História A surreal missão dos 12 escolhidos (signos) - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Espaço Sideral, Ficção, Luta, Magia, Romance, Signos
Visualizações 16
Palavras 1.791
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 39 - Capítulo 38- Jheniffer


{Capítulo narrado pela personagem Jheniffer}

Sem dar satisfação Emyli sai do Salão Nobre deixando todos lá, incluindo eu surpresos com o ocorrido. Mesmo aparentemente todos estarem determinados em ajudar os 12, Emyli decidiu não ceder nosso exército por razões até então desconhecidas.

Decido também deixar o Salão para ir atrás dela e tirar satisfações, tento a seguir com passos acelerados, mas a perco de vista, pois o castelo do qual estávamos é grande demais.

Emyli é minha amiga desde a infância, por isso a conheço bem, e sei que agora ela agiu por impulso, e sei que isso foi um ato desesperado dela. E sei que quando ela não sabe o que fazer em determinadas situações, ela vai para o bosque de Eldorado.

O bosque de Eldorado é o único lugar onde há vida além de humanos, lá é uma floresta que usamos para agricultura e pecuária. Um lugar belo, com a água limpa e transparente do lago, que de tão pura parece nem existir, com coelhos fofos brincando, peixes belos que podem ser vistos. A área completamente verde, com diversas borboletas, pássaros e uma boa variedade de animais. Era lá onde ela costuma esfriar a cabeça, e é pra lá que eu vou para tentar a aconselhar como sempre faço, porque afinal eu sou sua conselheira.

Parto de onde estava até o Bosque, demorando alguns minutos eu a encontro sentada na beira do lago cabisbaixa mexendo com uma das mãos na água em movimentos circulares. Eu assim que a avisto me aproximo lentamente, sento ao seu lado, e junto a ela começo a mexer na água, apenas esperando que ela por conta própria quebrasse o silêncio.

Emyli: Eu sou uma péssima rainha. _ Solta

Eu: Não, você não é, você apenas se preocupa demais com o seu povo.

Emyli: Mas não é isso que uma rainha deve fazer?

Eu: É exatamente isso que uma rainha deve fazer.

Emyli: Mesmo?

Eu: Mesmo. _ respondo a fazendo dar um pequeno sorriso.

Sempre que sinto que ela fez uma decisão equivocada deixando seus sentimentos falarem mais alto, eu tento estimulá-la a tomar a decisão certa. Como conselheira, é meu papel apoiar a rainha em momentos difíceis.

Emyli: O que você acha melhor?

Eu: Eu acho que o que a rainha aprovar, todos vão obedecer. Mas, eu acho que a decisão certa é a de proteger o seu povo.

Emyli: Mas é exatamente isso que eu estou fazendo.

Eu: É o que você acha que está fazendo _ ela bufa enquanto volta a mexer na água _ olhe pra mim Emy. _ ela hesita _ Emy... _ digo em um tom ameaçador, a fazendo me olhar nos olhos _ se você fizer isso, o risco desse magnânimo intergaláctico, ou qualquer coisa que ele seja, nos achar é grande demais. E se isso acontecer qual é a chance de nós nos defendermos dele? você entende isso Emyli? é uma questão de proteção pessoal nós atacarmos agora, enquanto temos os 12 vivos e dispostos a nos ajudar, se nós os ajudarmos, é claro.

Emily: Eu...

Nesse momento eu peguei a ruiva pela bochecha e continuei falando.

Eu: Ruiva, o seu povo só conseguirá se defender se você deixar. Além de que como rainha, você terá total liberdade de comandar o seu exército, por favor Emyli, eles... não.... nós, dependemos da sua decisão. Por favor. _ eu a solto.

Ela bufa, mexe mais um pouco na água extremamente transparente, acaricia um coelho lá perto, e finalmente decidi-se se levantar. Ela limpa seu maravilhoso vestido brilhante, e com um olhar determinado alega:

Emyli: Bora entrar nessa Guerra do caralho.

Eu: Assim que se fala garota. Exceto pela parte do palavrão, isso foi desnecessário.

