História A Seleção - Interativa - Capítulo 3


Escrita por: e Aiko_NeeChan

Postado
Categorias A Seleção
Tags Interativa, Selecao
Visualizações 112
Palavras 1.086
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Agora seremos 21!!


Fanfic / Fanfiction A Seleção - Interativa - Capítulo 3 - Agora seremos 21!!

Maxon.ON

Já se passaram dois dias após o decreto sobre a seleção feita por mim no jornal de Illéa, ouve uma grande repercussão, os ataques rebeldes sessaram, meu pai estava certo em relação ao dizer que a seleção além de uma oportunidade para mim seria uma ótima distração e também para apaziguar tudo. Mesmo tendo passado somente dois dias, já recebemos milhares de cartas; apesar de que nas colocações sobre regras e condições da seleção afirmassem que seria uma espécie de sorteio, as jovens estão sendo escolhidas. Sei que é errado mas meu pai garante que não adiantaria de nada se viesse jovens sem conteúdo ou algo a nos oferecer, “ao menos 20” foi o que ele disse. Não posso discordar dele, não me dou ao luxo de ir contra ele, mesmo que o cargo que ele ocupa um dia será meu.

Maxon- estou cansado disso...

...- falando com as rosas? Não me recordo deste seu gosto!

Maxon- ah, mãe. Não, não estava me direcionando as rosas, falava comigo mesmo.

R.Amberly- imagino; tem a ver com certas jovens que dentro de poucos dias estarão abitando seu lar?

Maxon- bom, não exatamente; na verdade me sinto ansioso sim por conta de não saber como agir perante 35 jovens moças mas, o que mais me angustia é os olhares de meu pai, sei que a escolha não será so minha. - ao terminar de falar ouço minha mãe dar um suspiro de desapontamento ou tristeza, não consigo decifra-la ainda, não importe o tempo, acho as mulheres impossíveis de decifrar, mas ao menos eu tento.

R.Amberly- sei que pode achar exaustivo mas não quero que desista, sei que seu pai pode parecer rígido, frio, e super. autoritário mas ele te ama e demonstra do jeito dele..eu...vou conversar com o seu pai, não posso lhe prometer mas o segurarei o máximo que puder durante a seleção e – Antes que minha mãe terminasse de concluir o que me falava uma de suas servas se juntou a nós no jardim, avisando-a de que o meu pai a aguardava.

R.Amberly- mais tarde conversamos querido, irei ver seu pai.

Maxon- claro, com licença.

Me retirei e retornei para dentro do palácio passando pela fileira de soldados que estavam fazendo uma ronda nas imediações; procedimento padrão. Decidi passar um tempo breve na biblioteca, e peguei alguns livros que continham assuntos dos quais meu pai me repassa diversas vezes atualmente, mas por possuir uma dificuldade de guarda-las comigo estudo elas com frequência. Estava de fato interessante a leitura mas parei em algo que direcionou meu pensamentos para outro alvo novamente; a continuidade da família real e os costumes/leis rígidas de Illéa. Ao falar de costumes e continuidade me lembro de meu pai, ele preza isto mais do que tudo; o trono, as leis e a continuidade de nossa linhagem. Gostaria que ele tivesse outros princípios. Ele não é um mal rei, de forma alguma mas, sempre ah como ter melhorias e ele é muito ditador; ele impõe o que quer, sua opinião é unanime independentemente da situação. Com a minha mãe ele é um pouco mais calmo, ela desarma ele um pouco; ao menos a carapaça. Minha mãe é doce e calma, mas sabe se impor, sabe por respeito e admiro ela por isso, gosto do jeito único dela de ser. Já Jhowen. O nome dele não deve nem ao menos ser sussurrado pelo vento, o meu pai se transforma a simples mesura do nome de Jhowen, não sei o porquê deste ódio que meu pai tem sobre o meu irmão, mesmo que tenham sido poucas as vezes que nos vemos nos damos bem. Ele também tem seu jeito único de ser mas não sei se é exatamente orgulho que sentiria, mas sim...bem... como o encaro é quase tão indescritível quanto ele mesmo. Mesmo ele sendo um filho bastardo, creio que ele tem tanto direito ao trono quanto eu já que é o primogênito mas as leis não cabem ao adultério e pessoas de “meia” linhagem por assim dizer. Espero vê-lo logo de todas as formas, afinal ele é um querido irmão e sabe agir independentemente da situação, é firme, direto, autoritário, as vezes vejo o meu pai nele mas o jeito como ele se porta e como age quebra essa mágica tão rápido quanto foi feita.

Após minha leitura e me desconcertar em pensamentos, decido tomar um banho e descer para o jantar; fiquei mais tempo que o esperado na biblioteca. Ao chegar a sala de jantar, onde são feitas as nossas refeições diárias me lembro que dentre alguns dias será posta uma mesa, digamos ampla de todas as formas para receber nossas convidadas, creio que será espetacular e também desnorteante estar entre tantas jovens. Foço uma breve reverencia para minha mãe e meu pai. Trocamos leves palavras, enquanto os serviçais pré-colocavão a mesa, até que notei um prato a mais, estranhei primeiramente de fato, afinal não esperávamos ninguém e caso fosse algum jantar de negócios teria sido informado e seria algo ainda mais formal. E quanto a Jasminy, ela está fora do país e voltará somente um dia antes do início da seleção.

Maxon- Sinto a indiscrição mas...estamos esperando alguém? - antes de minha mãe se pronunciar ouço uma risada familiar mas, não sei se é um fato bom ouvi-la.

...- Moxonzinhoo sentiu minha falta? – só uma pessoa me chama assim, e ao me virar bruscamente constato que é exatamente quem eu estava pensando...

Maxon- O que faz aqui; Emilly?

Emilly- Imaginei que não se incomodaria que viesse antes das outras

Maxon- Sinto soar rude, mas não é porque é a princesa da Noruega que pode vir quanto entender, tanto pela sua segurança quanto pelo fato de que a seleção ocorrera

Emilly- ah sim, eu sei. Mas...seu pai não lhe contou? a seleção se estendeu a mim. Sou uma de suas selecionadas maxonzinho; espero que não se incomode com a minha estadia adiantada aqui, afinal creio que já esteja até acostumado com a minha presença não?

Maxon- mas do que você... – não podia acreditar em tais palavras, a seleção é somente e unicamente as garotas de Illéa como que ele...

R.Clarkson- A decisão foi minha, você disse que não queria meu total intrometimento; pois bem; mas da metade das selecionadas estão sobre minha escolha, sem contar que será um escândalo “como o Gavril diz”, uma “um” aqui. Pense que será mais um entretenimento e também uma oportunidade de verdade. E a Senhorita. Emilly sabe e está de acordo. Agora sentem-se não quero ouvir contradições.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...