1. Spirit Fanfics >
  2. A tentação da minha vida >
  3. Capitulo 9(lembranças de um desgraçado parte 2)

História A tentação da minha vida - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


bom, desculpa a demora, é que esta se tornando cada vez mais difícil de mandar um capitulo aqui em casa com todos de férias.....MAS AQUI ESTAMOS COM MAIS UUUM

espero que gostem, beijos e boa leitura!
desculpa qualquer erro

Capítulo 9 - Capitulo 9(lembranças de um desgraçado parte 2)


a aula a seguir foi educação fisica, e como sempre eu preferi ficar sentado vendo os outros garotos jogarem futebol , enquanto aproveitava para conversar com gaby( minha melhor amiga da sala ).

 -carlos por que você não faz logo o que a carol te disse? porra eles são seus pais e vão te aceitar do jeito que são- dizia gaby e eu sabia que ela fala mais pra tentar me fazer acreditar, pois ela mesma não acreditava em suas próprias palavras de agora.

-gaby, eu os conheço bem. quando meu primo se assumiu para a familia, eles foram os primeiros a criticarem o garoto e não quererem que ele chegasse nem perto de mim e nem dos meus irmãos, isso que esse primo era o xodó dos meus pais. então se eles fizeram isso com u sobrinho que eles tinham como filho, o uq e fariam com o próprio filho?- gaby e olha com um olhar compreenssivel e tristeza.

- o lado bom de ter um amigo bi é que eu posso falar com ele de qualquer coisa, tanto de homens quanto mulheres- gaby disse sorrindo pra mim e eu dei risada desse sorrisinho bobo dela.- e por falar em garotos, viu que o diego ta cada vez mais gostoso?-ela fala olhando para o garoto que por sinal estava jogando bola, e que assim ficava mais encantador( diego era um dos garotos mais belos da escola, que por sinal andava com um grupo de garotos idiotas que eram os valentões da escola e se sentiam os gostosões da escola. por mais alguns realmente eram.)

- gaby minha linda, gostoso mesmo está o novo professor de artes, o de 20 anos que chegou a pouco tempo na escola- eu disse mordendo um canto do labio, arrancando assim risadas de gaby que infelizmente foram tão altas que chamaram a atenção do professor de educação fisica que estava perto do campo.

-POSSO SABER QUAL O MOTIVO DAS RISADAS?- o professor carrancudo grita pra nós dois e assim vejo que TODOS pararam para ver.

-nada professor, era que eu estava contando pro carlos sobre meu dia ontem...- gaby começa a falar de uma maneira tão tediante que o professor a interrompe no começo da historia mesmo.

-quer saber, deixa pra lá. carlos mostra pro pedro onde é meu armario e traga as bolas de volei pra cá . e gaby pode tratar de ficar aqui, porque eu conheço ela e sei que se ela for não volta mais.
os outros garotos assim voltaram para o jogo. eu me levantei ja indo em direção ao portão para me juntar com pedro que já estava no topo me esperando, com aquele sorriso que mesmo tão pouco tempo já faz me derreter todo. 

-vamos lá?- pergunto quando já chego do lado dele e retribuo o sorriso. assim que nos  viramos sinto um arrepio passar pelo meu corpo ao sentir o dele tão próximo ao meu. mais porra que é essa que esse garoto tem pra me deixar assim? quando dei por mim  ja estava parecendo um pimentão com o pedro me olhando com um sorriso convencido na cara.

- esta assim vermelho por que?- ele pergunta ainda tem esse sorriso convencido no rosto. vou tirar ele no tapa- será que é por que estamos aqui só eu e você? apenas  nós dois nessa sala onde nem ao menos tem camera de segurança- ele completa agora mudando de um sorriso convencido para um sorriso malicioso. FUDEU!

- estou vermelho assim por conta do sol e por todos da sala terem me encarado por causa do professor- enquanto eu dizia percebi que pedro vinha se aproximando devagar enquanto eu ia indo pra trás até encontrar a parede contra as minhas costas, e assim ja estava sem saida.-fora que tudo bem estarmos aqui sozinho, já que somos apenas amigos e viemos pegar as bolas de volei apenas-aquelas palavras por algum motivo doeram em mim , mas no caso essa era a verdade, afinal. nem nos conhecemos direito, é o primeiro dia dele na escola  e eu apenas sei uma parte do nome dele.