Emyli: Desculpa, é que eu precisava soltar essa.

Enquanto caminhávamos novamente para o Salão Nobre, Emyli e eu conversámos assuntos relevantes.

Eu: Quem você acha o mais gato deles?

Emyli: Jheniffer! _ contexta_   é o Leão né, claro.

Eu: Nem ferrando, ele é musculoso e alto demais pra mim. Por isso sou mais Libra, aquela elegância dele é de tirar o fôlego.

Emyli: Diz que não gosta de homens musculosos mas é gamadinha no Steve, sempre foi.

Nesse momento não sei o porquê, meu rosto fica vermelho.

Eu: Ele é... _ Antes de que eu pudesse falar, percebi um agito vindo do Salão Nobre, que nos fez correr para ir até lá.

Assim que chegamos, demos de cara com uma visão muito estranha, confusa e revoltante. Por algum motivo com excessão do Leão, os 12 estavam no Salão Nobre incluindo Steve e mais um homem de cartola.

Esse homem de cartola se chama Linbraham, um homem responsável por muitas dores de cabeça no passado, mas que aparentemente tinha sossegado há um tempo, aparentemente apenas pelo visto.

Eles estavam de pé, enquanto todos os outros do Salão Nobre estavam de joelhos em fileira como reféns. Eu realmente não consigo entender o porquê de tudo isso, muitas perguntas me vieram a mente mas a única coisa que eu consegui expressar naquela hora era:

Eu: O que merda tá acontecendo aqui?!

Steve nos percebendo entrar, se aproxima de mim com um semblante sério no rosto. Ele me olha, e ao meu lado ele vê Emyli, e por algum motivo ele a olha com um aparente ódio.

Emyli: O que está acontecendo aqui Steve?!

Eu: Responda sua rainha!

Steve: Eu preciso falar com você em particular. _ Diz ele se referindo a mim.

Eu: Eu? por quê? não vou fazer nada até que se explique!

Steve: Só vou poder me explicar se você vier comigo!

Emyli balança a cabeça dizendo que eu deveria obedecê-lo, hesito um pouco mas digo:

Eu: Tudo bem, vamos.

Virgem: Steve _ diz ele depois de já ter se aproximado _ se você não voltar em 20 minutos no máximo eu vou atrás de você.

Como assim?! o que ele acha que eu vou fazer com ele?!

Steve: Não acho que seja necessário mas tudo bem.

Levo ele até um lugar mais reservado.

Assim que chegamos, ele tranca a porta, e então me pede para sentar em uma cadeira que por lá havia. E então começa a falar.

Steve: Você percebeu a ausência do Leão?

Eu: Sim.

Steve: Isso aconteceu porque ele foi envenenado, e não tem mais capacidade de lutar.

O quê?!

Eu: O QUÊ? como isso aconteceu?!

Steve: Ele foi envenenado por uma garçonete de uma taberna.

Eu: Mas por que ela faria isso?

Steve: Segundo ela, Emyli ordenou para que assim ela pudesse se permanecer no poder.

Eu: E vocês acreditaram?!

Steve: Eu não, mas os 12, ou melhor, 11, acreditaram. Mas saiba que eu não descarto essa possibilidade.

Eu: Jura Steve?! _ pergunto irônica e com raiva _ Vocês se conhecem há séculos!

Steve: Já fazem séculos que eu não há vejo, eu não sei se posso confiar em uma pessoa que eu não vejo há tanto tempo.

Eu: Ah é? então você confia em mim?

Steve: Sim, em você eu sinto que posso confiar, eu conheço você como ninguém, e sei que nunca mentiria pra mim.

Essas palavras por algum motivo me deixaram sem reação, me deixou com o coração batendo mais rápido e me deixou mais fraca.

Eu: Escuta, Steve... _ tento me focar no assunto _ Emyli nunca faria nada do tipo. Eu convivo com ela quase que 24 horas por dia, e saberia se ela estivesse conspirando contra você.  Essa garçonete por algum motivo mentiu.

