1. Spirit Fanfics >
  2. A Sobrinha Do JYP - Stray kids >
  3. Plantou o bem, mas colheu o ódio?

História A Sobrinha Do JYP - Stray kids - Capítulo 22


Escrita por: Larry_hwang

Notas do Autor


Boa Leitura!

Capítulo 22 - Plantou o bem, mas colheu o ódio?


- na aparência ou personalidade? - indaguei, com interesse.

- .. na aparência eu não sei tem 12 anos que eu não a vejo, seu rosto deve ter mudado. Mas na personalidade, são gêmeas! - Disse, pensativo.

 - Ah, Ela tem uma marca de nascença na barriga - Completou. 

- 12.. anos? - indaguei, e ele assentiu me olhando de forma triste.

- Que consciência pois também tem 12 anos que não vejo meu irmão, lembra que eu te contei que fiquei 12 anos tentando lembrar do seu rosto? Na verdade eu fico até hoje, entretanto, por conta do acidente eu desenvolvi um tipo de amnésia, tem tanto tempo que eu não vou ao médico, que até me esqueci do nome certo.

- tem quanto tempo que você não vai ao médico, senhorita? - Me encarou seriamente, com preocupação.

- Han, eu não quero te preocupar com isso agora. Eu tô bem..

- 'tá mas- 

- Hannie, vocês estão em época de gravação e você precisa estar despreocupado ao máximo para conseguir gravar em paz, quando tudo se acalmar e já estiver tudo pronto eu te conto, eu não quero te ver preocupado comigo, entende? 

- Entendo.. eu sei que está certa, mas eu me preocupo muito com você, eu tenho um carinho especial por você e não quero te ver mal, e isso é bem sério min, eu sei que você já sabe disso, mas eu exijo que você me conte tudo depois, okay? 

- Okay, okay. Podemos entrar? Está frio aqui - Eu disse, passando a mão sobre meus braços.

- nossa, realmente está frio. Vamos? - Me oferece seu braço novamente.

- Vamos! - segurei em seu braço, e fomos caminhando até o hotel.


×


Lee Know's Pov


Jisung e a min voltaram da praia já tem meia hora, eu acho. Desde da hora que conversamos lá na praia, eu senti ela meio estranha, parecia preocupada, mas eu não quis deixá-la desconfortável. Min havia me chamado para o seu quarto pra passarmos o tempo juntos, e adorei a ideia. Pode parecer loucura, mas hoje enquanto min estava lá na praia com Han, eu lembrei do acontecimento com jyp, e eu resolvi perguntar sobre isso hoje, momento ruim? Não sei. Mas eu preciso saber se eles são parentes ou coisa assim. 


- Min? - Bati na porta levemente.

- Perai Lino, tô indo.- Sua voz soou abafada.

- okay.. - Eu disse, de cabeça baixa enquanto a esperava. Logo a porta se abriu, revelando minjee com um pijama curto, de cor vermelha. Engoli seco, enquanto a observava em silêncio.

- Não vai entrar? - disse, arqueando a sobrancelha.

- V- vou é que.. 

- Tá, vem logo. - ela me puxa, e fecha a porta.

- Está com fome? Vou ali na cozinha preparar um lanche.

- Na verdade, eu não comi nada desde cedo. - Confessei, sem graça.

- O quê? Impossível. Vou fazer o maior lanche que eu já fiz na vida. - Disse, com determinação.

- Min, como assim? - indaguei, com medo do que ela ia aprontar.

- espere, e verá! - Virou, e se foi misteriosa.


Fiquei um tempo esperando, vez ou outra min interagia comigo e ela insistia pra mim não ir até a cozinha. O Por quê? Não sei, mas ela parecia estar contente. 


- Min, vai demorar muito?? - Eu disse, quase gritando.

- Não, Lino. Calma aí. Já tô indo.

- Aham. - Apoiei minha mão em meu queixo.

- Prontinho. - Ela saiu da cozinha, se aproximando.

- Gente?? Quê isso? Comida pra gigantes?! - Eu disse boquiaberto, enquanto minjee colocava um prato em meu colo com o maior sanduíche que eu já vi em toda a minha vida.

- bom apetite! - Beijou minhas bochechas, depois deu uma mordida em seu sanduíche e ligou a Netflix.

- Nossa amor, como eu vou comer isso tudo?! Chan corre aqui! - brinquei.

- KKKKKKKKKK você consegue! Se não conseguir, aí chamamos o Chan, okay? Que tal um filme de terror? - Comentou, sobre os filmes em cartaz da Netflix.

- Terror? Perfeito. Que tal.. campo do medo? - Sugeri.

- Já vi. - Disse natural.

- Já viu?? Nossa! Então qual você sugere senhorita dos filmes? - brinquei, fazendo a mesma rir.

