História A um passo do paraíso - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Henrique & Juliano, Luan Santana
Personagens Henrique, Juliano, Personagens Originais
Tags Casais Fofos, Dois Amores, Drama, Musica, Romance, Suspense
Visualizações 133
Palavras 1.618
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa tarde amores, desculpe-me a demora, voltei pra faculdade aí é aquela correria. Esse capítulo tá bem especial, a duas semanas semanas atrás o Henrique e Juliano gravaram o dvd Menos é mais, e a música do capítulo de hoje tem um trechinho não Oficial no insta do @benicio_peb segue no link https://www.instagram.com/p/Bl324WdFC27/?utm_source=ig_share_sheet&igshid=1vqu84pggz86 recomendo vocês ouvirem, tá linda demais, vão fazer vocês ficarem mais apaixonados por Henrique e Juliano, espero que gostem! ♥️

Capítulo 18 - A festa parte 2 Capítulo explosão


P.O.V Ana

- você chegou meu amor! Está lindo! - fui abraçar lo mas ele logo recusou irado.

- eu falei que não queria poha de festa nenhuma! Você é surda? - ele gritou baixo mas o suficiente pra uma boa parte dos curiosos nos olharem espantados, eu tentei sorrir e manter a calma.

- Henrique, sei que não queria, mas eu fiz tudo pensando em te agradar, vem...- o arrastei ainda resistente para o outro lado do quintal, onde no gramado estava montado um palco perfeito em círculo, a decoração com luzes coloridas e cadeiras rústicas completavam o show, Henrique sorriu ao ver mas logo se virou irado novamente.

- tem alguma coisa errada, você nunca me apoiou e agora quer que eu cante na frente de tanta gente? - realmente, eu não o apoiava mas minha imagem estava em jogo.

- me desculpe meu amor, hoje você deve iniciar um novo ciclo, ser quem realmente quer ser e eu estarei te apoiando, vai lá em cima se trocar, separei um look especial pra você - ajeitei a gola da blusa.

- não Ana, eu não queria essa festa, vou ficar pelas pessoas que você convidou, mas não vou vestir nada não, agora me dá licença - me empurrou e saiu andando, nessa hora minha vontade era de matar ele mas me segurei, o importante é como as pessoas vão me ver.



P.O.V Henrique

 Que saco! Não acredito que Ana aprontou isso, não acredito que Júlia sabia e não me contou, as duas são iguais mesmo e eu que sou trouxa de gostar dela demais, Thiago me traiu também, se bem que até minha mãe me traiu.

- você está lindo meu filho - ela veio logo me abraçar.

- por que você deixou ela fazer isso?! - me arrependi da agressividade.

- meu filho, Ana fez isso pra te agradar, não fica bravo com ela, não foi essa a educação que te dei! - ela me repreendeu.

- ela sabia muito bem que eu não queria!

- ela achou que você falou brincando, releva meu filho, você não gosta tanto de cantar? Aproveita seu dia! Olha como tudo está lindo!

- tudo bem mãe, me dá licença - sai depressa pra procurar onde Júlia estava, preciso vê o que ela acha de tudo isso. Empurrava, cumprimentava e sorria até que a encontrei em um canto conversando com Bruna.

- Júlia - ela se virou e minha boca secou no mesmo momento, o que está acontecendo?

- finalmente posso te dar os parabéns! - ela me abraçou carinhosamente e senti como se minha alma tivesse deixado meu corpo, queria que o mundo parasse naquele abraço mas não podia, tinha que voltar pra realidade, então sussurrei em seu ouvido:

- pode vir até o jardim comigo? Te espero lá - sorri pra Bruna, e sai andando como se fosse apenas outro abraço comum. Caminhei em direção ao jardim onde o palco estava montado, tinha algumas pessoas mas a maioria estava la dentro se divertindo com os inúmeros salgados que eram servidos. A lua cheia completava a noite com sua beleza, fiquei por alguns segundos olhando pro céu, me perguntando se lá havia alguém ou algo que me cuidasse de mim. Meus pensamentos foram interrompidos pelos passos da bota de Júlia. Me virei e sorri ao ver que era recíproco.

- você está linda demais - rocei minha barba no seu pescoço e a vi suspirar.

- obrigada Henrique, mas aqui não é lugar - ela sorriu tentando parecer gentil.

- você tem razão, bem eu queria um conselho seu... - é estranho mas em pouco tempo me sentia confortável pra me abrir com ela.

- está inseguro, não está? - ela me olhou compreensiva.

- está tão visível assim?

- eu conheço você, mas sobre o conselho, aproveite Henrique, esse é seu momento, você ama cantar, e Olha que lindo o palco, pega seu violão e faz a melhor coisa que você poderia fazer em toda sua vida: vá atrás do seu sonho!

- obrigada - a abracei e me senti encorajado. - vou buscar meu violão

- tudo bem, depois quero te dar o presente que comprei - sorri malicioso, imaginando a de calcinha de renda vermelha em seu corpo.

- iiiii, não é nada do que você está pensando seu bobo - ela me bateu de leve no braço, dei um beijo em seu rosto e fui atrás do meu violão.


P.O.V Júlia

  Voltei sorrindo das ideias malucas de Henrique, Júlia me olhava impacientes por deixar ela sozinha fazendo sala e vigiando pra Thiago não me ver com Henrique.