Steve: Eu meio que disse para ele que a mataria...

Eu: Tá vendo só! ela teve que mentir para viver.

Steve: Mas é que eu não tive escolha...

Eu ri, afinal, essa é a desculpa mais clássica e sem sentido do Steve há séculos.

Eu: Bom, seja lá o que o Leão tiver,  nós temos os melhores químicos e médicos aqui em Eldorado. Pois a experiência e tempo de estudo deles atravessam gerações, nós vamos dar um jeito.

Steve: Impossível, a médica do hospital já disse que não tem mais jeito.

Eu: Bom, então provavelmente ela não é uma das melhores médicas, porque eu acho que meus subordinados darão um jeito.

Steve: Bom, a esperança é a última que morre. _ diz me fazendo dar um sorrisinho.

Eu: Além disso Steve, nós acabamos de decidir que iremos os ajudar fornecendo o exército.

Steve: O quê?! _ disse com um semblante de felicidade.

Eu: Sim, ela hesitou um pouco, disse para todos que não iria ajudar mas acabou mudando de ideia.

Steve: Isso é ótimo.

Eu: Inclusive ela iria declarar isso agora, e vocês atrapalharam.

Ele fez uma cara de assutado, colocou a mão no rosto sabendo que fez uma burrada, e exclama:

Steve: Então é melhor nós irmos agora lá para esclarecer as coisas não?

Eu: Acho uma ótima idéia._ respondo sorrindo.

Enfim depois de discutimos decidimos voltar ao Salão, onde todos estavam em uma situação de refém.

Steve: Já está esclarecido, não foi a rainha, podem deixar a guarda.

Escorpião: Como pode ter tanta certeza?

Steve: Porque antes de nós chegarmos aqui, Emyli planejava nós fornecer o exército.

Áries: Sério? ALELUIA!

Libra: Bom, se o Steve está dizendo. Pessoal, baixem a guarda. _ Ordenou fazendo todos obedecerem.

Steve: Bom, agora que tudo está esclarecido é melhor nós planejamos a nossa primeira joga... _ Algo ruim aconteceu, Steve por algum motivo para de repente de falar, ele aparentemente tenta dizer algo mas nada sai.

Eu: Steve?

Eu não sei o que está acontecendo, nesse momento a voz de Steve  se embraganha, ele paralisa, e então cai ao chão sem consciência.

Eu: STEVE!

Todos vão a ele em gesto de socorro, tentam entender o que ocorreu, ficam desesperados tentando reanimá-lo mas não conseguem, pois ele está totalmente desacordado.

Linbraham: Foi ela!

Ela? quem seria ela?

Por algum motivo todos me olham com raiva, como se tivesse matado alguém. Ela sou eu?

Eu: Vocês não estão achando que...

Linbraham: Ele estava normal até chegar até aqui, é óbvio que aí tem dedo seu. Escolhidos, eu aconselho que a prendam.

Áries é o primeiro a se levantar, e este corre até mim e me agarra o jogando nos seus ombros.

Áries: Você vai dizer o que fez com ele, AGORA!

Eu: Me solta eu não fiz nada!

Emyli desesperada vem até mim.

Emyli: SOLTE-A AGORA!

Libra: Peguem ela também!_ assim que ele ordena, Sagitário sai de onde estava e também a segura.

Sagitário: Sinto muito rainha, mas não foi legal o que fizeram.

Emyli: ISSO É UM GRANDE ERRO! NÓS NÃO FIZEMOS NADA! ME ESCUTE!

Ladon nosso General, cansado de ficar parado vendo a rainha e eu sermos injustiçadas, se levanta e tira sua espada da bainha.

Ladon: Soltem elas agora!

Virgem: Qualquer movimento seu, será muito prejudicial a rainha, então se acalme..._ disse em uma sonoridade calma, se apróximando de Ladon.

Ladon se viu em um beco sem saída, e resolveu novamente baixar a guarda. Deixando assim Sagitário e Áries nos levarem para um possível interrogatório.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...