- A Bruxa de Blair. - Me olhou de relance.

- Perfeito. - Eu disse, satisfeito.

- Só não fica com medo heinnn. - brincou, me fazendo serrar os olhos pra mesma.

- Aham! - Retruquei, a desafiando.


{Quebra no Tempo} 


- M-minho? O que é aquilo voando?? - Disse sobre o filme, enquanto me olhava amedrontada. Eu apenas ria com a sua feição assustada e que era fofa ao mesmo tempo. 

- "mas não fica com medo não, heinnn" - Imitei sua forma de falar, fazendo a mesma me bater de leve no braço. 

- Aiii minn isso dói! Mas ó, o filme já está quase acabando, e é só um filme min, não precisa ficar tão assustada assim amor!

 - Tomara que eu não tenha pesadelos. - Cochichou pra si, mas pude ouvir claramente. O pior é que ela já se assustou tantas vezes que já até acostumei.

- Você quer que eu tire o filme? Vamos tirar, vamos ver algo mais descontraído, que tal? - Eu disse, enquanto olhava a mesma que estava super concentrada no filme. 

- Não, amor. Eu comecei e agora vamos terminar, hum? - Disse, ainda concentrada em cada fala e ação do filme. 

- Tá bom então... 


× 


- Nossa, eu vou ficar um boooom tempo sem ver filmes de terror! - Disse, se jogando na cama.

- Você se assustava a cada cinco minutos kkkkkk 

- É verdade KKKKK mas não fique aí em pé, Vem deite aqui! - Bateu na cama de leve.

- Tá booom. - Deitei, minjee se aproximou e deitou de leve em meu peito, se aconchegando ali.

- Obrigado. - Agradeceu, com os olhos fechados.

- Pelo quê? - Indaguei confuso, enquanto acariciava seus cabelos.

- Por Hoje. Pois Nunca me diverti tanto. Olha, Só por você existir é motivo de agradecer todos os dias. - Disse já com os olhos abertos, me olhando com afeto.

- Ya min, não diga isso. Eu que tenho que agradecer por sua existência, você é a mulher mais incrível que eu conheço! muitas meninas da sua idade nem sabe o que é responsabilidade, mas já você, você dirige uma ONG, sabe o quanto isso é incrível?? Seus familiares devem estar orgulhosos assim como eu!

- É, devem estar mesmo.. - Seu olhar de repente ficou triste, e ela passou a encarar qualquer coisa, menos meus olhos. 

- Ei, min. Eu disse algo de errado?? 

- Não, é que.. isso tudo foi graças a minha mãe. - Disse, enquanto sorria parecendo se recordar de algo.

- Sua mãe? - indaguei, interessado.

- Puxa.. é uma longa história, você não vai querer ouvir.

- Tá brincando?? Vai ser uma honra saber mais sobre sua vida! 

- Tudo começou Quando eu tinha Sete anos..


× 


Minjee Havia me contado sobre como começou esse sonho da ONG e eu não sabia o quanto era importante pra ela. A cada fala, ela se emocionava e era difícil pra mim segurar as lágrimas por isso em algumas partes eu não me contive, principalmente o final triste de sua mãe, que uma semana após o último abraço entre as duas, ela veio a falecer. Minjee também me contou sobre seu irmão e ela não o vê faz DOZE ANOS, gente!? Tem muito tempo!! No momento em que ela me contava sobre seu irmão, ela não evitava as lágrimas e eu fazia questão de segurar em suas mãos a todo momento, pois eu sei o quanto é doloroso pra ela falar sobre isso. E tudo que ela me disse, só me deu mais coragem pra mim falar abertamente sobre minha vida. Depois de conversamos muito sobre isso, eu resolvi contar sobre como minha mãe morreu e algumas coisas que passaram a acontecer depois disso.


- Minha mãe sofreu um acidente, um dia antes de um grande campeonato de surf que ela já vinha se preparando a uns meses atrás. E como minha mãe era muito perfeccionista e competitiva, resolveu ir treinar mesmo sabendo que daqui a algumas horas iria chover muito...


{ Lee Know's Flashback }


Era uma quarta feira e minha mãe preparava o almoço antes de sair pra treinar.


- Mamãe, Quando você voltar, pode fazer aquele brigadeiro com coco pra mim??? - Ji hoon pedia, fazendo biquinho. 

- Tá bom, meu filho. MAS se comporte, porque hoje eu vou levar o seu irmão comigo e não quero te ver triste, hum? Já te levei semana passada. 

- Aaaaa mamãe eu queria ir, Mas tudo bem, Eu já fui, não é mesmo? - Disse, compreensivo. E logo minha mãe bagunçou seu cabelo de leve em forma de carinho. Ela sempre fazia isso com a gente.

- Minhoooo. - Ji hoon me gritou.

