1. Spirit Fanfics >
  2. A Ressurreição Jedi >
  3. Isso me dá muita esperança...

História A Ressurreição Jedi - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


Apertem os cintos que esse vai ser difícil...

Capítulo 33 - Isso me dá muita esperança...


Fanfic / Fanfiction A Ressurreição Jedi - Capítulo 33 - Isso me dá muita esperança...

- Rey? Ben? Estão na escuta? - A voz de Poe saía de um comunicador.

- Estamos sim. - Ben respondeu. Os dois estavam deitados na cama. Ainda eram seis horas da manhã mas eles já estavam acordados pelo simples fato de hoje ser o fatídico dia: o dia que Finn prometeu que apareceria… sim, os anos haviam passado e assim eles já estavam diante de seu grande drama: o reaparecimento de seu antigo aprendiz… e o fato de Poe está entrando em contato com eles tão cedo só podia significar que ele daria as caras, se é que já não tinha dado…

- Acho que vocês já sabem por que eu estou ligando… - Poe falou. Rey e Ben se entreolharam apreensivos.

- Sabemos… - Ben falou.

- Pois podem aparecer… e não demorem - Poe falou meio apreensivo. - Ele está aqui, na sede do governo em Coruscant… e disse que vocês têm uma hora ou...  - Poe não terminou de falar, a voz de Finn foi ouvida claramente:

- Ou eu mato esse meu ex-marido insignificante junto com todo mundo que está por aqui. - E desligou o comunicador. Rey e Ben pularam da cama na mesma hora, os dois correram para trocar de roupa e em menos de dez minutos já estavam na sala de estar. Para a surpresa dos dois, seus três filhos estavam lá também: Anakin no auge de seus 22 anos de idade, ele estava sentado no meio das duas irmãs, Ahsoka e Padmé, adolescentes de quatorze anos. Em poucas palavras eles falaram para onde estavam indo e o porquê.

- A gente vai também. - Ahsoka falou se levantando do sofá rapidamente.

- Mas de jeito nenhum! - Ben falou meio irritado. - Ele prometeu matar todos os Solo, isso inclui vocês três! Vocês vão ficar aqui quietinhos onde tem escolta.

- Mas pai… - Padmé falou hesitante. - Para que foram esses quatro anos então? A gente treinou todos os dias, às vezes do café da manhã até a hora do jantar… se não era para preparar a gente, para que foi?

- Meninas… - Rey falou tentando se acalmar. - Vocês precisam ficar aqui e… - ela não queria falar, mas tinha que dizer: - proteger seu irmão… - Isso era verdade, dos três, Anakin corria mais perigo que as duas e necessitava de proteção jedi.

- Eu não quero saber de nenhum de vocês por lá… - Ben falou. Acima de tudo, ele e Rey sabiam que Padmé não tinha desistido do sonho venenoso de conhecer tudo sobre a Força e ‘ser que nem Kylo Ren’, mesmo que ela não falasse mais disso… e essa era uma oportunidade dela tornar-se algo que não deveria, era preciso mantê-la longe disso a todo custo. Padmé tinha conflitos internos demais para o próprio bem dela.

- Nós estamos indo… - Rey falou. - Rezem por nós. - E com isso, eles partiram… ao chegarem no local, notaram algo bem estranho: não havia ninguém, nem segurança, nem pessoas trabalhando nos andares inferiores… mas eles sentiram Finn, quase no topo do edifício. Os dois se entreolharam novamente na porta, fizeram que sim com a cabeça e ligaram seus sabres de luz (Rey ligou apenas uma das pontas) e seguiram até os últimos andares.

Ao chegarem no antepenúltimo andar, eles sabiam que era ali que seu inimigo se encontrava… eles respiraram fundo, segurando com firmeza seus sabres de luz… abriram a porta e deram de casa com uma cena que não queriam ver: Finn estava no fundo de uma grande sala praticamente sem mobília. Ele encontrava-se sentado numa espécie de poltrona, como se fosse o rei do lugar, com um sorriso muito cínico nos lábios. Havia ainda atrás dele uma escadaria dupla semicircular (uma escada de um lado e outra de outro) com uma balaustrada no topo que levava a um andar superior. Os dois entraram empunhando seus sabres de luz e olhando-o de maneira desafiadora. Então notaram que Finn estava sozinho na sala, onde estava Poe?

