1. Spirit Fanfics >
  2. A Saga de Valerie Black >
  3. O Quarteto Se Reúne Novamente

História A Saga de Valerie Black - Capítulo 126


Escrita por:


Notas do Autor


Harry e Val encontram Rony e Hermione no Beco Diagonal. Espero que gostem :)

Capítulo 126 - O Quarteto Se Reúne Novamente


Fanfic / Fanfiction A Saga de Valerie Black - Capítulo 126 - O Quarteto Se Reúne Novamente

Gerente: Certo - Ele pôs nas mãos de Harry o livro Esclarecendo o futuro e nas de Val o livro Runas Antigos Sem Mistérios – Mais alguma coisa? 

Harry: Sim – Respondeu, desviando o olhar dos olhos do cão e consultando, meio atordoado, a lista. – Ah... Nós precisamos de Transfiguração para o Curso Médio e de O livro padrão de feitiços, 3 a série. Dois exemplares cada. 

 

Valerie e Harry sairam da Floreios e Borrões dez minutos depois, com os livros debaixo dos braços, e tomaram o rumo do Caldeirão Furado, sem repararem aonde iam, esbarrando em várias pessoas. Subiram as escadas fazendo barulho. 

 

Harry: Posso falar com você? - Pediu. 

Valerie: Sim – Disse comprimindo as têmporas. 

Harry: Que foi? - Quis saber – Nova visão? 

Valerie: Eh... Tenho tido o verão todo – Contou – Algo sobre um rato e um cachorro preto enorme. 

Harry: Hum... - Disse se lembrando do livro de presságios da Floreios e Borrões - Vem comigo. 

 

Os dois entraram no quarto de Harry e despejaram os livros em cima da cama. Alguém estivera ali limpando o quarto; as janelas abertas deixavam entrar o sol. Harry ouviu os ônibus passarem lá embaixo, na rua dos trouxas que ele não via, e o som dos transeuntes invisíveis no Beco Diagonal. Viu de relance o seu reflexo no espelho acima da pia. 

 

Harry: Sobre o cachorro que você disse... - Ia contando a Val. 

Valerie: Diga – Soltou os cabelos e pensou que deveria começar a deixar o visual de rabo-de-cavalo de lado, ela já estava crescida para usá-lo assim. Ficou um tempo ali, pensando em que penteado deveria usar. 

Harry: Eu vi um cachorro preto enorme quando sai da casa dos meus tios – Revelou – Depois eu vi um num livro na Floreios e Borrões. Um livro sobre presságios. Não pode ter sido um presságio de morte, pode? 

Valerie: Bom... - Suspirou ao ir arrumando o cabelo em frente a espelho – Existe um pressagio dentre os bruxos chamado Sinistro. 

Harry: E o que ele é? - Quis dizer. 

Valerie: Eh... - Começou a fazer duas pequenas tranças embutidas laterais de cada lado da cabeça, deixando um pouco de cabelo de lado – Um presságio de morte, dizem que a pessoa poderia morrer em breve quando avista um. 

 Harry: Eu estava entrando em pânico quando vi aquela coisa na rua Magnólia... Provavelmente era apenas um cão sem dono... - Se juntou a ela no espelho e ergueu a mão automaticamente, tentando achatar os cabelos. 

Reflexo: Você está empenhado em uma batalha perdida, meu querido – Disse a imagem de Harry com a voz rouca. 

Valerie: Há muita diferença entre o que dizem e o que é verdade – Comentou alguns minutos depois ao prender as tranças atrás em sua cabeça, como se fossem uma coroa constituída de quatro pequenas tranças - Não creio que você vá ter chance real de morrer até ano que vem... 

Harry: Como assim? - Arregalou os olhos – Que tem ano que vem? 

Valerie: Eu não tenho certeza – Suspirou – Mas creio que esse será nosso último ano “calmo” por algum tempo Tiago – Disse com ar sério - As coisas ainda não estão claras, mas tempos difíceis nos aguardam – Olhou nos olhos dele – E logo teremos que decidir entre o que é certo e o que é fácil, mas... Sem pressão - Sorriu calorosamente. 

Harry: Nenhuma - Balançou a cabeça e sorriu sem graça. 

 

À medida que os dias se passavam, Harry e Val começaram a encontrar alunos de Hogwarts por todo lado. Encontraram Simas Finnigan e Dino Thomas, companheiros da Grifinória, na Artigos de Qualidade para Quadribol, onde eles também haviam parado para namorar a Firebolt; encontraram também o verdadeiro Neville Longbottom à porta da Floreios e Borrões. Eles não pararam para conversar; Neville parecia ter extraviado a lista de livros e estava levando um carão da avó, uma senhora de aparência colossal. Harry desejou que a senhora jamais descobrisse que ele fingira ser Neville quando estava fugindo do Ministério da Magia. 

