – vamos ter o concurso para recrutar novos talentos, novos projetos, estilistas, novatos no mundo da moda, tudo para que nossa empresa cresça ainda mais de prodígios, e eu estou abrindo uma grande excessão para vocês estagiários que sonham em ingressar aqui como modelos, estilistas e etc. É o seguinte, passarei as instruções tudo para um papel que se agravará na porta do closet para que possam dar uma olhada e vou dizer sem repetir as mesmas, prestem atenção.

Meu coração só faltou sair pela boca de tão saltitante, aquela oportunidade era incrível, meu Deus imagina!

Eu, Boo Seungkwan o mais novo estilista prodígio da Look's the here, a maior empresa de moda de toda a Seul se não do mundo, eu tô-

Eu não chegava a acreditar naquilo, parecia que realmente os meus sonhos fossem se realizar, eu fiquei feliz, emocionado, depois de muito tempo eu...

— São poucos os que irão ingressar na nossa empresa, são vagas limitadas e por isso resolvemos fazer uma competição, atenção – fiquei atento a tudo, fiz questão de abrir o bloco de notas e começar anotar até o "atenção" que ele falou – vocês terão que repaginar uma pessoa...

Pera, quê? Eu sou a própria perfeição como não conseguiria repaginar outra perfeição. Vai ser lucro.

— Só que, essa pessoa vai ter que ser um desconhecido ou uma desconhecida completamente fora dos padrões coreanos. A pessoa que será montada terá que estar totalmente vestido diferente da maioria de nós, modelos de verdade e além dos traços humildes que terão que ser repaginados também – mãezinha me ajuda – vocês terão que fazer esse relatório de antes e depois, dentro de um roteiro onde contaram a trajetória de tudo o que se passou até o resultado final, e também irão trazer no dia dado o resultado para um desfile de moda, onde todos os repaginados irão desfilar com os seus estilistas ou modelos e dizer como foi participar do projeto, a convivência e tudo mais.

Ah não, eles acham que eu sou o quê? O esquadrão da moda? Bufei alto chamando a atenção de Jeonghan que eu podia jurar que ouvi falar besteiras sobre mim, esse garoto deveria se orientar antes que eu faça uma barbaridade.

A quem eu vou enganar não é? Só apanho nessa vida.

— Serão divididos em nota os relatórios entre cem a mil pontos e os três melhores serão destinados a área em que querem para enfim serem as novas caras, os novos prodígios da nossa empresa. Eu espero que vocês aproveitem, curtam esse projeto, porquê deu bastante trabalho para pensar o que faríamos e como eu sempre digo, que vença o melhor, já tenho meus favoritos.

No final todos aplaudiram enquanto ele terminava de falar provavelmente loucos para ir embora, não julgo porquê eu queria fazer isso desde que comecei o estágio de fotógrafo.

Esse homem é tão ridículo cara, como se alguém ligasse que ele fosse babar o ovo do Jeonghan, inclusive ele está fazendo isso agora.

Rapidamente corri até o mural na porta do closet enorme e olhei a duração do projeto, logo depois saí correndo antes que fizessem uma multidão a minha volta.

Bom, o que sabia a mais era que tínhamos um mês para repaginar uma pessoa, e eu já estava desesperado por 3 motivos:

• Eu nunca repaginei ninguém, todos que eu conheci eram de muito estilos;

• Eu não conheço ninguém que seja ridiculamente podre em moda;

• Era mais difícil convencer do que achar uma pessoa que submeta a isso.

Bom, no fundo eu não vou estar pedindo, vou estar fazendo um favor, porquê imagina que horror é vestir roupas fora de moda e ainda por cima se sentir bem com isso? Credo.

Ai delírios, só quem viveu sabe o que é ser modafóbico.


[•••]


As notificações não paravam sequer um segundo de chegar e eu precisava de um momento em paz com meu interior, eu queria tanto pensar em alguma coisa, no que fazer, como agir, então eu fiz o que eu sempre faço em momentos de desespero: comer.

Eu não frequentava muito restaurantes por achar algo as vezes bem antihigiênico, mas eu ainda estava muito longe de casa e virei a esquina que dava diretamente a uma rua onde só existiam restaurantes com bastante pessoas andando por ela, eu também achava loucura aquele monte de gente só em uma rua. Eles não tinham mais o que fazer não? Eu em.

Nenhum restaurante ali parecia me chamar atenção, nada muito peculiar. Até que de repente eu senti um cheiro característico delicioso e que me deixou com o paladar atiçado, tinha cheiro de comida tailandesa misturado com chinesa, interessante. Segui o cheiro como nos desenhos onde o aroma de faz levitar e te leva até o lugar, era incrível como isso funcionava tão bem na realidade, tirando a parte do levitar.

Foi então que eu dei de cara com uma estrutura simpática e bastante bonita, como o auge do investimento, era de fora a dentro inteiramente bonita e dava para perceber só olhando através das janelas.

— Por favor, entre e conheça nossas especialidades – disse o homem alto e bastante bonito, com um cardápio na mão. Se o resto dos garçons forem assim também eu vou estar no céu.

Com prazer lindo, rs.

— Obrigado – disse sorrindo quando ele abriu a porta pra mim, cavalheiro.

Sentei na primeira cadeira que vi e comecei a mexer os dedos no cardápio, era surpreendente o que eles cozinhavam ali, tinha comidas que eu reconhecia muito bem, Hyerin a cozinheira da família sempre fazia os melhores pratos.