- eai? O que ele queria? - perguntou impaciente.

- queria um conselho se cantava ou nao...- falei sem muita importância.

- Júlia, sabe quem é ele? - ela me cutucou fazendo olhar pra mesma direção que ela, onde tinha um homem alto, branco igual um fantasma, cabelos pretos e aparentemente muito bonito.

- iiiii apaixonou - ri da carinha de boba dela - acho que é amigo do Henrique, posso descobrir quem é...

- ele não vai olhar pra mim, tá na cara que ele já deve ter alguma menina bem mais interessante, olha as pessoas que estão aqui, to me sentindo mal.

- Bruna, você é linda, sabe disso né? Vem, você está muito pra baixo, vamos tomar uma cerveja, depois descubro quem é e faço ele enxergar tudo que você tem de bom, vai ver se vai vai ficar doido em você!

- será? - ela ficou insegura.

- Bruna, para de bobeira, dois inseguros hoje não aguento não - rimos e logo ouvi a voz de Ana chamado no microfone, parecia vir lá do Jardim.

" Com vocês, o aniversariante mais lindo do mundo: Henrique Tavares..."

Corri pro gramado onde o palco estava e quase todos os convidados estavam lá pra vê o meu anjo cantar, ele estava sentado numa banqueta reforçando a ideia do acústico. Estava tímido, sorrindo pra todos mas parecia procurar algo, ou alguém... Será que sou eu? A multidão foi se formando e eu o ia perdendo de vista. Empurrei as pessoas até chegar perto do palco, perto o suficiente pra vê lo se acalmar apenas com um olhar, a melodia doce começava a tocar, seus olhos se fecharam como se entrasse em um transe, a música parecia nos invadir, foi quando abriu seus lábios e aquele poema nos entorpeceu:

"Minha boca na sua, já tô doido pra provar, nem rolou o primeiro beijo mas tenta química, nem dá pra explicar, nem na tabela periódica, me fala que não vai, passar a noite só sorrindo, me tira daqui, me leva pro seu paraíso, não quero voltar pra casa imaginando o que poderia rolar, com você quero fazer agora..." Foi impossível não chorar, vê lo realizando seu sonho, sendo aplaudido, tão feliz, fora a música que  era linda, parecia que ele me pedia pra tirar ele desse lugar, cantou com tanto amor. A gente se olhou enquanto as lágrimas escorriam, Bruna me abraçou feliz por nós dois estarmos em tanta sintonia, acho que era palpável. Ana o olhava sorrindo mas de verdade não estava sentindo essa felicidade. Era coisa nossa que ninguém entende, era troca de energia, apoio e carinho, mas era melhor eu ser a coadjuvante, já estava chamando atenção demais pra mim.

- Henrique, canta bem pra caramba - Thiago chegou com três bebidas.

- é canta sim - minha voz entregava a emoção.

- que foi Júlia, ficou emocionada? Eu chamo o Henrique pra cantar no nosso casamento. - gelei com a ideia.

 Henrique se levantou do banquinho, e uma mulher uniformizada o levou. Ele começou a cantar calmamente mas parecia sofrer com cada palavra, se virou pra Ana e começou a recitar: "eu me apaixonei por alguém que nunca quis amar ninguém, eu mesmo me fiz seu refém, me prendi, eu, que era livre pra voar, cortei as minhas próprias asas, fiz de você a minha casa, fiquei aqui com você..." De repente a música mudou de calma e ficou grave, Henrique olhou pra plateia com mais segurança: " eu fui sentindo o frio chegando e o seu perfume acabando, eu me refiz pra não ter que ver você me deixando..." Nessa hora Ana fechou a cara, e todos perceberam o clima pesado mas Henrique não ligou muito e continuou: " não sei, se mudou a estação, sei que não é mais verão, estou deixando nosso ninho, decidi voar sozinho, vou em busca de outro amor, não tem mais doce a nossa flor, eu preciso de carinho, nem que seja um pouquinho..." Percebi que dona Maria o olhou feio e Ana saiu do canto do palco, só de pensar no que Henrique vai ter que ouvir só por causa de uma música. Ele estava muito tranquilo, em paz até, e isso me encatava. Ele foi aplaudido, agradeceu e desceu do palco seguindo sua mãe.


P.O.V Henrique

- gostou do show mãe? - cheguei sorridente mas ela e Ana me olharam feio.

- por que humilhou a Ana desse jeito?

- como assim? - nos exaltamos - eu só cantei uma música, não precisa ser pra Ana, já escrevi tantas músicas que ela nunca deu a mínima!

- você olhou pra ela, todos perceberam - ela resmungou baixo pra que ninguém ouvisse.

- mãe, foi só uma música! - gritei e percebi olhares pra mim.

- você tá querendo separar da Ana? Não vou deixar! Trate ela bem!

- nós estamos bem, não é meu amor? - falei arrogante olhando pra ela se fazendo de vítima.

- Henrique, Ana só tentou te ajudar até hoje, a trate bem e com respeito, acho bom vocês darem um beijo pra selar esse compromisso! - ela se aproximou tímida, e eu a beijei, mais por conta da minha mãe do que por desejo, foi nesse momento que senti alguém mais me olhando, e quando nos separamos vi Júlia surpresa com os olhos marejados mas não podia ir atrás dela.


Notas Finais


Bem amores espero que tenham gostado, logo logo tem mais ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...