História A Serpente e o Leão - Scorose (GRCPNR - Temporada II) - Capítulo 43


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Astoria Greengrass, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Hugo Weasley, Lílian L. Potter, Ronald Weasley, Rose Weasley, Scorpius Malfoy
Tags Amizade, Amor, Harry Potter, Romione, Scorose
Visualizações 206
Palavras 3.650
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 43 - As montanhas


Fanfic / Fanfiction A Serpente e o Leão - Scorose (GRCPNR - Temporada II) - Capítulo 43 - As montanhas

POV Rose

 

Estava indo para a biblioteca, precisava aproveitar o domingo para revisar a matéria para a semana de exames, tinha combinado com Key que a encontraria em nossa mesa costumeira, no domingo a biblioteca costumava ficar deserta. Tinha aguentado Scorpius no café, sentei com ele e Alvo, Lily e Hugo se uniram a nós três.

- Que ótimo agora estou segurando duas velas – Alvo reclamou rabugento.

- Não namora porque não quer – Lily disse – Tem milhares de garotas a sua volta que adorariam ter uma chance – ela prosseguiu distraída enquanto pegava uma torrada.

- Só tem uma que quero – Alvo suspirou observando Key a duas mesas à frente ao lado de Tiago e do resto de nossa família. Para minha surpresa Hugo e Scorpius tinham começado uma animada conversa sobre táticas de defesa. – Rose acha que esse namoro dos dois vai durar por mais quanto tempo? Quero dizer Tiago já está no sexto ano, só ficará aqui mais um ano e bem... ele lá fora rodeado por mulheres e ela aqui solitária... – Alvo se encheu de esperança.

- Acho que Tiago realmente está apaixonado por ela, quem sabe se casem quando ela se formar e ele pode vim visita-la nas saídas a Hogsmeade, nossos pais não fizeram isso com nossas mães no último ano? E deu certo – Disse com cautela, Alvo precisava desencanar.

- É, mas Tiago é mais suscetível às tentações que papai e tio Ron, quem sabe! – Ele sorriu confiante.

- Desistam, ele é teimoso demais – Malfoy disse impaciente se intrometendo na conversa.

- Se Rose estivesse com Goyle desistiria? – Alvo perguntou carrancudo, Scorpius sorriu.

- Nem se estivesse casada – Ele falou sem cerimônia – Sou um Malfoy, não desisto do que quero – Scorpius disse arrogante.

- É isso é bem claro, seu pai ainda baba por nossa mãe! – Hugo o provocou.

- Acho que meu velho gosta de provocar o Sr. Weasley – Ele riu.

- E quando vocês dois vão voltar? – Lily foi direta como uma bala, engasguei.

- Por mim já teríamos voltado, mas Rose está me torturando- Scorpius respondeu com naturalidade.

- Na verdade depende apenas de seu empenho Malfoy, não tenho culpa se não está se esforçando o bastante! – Dei de ombros.

- Por Merlin como ele não está? Ele me interroga o dia todo sobre nossa família e me vem com cada teoria maluca, se cobrasse pela consultoria já estaria milionário – Alvo revirou os olhos.

- Não perca seu tempo com a loucura desses dois amor! Tem gente que gosta de complicar ainda mais as coisas – Hugo disse a Lily que parecia interessada na conversa.

O café seguiu, tinha que confessar, Malfoy sabia agir nas situações mais adversas. Durante o café não fez nenhuma gracinha, ele não era burro, estávamos rodeados por professores e minha família.

- Obrigado pela companhia Weasley! – Ele se despediu galanteador – Vamos Alvo temos muito o que fazer – Scorpius chamou meu primo que parecia ocupado ainda se entupindo de bolo – Pare de comer assim ou vai explodir Potter! Vamos logo – Ele o apressou e partiram.

- Tá na cara que ainda gosta dele – Hugo disse quando os dois não podiam mais nos ouvir – Ele me contou da sua loucura, acho que se Lily me desse um enigma como esse só conseguiria entregar o anel no aniversário dela de oitenta anos – Ele fez uma careta idêntica a de papai, Lily riu.

- Ele era meu namorado, foi Scorpius que estragou tudo, eu sei o quanto lutei por nós e agora está na hora dele lutar – Falei decidida – Bem tenho que ir a biblioteca, prometi encontrar Key para estudarmos – Me despedi.

Cheguei a biblioteca e Key ainda não estava lá, me sentei na mesa e comecei a folhear os livros, estava com um pouco de sono, a noite anterior foi bem agitada. Depois de Malfoy ter me roubado um beijo na frente da sala comunal voltei para dentro furiosa com sua audácia, parti para o dormitório e estava muito agitada, foi quando vi Nick chegar, ela estava chorando.

