História A sereia - SwanQueen - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Romance, Swan Queen, Swanqueen, Swen
Visualizações 156
Palavras 457
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, LGBT, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Intersexualidade (G!P)
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


gente eu amei adaptar essa fanfic espero que tenham gostado. como puderam ver nao teve hot mas se quiserem eu posso fazer uma one spin of com hot das duas. em breve a fanfic vai estar de volta no wattpad, mas nao vai ser eu que estarei postando. se gostaram comentem o que acharam.

Capítulo 32 - Capítulo 32 - Epílogo


OS MÉDICOS DISSERAM QUE FOI UM MILAGRE. Dia após dia, a doença de Emma deixava seu corpo. Cedia lugar a um entusiasmo pela vida e a um desejo de recuperar o tempo perdido.

Ainda que ninguém tivesse feito meu diagnóstico, eu sabia que estava me recuperando de alguma coisa também. Meu caminho até a cura era mais curto do que o dela, mas não menos fascinante.

Emma se tornou a única história que eu tinha. Ela me contou que uma vez dançamos embaixo de uma árvore enquanto os outros assistiam com inveja. Me contou uma história impressionante sobre um vestido lindo que eu tinha e que se desmanchou em pó no quarto de hóspedes, deixando uma mancha branca no assoalho. E me contou sobre nosso primeiro beijo, que foi lindo e desastroso ao mesmo tempo, e como todos os outros depois desse tinham a mesma magia estranha.

Eu ouvia tudo, gravando as palavras no coração. Por mais que repassasse as histórias, nunca entendi como nossos caminhos haviam se cruzado daquele jeito.

Só podia concluir que era o destino.

Assim que nos recuperamos dos acontecimentos daquela noite, Robin encontrou uma mala na varanda, que supomos ter sido deixada pelas mesmas três garotas que me levaram até lá. Só me deixaram dois bens materiais. O primeiro era uma pilha de dinheiro que entreguei de imediato a Alice e Robin como compensação por terem me acolhido. A maior parte serviu para pagar as despesas médicas de Emma, o que não era problema para mim. Não conhecia nenhuma expressão mais forte que “alma gêmea”, que desse a entender a sensação de estar tão unido a alguém que é difícil dizer onde termina essa pessoa e onde você começa. Se essa expressão existisse, pertencia a Emma e a mim.

O segundo item que me deixaram era uma garrafa de água. Era uma água tão exótica, de um azul escuro e brilhante ao mesmo tempo, espessa demais para ser transparente, mas translúcida mesmo assim. Não importava a estação, estava sempre fria, e havia pequenas conchas dentro que nunca ficavam no fundo da garrafa.

Às vezes eu dormia com a garrafa, embora ela fosse fria o suficiente para me acordar se encostasse nela sem querer. Era a única pista que eu tinha sobre a minha identidade antes da noite em que fui deixada na varanda daquela casa, e amava a garrafa só um pouquinho menos do que amava Emma.

Por algum motivo, sabia que esse amor era importante, como se cuidar daquela água com carinho significasse cuidar de mim mesma. E foi o que fiz.

Amava meu corpo em recuperação. Amava minha alma gêmea de olhos azuis.

E amava minha família adotiva.

Apertei a garrafa de água contra o peito e amei a sensação.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...