História A Seleção (Versão Camren e Larry) - Capítulo 93


Escrita por:

Postado
Categorias A Seleção, Ariana Grande, Fifth Harmony, One Direction, Shawn Mendes
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Lauren Jauregui, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani Hamilton, Shawn Mendes, Zayn Malik
Tags A Seleção, Ariana Grande, Camren, Fifth Harmony, Harry Styles, Larry, Louis Tomlinson, Norminah, One Direction, Shawn Mendes, Trolly, Ziam
Visualizações 102
Palavras 1.575
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Continuando...
Fiz uma pequena mudança nesse capítulo
Farei mais mudanças enquanto postar os outros aqui
Até o próximo

Capítulo 93 - O Herdeiro - Capítulo 2


DEPOIS DE TRABALHAR POR ALGUMAS HORAS no relatório orçamentário, decidi fazer uma pausa, ir para o meu quarto e pedir uma massagem nos ombros para Niall. Eu amava esses pequenos luxos do meu dia. Ternos feitos sob medida, sobremesas exóticas preparadas só porque era quinta-feira, um suprimento interminável de coisas bonitas: eu tinha privilégios, e eles com certeza eram a minha parte favorita do cargo.

Meu quarto tinha vista para os jardins. Conforme o sol mudava de posição, a luz ganhava um tom alaranjado acolhedor e iluminava as altas muralhas. Me concentrei no calor e nos dedos precisos de Niall.

— Enfim, ela fez uma cara esquisita. Era como se tivesse saído fora do ar por um minuto.

Eu estava tentando explicar a atitude inesperada de minha tia pela manhã, mas era difícil descrever. Eu nem sabia se ela tinha encontrado Camila ou não, pois não voltou mais para o escritório.

— Acha que ela está doente? Ela parece bem cansada esses dias — Niall falou.

— Parece? — perguntei. Achava que não era bem cansaço o que ela tinha. — Provavelmente deve estar muito estressada. E como não estaria, com tantas decisões para tomar?

— E um dia você estará nessa posição — ele comentou. Seu tom de voz evidenciava uma autêntica preocupação misturada com uma provocação brincalhona.

— O que significa que você terá de me fazer o dobro de massagens.

— Não sei — ele disse. — Talvez tente algo novo daqui a alguns anos.

Fechei a cara.

— O que mais você faria? Não há opções muito melhores que um trabalho no palácio.

Alguém bateu à porta, e Niall não teve chance de responder à pergunta.

Levantei, vesti o paletó para ficar mais apresentável e fiz um sinal com a cabeça para que Niall deixasse a visita entrar.

Sorridente, Camila apareceu à porta. Minha tia Lauren vinha logo atrás, satisfeita. Era sempre assim: em eventos de Estado ou jantares importantes, Camila ficava ao lado ou logo atrás de minha tia; porém, quando eram apenas casadas – e não princesas – Lauren a seguia por toda parte.

— Oi, mãe — cumprimentei, me aproximando para abraçá-la. Pude perceber uma surpresa em seu olhar. Ela sempre ficava assim quando chamávamos ela desse jeito, principalmente quando Gemma, Michael e eu chamávamos.

Ela colocou uma mecha do meu cabelo atrás da orelha e sorriu.

— Gostei do visual.

Dei um passo para trás, orgulhoso, e corri as mãos pelo paletó.

— Estou treinando para quando for rei, sempre devo manter uma boa aparência, não é?

— Claro — ela disse ainda sorrindo.

Camila se voltou para Niall e tocou-o no ombro.

— Você pode sair — disse em voz baixa.

Niall fez uma reverência no ato e nos deixou a sós.

— Algo errado? — perguntei.

— Não, querido. Só queremos conversar em particular — respondeu Lauren, gesticulando para que nos sentássemos à mesa. — Há uma oportunidade que gostaríamos de discutir com você.

— Oportunidade? Vamos viajar? — Eu adorava viajar. — Por favor, digam que finalmente vamos para a praia. Será que podemos ir só nós sete?

— Não exatamente. Não poderíamos ir a lugar nenhum com hóspedes em casa — Camila explicou.

— Ah! Companhia! Quem vem?

As duas trocaram olhares antes de Camila continuar:

— Você sabe que a atual situação é preocupante. O povo está agitado e infeliz, e não fazemos ideia de como aliviar a tensão.

— Eu sei... — suspirei.

— Estamos em busca de um jeito de levantar o moral das pessoas — Lauren acrescentou.

Fiquei animado. Levantar o moral costumava envolver celebrações, e eu nunca dispensava uma festa.

— O que vocês têm em mente? — quis saber, já imaginando um terno novo. Mas logo afastei a ideia; não era nisso que eu devia me concentrar naquele momento.

— Bem — Lauren começou — o público reage melhor a notícias positivas relacionadas à nossa família. Quando seus pais se casaram, o país passou por uma de suas melhores fases. E você lembra como as pessoas festejaram nas ruas quando souberam que Melany ia chegar?

Abri um sorriso. Eu tinha oito anos quando Melany nasceu, e nunca esqueci o entusiasmo de todos com o anúncio. Do meu quarto, dava para ouvir a música nas ruas praticamente até o amanhecer. Pena que a comemoração teve que acabar, por causa das notícias.

— Foi maravilhoso.

— Foi mesmo. E agora as pessoas olham para você. Não vai demorar para se tornar o rei.

Minha tia fez uma pausa.

— Pensamos — continuou — que talvez você aceitasse fazer alguma coisa pública, alguma coisa empolgante para o povo e, talvez, muito benéfica para você também.