- Você está bem? – Perguntei preocupada.

- Ah Rose eu fiz uma besteira enorme – Ela se sentou em minha cama com o rosto molhado.

- Conversou com Tiago? – Insisti e ela confirmou com a cabeça.

- Sabe eu não contei tudo, andei ficando muitas vezes com Tiago nas férias e acabei me apegando, acho que estava carente, cansada disso de só ser usada pelos garotos. Queria um namorado e acabei me iludindo com ele, você sabe como nosso primo é, comecei a pensar que ele também estava começando a me querer para algo mais sério e me entreguei em um impulso – Ela soluçou – Depois o cobrei, queria que ele nos assumisse e ele falou que não foi nada sério e se nem com Key tinha assumido nada comigo então que era só pura diversão muito menos – Nick chorava, a abracei.

- Sinto muito Nick, não imaginava que se sentisse assim, sempre foi tão confiante – Falei surpresa.

- Eu tento mascarar minhas inseguranças, como ele passou a me ignorar e o vi assumindo o namoro com Key resolvi que merecia alguém que me amasse e foi ai que me aproximei dele – Ela falou um pouco mais calma.

- O garoto misterioso – Disse curiosa.

- Sim, ele é tão diferente, já o conhecia bem ou achava que conhecia, mas ficamos juntos durante a copa e foi incrível – Ela suspirou – Ele é especial, mas então vi Key dando abertura a ele e sabe ele era ou é meio afim dela, não pensei só agi – Nick disse com raiva – Senti como se estivesse perdendo pra ela pela segunda vez e precisava agir – Ela falou séria.

- Ah Nick, eu entendo, mas não concordo com o que fez, Key não merecia. Tiago foi sincero, duro, mas sincero, lamento por ter se machucado com tudo isso – Disse com sinceridade – E se esse garoto está com você e dando em cima de Key ainda ele não te merece – Falei a consolando.

- É eu sei, mas não é uma chave que possa desligar, eu gosto dele. Sei que não deveria por ele nem mesmo ter me assumido, mas gosto – Ela falou chorosa – Acho que nunca vou aprender, pareço um imã para os caras errados – Nick suspirou.

- Não aceite menos do que você merece, se ele não quer te priorizar seja forte e o mande plantar aboboras – Sorri.

- Como você fez com Scorpius? – Ela perguntou e confirmei – Te acho tão forte Rose, não sei se consigo – Nick confessou.

- Não é fácil, mas é preciso. Agora mudando de assunto, como foi com Tiago? – Perguntei preocupada.

- Acabamos nos acertando, ele disse que foi sincero desde o começo e precisei concordar, falou que quebraria a cara do meu “namorado” – Ela fez aspas com os dedos – Se ele continuar se engraçando com Key ou não me respeitar – Ela suspirou.

Acabamos indo dormir muito tarde, fiquei horas conversando com minha prima com cortinas fechadas e pela manhã quando levantei ela já não estava na cama e ainda não tinha encontrado Nick naquele dia. Estava muito sonolenta e nada de Key chegar a biblioteca, ouvi passos.

- Finalmente já estava quase dormindo aqui – Reclamei.

- Bom saber disso, também acho uma besteira esse negócio de esperarmos as montanhas se moverem, sei que quer como eu quero Weasley – Scorpius tinha os olhos escuros como uma grande tempestade.

- Do que está falando Malfoy? – Gaguejei surpresa com sua presença - Estou esperando Key! –Expliquei confusa.

- Já entendi esse seu código de “esperar a Key”, Nick me contou da conversa de vocês ontem, sei que confessou a ela que nunca se imaginou perdendo a virgindade com outro cara que não fosse eu.- Ele sorriu malicioso se aproximando.

- Fique longe! – Disse tentando atravessar a parede que me prendia entre ele.

- Percebo o desejo em sua voz Weasley! – Ele sussurrou – Para com esse charme, estamos sozinhos aqui – Scorpius indicou a mesa da bibliotecária que estava vazia – Alvo fez o favor de tomar uma poção polissuco se passando pelo filho de Dorota, ela está conversando com ele em uma sala do outro lado do castelo, prometi ficar de olho na biblioteca enquanto isso .Você  estava tão distraída com seus estudos que nem percebeu. Tranquei todas as portas e você não tem escolha! – Ele disse convencido.

- Eu vou gritar e posso te atacar de novo! – Ameacei.