-bom, se for por isso vamos lá. meu nome completo é pedro barbosa silva, minha mãe se chama barbara silva e o barbosa vem do meu pai, julio. ele morreu a uns dois anos-pedro faz uma pausa e pega duas bolas de volei, e assim que ele olha em direção da porta(que por sinal é perto de onde estou encostado e coagido), e percebo um olhar cansado e triste nascer em seus belos olhos esmeralda, e por algum motivo isso me deixou meio abalado no momento- desde então é só eu e minha mãe. e por fim, confio em ti por algum motivo então vou te contar um segredinho- pedro chega bem perto do meu ouvido, ele esta com as bolas de volei em suas mãos , então ja esta se direcionando pra saida. ele chega e encosta a ,boca bem proxima da minha orelha- sou panssexual .- dizendo isso ele nem ao menos esperou minha resposta mas ja foi indo embora.
assim que saí atras dele, ele ja tinha dado as bolas para o professor que deu partida ao jogo de volei. chamei pedro para dar uma volta pela escola e lhe contei um pouco da minha historia, mas por algum motivo não queria contar sobre minha bissexualidade.

algumas semanas se passaram e eu e pedro tivemos progredindo em nossa relação, nos tornando mais intimos um do outro. pedro de vez em quando nas filas começava a me encoxar e por ser algo que eu também gostava não reclamava. pedro pedia pra que  acompanhasse até o banheiro , pois n gostava de ir sozinho mictório , e lá ele fazia de tudo para que eu pudesse ver seu membro de forma discreta(se você for para a parte distante do mictório, a que ficava perto da parede, quem estava na porta poderia tudo, TUDO mesmo).
além das vezes que nos trabalhos ele alisava minha coxa ou esfrega a perna na minha. eu ainda me fazia de difícil, pois algo nele não ,e cheirava bem. e para variar, num belo dia o professor pede para que fassemos um trabalho e dupla, e para minha surpresa pedro quis que eu fosse sua dupla.
pedro ja tinha feito amizade com a sala toda,conversava bastante com os meninos escrotos da sala e eu nunca entendi o motivo. conversava com os valentões e até com os nerds. e mesmo com todos esses ele ainda vinha falar comigo.
marcamos de nos encontrarmos na casa dele a tarde depois da  escola. ele tinha dito que os pais tinham saido, então teriamos a casa toda pra nós, e para variar aquele sorriso malicioso estava em seu rosto e um calafrio percorre por todo meu corpo.
 
assim que as aulas terminam vamos para a casa dele e no caminho conversamos sobre coisas totalmente aleatórias.ele morava proximo da escola, então andamos muito.
a casa era simples. era uma casa grande de uma cor azul clarinho, com um jardim bem cuidado na frente dele e algumas roseiras apareciam de modo aleatório perto das janelas.a casa por dentro parecia menor, mas era bem mobilada e bem decorada.
 - olha só, se não é o pequeno pedrinho timando banho,hahaha- disse pegando uma foto emoldurada dele tomando banho, já que a casa era toda lotada por fotos dele- você não em nenhum irmão ou irmã?

-não-disse ele tomando a foto da minha mão e pondo ela no lugar de onde eu tirei.-eu sou filho unico e minha mãe sempre foi louca por fotos, e depois que meu pai morreu ela decidiu se afundar nisso, abrindo um negócio e agora vive fora tendo que tirar fotos de diferentes lugares e coisas. o bom é que pagam por isso e sempre pagam toda a viagem.

-então sua mãe é realmente boa, mas me parece que você não gosta muito disso..-assim que comecei a falar ele me cortou

-não viemos falar da minha mãe carlos, então vamos  pro meu quarto por favor?-pedro disse impaciente e por algum motivo eu não me irritei pela maneira grossa dele. segui o garoto com cabelos tão escuros até o quarto dele, que era um dos ultimos comodos da casa. era um quarto grande e espaçoso, com uma cama de casal,dois criados mudos belissimo, contendo um em cada canto do quarto. um guarda roupa simples e uma teve de umas 40 polegas ou mais presa na parede, um video game e uma caixa repleto de jogos.
assim que terminamos nosso trabalho, fomos jogar um pouco. pedro sentou no meu colo do nada e la ficou enquanto jogavamos, enquanto ele tava lá eu imaginava coisas extremamente brochantes, pois eke estava sentado encima de meu membro.

