História Dias Ruins - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Tags Origianis
Visualizações 66
Palavras 1.118
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Violência
Avisos: Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - I hate my life - Capítulo I hate my life "Capitulo Único"


A minha autoestima sempre foi péssima. Eu não me vejo com um corpo perfeito, não me vejo bonita, os fios de meu cabelo não são sedosos como os das outras meninas, os meninos sempre acham um motivo para me deixar triste, porém algumas pessoas tentam me colocar para cima com palavras bonitas, mas no final sei que todas estão mentindo.

 

- Você está bem hoje, sua pele esta mais clara – minha tia Clara disse colocando as mãos em meu ombro.

 

- Obrigada tia, a senhora também parece bem.

 

Já teve a sensação de ser jogada no chão do pátio e ver todas aquelas pessoas rindo de você?

 

Eu sim, sentir todos aqueles olhares para você como se você fosse um lixo como se fosse não fosse daquela sociedade. Sociedade que só pensa nela mesma.

 

“- Beatriz, a algo errado com você?”

 

Isso é a única coisa que ouço desde que vim pra cá, ouço os professores perguntando se tudo esta bem e sou obrigada a dizer:

 

“- Sim, esta tudo bem.”

 

Quantas vezes vou ter que forçar um sorriso e dizer que esta tudo bem se não está?

 

Varias pessoas dizem querer me ajudar, mas não ajudam sempre se afastam na hora da merenda ou quando estamos na Educação Física.

 

Qual a graça de se ver no espelho e chorar pelos hematomas que te em seu corpo por apanhar?

 

Hoje mesmo me arrastaram para o banheiro e me bateram. O que posso falar para minha mãe quando ela voltar do trabalho cansada? “A foi algumas meninas que me bateram nada de mais”, como posso me aliviar dessas dores?

 

- Mais o que é isso? – Minha mãe disse segurando a manga da blusa e vendo meus cortes que ainda cicatrizavam.

 

Sinto minha pele arder pelo tapa que recebi de minha mãe.

 

Mas o que posso fazer para mudar tudo isso? Sou só uma bolsista que está em uma escola grande e famosa por ser filha da faxineira e ainda ser humilhada por isso.

 

- Nos diga Bia, o que você quer ser? – A professora de Historia me perguntava enquanto apontava sua régua em minha direção.

 

- Já que a mãe dela é faxineira ela poderia ser a merendeira, formaria uma bela dupla. – todos na sala de aula riram, mas logo depois receberam uma bronca da professora.

 

Esses dias eu estou indo muito mal na Escola, não tenho tempo para dormir e acabo dormindo na sala de Aula, quem poderia dormir em paz com uma mãe doente em cima de uma cama há dias? Não consigo comer nada, meus parentes falam que é frescura, mas não é.

 

Muitos deles falam para eu sair mais, curtir minha juventude.

 

“- Na sua idade eu saia em um dia voltava no outro.”

 

Mas eles esquecem que não tiveram essas dificuldades que eu tenho.

 

“- Bia, você viu a nova música do Justin?”

 

Bem que eu queria, talvez se eu tivesse um celular e wi-fi em casa.

 

Ver as meninas da escola com sapatos novos e eu com meu que nessa semana faz 1 ano que comprei em um brechó, é de doer o coração.

 

Eu queria viver eternamente, poder me formar ter um marido e filhos, meu sonho era ser Médica, mas algumas pessoas más destruíram esse sonho.

 

Desculpa Mamãe, por estar te fazendo chorar tanto.

 

Eu gostava do som dos pássaros de manhã, do vento batendo nas janelas, do piso de madeira da minha casa, das conversas em frente à sala de aula.

 

Será que posso continuar a viver como antes? Não quero falar e não quero conversar com ninguém, agora a minha melhor amiga é a gilete que sempre alivia as minhas dores depois daquele inferno de escola.

 

”Quantas vezes já decepcionei minha mãe falando que iria parar e não parei?”

 

“- Ate quando Beatriz você vai ficar vivendo assim – repeti pra mim mesma.”

 

Hoje na escola não foi diferente. Porque essas meninas sempre mechem comigo? Há tantas na escola.

 

- Porque comigo? – disse ainda com a cabeça baixa

 

- Vamos pensar em uma resposta... Porque sim.

 

- Até quando você vai se rebaixar a esse nível? – continuei tentando não chorar.

 

”Eu e minha boca grande, mais um motivo por ter apanhado e para aprender a nunca responder ninguém, Droga Beatriz! Porque você sempre estraga tudo?”

 

No meu aniversario meus colegas me fizeram uma surpresa, me vendaram com um lenço cinza e cantando parabéns me guiaram até algum lugar.

 

”- Vamos fazer um bolo Bia? – Falaram tirando minha venda, todos olharam para mim e eu alegremente concordei com a ideia.”

 

- Primeiro quebramos o ovo – Senti alguma coisa se quebrando em minha nuca.

 

- Depois vêm a farinha – Fui coberta pela farinha que eles me jogaram.

 

- E agora vêm o leite – senti todo aquele líquido escorrer pelo meu cabelo.

 

- Sentimos muito, só não temos a vela. – responderam com um tom de sarcasmo, como se simplesmente não fosse nada.

 

Alguns riram, outros até choraram de rir, pude ver alguns no fundo da sala me olhando com pena...

 

Seus olhares de arrependimento e suas desculpas não funcionam, não quero perdoar o erro que vocês cometeram.

 

As cicatrizes que vocês deixaram jamais vão sair.

 

Pareço bem, mas não estou.

 

Não consigo seguir em frente e ignorar tudo o que passei isso me dói.

 

Você já esteve diante da morte? Já sentiu a sensação? Eu finalmente terminei o 2 ano, só falta mais um ano... Mas eu já decidi, vou deixar todos e tudo, por qual motivo estou vivendo? Aonde devo ir? A realidade é muito cruel, muito rígida, não posso nem ao menos sonhar, se eu imaginar o futuro as lágrimas começam correr em meus olhos.

 

Não consigo me mover, meu corpo está pesado, meus olhos estão ardendo, não consigo respirar... Por favor me ajudem.

 

Eu sinto muito mamãe, por ir sem dar dizer um adeus.

 

Eu te odeio vida. Você é simplesmente cruel.

 

- Eu realmente te odeio...

 

Já sinto minha boca seca, admito que ao ver essa água cheia de sangue sinto um alívio.

 

“- Mãe, esses foram os últimos cortes, como prometido.”

 

“- Tia Clara, minha pele agora está ficando ainda mais clara que antes.”

 

“- Queridos professores, estou realmente bem agora.”

 

Obs: Queridas leitoras, a vida é realmente uma caixinha de surpresas, sentir dores durante esse percurso é comum.

 

Não desista de si mesma pelos outros, as pessoas são cruéis, sentem prazer em descontar suas frustações nos outros, nunca deixe que isso te faça parar no meio do caminho.

 

Lute! Se perder, tente novamente! Se tentarem te derrubar, levante-se!

 

Terminar com tudo não deixará tudo bem. Só abrirá espaço para que outra pessoa se torne o alvo e faça o mesmo, criando um ciclo vicioso que nunca termina.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...