- Já podia ter feito isso e não fez! – Ele afastou meu cabelo e se aproximou, senti ele beijando cada centímetro e arfei quando mordiscou minha orelha – Você não me engana Weasley! – Scorpius me prensou contra a parede e senti sua excitação pressionar o meio de minhas pernas- Gosta de me sentir perto assim? – Malfoy sussurrou, suas mãos desceram por minha cintura e sua boca deslizou para baixo quase alcançando meus seios, ele parou e sorriu – Vou abrir sua blusa, ainda não vi qualquer objeção Weasley – Engoli em seco observando ele abrir minha blusa – Linda lingerie, vai dizer que não a colocou para que eu visse? – Lembrei que naquele dia estava sem opções e peguei um sutiã emprestado de Nick que era muito mais ousada que eu – Fique quietinha, eu sou bem experiente, deixe o trabalho comigo e apenas aproveite! – Malfoy soltou meu sutiã – Gosto das suas sardas, um dia ainda vou contar cada uma com a boca – Ele falou arrogante, estava me sentindo ansiosa e quando ele abocanhou o primeiro mamilo perdi totalmente o controle, tentava segurar os gemidos – Se solta Weasley isso é só o começo – Ele informou descendo a mão e tirando minha saia – Vou te beijar  toda hoje – Malfoy me levantou e me deitou na mesa, estava perdida nas sensações, tinha falado para Nick que ela devia ter resistido e agora estava ali cedendo tudo que Scorpius queria, ele aumentou a pressão das chupadas em meus seios e ergui as costas – Gosta de intensidade? Somos muito parecidos Weasley – ele disse e confirmei com a cabeça, devia estar ficando louca, Scorpius desceu enchendo meu corpo de beijos pelo caminho, quando ele alcançou minha calcinha a tirou com a boca, o desgraçado devia ter ficado com metade de Hogwarts como Tiago, aquilo não se aprendia em livros. Meus pensamentos cessaram quando ele abriu minhas pernas e começou com uma doce tortura, sua língua passava devagar por cada ponto me fazendo querer mais, minhas mãos tentaram alcançar seus cabelos para o empurrar contra meu corpo, mas ele as segurou no caminho – O que você quer Weasley? Poderia penetrá-la, mas ainda não ouvi uma permissão – Fechei a cara – Vai se manter turrona? Agora quero que suplique, peça Weasley! – Ele ordenou, aquilo era um absurdo, mas precisava de mais.

- Por favor, Scorpius eu quero muito – Disse derrotada, meu corpo queimava e tentava inutilmente me aproximar do dele.

- Diga que me quer Weasley e que me ama! – Ele se divertia com meu estado.

- Eu te amo Malfoy e te quero como nunca quis ninguém! – Gritei irritada.

- Rose? Rose ? Ela está dormindo – Abri os olhos e Key me olhava preocupada – Acho que teve um pesadelo amiga – Key disse constrangida.

- Ou um sonho! – Malfoy que estava logo atrás pegando um livro sorriu – Bom saber que também sonha comigo Weasley, que me amava e queria eu já sabia, com licença tenho que continuar com minha missão de mover montanhas. Também estou ansioso para tudo terminar! – Ele piscou e saiu, senti meu rosto queimando, Key riu.

- Você fala sonhando – Ela informou o que já sabia, afundei meu rosto nos livros.

Depois de tentar me matar batendo a cabeça no maior livro da biblioteca e sendo impedida pela bibliotecária Dorota, resolvi estudar. Key e eu passamos a tarde estudando, não paramos nem mesmo para o almoço, às vezes via Alvo e Scorpius passando com algum livro, mas estavam muito concentrados em alguma coisa e nem mesmo se viravam para nós duas.

- Rose eu preciso jantar ou vou desmaiar! – Key reclamou exausta.

- Sei que quer ver o Tiago, ele ainda deve estar treinando – Disse distraída grifando um texto de transfiguração de líquidos.

- Não já são nove horas, seremos as últimas a jantar e ele já saiu do treino faz umas três horas! – Ela revirou os olhos, fiquei surpresa com a hora e precisei concordar, meu estomago estava roncando, partimos para o salão que estava com as portas fechadas.

- Não acredito que já fecharam! Droga como levamos vinte minutos guardando os livros e o material? Desculpa Key perdemos o jantar por minha culpa – Falei culpada, mas ela sorria bobamente.

- Também usamos praticamente 1/3 da biblioteca hoje! – Key estava com um bom humor estranho – Acho que tenho a chave! – Ela me chocava, Key sinalizou uma luz com a varinha, estava perdida, um pequeno pássaro apareceu sobrevoando as escadas e jogou uma chave a peguei – O que está esperando, abra! – Ela disse como se tudo aquilo fosse muito normal, abri desconfiada e quando ia me virar ela me empurrou e fechou as portas.