No último dia de férias Val tranquilizou Harry, dizendo que mesmo que os Weasley não viessem por causa do “imprevisto”, eles dois se encontrariam com Rony e Hermione no Expresso Hogwarts. Um tempo depois, os dois saíram de braços dados para dar uma última espiada na Firebolt, e estavam decidindo onde iriam almoçar, quando alguém gritou seus nomes e eles se viraram. 

 

Hermione: Harry! Valerie! - E ali estavam eles, os dois, sentados na calçada da Sorveteria Florean Fortescue. Rony parecendo incrivelmente sardento, Hermione muito bronzeada, os dois acenando para eles freneticamente. 

Rony: Finalmente! – Exclamou, rindo-se enquanto os dois se sentavam – Fomos ao Caldeirão Furado, mas disseram que vocês tinham saído, fomos à Floreios e Borrões, à Madame Malkin e...  

Harry Eu e Val compramos todo o nosso material escolar na semana passada – Explicou – E como é que vocês sabiam que eu estava hospedado no Caldeirão Furado? 

Valerie: Eu posso ter contato quase tudo que aconteceu para os dois sabe... - Confessou. 

Rony: Teríamos vindo antes, mas... - Fitou Val rapidamente – Papai teve um imprevisto e demoramos algumas semanas para poder vir. Nem devo dizer que mamãe ficou louca por Val ter ficado sozinha hospedada no Caldeirão Furado. Sortuda... - Acrescentou com um pouco de inveja. 

Hermione: É verdade que transformou sua tia em balão? – Perguntou num tom muito sério. 

Harry: Não tive intenção – Respondeu, enquanto Rony rolava de rir – Simplesmente... Perdi o controle. 

Hermione: Não tem a menor graça, Rony – Disse rispidamente – Francamente, fico admirada que Harry não tenha sido expulso. 

Harry: Eu também – Admitiu – E nem expulso, pensei que ia ser preso – E olhou para Rony - Seu pai não sabe por que Fudge não me castigou, sabe? – Val apertou os olhos para Rony e ele rapidamente respondeu. 

Rony: Provavelmente porque era você, não é? – Sacudiu os ombros ainda rindo – O famoso Harry Potter e tudo o mais. Eu nem gostaria de ver o que o Ministério faria comigo se eu transformasse minha tia em balão. Mas não se esqueça, eles teriam que me desenterrar primeiro, porque mamãe já teria me matado antes. Em todo o caso, pode perguntar ao papai hoje à noite. Estamos hospedados no Caldeirão Furado, também! Assim você pode ir para a estação de King’s Cross conosco amanhã! Hermione também está lá! - A garota confirmou com a cabeça, radiante. 

Hermione: Mamãe e papai me deixaram lá hoje de manhã com todas as minhas coisas de Hogwarts – Contou lançando um rápido olhar de: “Depois precisamos conversar”, a Val. 

Harry: Fantástico! – Exclamou feliz – Então você já comprou os livros e todo o resto?  

Rony: Olhe só para isso – Disse tirando uma caixa comprida e fina de uma sacola e abrindo-a – Uma varinha nova em folha. Trinta e cinco centímetros e meio, salgueiro, contendo um fio de cauda de unicórnio. E compramos todos os nossos livros... – Ele apontou para uma grande saca embaixo da cadeira – E aqueles livros monstruosos, hein? O balconista quase chorou quando dissemos que queríamos dois. 

Harry: E isso tudo o que é, Mione? – Perguntou apontando não para uma, mas para três sacas estufadas na cadeira junto à amiga – Bem, é que vou fazer mais matérias novas do que vocês, não é? Comprei os livros de Aritmancia, de Trato das Criaturas Mágicas, de Adivinhação, de Estudo das Runas Antigas, de Estudo dos Trouxas... 

Rony: Para que é que você vai fazer Estudo dos Trouxas? – Perguntou revirando os olhos para Harry – Você nasceu trouxa! Sua mãe e seu pai são trouxas! Você já sabe tudo sobre trouxas! 

Hermione: Mas vai ser fascinante estudar os trouxas do ponto de vista dos bruxos – Disse muito séria. 

Valerie: Eu não faria isso de jeito algum – Comentou - Não faria Advinhação, pois já me bastam essas visões inconvenientes e não me interesso por Estudo Dos Trouxas tanto assim, então Trato das Criaturas Mágicas e Estudo de Runas Antigas já me bastam. 

Harry: Você está planejando comer ou dormir este ano, Mione? – Perguntou, enquanto Rony dava risadinhas abafadas. A garota não ligou para eles. 