-carlos-me chamou de um forma manhosa- você gosta de mim?-pedro me pergunto fazendo uma vozinha de criança pedinte que naquela voz dele ficou belíssima.-digo.... mais que amigos sabe?- ele agora se virou pra mim e pos as pernas envolta da minha cintura.

- p-e-pedro..... eugosto sim de ti-eu disse ja sentindo meu rosto queimar-mas sempre preferi ficar calado pois não sabia se era reciproco mesmo-disse dando um sorriso enquanto encarava aquele belo rosto.
-sabe carlos, desde que te vi sinto vontade de fazer uma coisa- pedro disse de uma forma provocadora e  olhando pra minha boca fixamente.

-o que é então?-perguntei de forma inocente. pedro soltou uma risadinha e aproximou a boca dele a centimetros da minha, e em curto tempo ele rompeu esse espaço selando nossas bocas. sua lingua pedia passagem e eu estava  tão extasiado que só me dei conta quando nos separamos para respira que eu ja tinha dado permissão. nos encaramos por segundos e voltamos a nos beijar com mais intensidade.
 
uma de suas mãos passeava por minhas costas enquanto a outra puxava de leve meus cabelos para mais próximo de si. a cada segundo o beijo se intensificava e ficava com mais desejo.quando tivemos que nos separar para recuperar o folego, pedro arranca sua fora  em um movimento rapido, exibindo assim seu corpo bem definido e forte. seu corpo era bem depilado e pude ver os pelos crescendo que levava para a porta do céu. pedro deu outra risadinha e voltamos a nos beijar. uma das minhas mãos apertava sua bunda enquanto a outra apertava seu corpo contra o meu. 
nos separamos novamente e dessa vez foi minha vez de tirar a camisa. meu corpo não era atletico como o de pedro, mas era um pouco definido, em compensação eu tinha senhora de uma bunda.
  
pedro se senta do meu lado e me puxa pra cima dele , assim trocando de posição. ele passa a mão pela minha bunda e a aperta, me deixando ainda mais exitado. começo a me mover encima do corpo dele e percebo que ele esta cada vez mais exitado. quando dou uma acelerada pedro solta uns gemidos que me deixavam doidos.
pedro começa a descer os beijos, passando da minha boca para meu queixo e dele para meu pescoço, deixando varios chupões por lá, mas isso não me irritava, apenas queria ele pra mim. queria ele dentro de mim!
seus beijos pararam em meus peitos, onde ele deu leves mordidas e chupadas, me deixando louco. sai de seu colo quando vi que ele estava chegando em meu umbigo

-minha vez!- eu disse dando um sorriso malicioso pra ele. pedro apenas se deitou mais sobre a cama. retirei a bermuda que ele usava, exibindo assim a box branca que ele usava e o volume que o membro dele fazia. E PORRA, PRA QUE TANTA IGNORANCIA ? NA FILA DOS DOTADOS JÁ SEI QUEM PASSOU UM POUCO A MAIS -cacete... pra que um negócio tão grande?-perguntei ainda maravilhado com aquilo e deixando uma gota de saliva cair sem querer.