- Finn… - Rey falou séria, ainda distante dele. - Onde está o Poe?

- Primeiro, jedizinha de merda. - Finn falou. - Meu nome é Msilefros Nosliah… Finn não existe mais… e cá entre nós, nem era para um dia ter existido...

- Sabe quem também falava que Ben Solo não existia mais? - Ben perguntou. - Kylo Ren… e eu não estava morto afinal… apenas adormecido… - Rey e Ben puderam sentir a irritação de Finn ao ouvir isso através da Força. Ele com certeza não queria ouvir falar em voltar a ser Finn.

- Se você fosse inteligente o suficiente, - Finn falou - teria se mantido Kylo e matado essa daí quando teve oportunidade, e olha que não foram poucas… pobre Ren, cego pelo amor... - ele olhou para Rey.

- Chega de conversa mole, cadê o Poe? - Rey perguntou novamente. Finn levantou sua mão e apontou-a em direção a um armário oculto na parede à sua esquerda, direita de Rey e Ben. Usando a Força, ele abriu o armário e de lá caiu Poe direto no chão, amarrado e amordaçado.

- POE! - Ben gritou e tentou se aproximar dele, mas Finn gritou:

- PARE! - Ben e Rey olharam para ele. - Ele está vivinho como eu prometi, apenas tirando um belo cochilo. Não se aproximem dele, seus problemas são comigo… - Com isso Finn se levantou da cadeira. Ele sacou seu sabre de luz de dentro de sua roupa… Rey e Ben reconheceram o design do cabo, mais comprido normal para um sabre de uma lâmina só (NOTA DA AUTORA: semelhante a um dos sabres de Ahsoka Tano em REBELS), o mesmo sabre que ele havia construído sob instrução dos dois, anos atrás… e Finn o ligou, mostrando a lâmina vermelha, o sangue que o cristal kyber derramava de tristeza por estar sendo usado pelo lado sombrio… ele se aproximou dos seus dois ex-mestres, que se posicionaram com sabres em modo de combate.

- Você não vai escapar dessa vez… Finn… - Rey falou pronunciando o nome FINN bem lentamente, mostrando que ela não aceitava o novo nome do ex-aprendiz. (NOTA DA AUTORA: quem reconhecer esse duelo a seguir, por favor, fale kkkkkkkkk). Os dois avançaram para cima de Finn, que recuava andando de costas todos os ataques proferidos pelos jedi. Ben avançou, ficando do outro lado de Finn, deixando-o no meio dos dois. Finn girava 360º para se defender dos ataques de ambos vindo de lados opostos. Os três deram uma mínima pausa na luta, na qual Finn falou:

- Eu tenho aguardando ansioso por isso.

- Meus poderes se duplicaram desde o nosso último encontro. - Ben respondeu provocando-o. O que não era mentira: ele, Rey e as meninas tinham treinado até quase a exaustão nesses últimos quatro anos. 

- Ótimo. - Finn respondeu sorrindo cínico. - O dobro do orgulho, duplica a queda. - Rey então avançou para ele, seguida por Ben. Finn continuava defendendo-se e andando para trás, até que os três chocaram seus sabres no alto. Rey acabou avançando novamente, se colocando entre Ben e Finn, o que deu uma brecha para Finn empurrá-la para longe usando a Força. Ben avançou até ele então, indo em direção a escada do lado direito. Finn começou a subir a escada, rodopiando e se defendendo dos ataques de Ben, que subia também, sempre atacando-o. Quando estavam no meio da escada, Rey se levantou e foi em direção aos dois, subindo pela escada do lado esquerdo, chegando ao topo quando Ben e Finn já estavam duelando lá, acertando-o pelo flanco esquerdo enquanto Ben o acertava pelo flanco direito. Ainda assim, Finn se defendia bem. Ficando de frente para Rey, Finn deu um chute para trás acertando Ben em cheio na barriga e arremessando-o enquanto fazia Rey levitar com a Força e tentava enganá-la apertando-lhe o pescoço, arremessou-a lá embaixo em seguida e usando a Força para uma tubulação cair em cima de suas pernas. Rey estava visivelmente inconsciente. Ben, caído no chão, mas olhando para Finn, ficou furioso ao ver aquilo… ele se levantou e chegou em Finn chutando-o com força e fazendo-o cair no andar inferior. Com uma acrobacia, ele também se dirigiu ao andar inferior, caindo em pé em frente a Finn que já estava em posição de combate novamente. Os dois continuaram a lutar até que Finn falou enquanto os dois mantinham os sabres um contra o outro: - Eu sinto um grande medo em você, Ben. Você tem raiva, você tem ódio, mas não sabe usar isso em seu favor… - Eles se livraram do embate, Finn recuou e Ben foi em direção a ele com tudo, Finn sempre andando para trás e se defendendo dos ataques de Ben. (NOTA DA AUTORA: ok, as referências acabam aqui kkkkkkkkkk alguém reconheceu o duelo?) Mas Finn notou que suas palavras haviam desconcentrado Ben… isso poderia ser uma grande vantagem… com um milésimo segundo de vantagem, ele arrancou o sabre de Ben da mão dele, o empurrou no chão com a Força e estava pronto para dar o golpe final, ele ia decapitá-lo com os dois sabres quando sentiu alguém lhe empurrando com a Força e gritando:

- PARE! - Finn foi arremessado no andar superior com o empurrão. Ben se levantou reconhecendo aquela voz e não acreditando que era ela mas não deu outra: ele olhou para onde Rey ainda estava caída, ajoelhada tirando-a debaixo dos escombros encontrava-se Padmé e (agora) ao seu lado encontrava-se Ahsoka, empunhando seu sabre de luz azul na mão direita e com a esquerda erguida, a mão que ela havia usado para empurrar Finn. O ex-stormtrooper se levantou lá em cima e falou:

- Ora, ora, ora… então são duas menininhas idênticas… - Ben olhou para Ahsoka e disse:

- O que vocês estão fazendo aqui???? Cadê o Ani???? - Ahsoka não tirava os olhos de Finn, Ben olhou para Padmé e Rey novamente: a menina já havia tirado a mãe de debaixo dos escombros e Rey já tinha recuperado os sentidos, mas ainda não tinha condições de lutar.

- Pai… - Ahsoka falou séria ainda encarando Finn. - Não é hora de conversa agora… - E a menina estava certa: Finn desceu do andar superior com o mesmo tipo de acrobacia que Ben havia feito anteriormente e disse:

- Ora, eu sinto muitas dúvidas naquela jovem ali sentada com a Rey… - Padmé encarou Finn. Será que era ele, dentre todas as pessoas, que iria lhe tirar suas dúvidas?

- Não se aproxime dela! - Ben apontou seu sabre para Finn, sendo seguido por Ahsoka, que fez o mesmo. Padmé se levantou do chão, deixando Rey sentada. Ela ligou seu sabre de luz idêntico ao de sua irmã gêmea (NOTA DA AUTORA: os delas são EXATAMENTE iguais aos de obi-wan) e se aproximou do pai e de Ahsoka, ficando no meio dos dois.

- Eu não tenho nada que ouvir algo que venha de você. - Ela falou. Mas Finn sentiu ainda mais dúvidas dentro dela… Finn apontou seu sabre para os três e disse:

- Você procura respostas… respostas que ninguém te deu… mas eu posso te dar… - Em movimentos bastante rápidos, ele desligou seu próprio sabre de luz e o deixou cair no chão e empurrou Ben e Ahsoka com a Força, fazendo-os cair um de cada lado de Rey, que ainda nem conseguia levantar, semi-inconsciente, meio que nocauteando os dois também. Finn aproximou-se ainda mais de Padmé, ela tremia de raiva mas não abaixava o sabre  e então, ao lado dela ele, ignorando o sabre dela, disse: - Ora… você quer saber quem é Kylo Ren… e quer conhecer os caminhos da Força que ele conhecia… que moça curiosa… a curiosidade não é uma virtude jedi...

- Você não tem minhas respostas. - Padmé falou, mas havia dúvidas dentro dela quanto as próprias palavras. Ela estava paralisada… Finn recolheu o sabre de luz dela e Rey gritou:

- PARE! DEIXA ELA EM PAZ! - Finn olhou para a antiga amiga e disse:

- Que vergonha, Rey, você nunca contou para ela sobre Kylo Ren? Eu esperava mais de alguém que o enfrentou tantas vezes...