Hermione: Ainda tenho dez galeões – Disse examinando a bolsa – É meu aniversário em setembro, e mamãe e papai me deram um dinheiro para eu comprar um presente de aniversário antecipado. 

Rony: Que tal um bom livro? – Perguntou inocentemente. 

Hermione: Não, acho que não – Disse controlando-se – O que eu quero mesmo é uma coruja. Quero dizer, Harry tem a Edwiges e você e Val têm o Errol... 

Valerie: Não temos, não – Respondeu – Errol é uma coruja de família. Meu mesmo só tenho o Cyg e Rony o Perebas. 

Rony: Exatamente - E tirou o rato de estimação do bolso – Quero mandar examinar ele – Acrescentou, pousando Perebas na mesa a que estavam sentados – Acho que o Egito não fez bem a ele - Perebas estava mais magro do que de costume, e seus bigodes pareciam decididamente caídos. 

Harry: Tem uma loja para criaturas mágicas ali – Disse Harry, que agora conhecia o Beco Diagonal como a palma da mão – Você podia ver se eles têm algum produto para o Perebas, e Mione podia comprar a coruja. 

 

Assim dizendo, eles pagaram os sorvetes e atravessaram a rua para ir a Animais Mágicos. Não havia muito espaço dentro da loja. Cada centímetro das paredes estava escondido por gaiolas. Era malcheirosa e barulhenta porque os ocupantes das gaiolas guinchavam, gritavam, palravam, sibilavam. A bruxa ao balcão estava ocupada ensinando a um bruxo como cuidar de um tritão com dois rabos, por isso Val, Harry, Rony e Hermione aguardaram, examinando as gaiolas.

Haviam dois enormes sapos roxos que engoliam, com um ruído aquoso, um banquete de moscas-varejeiras mortas. Uma tartaruga gigante, o casco incrustado de pedras preciosas, cintilava junto à janela. Lesmas venenosas, cor de laranja, subiam lentamente pela parede do seu aquário, e um coelho branco e gordo não parava de se transformar em cartola de cetim e novamente em coelho, com um grande estalo. Havia ainda gatos de todas as cores, uma gaiola barulhenta de corvos, uma cesta de engraçadas bolas de pelo creme que zuniam alto, e, em cima do balcão, um gaiolão de ratos negros e luzidios que brincavam de dar saltos se apoiando nos longos rabos lisos. O bruxo do tritão de dois rabos saiu e Rony se aproximou do balcão. 

 

Rony: É o meu rato – Disse à bruxa – Ele tem andado meio indisposto desde que voltamos do Egito. 

Bruxa: Põe ele aqui no balcão – Pediu, tirando do bolso um par de pesados óculos de armação preta. 

 

Rony catou Perebas do bolso interno e depositou-o ao lado da gaiola dos seus companheiros de espécie, que pararam os saltitos e correram para as grades para ver melhor. Como todo o resto que Rony possuía, Perebas, o rato, era de segunda mão e era um pouco maltratado. Ao lado dos reluzentes ratos na gaiola, ele parecia particularmente lastimável. 

 

Bruxa: Hum – Fez, levantando Perebas. – Que idade tem esse rato? 

Rony: Não sei – Respondeu – Ele é bem velho. Foi do meu irmão. 

Bruxa: Que poderes ele tem? – Perguntou a bruxa, examinando Perebas atentamente. 

Rony: Ah... – A verdade é que Perebas jamais revelara o menor vestígio de poderes interessantes. O olhar da bruxa se deslocou da orelha esquerda e esfiapada de Perebas para a pata dianteira, que tinha um dedinho a menos, e deu um muxoxo alto. 

Bruxa: Este aqui já sofreu muito na vida – Lamentou.

Rony: Já estava assim quando Percy me deu – Respondeu se defendendo. 

Bruxa: Não se pode esperar que um rato comum ou rato de jardim como esse viva mais do que uns três anos. Agora se o senhor estiver procurando alguma coisa mais resistente, talvez goste de um desses... - Ela indicou os ratos negros, que imediatamente recomeçaram a saltar. 

Rory: Exibidos – Resmungou. 

Bruxa: Bem, se o senhor não quiser outro, pode experimentar um tônico para ratos – Disse levando a mão embaixo do balcão e apanhando um frasquinho vermelho. 

Rony: Está bem. Quanto... - Mas foi interrompido por Val, que estava a seu lado.

Valerie: UI! - Ela se encolheu quando uma coisa enorme e laranja saiu voando do teto da gaiola mais alta e aterrissou em sua cabeça, e em seguida avançou e bufou com violência para Perebas.

Bruxa: NÃO BICHENTO, NÃO! – Gritou. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...