- O que foi?? - Desci as escadas rapidamente. E logo, abraçei minha mãe como de costume. 

- Você vai ir treinar com a mamãe hoje!! - Disse, animado.

- o quê? Ir treinar? Hoje? - Indaguei.

- o que foi meu filho? Por que você parece tão assutado?? 

- Você não viu a previsão?! - Indaguei incrédulo, enquanto minha mãe ia pegar algo na geladeira.

- O que tem a previsão maninho? Esqueça isso, não se esqueça que hoje você irá aprender a nadar!! - Aconselhou Ji hoon.

- Mas hoje terá uma tempestade terrível no mar, você não soube?! - expliquei.

- Oh meu filho, deve ter acontecido um erro. Hoje não tem nenhuma tempestade, e você sabe que o campeonato é amanhã, né? E eu vou treinar, faça chuva ou faça sol. - Decretou.

- Mas o que importa é a sua segurança e o segundo lugar pra senhora já está garantido, desiste dessa ideia de ir treinar hoje, vai mãe?

- Meu filho.. - Suspirou. - Se você quiser ficar aqui com o seu pai e o seu irmão, Tudo bem você pode ficar, Mas por favor não insista em me fazer desistir! ganhar o primeiro lugar nessa competição é o meu sonho, vocês dois sabem disso melhor do que ninguém. Eu sei que está preocupado, mas vai correr tudo bem, tá filho? - disse, acariciando meu cabelo.

- Se a senhora diz..


×


Já havíamos chegado na praia, e mamãe já estava com o seu traje de surf e agora, retirava sua prancha do porta malas do carro. 


- Viu meu filho? como esses sites de previsões mentem? - Indagou, colocando a prancha sobre a areia.


Algo estava me incomodando sobre hoje, independente de previsão ou não, mas eu preferi me calar e apenas concordar com o que ela disse. A previsão apenas confirmou isso.


- Aham. - Eu Disse, observando cada movimento suspeito do mar atentamente. Mamãe não esperou muito e já pegou em sua prancha e correu em direção a água. A primeira coisa que ela fez foi, deitar na prancha e então começou a nadar para alcançar a onda mais próxima. Ela acenava pra mim sorrindo e eu acenava de volta, enquanto via o tanto que o surf lhe fazia feliz.


×


Passaram-se alguns minutos e minha mãe tinha terminado o primeiro treino, por isso ela aproveitou a parada e veio até mim pra beber água. 


- Eai filhão? Como me saí? - Indagou, pegando a garrafinha de água que eu lhe ofereci.

- Ótima como sempre, mãe! Mas podemos ir embora agora..? - Indaguei assustado, quando avistei a maior onda que eu já vi na minha vida, parecia um tsunami de tão grande! tentei distrair minha mãe, mas já era tarde demais, pois assim que ela virou novamente para o mar, porque antes estava de costas, seus olhos ganharam um brilho ganancioso e, imediatamente ela já corria para alcançar a grande onda. Eu tentei empedir, mas como ela era mais forte do que eu, não pude ser de muita ajuda, mas antes de ir, ela deixou um selar em minha testa e correu até lá.

Ao fundo dessa onda, bem lá em cima, pude ver que tinha umas nuvens e aquilo não era uma onda normal e sim uma enorme tempestade acompanhada dela. Assim que percebi, entrei em desespero, comecei a chorar e gritar pra que ela conseguisse me ouvir por já estar longe.


- MÃE ISSO SÃO NUVENS!! NÃO ENTRA NA AGUA MÃE NÃO ENTRAAA - Gritei o mais alto que pude.

- CALMA FILHOOO É SÓ A MARÉ MOSTRANDO QUEM MANDA! - Gritou de volta pra mim e depois acenou sorrindo. 

- NÃO MÃE VOCÊ NÃO ESTÁ ENTENDENDO, ISSO É A TEMPESTADE, A TEMPESTADE!!! - Uma enorme nuvem negra tomou conta do mar, e cada vez mais a onda se aproximava de minha mãe. Nessa hora, não tinha nenhum salva vidas na praia, apenas uma competidora gananciosa e uma criança de dez anos. 

- MÃEEEEE - Corri até lá, mas não tive coragem de entrar. E assim que a onda bateu, ela cobriu minha mãe por inteira fazendo ela sumir e eu entrei em Pânico. Corri novamente, mas dessa vez foi pra pista mais próxima pra pedir por Socorro. Entrei na frente de uns carros e implorei de joelhos que alguém me ajudasse e apareceu um homem e que mesmo sabendo do perigo se prontificou em ajudar minha mãe. Ele saiu do carro, rapidamente e eu tentei explicar entre choros, e assim que ele entendeu, deixou um aviso a sua esposa.


- Ligue para os bombeiros!! - Avisou sua esposa antes de sair e ela assentiu.