- É mentira! Minha mãe não sabe nada sobre isso. - Padmé falou com raiva. Mas agora ela se encontrava desarmada e com medo ao lado de Finn, tendo apenas sua mãe consciente, mas sem condições de lutar, ao seu lado. E então todos sentiram: alguém muito poderoso se aproximava. Alguém muito mais forte na Força que todos eles presentes ali… antes de poderem vê-lo, Finn foi atingido por um sabre de luz verde arremessado que perfurou-lhe o braço esquerdo e quase o decepou. Uma pessoa alta envolta de uma capa negra com capuz entrou e falou numa voz muito conhecida:

- Eu não vou errar o próximo, se afasta dela… - a pessoa ligou então com a mão esquerda um sabre de luz azul e convocou o verde com a Força, tirando-o do braço de Finn e pegando-o com a mão direita. Ele ficou ao lado de Rey e tirou o capuz e aquele rosto… aquele rosto tão amado por Rey, ela não podia acreditar que estava olhando para ele, mas o susto foi tão grande que primeiramente Padmé que o chamou:

- Ani? - Não podia ser, o seu irmão não era sensitivo à Força… e então Rey e Padmé reconheceram aqueles sabres como os reservas que ela e Ben mantinham em casa… o que estava acontecendo?

- Eu explico depois… - ele sorriu para a mãe com carinho, que sorriu de volta para ele, Padmé também sorria olhando para os dois, mas foi um erro: Finn fez Padmé desmaiar usando a Força (NOTA DA AUTORA: estilo kylo fez com rey em TFA), puxou-a com sua mão boa e pulou uma janela próxima com a menina. Anakin correu até lá deixando sua capa preta no chão (NOTA DA AUTORA: estilo anakin no episódio 3) e foi até a janela, mas era tarde: Finn e Padmé haviam aterrissado numa nave que estava estrategicamente estacionada abaixo da janela e já iam longe quando ele chegou e viu o horizonte de Coruscant… Anakin virou para Rey e disse: - Eles sumiram…

- Não se preocupe Ani… - Ela falou, mesmo estando mais preocupada que nunca… mas a Força a dizia que Finn não queria matar sua filha, que risco de vida ela não corria… como ela sabia disso, não havia como saber, Rey apenas sabia que Padmé não morreria e, por ora, isso era suficiente. Ani correu para ela e a ajudou a ficar de pé, juntos eles acordaram Ahsoka e Ben e desamarraram Poe, acordando-o também. Todos se sentaram no chão daquela sala enorme contaram seus pedaços da história para montar o quebra-cabeça do que havia acontecido. Poe falou que conseguiu negociar para mandar todos os funcionários embora, ficando só ele e os outros lhe contaram o resto até que...

- Mas Ani… - Ben falou enquanto enxugava lágrimas de seus olhos… seus pensamentos não saiam de Padmé, raptada contra sua própria vontade… mas como Rey ele sabia sem saber como que ela não corria risco de vida. - Como você aprendeu a usar a Força? Isso não faz sentido... - Anakin olhou para Ahsoka e disse:

- Primeiro você conta o que você e a Padmé fizeram comigo… - Ahsoka corou, olhou para baixo e também enxugou algumas lágrimas. Todos choravam a captura de Padmé… e esperavam poder vê-la novamente logo.

- Assim que vocês saíram do apartamento. - Ela falou com a voz embargada. - Eu falei que tínhamos que ir ajudar, Anakin disse que não, que tínhamos que ficar ali já que era a vontade de vocês dois… Padmé fez o que o Finn fez com ela, só que com Ani… a gente deixou ele dormindo no sofá da sala e saímos correndo para cá…

- Ok… - Poe falou. Havia um peso enorme dentro dele… a filha de seus amigos… podia estar morta agora embora todos, menos ele, a sentiam bem viva ainda na Força. - E como você chegou aqui, Anakin? E como consegue controlar a Força agora?

 

FLASHBACK

 

As meninas fecharam a porta do apartamento e Anakin sentiu-se despertar contra a sua vontade. Ele abriu os olhos, sentou-se no sofá e viu uma figura translúcida e azulada olhando-o. Era um jovem, devia ter mais ou menos a idade dele, mas era ligeiramente mais baixo, tinha uma pele mais bronzeada e cabelos louros e ele se vestia de preto.

- O que é isso? Quem é você? - Anakin perguntou. Ele nunca havia visto nada assim antes.

- Eu me chamo Anakin Skywalker. - A figura falou sorrindo.

