1. Spirit Fanfics >
  2. A Rock Story for Severo Snape >
  3. Capítulo 16 - Supresa

História A Rock Story for Severo Snape - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Olá gents!!! Td bem?

Segue outro cap pata animar esse fim-de-semana de quarentena.
Bjusss

*Always*

Capítulo 16 - Capítulo 16 - Supresa


Fanfic / Fanfiction A Rock Story for Severo Snape - Capítulo 16 - Capítulo 16 - Supresa

Harry, Roni e Hermione rodavam por Londres atrás do tal bar com o símbolo do cervo. Estavam instalados no Largo Grimmauld, que ficava na cidade.

- Hermione, já parou para pensar que talvez o cara só estivesse usando a camiseta de um bar qualquer? – Disse Roni. – Talvez não signifique que ele trabalhe lá.

Hermione o olhou entediada.

- Ele não deixa de estar certo Mione... – Disse Harry.

- Tá, então o quê? Vamos ter que frequentar todos os pubs de Londres agora? Para ver SE TALVEZ ele trabalha em algum deles?

Harry e Roni se entreolharam sorrindo.

- Ah Merlin! Vocês estão é querendo diversão, isso sim! Estamos num trabalho sério aqui.

- Ah vai Hermione, não custa nada a gente se divertir um pouco enquanto procura. Aquela busca pelas horcruxes foi um terror! A gente podia ter uma busca legal só pra variar...

- Não sei não... vou pensar melhor nisso.

Nas várias noites que seguiram os três amigos andaram por Londres entrando em todos os pubs com música ao vivo que conseguiram encontrar. Harry e Roni visivelmente se divertindo.

- Queria saber o que a Gina achará disso Harry! – Disse Hermione emburrada.

- Mas eu não estou fazendo nada!

- É Harry! Ela é minha irmã. Como você fica saindo enquanto ela está lá em Hogwarts? – Disse Roni.

Harry fez cara de interrogação para ele. - Como assim? Eu tô com vocês!

- Isso! Hogwarts! – Disse Hermione dando um pulo em um momento Eureka! – Vou enviar uma coruja a Gina e pedir que ela me envie algo que pertence ao professor Snape...

Harry e Roni ficaram olhando-a com cara de bobos.

- ... assim posso colocar um feitiço de localização no objeto e ele nos levará ao professor! Claro! Como não pensei nisso antes? Tem que ser algo pequeno, para não chamar atenção...

Hermione seguiu andando distraída para a saída do pub em que estavam. Continuou falando sozinha e formulando seu plano enquanto Harry e Roni se entreolharam com caras desanimadas de “droga, nossas noites de diversão acabaram”.

Em poucos dias Harry recebeu um berrador de Gina perguntando que história era aquela de ele estar se divertindo em pubs enquanto ela estudava? E para Hermione, Gina enviou uma pena que conseguiu surrupiar dos aposentos de Snape com auxílio de Luna.

- Pronto! À noite vou enfeitiçar a pena e a seguimos pela rua para ver aonde ela vai.

- Mas e se formos vistos?

- Lançaremos feitiços da desilusão para nos disfarçar, pois não cabemos mais os três embaixo da capa do Harry. A escuridão da noite vai ajudar a nos camuflar.

Na hora certa Hermione encantou a pena que saiu voando pela noite. Lançaram o feitiço da desilusão sobre si e seguiram ocultos pelas ruas de Londres correndo atrás dela.

Correram bastante e já estavam cansados quando avistaram o pub White Hart. Havia um enorme cervo branco estampado na parede do estabelecimento, que estava lotado. A pena pousou bem em frente à porta do bar.

Os amigos se esconderam e removeram o feitiço da desilusão. Hermione deu um tapa na cabeça de Roni.

- Ai Hermione! Por que você fez isso?

- Porque você é um idiota Roni! Nos fez perder tempo! Era o pub com o cervo o tempo todo. Teríamos achado o Snape em bem menos tempo e o Harry não teria recebido um berrador da Gina!

Os três seguiram para dentro e se acomodaram numa mesa aos fundos.

O queixo de Hermione foi ao chão quando olhou para o palco e o viu: calça preta rasgada e camiseta preta com uma caveira – sempre de preto, cabelos longos e lisos caídos sobre o rosto, nariz curvado, semblante carrancudo. Mas ele estava tocando a guitarra, a guitarra que ELA conjurou. E ele cantava também. Tinha uma voz grave incrível e hipnotizante.

