História A Stripper - Capítulo 104


Escrita por:

Postado
Categorias Christopher Uckermann, Dulce María, Rebelde (RBD)
Personagens Christopher Uckermann, Dulce Maria
Tags Drama, Romance, Vondy
Visualizações 296
Palavras 1.293
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 104 - 100 Capitulo



 

A pedido do doutor Dulce de imediato fez o exame para saber se poderia ser a doadora de médula óssea para Luz. O resultado do exame só ficaria pronto no inicio da tarde do dia seguinte, então sem escolhas, Dulce teve que aguardar. Naquela madrugada ela se quer conseguiu pregar os olhos, tinha um medo tão grande dentro de si, não queria perder a sua Luz, não intendia porque de em um mundo com bilhões de pessoas justo ela estava passando por aquilo, já havia sofrido tanto em sua vida que não lhe parecia justo enfrentar aquilo. De madrugada velando o sono de sua filha Dulce chorava, as ultimas gotas de lagrimas que lhe sobrava ela chorava, ela então levantou seu olhar e encarou o teto branco daquele quarto de hospital sabendo que acima daquele teto havia um céu, e em cima dele havia um ser celestial que com apenas uma palavra mudaria todo o quadro de sua filha.


Pai, se por um acaso eu não for digna da tua misericórdia, olhe para a minha filha, ela é apenas uma menina, uma criança que merece viver, Jesus... Eu já não tenho palavras pra te implorar, já não tenho nem mesmo lagrimas para derramar diante de ti, senhor eu sei que eu fui falha, sou pecadora, cometi inúmeros erros na minha vida mas eu venho pagando-os, Deus o senhor viu o quanto eu já sofri nesta vida, por tudo que passei eu te imploro tenha misericórdia, ela é tão pequenininha, Deus me leva mas deixa a minha menina, cura ela, faz eu ser compatível, eu te imploro. – Ela respirou fundo e então espremeu seu olhos enquanto chorava. 
 

No dia seguinte, por volta das 18h o doutor chamou Dulce novamente a sua sala, quando a enfermeira lhe comunicou que o doutor gostaria de falar com ela seu coração no mesmo instante disparou, sabia do que se tratava, mas tinha medo de descobrir aquele resultado. Ela que estará no quarto com sua filha, encarou a menina que mais uma vez dormia, caminhou até a cama e depositou um beijo na testa dela e acariciou, em seguida saiu do quarto, caminhou pelo corredor com o coração apertado, com medo, quando chegou em frente a sala do doutor, ela deu uma batida na porta, segurou a maçaneta a girou, abriu a porta e colocou o rosto para dentro da sala, o doutor então vez sinal para que ela entrasse e assim ela fez. Ela sentou-se naquela cadeira acolchoada. 


E então? – perguntou com seu coração a mil. 


Dulce... – Ele deu uma pausa, parecia que ele buscava as melhores palavras para aquele momento o que a deixou ainda mais apreensiva. – Infelizmente você não é compatível. –  Aquelas palavras lhe fez o ar faltar por alguns segundos. aquilo não poderia ser real, não poderia estar acontecendo. 


Co... co... como não? Isso não é verdade, olha ai direito, eu sou a mãe dela, claro que eu sou compatível! 


A doação de medula óssea pode ser aparentada ou não aparentada. No primeiro caso, o doador é uma pessoa da própria família, em geral um irmão ou um dos pais. Há cerca de 25% de chances de encontrar um doador compatível na família. Já na doação não aparentada, as chances do paciente encontrar um doador compatível são de 1 em cada 100 mil pessoas, em média.


–  Um a cada mil? –  o doutor assentiu. Aquilo era terrível. 


–  Mas... Se eu não sou compatível, como achar essa uma pessoa? –  Ela limpou a primeira lagrima que rolou dos seus olhos. 


–  As informações dos pacientes que necessitam de transplante são incluídas no Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (REREME). Os doadores são cadastrados no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME). Os dados dos dois registros são cruzados para verificar a compatibilidade entre pacientes e doadores. Essa busca é automática. Mas como te disse ontem isto pode demorar semanas, meses, até anos. 


Isso não pode estar acontecendo. – Ela levantou o olhar e respirou fundo.


E o pai dela? Ou um irmão, se for filho do mesmo pai e mesma mãe as chances são maiores ainda. 


Eu, eu tenho um filho, não é o mesmo pai, mas ele pode ser compatível não é mesmo? – o doutor então assentiu. – Eu... Eu vou ligar o mais rapido possível para que minha mãe o traga para fazer os exames. – Afirmou. 


Não quero lhe preocupar, mas seja breve, tenho medo de que ela não resista sem o transplante muito tempo. – Aquelas palavras vinda de um profissional foi como um soco na boca do estomago.

 

Dulce nem mesmo sentiu suas pernas naquele momento, será que iria perder sua filha? não poderia deixar isto acontecer, não iria permitir que acontecesse. com o resto de força que lhe restou ela levantou daquela sala e saiu apressada, como louca saiu daquele hospital, o sol já estava se pondo e a noite começará a aparecer, ela estava transtornada, não conseguia pensar direito, só chorava, chorava e chorava, nem mesmo ela imaginava que ainda houvessem lagrimas o suficiente dentro dela. Luz não podia morrer, não podia, era o que ela repetia para si mesmo a todo o momento. 

Ela fez sinal para o primeiro táxi que viu, adentrou o mesmo ainda desesperada, tentando se acalmar um pouco, ela precisará estar consciente de tudo o que iria fazer a partir de agora. com certa dificuldade em falar devido ao seu choro ela passou o endereço de onde desejava ir. O taxista a olhava porém se manteve em silêncio, não fez nenhum tipo de pergunta, talvez por ter visto que ela não tinha condição alguma de responder qualquer coisa. Ao descer do táxi após tantos anos visualizou aquele prédio. O prédio em que havia sido tão feliz, onde havia vivido com o homem que julgará ser o homem de sua vida, caminhou até a portaria. O porteiro já não era o mesmo, mas isto era o que menos importava naquele momento. Ela aproximou-se da portaria, pediu para que o porteiro a deixa-se entrar, avisou a que apartamento iria, mas em resposta o homem disse que não era autorizado deixar ninguém subir sem a autorização do dono do apartamento e que além disto não havia ninguém em casa. Dulce então apenas agradeceu, então voltou para a beira da rua na espera de um novo táxi passar, ela não podia esperar, precisava falar com Christopher o mais rápido possível, ela então tentou ligar para Christian, mas o telefone chamava, chamava e ninguém atendia, logo ela pegou um táxi.

Mais controlada ela passou o endereço da casa dos Uckermann's, não tinha menor vontade de voltar a ver aquela gente, mas por sua filha ela faria o que fosse preciso.  Quando o táxi a deixou na frente daquele portão de ferro luxuoso ela caminhou até o portão que por sorte não estava trancado, abriu o mesmo, adentrou, fechou o portão e então caminhou apressadamente para dentro da casa. Quando colocou seus pés dentro daquela casa não conseguia acreditar que estava ali, ali onde havia sido tão humilhada, tão maltratada, tão desprezada, aquela casa lhe trazia péssimas lembranças, se pudesse nem em sonho voltaria aquele lugar, mas era por Luz, pela sua Luz, pela aquela garotinha que tanto precisava de ajuda e por ela Dulce faria qualquer coisa no mundo, até mesmo se humilhar para Christopher. Recordar o motivo que lhe trazia aquele lugar novamente lhe dava um desespero, poderia perder sua filha. Christopher precisava estar ali, se não estivesse que ligassem que dessem o jeito deles, mas ela não sairia dali sem falar com Christopher. Neste momento Dulce ouviu risadas vindo da sala de jantar, aquele era o momento, não iria recuar, não poderia. Ela então caminhou até a sala de jantar e entrou chamando assim a atenção de todos, incluindo de Christopher.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...