- Mentira, eu sou Anakin. - Ani falou. Que absurdo era aquele? Ele devia estar ainda sonhando…

- Seu verdadeiro eu despertou, Ani… - a figura falou. - Você sabe quem eu sou. Seu nome é em minha homenagem…

- Você é meu bisavô? - Anakin perguntou assustado. A figura fez que sim com a cabeça. - É impossível, você é um fantasma da Força! Eu não sou sensitivo à Força, eu não posso estar vendo você!

- Feche os olhos e sinta, Anakin… - O antigo Escolhido falou e assim o jovem Solo fez enquanto ouvia: - Ao escolherem esse nome para você, seus pais o marcaram sem saber. Eles o marcaram como o Novo Escolhido, como eu fui um dia… você deverá trazer o equilíbrio à Força, como eu fiz, como sua mãe fez, só que dessa vez de uma vez por todas… seus poderes ficaram adormecidos para serem acordados na hora certa… e agora é a hora certa… eles são maiores do que quaisquer outros já vistos: do que os meus, do que os do meu mestre, do que os de seus pais, do que os da sua avó, os do avô de sua mãe… você é quase a Força personificada.

- Eu sinto… - Anakin falou. - Um equilíbrio...

- Agora use-o. - O bisavô falou. Anakin estendeu os braços e até ele vieram os sabres de luz reservas e a capa com capuz preta que se vestiu nele sozinho (NOTA DA AUTORA: inspirado na cena de vingadores ultimato que o thor convoca suas armas assim). Ele abriu os olhos e ouviu: - Agora vá, e salve nossa família… como eu não pude fazer… - E o fantasma sumiu. Anakin se levantou e saiu correndo porta do apartamento afora.

 

FIM DO FLASHBACK

 

Todos sorriam para ele. Era um sorriso triste pela situação e meio molhado de lágrimas, mas era um sorriso… a ausência de poderes nele estava explicada agora... algo que seus pais nunca haviam entendido, mesmo que não se importassem desde que ele fosse feliz e saudável, mas agora entendiam. Anakin olhou para o chão e disse:

- Alguma coisa dentro de mim. Ela sempre esteve lá. Mas, agora, ela acordou. E eu tenho medo. Eu não sei o que é, ou o que fazer com ela, e eu preciso de ajuda. (NOTA DA AUTORA: pegaram a referência?)

- Você sabe o que é… - Ben falou colocando o braço nos ombros do filho. - É a Força… a gente vai te ajudar, não se preocupe…

- Mas… - Ani falou olhando para o pai. - Eu falhei… Padmé capturada…

- Ani… - Rey falou sorrindo para ele. Ele olhou para ela. - Padmé não vai morrer, Finn a quer como uma aprendiz, você também sente isso na Força que eu sei… a gente vai trazer ela de volta… ela resistiu a ele, ele ofereceu respostas a ela e ainda assim, mesmo muito confusa, ela resistiu. Talvez ela não se entregue, e nós vamos trazer ela de volta.

- Mamãe tem razão. - Ahsoka falou balançando afirmativamente a cabeça. - Vamos trazer ela de volta…

- Ahsoka… - Ben falou olhando para ela. - Tem algo que você precisa saber…

- Agora, pai? - Anakin perguntou, ele sabia o que era e não sabia se essa era a melhor hora... Ben fez que sim com a cabeça e Rey disse:

- Vamos para casa, lá a gente conta… se vamos enfrentar o Finn, todos devem saber, além do mais, ele deve contar para Padmé também… - todos foram para o apartamento, inclusive Poe. Lá eles revelaram para Ahsoka o passado de Ben, o porquê deles terem ficado tão assustados com Padmé querendo ser que nem Kylo Ren, e tudo…Ahsoka recebeu as notícias bem melhor do que eles esperavam.

- Eu já imaginava que vocês sabiam quem ele era ou o tinham conhecido. Mas eu não falava nada para não alimentar mais os delírios da Padmé - Ela falou. Os quatro Solo e Poe estavam sentados na sala de estar, Rose também que havia chegado há pouco. - Só nunca ia imaginar que era meu próprio pai…

- Eu não sou mais. - Ben falou.

- Eu sei, pai. - Ela respondeu sorrindo triste para ele. Ela sentia a dor dele na Força… - Mas isso me dá muita esperança… se o amor te trouxe de volta, vai trazer ela também… 


Notas Finais


See you around, kid...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...