- Pelas cuecas de Merlin! – Disse com as bochechas rosadas. – É ele!

- Precisa ficar vermelha assim Hermione? – Perguntou Harry rindo, implicando.

A garota ficou sem jeito. Fazer o quê? Snape estava muito sexy.

Roni e Harry olharam e ficaram igualmente embasbacados.

- Mas como? Como ele está lá Hermione? Se apresentando na frente de todo mundo? Cantando? – Disse Harry perplexo.

- E o pior, cantando muito bem! – Disse Roni balançando a cabeça e tamborilando os dedos na mesa acompanhando a música.

- Bom, a guitarra deve funcionar por causa da varinha. É magia! Mas não sei porque ELE está fazendo isso... jamais poderia imaginar que ele soubesse cantar. – Disse confusa. – O Snape que conhecemos jamais iria se expor assim, muito menos na frente de trouxas.

Ficaram na mesa quietos durante o show. Eddie chegou a servi-los. E quando acharam que tudo não poderia ficar mais estranho Snape chamou Hellen para cantar com ele no palco.

- Pessoal, agora vamos chamar ela que é a alma desse pub: HEEEEEELL!!!

 O público aplaudiu e a linda mulher de cabelos cor de rosa subiu ao palco pegando uma guitarra. Os dois fizeram um popurri de “Bad Reputation” e “I Love Rock’n Roll” de Joan Jett.

“Bad Reputation

Eu não estou nem aí para a minha reputação
Você está vivendo no passado, esta é uma nova geração
Uma garota pode fazer o que ela quer e é isso que eu vou fazer

E eu não estou nem aí para minha má reputação
Oh, não (não, não, não, não, não, não)
Não eu (eu, eu, eu, eu, eu, eu)

E eu não estou nem aí para a minha reputação
Nunca disse que eu queria melhorar minha condição social
E eu apenas faço bem quando estou me divertindo
E eu não tenho que agradar ninguém

E eu não estou nem aí para minha má reputação
Oh, não (não, não, não, não, não, não)
Não eu (eu, eu, eu, eu, eu, eu)

Eu não estou nem aí para a minha reputação
Eu nunca tive medo de qualquer desvio
E eu realmente não me importo se você acha que sou estranha
Eu não vou mudar

E eu nunca vou me importar com a minha má reputação
Oh, não (não, não, não, não, não, não)
Não eu (eu, eu, eu, eu, eu, eu)

E eu não estou nem aí para a minha reputação
O mundo está em perigo, não há comunicação
E todos podem dizer o que eles querem dizer
Isso nunca vai melhorar, de qualquer forma

Então, por que eu deveria me importar com a minha má reputação
De qualquer forma?
Oh, não (não, não, não, não, não, não)
Não eu (eu, eu, eu, eu, eu, eu)

(...)

I love Rock’n Roll

Eu o vi dançando ali perto da máquina de discos
Eu sabia que ele deveria ter uns dezessete
A batida estava ficando mais forte
Tocando minha música favorita
E eu poderia dizer que não iria demorar
Até que ele estivesse comigo, sim, comigo
E eu poderia dizer que não iria demorar
Até que ele estivesse comigo, sim, comigo

 

Cantando: Eu amo rock and roll
Então bote outra moeda na máquina de discos, querido
Eu amo rock and roll
Então venha, arranje tempo e dance comigo
Ow!

 

Ele sorriu, então eu levantei e perguntei seu nome
Isso não importa, ele disse
Porque dá tudo na mesma
Ele disse: Posso te levar pra casa
Onde poderemos ficar sozinhos?
E depois estávamos indo em frente
Ele estava comigo, sim, comigo
Depois estávamos indo em frente
Ele estava comigo, sim, comigo

 

Cantando: Eu amo rock and roll
Então bote outra moeda na máquina de discos, querido
Eu amo rock and roll
Então venha, arranje tempo e dance comigo
Ow!”

Snape e Hellen estavam arrasando na White Hart. Tocavam suas guitarras frente-a-frente e cantavam empolgados dividindo o mesmo microfone. As pessoas tinham se levantado e estavam perto do palco pulando enquanto eles gastavam as cordas de suas guitarras num dueto incrível.

