1. Spirit Fanfics >
  2. A Sereia dos Olhos de Safira >
  3. Epílogo

História A Sereia dos Olhos de Safira - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Epílogo


Iara

Frente ao ar da noite no porto de Santos, agradeceu por finalmente ver o mar novamente. Estava recuperada, pronta, sem qualquer amarra a impedindo novamente. Naquela vez não iria ser tão descuidada.

Lembrou da noite em que se encontrou com sua irmã:

“Posso sentir seu cheiro para além dos continentes, Iara. Não há mar que te proteja” ela disse ainda encharcada de água, depois de subir ao convés do navio.

Lara havia chegado tarde; Iara havia matado todos os guardiões do navio. Perseguindo o navio desde a Inglaterra – onde os guardiões decidiram embarcar depois de carregar o caixão por terra desde Roma –, alcançou-os quando ancoraram em uma humilde doca em algum lugar da Escócia, e os deteve antes de dar partida novamente. O lugar estava então deserto.

Lara continuou:

“Deixe-me adivinhar: não está com a chave? Achou realmente que carregaríamos as duas coisas, tão próximas uma da outra?”.

“Era uma hipótese provável” respondeu Iara, “mas talvez o seu amigo Agnos saiba alguma coisa. Alguns guardiões abriram a boca depois de algumas doses de força bruta, e assim como eu desconfiava, este navio estava indo para Santos. Que previsível, Lara, pensar que você confiaria justamente nele depois de tudo o que passamos”.

Lara estendeu as garras de sua mão:

“Eu já estou cansada de explicar a mesma coisa”.

“Então essa é sua forma de tentar trazê-la de volta?”.

Lara fez que não:

“Esta é a forma de corrigir as coisas, Iara”.

 

Iara inspirou fundo, voltando ao presente. Lembrou-se então da criatura daquela noite, que havia aparecido no navio depois de alguns minutos de embate entre ela e a irmã.

Por que ele estava atrás de nós?

Abanou a cabeça, sem entender como um demônio poderia saber sobre o paradeiro do caixão. Há séculos não se reunia com outros escudeiros, e era improvável que alguns deixassem escapar um boato como aquele – ou talvez não?

Danem-se todos. Eles nunca chegaram tão longe.

Esteve tão perto de conseguir; passando-se por Lara, teria conseguido enganar Agnos e colocado as mãos na chave.

Por que Agnos foi atrás da casa de William? Provavelmente a Guarda de Apolo perseguiu os dois depois do encontro no bar. A única dúvida que a deixava curiosa era se Agnos sabia ou não sobre a sua farsa desde o início.

Provavelmente outros da mesma laia já devem ter posto as mãos no navio, mas não faz diferença. Eu destruí os documentos, qualquer informação sobre o que estavam carregando. Vai demorar até que os guardiões locais saibam do que se trata a embarcação.

Tudo o que restava era voltar para lá.

Iara girou o corpo, vendo de longe a imagem solitária de uma cidade que a fizera perder a cabeça, ao som do porto que, provavelmente, ecoaria em suas lembranças. Ali, parado no píer como um retrato, era como se ainda visse William observando-a. Sua memória era fresca e doce, e seu sabor ainda estava nos seus lábios.

Eu teria me divertido tanto.

Ainda podia lembrar da sensação estranha de haver um coração partido pulsando naquele ambiente, sem saber sua direção. Apenas conheceu a origem quando William se aproximou quando estava no convés, e assim ele a mostrou seu ponto mais forte: a sua fraqueza. Ele era a escolha perfeita, o elixir que faltava.

Pobre tolo pensou com compaixão. William mal sabia que a paixão que nutria era a fonte perfeita para Iara beber, fortalecendo-a.

Ergueu os braços, entregando-se ao mar. Suas pernas compuseram um membro só e a calda então se formou, longa e brilhante sob a luz da lua. E foi então que ela saltou.

Era hora de voltar para a Escócia.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...