— Já posso anotar o seu pedido, senhor... – outro garçom apareceu, ainda mais bonito que o de antes. O que só concluiu minha teoria, era um paraíso.

Fiquei babando na beleza daquele homem que nem me toquei quando o mesmo esperava que eu falasse o meu nome.

Seu kwan, q-quer dizer, Seungkwan, Boo Seungkwan – mas se você quiser eu posso ser seu mesmo.

Eu sou um tapado mesmo meu pai, desculpa delírios, mas ele era muito lindo, as paletas de cores daquele uniforme ficavam tão bem nele. Ele tinha seu tom de pele característico, perfeito demais.

— Bom, o que vai pedir? – sorriu.

Seu corpo nu, pra viagem por favor.

— Eu vou querer uma porção de Kyungdan, agradeço desde já se poder avisar ao chef ser um pouco mais rápido, odeio demora – ele anotou tudo rapidamente e fez que sim com a cabeça antes de se ausentar.

Comecei a mexer no celular aleatoriamente e respondendo algumas notificações por uns 10 minutos, não demorou muito e eu larguei o celular ao ver o bonitão voltar. E foi aí que eu pensei, por quê não né?

— Desculpa a pergunta, mas eu tenho que fazer isso ou se não vai ser impossível realizar o sonho da minha vida monótona e sem graça sem ele – ele ouviu tudo com atenção já fazendo uma carinha confusa, era tão lindo, mas tão lerdo – você tem senso de moda?

Acho impossível já que ele é um Deus grego.

Ele parou para pensar e voltou a sua faceta normal como se tivesse entendido. Meu Deus que ódio ele é muito lindo.

— Tenho, eu acho, quer dizer, eu passo a maioria do tempo em casa com minha família, as vezes sempre de terno, não sei descrever meus gostos – assenti e agradeci logo depois, enquanto ele falava eu concordava e encarava a refeição já na mesa e enfim acabei descobrindo que seu nome era Kim Mingyu.

Você deve estar pensando? Seungkwan isso não é refeição, eu sei, eu faço isso, acabo digerindo muita besteira, mas não tô nem aí. Afinal isso é o que me deu vontade na hora taok? Não me julguem, vocês são só delírios.

Ele saiu e eu me rebaixei comendo o primeiro Kyungddan com indiferença, o que mudou completamente porquê eu senti o gosto dos céus, era tão bom.

A substância, o sabor, o recheio de mel indescritível, não consegui parar de comer. Eu achei perfeito demais, não só o local, o garçom e principalmente a comida. Com certeza viria aqui mais vezes, ou não.

Eu não gosto de andar em civilização. Podem me julgar agora.

Tirei uma foto do prato e postei no meu Instagram de receitas, eu amava todo o tipo de receita nova e nunca conseguia reproduzir, eu sequer sei cozinhar. Eu necessito de alguém que cozinhe assim.

Estava tudo ok, eu estava feliz em comer porcaria e ainda mandei pra minha mãe, ela vai surtar de vez. Mas de repente, espantando todos que estavam no restaurante – na verdade estava quase vazio, o que é inacreditável porquê aquele lugar era resumidamente agradável –, um barulho de pratos e bandejas caindo no chão, eu reconhecia bem aqueles sons, eu sempre derrubava tudo quando ia cozinhar, fiquei chocado porquê praticamente a pessoa que derrubou tudo estava atrás do balcão enorme.

E como eu estava mais próximo, me levantei um pouco assustado com o que aconteceu e me aproximei da bancada olhando para baixo dela, vendo várias porções daquilo que eu comi aos poucos, pratos de porcelana estraçalhados no chão e uma bandeja de cor dourada brilhante também decaída.

— Olá? – disse receoso.

Arregalei os olhos porquê debaixo daquilo tudo tinha uma pessoa mais espantada que eu. Me aproximei rapidamente dando a volta na bancada e alcancei o chão com os joelhos encarando a pessoa desnorteada.

— Você está bem? Meu Deus... – tentei tirar os pedaços quebradiços de cima do seu avental e percebi que havia um chapéu enorme no chão, revelando assim os cabelos platinados do homem a minha frente, cabelos estes que cobriam o corte próximo a sobrancelha quase tapando se não fosse a gota de sangue que escorria sobre a costeleta, os seus lábios levemente abertos com outro corte mais vermelho que os mesmos. E os seus olhos, olhos negros quase tapados também pelos cabelos.

— A-ah... E-eu – no mesmo momento em que este olhou de relance pro seu chapéu percebi que era o chefe da cozinha.

— Você está bem? – encarei o outro nos olhos antes de piscar várias vezes e balançar as mãos em frente ao seu rosto, e então... Desmaiou.

Olha delírios, não sei se estou no céu ou no inferno.


Notas Finais


Provavelmente no céu pq o Hansol é mto lindo poxa...

Gente os capítulos vão ser divididos entre P.O.V Seungkwan e P.O.V Hansol. Ou seja, capítulo que vem já é o Hansol narrando. Mais pra frente vocês saberão mais sobre os pais do Seungkwan e aqui vai algumas informações caso alguém não tenha entendido:

Kyungdan - é um doce coreano bastante famoso

Next = próximo (referência a thank you, next).

[•••] = quebra de tempo.

E então? Tá meio confuso? Da pra entender um pouco? O que acharam desse encontro icônico? Quero saber rs

OI RAINAARAAAAAA! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...