- Key isso não tem graça! Isso só pode ser um pesadelo – Disse confusa, o salão estava escuro.

- Não é um pesadelo, eu só apareço nos sonhos das garotas – Ouvi a voz de Tiago.

- Tiago? Me explica o que está acontecendo – Pedi tentando alcança-lo – Por que estamos no escuro? – Perguntei.

- Quer luz? Seu pedido é uma ordem – Vi uma luz de uma varinha erguida, percebi que Key tinha roubado a minha, ela não estava no meu bolso, de repente tudo ficou claro, olhei para o teto e vi pequenos pássaros carregando luzes semelhantes às estrelas, eles formaram uma enorme rosa e um grande escorpião entrelaçados no teto, Tiago tinha sumido, devia estar usando a capa, o grande salão estava sem as mesas. No pátio elevado onde fica a mesa dos professores havia cortinas, me aproximei e elas se abriram.

- Sente prima! – Fred e Rox disseram e me empurraram para uma cadeira que tinham acabado conjurar, nem os tinha visto  antes. Eles foram para a lateral do salão e vi que ali estava minha família quase inteira, faltava apenas Hugo, Lily, Nick e Alvo, olhei para o outro lado e vi os pais de Malfoy e alguns amigos, aquele sonho estava ficando cada vez mais esquisito.

A cortina se abriu e muitas cadeiras se formaram atrás de mim, todos sentaram. Molly subiu no palco seguida por Lucy, cada um ficou em uma lateral, parecia uma peça de teatro, observei desconfiada a simulação idêntica de uma escadaria do terceiro andar, era um canto escondido onde eu costumava ler.

- Ele era um garoto inseguro, mas prendia sua atenção e seu coração! – Molly disse e vi Hugo passar rapidamente pelo palco com sua vassoura.

- Ela era filha de trouxas, mas a mais esforçada de todas, hoje é a bruxa mais genial de nosso século – Lucy disse e Lily andou de uma ponta a outra pelo palco fingindo estar distraída com um livro, meu coração se acelerou, conhecia aquela história era a dos meus pais.

- Ele a amava, mas se achava pouca coisa pra ela – Molly disse e vi Hugo voltando pra cena observando Lily apaixonadamente, ela continuava lendo.

- Ela também o amava, mas sempre que tentava demonstrar ele estragava tudo! – Lucy disse, Lily fez corações com a varinha, mas Hugo olhava para todos os lados sem parecer ver e uma hora os desmanchou distraído e fingiu discutir com Lily por fazer feitiços idiotas com a fumaça.

- Ele era péssimo com as palavras e toda vez que tentava dizer a ela acabavam brigando – Molly prosseguiu – Um dia ele soube que ela tinha dado uns amassos com um famoso jogador, olhei para papai que parecia envergonhado, mamãe sorria olhando pra pequena peça – Ele quis dar o troco e deu na primeira oportunidade – Molly falou, Hugo apareceu na cena vitorioso segurando o equipamento de goleiro, meus primos gritaram da plateia “Weasley é nosso rei”. Nick apareceu com uma peruca loira e se jogou nos braços de Hugo, por sorte meu irmão era alto e a segurou sem dificuldade, eles fingiram um beijo.

- Dessa vez ele foi longe demais ela pensou – Lucy narrou. Vi Lily sentado no final das escadas e ela começou a chorar, olhei para os meus pais e papai segurou a mão de mamãe com carinho e cochichou algo que ela pareceu concordar – Por sorte ela e ele tinham um bom amigo, ou poderiam ter se separado para sempre em uma das brigas idiotas – Lucy continuou e Alvo apareceu e começou a consolar Lily como se fosse tio Harry consolando minha mãe.

- Estou treinando! – Lily disse quando Alvo observou os pássaros – Como se sente Harry? Quando vê Gina com Dino, não negue vejo como olha para ela – Lily disse em um engasgo.

- Ups... aqui parece já estar ocupado! – Nick disse atuando perfeitamente e puxando meu irmão.

- Que pássaros são esses? – Hugo perguntou.

- Oppugno! – Lily disse e os pequenos pássaros avançaram contra Nick e Hugo que correram.

- É assim que me sinto! – Alvo disse, a cortina se fechou.

- Nem sempre o amor é demonstrado de forma tão clara – Lucy falou.

- E na maioria das vezes isso não fica muito claro para eles, afinal sabemos que homens são lerdos – Molly falou revirando os olhos fazendo todos rirem. Malfoy tinha conseguido entender, meus olhos estavam marejados.

