História A torre da boneca - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Satsuriku No Tenshi (Angels Of Death)
Personagens Personagens Originais
Visualizações 56
Palavras 883
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Survival, Terror e Horror, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - "Se lembra?"


Fanfic / Fanfiction A torre da boneca - Capítulo 3 - "Se lembra?"

P.o.v alterado

Bonecas que ganham vida? Isso é aceitável considerando de quem vem. Agora elas serem fortes? Ninguém diria.

- Que machucado é esse? Levantem ele. – Ela fala e ambas as bonecas me agarraram pelo braço me pondo de joelhos.

Agora eu tinha uma visão do lugar, a garota que tanto me implorou para morrer estava correndo pela sua vida, talvez pela nossa promessa?

- Ei, ei! Que ferida é essa? Você teria uma infecção. – Ela fala passando a mão no corte aberto recém ferido. – Deixe-me cuidar de você como antigamente.

Ela bateu palmas e uma boneca com um kit médico, ela mexe no kit e procura algo, eu me debato algumas vezes já que não sei quanto ela conseguiria fugir ali.

- Ei por quê está incomodado com a garota? Ela vai virar uma boneca e será eternizada, você vai poder brincar com ela enquanto estiver preso aqui. – Ela fala e então começa a me enfaixar enquanto os bonecos dela me agarram me impedindo de fugir.

Eu escutei a pirralha gritar, as bonecas já tinham imobilizado então não restará muito tempo até que decidissem como matar sem danificar o corpo.

Eu a ouvi murmurar “socorro”, talvez aquilo fosse o empurrão necessário. Usei toda a força para chutar a rapariga e afastar as bonecas, empurrei as bonecas que a prendiam utilizando meu corpo, tive que gritar para controlar meu corpo, um assassino sem arma é um animal enjaulado.

- Ei, ei! - A rapariga chamou irritada – Você está bagunçando minha brincadeira! Assim como antigamente...

A pirralha se levanta, a onda de adrenalina já tinha saído do meu corpo, mas ou levantava ou teria outro corte e ninguém quem me enfaixar.

- Você está bem? – Pergunto para ela enquanto a ponho sobre o ombro e corro para longe das bonecas.

- Para onde você está correndo? Esse é o andar dela. – Ela fala, eu senti que ela estava tremendo.

- Para algum lugar que você fique segura!

A risada da rapariga se espalhava por todo o andar e as bonecas seguiam pelo andar com vários tipos de arma.

- Ela vai me matar? – Ela me pergunta um pouco mais recuperada.

- Eu vou matar ela primeiro. – Afirmo a pondo no chão em um canto que as bonecas não olhavam, talvez o elevador estivesse perto.

- Ei, 11 31 24, você é mais inteligente do que parece. – A rapariga se aproxima e para na nossa frente – Por quê você não fica aqui comigo? Eu cuidarei de você como antigamente!

- Eu não sei do que você está falando, eu sei que lembraria de uma rapariga sádica.

- Você... Não lembra de mim? – Ela põe uma mão no próprio peito e abaixa a cabeça. E então levanta olhando a pirralha – É por ela?

- Que? – Pergunto e a rapariga parecia querer se aproximar.

Um movimento rápido, ela avançou a ponta do guarda-chuva contra a pirralha, eu segurei na base e o puxei para mim.

- Não é uma foice... Mas vai te matar.

- 11 31 24... – Ela me encarou.

- Meu nome não é um monte de números! Nem o seu! Para que insistência com as regras dessa torre idiota?!

- Porque se eu não seguisse... – Ela parou e tirou um batom do bolso passando em seus lábios – Não teria a possibilidade de fazer isso!

Por onde saia a ventilação começou a se espalhar uma espécie de fumaça rosada.

- Meu perfume bonequinha, em breve disponível no exterior! – Ela fala rindo.

- Aguente um minuto. – Falo para pirralha que tapa a respiração e me aproximo da Lolita com a ponta do guarda-chuva apontada para sua barriga.

Ela recuou com um pulo e eu a segui, as bonecas foram se aproximando.

- Qual seu nome? – Pergunto para ela entre estocadas com o guarda-chuva contra as bonecas que estavam a defendendo.

- 11 31 24... Um monstro como você quer saber o nome de uma dama como Eu? Você está até agindo como se não fôssemos nada! – Ela continua recuando para a parede mas ainda sim ria irritada – Você está se divertindo ao matar as bonecas?

Eu estava sim aproveitando, mas não se pode matar o que já está morto.

- QUAL SEU NOME? – Repito a pergunta.

- 33 35 32 32 54. – Ela diz.

- Molly? Eu pedi seu nome caramba!

Eu estava sobre ela, destroços de boneca ao nosso redor e o guarda-chuva em seu pescoço.

- M-madson... – Ela gagueja, talvez não esperasse que eu a vencesse. – Pode dizer não lembrar de mim! Mas te farei meu!

P.o.v alterou

O ar... Eu já estava sem ar. Eu estaria descumprindo a promessa se morresse ali e eu lembro de odiar descumprir promessas.

Atrás de mim uma janela com cortinas rosa surge e as cortinas se separam da janela se abrindo e formando a passagem para a escadaria.

O gás parou de descer, mas eu soltei minha respiração antes da hora. Eu inalei um pouco daquilo, e me senti um pouco tonta. Eu tentei me afastar para a escadaria mas não consegui me mexer.

- Ei, pequena! Você aguentou bem! – O maior fala se aproximado com sua foice e estava com uma expressão que eu não consegui entender.

- Você está bem? – Pergunto.

- Isso importa? – Ele responde e estende a mão, mas logo recuou e seguiu escada abaixo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...