História A Teoria das Cores - Capítulo 4


Escrita por: e zLuma

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 43
Palavras 1.017
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Esperamos que gostem ❤
Recomendamos a vcs que durante a leitura, ouçam as músicas colocadas no começo de cada capítulo.

Agradecemos pelas visualizações, pelos comentários e pelos favoritos.
Estamos felizes por estarem gostando da fic ❤

Boa leitura ❤

Capítulo 4 - Guardado a Sete Chaves




"Meu fantasma
Onde você foi?
Eu não posso encontrar você no corpo adormecido ao meu lado
Meu fantasma
Onde você foi?

O que aconteceu com a alma que você costumava ser?"


"Estou buscando algo que sou incapaz de alcançar"


Ghost - Halsey
-------------------------------------------------------------------------------


2 dias depois...


Pov Agatha


"Sério que eu ainda estou aqui? Cadê a parte em que eu acordo assustada, na minha cama macia e quentinha?"


     Isso se passava na minha mente, nos dois dias em que eu estava dormindo naquele inferno. Cadeira maldita, nem pra ser um pouco mais confortável. Depois da minha reclamação do dia, olhei em direção à cama. A máquina estava funcionando, as cobertas estavam bagunçadas, a garota não tava mais ali, a porta estava abert... PERA, QUÊ??


Pov Aurora


- Eu quero um mistinho e um café preto, por favor


     Eu não lembro como vim parar nesse hospital, mas a única coisa que eu sei é: eu estou sem o meu olho direito, e estou com muita fome. Peguei meu mistinho e meu café, e fui até uma mesa vazia. Antes de sentar na cadeira, perguntei para o homem da mesa ao lado, qual dia era hoje.


- 7 de Junho


- O QUE? - falei alto, assustando o homem - Hã... obrigada.


     Como assim, eu passei 2 DIAS no hospital? Meu Deus! Se eu passar mais alguns minutos aqui, eu com certeza vou ser demitida dos meus empregos.
     Comecei a comer, rapidamente, para sair logo daqui. Estava quase terminando, quando...


- Ei! Você é a garota do quarto 201! - virei minha cabeça, era uma da enfermeiras - Você tem que voltar para cama imediatamente! Nós temos que fazer alguns exames, para ver se você pode ter alta.


- ... - eu olhei para a enfermeira, depois olhei para o meu prato, depois para o meu copo, então voltei à olhar a enfermeira denovo. Levantei devagar e...
- EI! VOLTA AQUI! - saí correndo para o elevador. 


     Quando já estava dentro do elevador, apertei todos os botões possíveis. "Merda, nem o elevador funciona nessa porra" - pensei, desesperada. A enfermeira estava chegando ao elevador. Meu coração começou a bater mais forte ainda. Comecei a cantar o que representa a minha vida.


- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH 


Pela minha surpresa, a vida não quis me fuder ( como ela costuma fazer ). As portas do elevador fecharam bem na cara dela.
     Quando cheguei ao meu quarto, a garota suicida estava agachada, olhando para de baixo da cama. O quarto estava todo revirado, e a Super Suicide Woman estava resmungando algo.


- AAAAH, merda. Eu não acredito que ela sumiu! O que eu vou falar pra enfermeira? "Aah, ela virou glitter,e a fada madrinha a levou" 
- Hã... você tá bem? - ela levanta imediatamente, me olhando com uma cara ameaçadora.
- Onde você estav...
- Sem tempo para explicações, nós temos que pular da janela - falei, pegando as minhas coisas.
- O QUE? EU NÃO SALVEI SUA VIDA PRA VOCÊ QUERER SE MATAR AGORA!
- Calma, eu tenho um plano - faço uma trança com os lençóis que estavam jogados pelo quarto. Então, prendo uma ponta na cadeira, do lado da janela. Depois, jogo o resto da trança para o lado de fora.
- Desce! - falo a ela
- Quê?
- Você quer que eu desenhe ou soletre? - ouvi alguns passos se aproximando, no corredor - VAI LOGO!


     Então, finalmente descemos. Quando chegamos no chão, comecei a correr, puxando-a pelo pulso, para me acompanhar. Chegamos a um posto próximo.


- O que vamos fazer agora? - a garota pergunta
- Não sei você, mas eu vou me trocar e ir rápido ao trabalho - falei, me virando e indo em direção ao posto
- Ei! Espera aí. Eu te carreguei por cinco quadras, te levei pro hospital, e... - ela me seguiu, enquanto falava sobre sua incrível trajetória nesses dois dias que se passaram.


Quando estavámos no meio do caminho, minha paciência já tinha esgotado.


- Putz - bati na minha testa - esqueci um negócio em casa, vou lá buscar,  já volto - falei de um jeito irônico, enquanto acelerava o passo
- Eu salvei sua vida, e você me agradece assim?
- Olha, eu já entendi que você salvou minha vida, e eu agradeço profundamente. Sério, tô te devendo uma, mas eu tenho muita coisa pra fazer. Eu não sei quem você é,ou se sua vida é boa ou não, mas a minha está uma merda desde que eu nasci! - falei, sem paciência - Então, com licença, eu preciso ir.
- Nossa, realmente, muito obrigada - ela sai, sem olhar para trás.


     Chego em casa. Ainda tinha que pegar meu uniforme do trabalho. Meu pai não está em casa. "Deve estar no bar, bebendo, como sempre" - penso. Quando abro a gaveta, para pegar o uniforme, vejo que o meu dinheiro não está mais lá.


- Não acredito. DESGRAÇADO! - falo, enquanto vou em direção ao quarto do meu pai.
- Não, não,não... droga - falo, com um ar de tristeza, enquanto procuro meu dinheiro nas gavetas. Óbvio, ele tinha pegado para beber, denovo.

Sem querer, um papel acabou caindo das roupas dele. Quando peguei o papel nas mãos, vi que atrás estava escrito: "De Lara; Para Aurora"


- Uma carta,... da minha mãe. - logo em seguida, abri a carta.


     "Querida Aurora, espero que leia isso um dia. Quero que saiba que eu nunca te abandonei, e nem queria. Eu preciso explicar muitas coisas, mas só podem ser explicadas pessoalmente. Quando eu sair daqui, irei para muitos lugares: 
- Você vai se apaixonar por essa cidade
- A capital desse país resume-se em: 
Nothing you can say
But you can learn how the play the game
It's easy
- Uma bela praia, uma vista exótica. Mas,tome cuidado!
- Sua capital tem uma grande variedade, mas todos aparentam ser iguais.
- Tão perto das celebridades...

- O que acontece lá, fica lá. Você precisa entrar pro jogo!
     Eu acredito no seu potencial. Um dia, com certeza vamos nos encontrar.


Te amo.
Da sua mãe, Lara".


-----------------------------------------------------------------------------------


...WTF?





 


Notas Finais


Então gostaram? Conseguem acertar as dicas dos lugares da carta?

Até o próximo capítulo, com mais cores ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...