Até Harry e Roni estavam rindo e pulando no meio da galera enquanto Hermione continuava perplexa. Ver Snape assim tão diferente não estava normal. Era divertido, lógico, mas aquilo não fazia sentido. Havia algo de errado.

Quando terminaram de cantar Snape voltou ao bar com Hellen.

Os últimos dias não estavam sendo fáceis para ele sabendo que o amor de sua vida havia morrido, mas Hellen o estava animando. Ela sempre ficava perto dele perturbando, cutucando, fazendo piadas e cantava mais com a banda agora que o Tom não fazia mais parte.

- Temos que ir falar com ele. – Disse Hermione.

- Mas assim? No meio de todo mundo? – Disse Roni preocupado.

- E se ele fizer alguma coisa? Não sabemos como ele vai reagir ao nos ver.... – Disse Harry.

- Harry. Ele não parece ele mesmo. Pode ter sido enfeitiçado, confundido, sei lá. – Disse Hermione.

- Enfeitiçado para a melhor né?! Porque eu nunca vi o Snape sorrir e muito menos cantar. – Disse Roni. – Não podemos deixar ele assim? Ele parece bem.

- Não Roni. Não podemos! Pode ser perigoso para ele se algum comensal ainda estiver à solta. Enfim, se estão com medo fiquem aí. Vou lá falar com ele. – Disse Hermione decidida.

Os dois a seguiram, ambos com as mãos no bolso, segurando as varinhas.

...

- Er... olá. – Disse Hermione sem jeito tentando colocar sem sucesso uma mecha do cabelo revolto atrás da orelha.

- Boa noite! Vai querer o que? – Perguntou Snape indiferente.

- Eu vou querer... eu... o Senhor não se lembra de mim? – Perguntou confusa.

- Eu deveria? – Disse Snape confuso.

- Ih Severo, outra fã novinha apaixonada? - Hellen chegou rindo. – Não se iluda. Esse aí é um homem difícil de conquistar meu bem...

- Não enche Hell... olha moça desculpe, mas não lembro de você.

- Desculpe?! Des... – Hermione balançou a cabeça confusa. Se assustou com a educação repentina dele - Professor Snape, sou eu Hermione. “A irritante sabe-tudo”. – Disse sussurrando.

Snape fechou a cara e por um instante ela pensou que ele soubesse e estivesse disfarçando.

- Professor? Você me chamou de professor?

- O quê que foi Severo? – Perguntou Hellen.

- Essa menina me chamou de professor... – Disse ele confuso.

- Então ela sabe quem é você! – Disse Hellen. – Você conhece o Severo garota? De onde? Qual o seu nome?

Hellen começou a encher Hermione de perguntas e a garota começou a gaguejar assustada. Harry e Roni chegaram mais perto para ajudar.

- Professor Snape o que está acontecendo? – Perguntou Harry.

Quando Snape o encarou e viu “aqueles” olhos verdes levou um susto dando alguns passos para trás esbarrando na pia e derrubando copos que se espatifaram no chão. Ele ficou zonzo e trêmulo.

- O que está acontecendo aqui Hell? – Perguntou Eddie chegando assustado.

- Esses garotos dizem que conhecem o Severo. Estão chamando ele de professor Snape. Acho que ele lembrou de alguma coisa Eddie, porque está passando mal.

- Hell, leva ele lá para trás. E vocês, fiquem aqui! Precisamos conversar. – Disse Eddie sério.

Os três ficaram ali parados, assustados. Hellen acompanhava Snape para o depósito quando ele a olhou com os olhos marejados.

- Ele tem os olhos da Lilian, Hell.

- Co... como assim?

- O garoto de cabelos pretos. Olhar para ele foi como encara-la. – Dizia trêmulo.

A garota se assustou. – Tá... fica aqui tá bom? O bar já está quase fechando. Aí sentaremos pra conversar. Todo mundo junto!

Snape apenas assentiu com a cabeça. Seu coração parecia que ia sair pela boca.

- Vai ficar tudo bem. – Disse Hellen acariciando o rosto dele. – Hoje sua vida volta para os trilhos. – Disse sorrindo.


Notas Finais


E pessoal. Acharam o quê?
Comenta aí, afinal ninguém tá fazendo nada mesmo, haha.
Bjusss

*Always*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...