Ele correu até lá e pulou na água, A última coisa que vi foi, ele trazendo o corpo pálido de minha mãe, desacordada. Pois depois disso, uma multidão correu até lá e uns caras me afastaram pra trás, Eu tentei me soltar, mas falhei novamente por não ter  forças. A única coisa que me restou fazer foi chorar e acreditar que está tudo bem com ela, eu sei que só tinha dez anos, mas eu já sabia que ela tinha bebido muita água, e que nesse caso se as devidas medidas não derem resultado, eu ia perder minha mãe. Assim que me afastaram, uns caras correram até ela e outros cercaram o local e pediu pra que aquela multidão se afastasse imediatamente. Os bombeiros que correram até ela, abriram sua blusa e começaram a fazer massagem a cardíaca, depois de muitas tentativas que não deram resultado, ele tapou o seu nariz e lhe fez respiração boca a boca e, ele dizia enquanto tentava fazer a massagem novamente " Reage, reage". E depois de uns minutos que pareciam uma eternidade, ele parou de fazer tudo o que foi possível e abaixou a cabeça suspirando pesadamente, e de longe ele me olhou e assentiu em negação.


- Ela era sua mãe, filho? - O chefe dos bombeiros que estava ao meu lado me perguntou, enquanto segurava em meu ombro em forma de apoio.

- Sim... - Respondi com muita dificuldade, abaixando a cabeça e logo abracei esse homem que estava ao meu lado e chorei, chorei na esperança daquilo tudo não ter passado de um pesadelo.

- não, não pode ser.. - Disse pra mim mesmo, já soluçando.

- Eu e todos os meus bombeiros, sentimos muito pela sua perda, você tem família garoto?

- T-tenho, meu pai, meu irmão e minha vó. - Respondi, com dificuldade.

- Então iremos te encaminhar pra sua casa, e iremos Avisar seus familiares, tudo bem? Você já passou por muita coisa hoje.

- Eu juro que avisei, eu disse.. 

- e sua mãe não escutou, não é? - Eu assenti, limpando as lágrimas. 

- Qual é o seu nome?

- Minho, Lee Minho. 

- Chefe, fizemos o possível, mas infelizmente a vítima não resistiu.. esse é o filho dela? - um bombeiro que estava na área cercada, correu até onde estávamos.

- Positivo, eu mesmo faço questão de levar o garoto até sua casa. - Afirmou.

- Minho.. - Abaixou, pra que ficassemos do mesmo tamanho. 

- Você é um menino forte e inteligente. E eu sei que você tentou salvá-la, não se culpe por isso nem agora e nem no futuro, entendido? - Fez gesto de soldado.

- Entendido.. - Sorri fraco. Como eu consegui sorrir naquele estado? Não importa, pois eu já sabia que depois que ficasse sozinho, eu iria chorar rios.. mas infelizmente isso não ia trazê-la de volta. 

- Pra onde vocês vão levar ela? - indaguei a observando de longe. Eu não podia acreditar..

- IML, lá eles vão examinar o que realmente aconteceu, depois do laudo médico, ela irá ser sepultada num cemitério da preferência de seu responsável.

- E eu posso ir ao enterro?

- Não é proibido, mas pra uma criança.. não é tão bom ir ao um interro.

- Mas, é a minha mãe! - Lágrimas ganharam espaço novamente.

- Tudo bem Minho, Vão permitir a sua entrada. Não se preocupe, agora vamos?

- Vamos.. - Quando me virei pra ir embora, eles já carregavam seu corpo pra colocar em um carro específico pra isso. Minha vida tinha acabado ali. Ver minha mãe, uma pessoa tão saudável e com uma vontade imensa de viver, daquela maneira... Saber que eu nunca mais vou ouvir ela falar, se mexer, me abraçar..


×


Depois que cheguei em casa com o chefe dos bombeiros, seu nome era Herman, Ele deu a triste notícia. Meu pai ficou sem chão, ele só sabia chorar. Ji hoon? Ji hoon, não derramou uma lágrima sequer, ele só sabia me olhar com ódio e desprezo.


Continua...


Notas Finais


Vorteeeei Xuxus ❤️
Mas não é pra ficar, infelizmente.
Mas nesse tempo que eu não puder vir, eu vou trabalhar muito em cima dessa nova fase que estará por vir, Pois como eu disse, apesar da min e do Minho serem namorados, o foco não é isso, pois tem muito mais coisas importantes que vão deixar vocês boquiabertos KKK
Enfim, sem muito spoiler, né meninas!
Atrasado mais tá aí ( STRAY KIDS GANHOU O KINGDOM AAAAAAAAAAAA) vou parar por aqui se não eu vou surtar até o último limite.
Desculpem-me pelos erros ortográficos.
Até breve, Xuxus ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...