- pra fazer você salivar de vontade meu gato- pedro disse dando um sorriso. não o respondi mais voltei a fazer o que estava fazendo. comecei a fazer uma trilha de beijos até chegar  na  barra de sua box, e para provocar comecei a tirala com a boca - pra que tanta tortura?-pedro pergunta enquanto tiro a cueca box dele bem devagar com a boca

-pra ter certeza que você realmente quer isso- disse sorrindo pra ele - e porque gosto de ver seu desespero nos olhos - pisquei para pedro e terminei de levar sua cueca até os joelhos, onde ele mesmo se livrou rapidamente.
desci para a virilha dele e la depositei um beijo, indo direto para as coxas, e la fui alternando entre beijar e chupar as mesmas. quando ele começou a implorar para que eu o chupasse logo, fui em direção ao  membro latejante de pedro. 
 comecei com leves lambidas na cabeça, mas logo depois quem não aguentou foi eu e abocanhei seu membro. o gosto era incrivel e rapidamente comecei o movimento de vai e vem nele. pedro segurou nos meus cabelos, tomando as redeas de tudo, e assim fazendo com que eu fosse nele todo e depois voltasse até o topo rapidamente.
depois de alguns minutos ele se desmanchou em minha boca, e com isso ouvimos o som da campainha e isso me tirou do meu transe , me levando a merda que eu estava fazendo

-puta merda! logo agora que tava ficando melhor? JA VAAAAI- pedro grita pra quem quer que seja- se veste enquanto eu vou la tá?-pedro me da um selinho e vai a a caminho da porta, e por mais incrivel que pareça em tão pouco tempo ele já estava vestido.

-vou aproveitar a deixa e ir embora-disse e assim que pegeui minhas coisas fui ao encontro dele na porta- pedro  já vou indo porque ja ta tarde ta bom?-falo dando um abraço em pedro e um beijo na bochecha de  sua mãe que havia acabado de chegar

-tudo bem, então até amanhã!0- nos despedimos e eu fui embora.





 no dia seguinte, percebi que todos me olhavam torto, mas acabei sem entender o motivo. vou caminhando e avisto carol vermelha de raiva e com olhos que minavam ódio. assim que ela me olha ela começa gritar

-CADE AQUELE FILHO DA PUTA DO PEDRO? AGORA QUE EU MATO ELE!-e assim ela entrou correndo procurando ele. encontrei a kelly no meio do caminho e perguntei o que estava acontecendo.

- bem... como eu vou dizer?..... bom, vou ser direta ta bom? carlos meu lindo, pedro gravou você e ele em um momento intimido, mostrou para todos da escola e disse que você é um ótimo boqueteiro. disse que você é a pessoa mais besta e que com poucas palavras conseguiu te levar pra cama, e quase te comia se não fosse pela mãe dele aparecer bem no meio de tudo.- eu via o olhar de pena da kelly, mas preferi escutar tudo calado, por mais que minha vontade fosse de fugir e me esconder de todos. por que raios pedro fez isso comigo?- e tem mais, carol ja mandou um menino hoje pra enfermaria porque foi falar de vocêela, e agora ela quer o pedro e disse qe vai matar ele.

-kelly, então você esta me dizendo que o pedro filmou eu com ele e falou essa merda pra escola inteira? pergunto ainda incredulo pra kelly, que apenas afirma com um olhar de pena lançado pra mim- KELLY EU QUERO SUMIR DAQUI AGORA!ELE NÃO PODIA TER FITO ISSO COMIGO...-mal pude terminar de falar, pois um dos valentões da escola me deu um murro na boca tão forte que me levou imiediatamente pro chão.

- GENTE INVERTIDA COMO VOCÊ MERECE FICAR AI NO CHÃO-matheus cospia em mim enquanto kelly apenas olhava horrorisada sem saber oq fazer- VOCÊ DEVIA TER NOJO DE SI MESMO, VAI MORRER ARDENDO NO FOGO DO INFERNO-enquanto falava, carol apareceu do nada lhe dando um murro em sua barriga e gritando para que fosse embora.

depois desse episódio, sai daquela escola e desde então nunca mais olhei na cara do pedro nem queria saber mais dele. sempre rezei para que ele também nunca mais aparecesse na minha frente. e carol tinha conseguido bater nele ,pois a mesma fazia na época boxe, ela bateu bastante nele até que um cara separou eles. 
eu tinha superado esse trauma e já tinha me relacionado com outros. fora que aquela nunca foi a minha primeira transa, pois eu ja tive outros antes dele, mas eu também sabia que fui muito trouxa nessa questão.

está eu aqui olhando para a cara do desgraçado de novo!
 


Notas Finais


bom espero que tenho gostado!!!!!
beijos e tchaaaaaau


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...