- Mas às vezes nós as garotas também não entendemos que eles lutam sim pelo amor, mas da forma deles – Lucy falou e a cortina se abriu de novo.

- Ele pode ter demorado para entender que a garota que ama foi gerada de uma história de amor em que apesar de todos os problemas e diferenças, o rapaz nunca a abandonaria a garota e na única vez em que aconteceu ele voltou quando ela e seu melhor amigo mais precisavam! Por isso ela nunca entendeu porque ele a deixou e não lutou, porque não voltou quando ela mais precisou dele – Molly falou. A cena mudou para a sala comunal da sonserina, conhecia apenas por fotos.

- O que ela não sabe é que ele nasceu de um amor em que muitas vezes precisaram se sacrificar pela família ou por seus ideais e que ele foi criado para priorizar isso no lugar do amor, mas sua mãe o fez entender que apesar de tudo quando se ama de verdade vale a pena lutar – Lucy disse.

Louis estava sentado em uma poltrona da cena vi uma sonserina amiga de Alvo e Malfoy se aproximar.

- Draco você é melhor que isso, minha família pode te ajudar! Venha morar comigo, nos amamos, você não precisa ser como seu pai! – A garota disse.

- Você não entende Astória, ele vai matar meus pais, eu não tenho escolha! – Louis gritou e saiu de cena.

- Mas eu vou te esperar! – A garota disse e a cortina se fechou.

- E ela esperou e quando tudo acabou eles finalmente puderam ficar juntos! – Molly disse, olhei para os pais de Scorpius e a Sr. Malfoy parecia emocionada, o marido acariciava seu ombro e beijou sua testa.

- Ele tem muito do pai e na hora não conseguiu ver que ela era a prioridade, ela por sua vez esperou que ele voltasse como seu próprio pai voltou para sua mãe. Quando ele finalmente percebeu achou que ela o estaria ainda esperando de braços abertos como sua mãe estava por seu pai, mas já era tarde – Lucy disse.

A cortina se abriu novamente e vi Vick e Ted, era a cena final de Romeu e Julieta, meu romance favorito, a cena da morte. Os dois estavam deitados desfalecidos.

- A rivalidade entre as duas famílias sempre foi o maior problema, mas diferente do romance favorito dela os dois não precisam morrer para ficarem juntos. Ele foi um imbecil por não perceber que precisava voltar quando ela mais precisava, ele deu as costas a mulher que mais ama quando ela viu o passado inteiro e decidiu mesmo assim que lutaria pelo amor deles – Ouvi sua voz, mas não o encontrava – Ele tinha que ter percebido como ela aprendeu sobre o amor e como eram diferentes até nisso e por pouco ele não percebeu, mas por uma única semelhança, ela como sua mãe nunca desistiu dele e uma dica foi tudo o que ele precisou para ver o erro que estava cometendo – Scorpius finalizou, tudo ficou escuro, ouvia pássaros a minha volta, mas não via nada, depois aplausos.

- E ele moveu montanhas por ela e quando finalmente ficaram a sós os dois finalmente se encontraram e tudo se iluminou – Ouvi Lucy e Molly falaram em couro em seguidas muitos aplausos e depois tudo ficou quieto, um pássaro pousou em minha mão.

- Scorpius? – Perguntei baixinho.

- Estou aqui – Ouvi sua voz e tudo se iluminou, o salão estava repleto de montanhas, não parecia ser o mesmo lugar, elas subiam pelo teto dando a impressão de serem infinitas e muitos pássaros voavam entre elas, olhei para baixo e Scorpius estava de joelhos com uma caixinha e o anel que tinha devolvido nas mãos – Eu acertei? – ele perguntou inseguro.

- Você é inacreditável! – Sorri – Achei que nunca entenderia já que soltei a dica quando estava te atacando – Falei surpresa. Ele se levantou e pegou minha mão colocando o anel.

- Sempre o mesmo tom de surpresa – Scorpius disse fingindo magoa.

- Chega de galanteios Malfoy! – Sorri e o puxei para um beijo.

- Nossa... Se soubesse que ganharia um beijo como esse teria movido essas montanhas à bem mais tempo! – Ele me soltou já sem ar.

- E como fez? Transfiguração? – Perguntei curiosa.

- Seu irmão me ajudou com um acordo com a diretora, me ajude a não me meter em confusão ou acho que ficarei de detenção até os 30! – Ele riu e concordei – Mas Alvo também me ajudou muito, está com fome amor? Venha! – Ele me puxou para uma mesa com um enorme banquete entre as montanhas, Scorpius era incrível. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...