1. Spirit Fanfics >
  2. A Última Aposta >
  3. Capitulo 11

História A Última Aposta - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Obrigada a minha beta @MeireMRL se não fosse por você essa história estaria ainda no papel. Agradeço de coração à você que sempre me ajuda saiba que um dia quero escrever tão bem quanto você.

Obrigada a @TatyPrince
Obrigada @Miss_Snape

Capítulo 11 - Capitulo 11


Snape se sentou em seu lugar, e Roberta lhe entregou o caderno que constava os dados sobre a investigação da morte de Jason, ao seu lado, enquanto liam todos os dados da investigação os conselheiros pareciam nervosos.

- Por favor Roberta, como estou vendo que foi convocada para testemunhar, prefiro começar por você, já que sei que vai colaborar. - Disse Snape lendo atentamente as anotações sobre a investigação.

- Sim senhor. - Disse Roberta se sentando na cadeira destinada à quem seria interrogado.

O auror que estava designado para interrogar às pessoas começou.

- Senhora o que fez pela manhã antes de ir ao evento? - Perguntou o auror.

- Eu estava trabalhando, cheguei aqui no ministério bem cedo, eu entro às seis horas da manhã, eu sempre sou a primeira a chegar, pode perguntar para qualquer auror que faz ronda no corredor, e sai somente na hora do meu almoço, então eu fui ao evento.

- Você tinha algum desentendimento com a vítima? - Perguntou Snape.

- Não. Pois eu apenas o conhecia de vista.

- Sua mentirosa. - Ronny se intrometeu. - Harry me contou que ouviu vocês dois discutindo. - E senhor ministro a Joanne me contou que não convidou essa senhora. - Disse Ronny em tom de malícia.

- Cale a sua maldita boca Weasley, você sim tinha motivos para matar o Doutor Jason, eu posso dar os motivos você morria de ciúmes da amizade dele com a Joanne, eu mesma já vi você falando mal dele, e não sei se o senhor sabe ministro mais já vi o senhor Weasley lendo livros de artes das trevas, e como o odiava eu aposto que o Weasley o matou.

- Roberta, isso é uma acusação grave. Espero que o ciúmes não esteja fazendo com que invente questões infundadas... quanto à ter ciúmes eu acredito, mas o Weasley ter feito aquilo, eu duvido, até porque, a arte das Trevas, requer suavidade e inteligência apurada - Disse Snape olhando para Ronny.

- Porque o senhor não manda um auror revistar à sala dele, eu vi o livro lá à mais de um mês, e também sei que o senhor desconfi dele, só não o indicia para não arrumar problemas com a sua filha, mas se o senhor quer o melhor para ela, é melhor investigar o Weasley afinal não vai querer sua filha casada com um assassino, na verdade um serial killer, pois também acho que ele matou o Sidney.

- Já que a Senhora Roberta está acusando o senhor Weasley acho que podemos ouvi-lo. Pois tenho algumas perguntas paea o senhor Weasley. - Disse o auror olhando em direção a Snape.

- Weasley sente-se e nos conte o que você sabe. - Disse Snape de forma letal.

- O que o senhor fez pela manhã antes de ir ao evento? - Perguntou Snape.

- Eu fui bem cedo ao beco diagonal, sai de casa sete horas da manhã, e depois eu fui ao evento.

- Isso é mentira, eu soube que o senhor foi à uma loja de brinquedos no beco diagonal, pois foi feita uma retirada de seu cofre em gringotes, como gringotes me forneceu o nome da loja, eu mesmo fui lá, a vendedora me disse que se lembrava do senhor, porque de acordo com ela é um cliente que gasta muito, o senhor chegou lá na hora que ela abriu à loja, e que parecia ter pressa em entrar, ficou lá por mais de uma hora, porém tem um tempo de quatro horas até o senhor ter chegado ao evento. Senhor Weasley nos conte o que o senhor fez das seis da manhã até meio dia. - Disse o auror.

- Eu não dormi naquele dia, pois meu filho estava com febre, então saí às seis e meia de casa, para ir à loja, eu fui cedo porque eu tinha outras coisas para fazer, demorei um pouco na loja de brinquedos, e fui resolver alguns assuntos pessoais que minha esposa havia me pedido, pois ela estava cansada para ir.

- Que assuntos são esses? - Perguntou Snape.

- Assuntos pessoais que só dizem respeito à mim e a minha esposa.

- Weasley colabore. - Disse Snape.

- Por favor, o senhor não vai gostar de saber o que eu fui fazer, como esse assunto quem sempre resolve é a Joanne, eu demorei muito lá, fiquei quase quatro horas e fui ao orfanato.

- Que assuntos são esses, Weasley? Fico curioso em saber quais temas foi tratar que demoraram tanto tempo. Por acaso, frequentou a Travessa do Tranco? - Perguntou Snape.

- Senhor Weasley você está querendo omitir muito onde estava porque? Será que nesse tempo estava perseguindo o senhor Jason, ou talvez estava arrumando a cena do crime? A propósito o que o senhor fez quando chegou ao orfanato?

- Eu fui procurar a senhora Malfoy, e assim que ela chegou eu avisei para ela que a Joanne não iria.

- O senhor está dizendo que a Senhora Malfoy não estava no orfanato? - Perguntou o autor. - Ou está apenas tentando se esquivar das minhas perguntas? - Snape estava curioso querendo saber o porque de Ronny estar querendo esconder dele onde Joanne pediu para ele ir.

- Eu demorei para encontra-la.

- Isso é tudo senhor. - Disse o auror.

Narcisa se sentou, e o auror foi rápido ao começar à interroga-la.

- Senhora eu fiquei sabendo que a senhora chegou mais tarde ao evento isso é verdade?

- Sim. Pois pensei que Joanne chegaria cedo, então eu fui fazer compras.

- Compras? No dia que precisava chegar cedo à um evento que estava organizando.

- Sim. Eu precisava de produtos pessoais.

- A Senhora conheceu a vítima.

- Muito vagamente só o conhecia porque presenciei em uma ocasião ele assediando Joanne. Isso foi no hospital, me lembro dele pois ela o esbofeteou. E pareceu muito irritada.

- É só isso senhora. - Disse o auror. - Vou chamar a última testemunha do dia

Duas horas depois o auror entrou acompanhado de Joanne.

- Me desculpe senhor ministro pela demora, mas a senhora Weasley se atrasou para chegar.

- Meu pai me conhece, e sabe que não consigo chegar aos locais na hora marcada então acredito que não o culpara por isso. Me desculpe pai, mas essa noite foi cansativa então acordei atrasada.

- Não tem problema algum. Vamos começar com o interrogatório. - Ao abrir o caderno Snape pareceu se enfurecer. Mas respirou fundo tinha que seguir com o protocolo.

- A Senhora conheceu a vítima quando? - Perguntou o auror.

- Ele estudou comigo em Hogwarts, mas não éramos da mesma casa, ele era dá corvinal e eu da Sonserina.

- A Senhora já namorou com a vítima não foi?

- Sim.

- Por quanto tempo?

- Digamos que uns quatro anos.

- Porque o namoro terminou? Um antigo professor da Senhora contou que vocês terminaram o namoro um mês antes do casamento. - Perguntou o auror.

- Eu acho que minha vida íntima não diz respeito a ninguém.

- Senhora isso é importante.

- Tá bom. Ele terminou comigo porque resolvi me aliar ao lorde das trevas. Depois disso fiquei sem vê-lo por quatro anos.

- Senhor isso condiz com minhas investigações mas à testemunha está omitindo uma coisa. De acordo com uma enfermeira, ambos tiveram uma forte discussão uma vez no centro cirúrgico.

- E daí tivemos sim, e o expulsei a tapas de lá. E ninguém pode me culpar ele me ofendeu.

- Senhora isso significa que vocês não tinham um bom relacionamento.

- Você vá para o inferno com sua suposição isso foi apenas um desentendimento. Agora o Malfoy e ele tiveram uma grande discussão na minha frente, e isso aconteceu dois dias antes dele morrer.

- Acho que isso não vem ao caso agora. - Disse Snape olhando para Lucio.

- Joanne calma isso é apenas um protocolo você não pode o culpar por isso ele só está cumprindo o papel dele. Willian pode se retirar, acho que o interrogatório da Senhora já terminou.

- O senhor está enganado. - Disse o auror. Muitas pessoas que estavam no evento falaram que a Senhora Weasley demorou para chegar ao local. A Senhora estava fazendo o que?

- Eu estava dormindo.

- Ou talvez estava oculpada matando o senhor Jason.

Snape iria interferir no interrogatório mais Joanne falou rapidamente.

- Se me acusar mais uma vez, eu o processo.

- Não estou a acusando só estou analisando os fatos, eu tenho mais uma pergunta. Senhora Weasley pode me descrever como é sua aliança de casamento. Vejo que não está a usando. Porque?

- Não estou a usando porque a perdi no dia do meu casamento. Ela sumiu na clínica, quando a tirei para ir para o centro obstétrico. Mas porque quer saber como ela é.

- A Senhora pode por favor colaborar com o interrogatório.

- Ela é dourada. - Disse Joanne sem paciência. - Ora se quer saber os detalhes dela, basta olhar para a do meu marido, pois elas são iguais.

- Não preciso senhora, eu já vi o senhor Weasley a usando, por isso posso ter certeza que esse anel que foi encontrado na cena do crime é sua aliança de casamento. - Disse o auror mostrando para Joanne a aliança.

Joanne ficou surpresa ao ouvir aquilo, afinal tinha certeza de que a aliança estava em algum lugar da clínica.

- Não tenho mais nenhuma pergunta à fazer. - Disse o auror, senhor ministro, senhores conselheiros peço licença para sair.

- Eu quero minha aliança. - Disse Joanne impedindo à saída do auror.

- Senhora ela é prova de um crime, ficará sob...

- Sob minha responsabilidade. - Disse Snape pegando à aliança da mão do auror



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...