Apertei os olhos, concentrado, sem entender direito aonde aquela conversa ia chegar.

— Estou ouvindo.

Camila limpou a garganta.

— Você sabe que, no passado, princesas se casavam com príncipes de outros países para fortalecer relações internacionais.

— Você usou o verbo no passado, né?

Ela riu, mas não achei graça.

— Sim.

— Que bom — eu disse. — Porque a princesa Natalie parece um zumbi, a princesa Helena é muito tagarela e, se a princesa da Federação Germânica não aprender a falar sem cuspir até a festa de Natal, nem deveríamos convidá-la.

Camila esfregou a cabeça, frustrada.

— Harry, você é sempre tão exigente.

Lauren deu de ombros.

— Talvez isso não seja ruim — comentou, para ganhar um daqueles olhares de Camila.

Fechei a cara.

— Mas do que diabos vocês estão falando?

— Você sabe como sua tia e eu nos conhecemos — continuou Lauren.

— Todo mundo sabe. Vocês duas viveram praticamente um conto de fadas — repliquei com cara de tédio.

Ao ouvir isso, as duas suavizaram a expressão e abriram um sorriso. Elas pareciam se inclinar levemente uma para a outra, e Lauren mordeu os lábios ao olhar para minha mãe.

— Com licença. O príncipe está no quarto também. Vocês se importam?

Camila corou, e Lauren limpou a garganta antes de continuar:

— A Seleção foi um sucesso para nós. E, embora meus pais tivessem seus problemas, o processo funcionou para eles também. Assim como funcionou para os seus também. Então… estávamos pensando…

Ela hesitou e nossos olhares se cruzaram.

Demorou para cair a ficha. Eu sabia o que era a Seleção, mas essa opção jamais havia sido proposta para qualquer um de nós, muito menos para mim.

— Não.

Camila ergueu as mãos e disse:

— Apenas escute…

— Uma Seleção? — explodi. — Isso é loucura!

— Harry, você está sendo irracional — argumentou ela.

Dirigi um olhar fulminante a ela.

— Você prometeu. Prometeu que jamais me obrigaria a casar com alguém em troca de alianças políticas. Como uma Seleção pode ser melhor que isso?

— Ouça o que temos a dizer… — ela insistiu.

— Não! — berrei. — Não vou aceitar.

— Calma, baixinho. — tentou Lauren.

— Não fale comigo assim. Eu não sou criança!

Camila suspirou.

— Mas age como se fosse.

— Vocês estão arruinando minha vida!

Corri os dedos pelo cabelo e respirei fundo várias vezes, na esperança de que isso me ajudasse a pensar. Aquilo não podia acontecer. Não comigo.

— É uma grande oportunidade — Lauren insistiu.

— Você está tentando me acorrentar a uma estranha!

— Eu disse que ele seria teimoso — Camila cochichou para minha tia.

— Me pergunto a quem ele puxou — ela disparou com um sorriso.

— Não falem de mim como se eu não estivesse no quarto!

— Desculpe — Lauren disse. — Só queremos que você pense a respeito.

— E Michael? Não pode ser ele?

— Michael não é o futuro rei. Além disso, ele já tem Ashley.

A princesa Ashley era a herdeira do trono francês. Alguns anos antes, tinha conseguido, por força das piscadelas de seus belos cílios, conquistar o coração de meu irmão.

— Então casem os dois! — supliquei.

— Ashley será rainha quando chegar a hora e, como você, terá de pedir sua companheira em casamento. Se a escolha fosse de Michael, poderíamos pensar no caso, mas não é.

— E Zayn? Vocês não podem fazer a Seleção com ele?

Camila deu uma risada irônica.

— Ele também já tem alguém, e não quer revelar quem é até o momento certo. E você sabe como ele odeia as câmeras. E não temos todo esse tempo. O povo precisa de alguma coisa que os empolgue agora — disse, e olhou bem nos meus olhos antes de prosseguir. — Além disso, para ser sincera, já não está na hora de você procurar alguém para governar ao seu lado?

Lauren concordou.

— É verdade. Não é uma função para suportar sozinho.

— Mas eu não quero casar — supliquei. — Por favor, não me obriguem a isso. Tenho só dezoito anos.

— A mesma idade que eu tinha quando casei com sua tia — Camila afirmou.

— Não estou preparado — insisti. — Não quero uma esposa. Não façam isso comigo, por favor.

Camila estendeu o braço sobre a mesa e segurou a minha.

— Ninguém vai fazer nada com você. Você é que fará algo pelo seu povo. Você dará um presente às pessoas daqui.

— Quer dizer, fingir um sorriso quando tiver vontade de chorar?

— Isso sempre foi parte do nosso trabalho — ela respondeu depois de franzir levemente a testa.

Apenas a encarei, à espera de uma resposta melhor.

— Harry, por que você não tira um tempo para pensar melhor? — Lauren propôs calmamente. — Sei que estamos lhe pedindo muito.

— Isso quer dizer que tenho opção?

Lauren respirou fundo, pensativa, antes de falar:

— Bem, querido, na verdade você terá trinta e cinco opções.

Levantei da cadeira com um salto e apontei para a porta.

— Saiam daqui! — exigi. — SAIAM DAQUI!

Sem mais uma palavra, as duas deixaram o quarto.

Por acaso não sabiam quem eu era e para que haviam me treinado? Eu era Harry Styles. Nenhuma pessoa era tão poderosa quanto eu.

Se elas achavam que eu ia me render sem lutar, estavam tristemente enganadas.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...