1. Spirit Fanfics >
  2. A Usurpadora nos Mares >
  3. Descobrindo o Jordan

História A Usurpadora nos Mares - Capítulo 19


Escrita por:


Capítulo 19 - Descobrindo o Jordan


Fanfic / Fanfiction A Usurpadora nos Mares - Capítulo 19 - Descobrindo o Jordan

A Usurpadora nos Mares

Capítulo dezenove: Descobrindo o Jordan

Os três já estavam assentados, e o Arthur não deixou que o silêncio se instalasse durante muito tempo.

—Então, se matarmos esse.. Pesadelo da Noite...

—Apenas "Pesadelo", é melhor. — Benjamim o interrompeu.

—Pesadelo... Se o eliminarmos, as almas roubadas do Henry e da Carina retornaram para eles? — o homem questionava esperançoso.

—Em hipótese? Sim. — Elisa fala indiferente, nunca foi com a cara dos mesmos.

—Certo, estou dentro. Para lutar precisamos de ajuda. Chame... a União dos Piratas ou seja lá como vocês chamam. — ele falava voltando ao seu tom habitual.

Elisa concordou com a cabeça, estava admirando uma faca.

—A propósito, como sabe o pulso radical? — Arthur falava se levantando.

Nesse momento Elisa enfia a faca na mesa.

—Como?! — ela indaga séria.

—O pulso radical, quando segurou meu pulso e me jogou no chão. