1. Spirit Fanfics >
  2. A submissa (BTS Imagine Kim Taehyung Hot) >
  3. Twenty-Four

História A submissa (BTS Imagine Kim Taehyung Hot) - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um!

Espero que gostem!

Capítulo 24 - Twenty-Four


Fanfic / Fanfiction A submissa (BTS Imagine Kim Taehyung Hot) - Capítulo 24 - Twenty-Four

Ajeito a sua camisa, depois de ouvir a mesma pergunta várias vezes, e penteio melhor o seu cabelo com as minhas mãos. Apesar do Taehyung ter tentado evitar mostrar o seu nervosismo, conseguia perceber que o primeiro encontro com os meus pais incomodava, nesse aspeto.

Não demora muito tempo até a porta ser aberta e o meu pai surgir atrás dela. Estava vestido com um avental por cima da sua roupa e possuía um grande sorriso. Apressa-se para limpar a sua mão no tecido já sujo e aperta a do Taehyung.

— Entrem. — Diz, sem deixar-nos falar alguma coisa. — O almoço está quase pronto. — Fecha a porta atrás de si.

Caminhamos até a sala onde estava a minha mãe sentada no sofá com uma espécie de livro entre mãos. Ela mostra um sorriso de cumprimento quando vê-nos, levanta-se e abraça-me antes de olhar para o Taehyung.

— Deves ser o Kim Taehyung. — O seu sorriso torna-se maior. — Eu acho que já vi-te na televisão.

— Talvez, deve ter sido as entrevistas mais antigas. — Ele agarra na minha mão, a pedir por ajuda.

— Estava com muitas saudades vossas. — Falo para os meus pais que relaxam e concordam, fazia algum tempo desde que os tinha visto. — Aconteceu alguma coisa de interessante?

— Descobrimos porque é que nãos vinhas cá. — O meu pai cruza os seus braços. — Arranjaste um namorado.

— Eu achei muito estranho. — Desta vez é a minha mãe que fala. — Pensava que ias casar com o outro rapaz. Ele parecia ser muito querido.

— A senhora é muito bonita, agora percebo de onde vem a beleza da S/N. — Pronuncia-se e arranca um riso envergonhado na minha mãe. — E a simpatia também. — Ele olha para o meu pai. — Precisa de alguma ajuda? Eu gosto de cozinhar.

— Bem, ainda tenho de fazer a sobremesa. — É a última coisa que o meu pai diz, pensativo, antes de ser seguido por Taehyung até a cozinha, assim que os dois saem a minha mãe começa a rir.

— Viste a reação dele? — Ela agarra na minha mão para encaminhar-me até o sofá.

— Não o deixes mais nervoso, mãe.

— O que foi? Não tem mal nenhum, aliás até vai fazê-lo aproximar-se do teu pai agora. Podemos ficar finalmente sozinhas, não é bom?

— Sim, muito bom.

— Desde quando é que começaste a gostar dele? — Arregalo, um pouco, os meus olhos ao ouvir a sua pergunta.

— Creio que não faça muito tempo. Ele é muito especial. Encontramo-nos em um bar.

— Porque é que deixaste o outro e estás com ele?

— Eu acho que nunca senti que estava a viver a vida como deveria, e desde que o conheci que tenho sido surpreendida pela positiva e tem sido muito divertido. — Conto metade da história. — Além disso, sinto que finalmente tenho uma conexão profunda com alguém. É como se, não fosse preciso proferir palavras para nos entendermos.

— Fico feliz.

— A sério? — Ela acena positivamente com a sua cabeça.

— Vocês vão ter filhos lindos. Arranjaste um homem atraente, filha. Parece um modelo. — Quase que sussurra, com o seu olhar focado para a cozinha aberta que quase fazia parte da sala, sendo dividida por apenas duas paredes e um espaço aberto que servia como porta. — Taehyung! — Ela chama-o e, em questão de segundos, vemos ele levantar a cabeça para encarar-nos. — Acho que a S/N precisa da tua companhia. — Ele olha para o meu pai que concorda com a sua cabeça antes de dirigir-se a nós. — Estávamos a falar sobre ti. — O Taehyung senta-se ao meu lado.

— Sobre mim?

— Sim. No que é que trabalhas? — Pergunta a perguntar no seu livro de capa dura.

— Eu sou dono do casino Red Moon. — A boca da minha mãe abre, instintivamente, ao perceber qual era o estabelecimento que ele estava a falar. — Fui eu próprio que fundei.

— Isso é incrível. Pareces ser tão jovem. — Ele sorri vitorioso, por ter conseguido surpreender a minha mãe, ela abre o livro e mostra-nos, as duas páginas estavam preenchidas com fotografias minhas em criança e tento alcançar o livro quando vejo uma a tomar banho, mas sou impedida pelo Taehyung que se mostra divertido perante a ação da minha mãe. — Ela era muito fofa, não é?

— Muito.

— Mãe, porque é que estás a mostrar isso? — Ela sorri.

— Porque vocês são ambos adultos e estou positiva, ele precisa de ver estas fotos antes de casar contigo. Não achas?

— Sim, tem toda a razão. — O Taehyung, ainda a prender-me, muda a página e fico o meu desespero aumenta ao ver as minhas fotos em criança na praia com areia na cabeça.

— Mãe!

— Nesta ela tinha caído. — Aponto para a foto onde eu estava com a cara na areia com o meu pai a ajudar-me a levantar. — Ela era muito desastrada em criança, felizmente, isso mudou.

— A tua cara não mudou muito desde aquela altura. — Comenta e torna a mudar de página. — Quem é? — Olha para a minha foto abraçada a um menino. — O teu irmão?

— Ah, não. A S/N é filha única. Era o melhor amigo dela na altura. Ele dizia que gostava dela e que queria casar com ela, mas a S/N batia nele e fugia quando ouvia-o. Eles pararam de ver-se quando mudámos de casa.

— Compreendo. — Ele foca o seu olhar no menino. — Posso ficar com a foto? — A minha mãe estranha no início, mas depois de pensar e receber um sorriso dele, resolver entregar-lhe.

— Porque é que precisas disso?

— Olha que fofinha! — Ele desvia a sua atenção para a outra e a minha mãe acompanha-o para contar sobre a história por detrás da fotografia, o dia em que tínhamos ido ao jardim zoológico.

— Neste dia ela beijou um golfinho e foi beijada por uma foca. — Ri, ao lembrar-se do dia. — Parecia que todos os animais queriam ser amigos dela.

— Os animais presentem quem são as boas pessoas. — Ele aperta, um pouco, a minha mão. — É normal que tenham gostado da S/N.

— Como são os teus pais?

— Eles são muito simpáticos. — Sou eu que respondo. — Eu conheci-os por acidente. — Mostro um sorriso ao lembrar.

— Então, vamos dar-nos bem.

— Está pronto. — O meu pai volta a surgir na sala.

Levantamos e vamos até a mesa. O almoço parecia ser um interrogatório, amigável, para o Taehyung já que os meus pais não paravam de perguntar sobre a sua vida e ele, com um sorriso e a sua melhor disposição respondia.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...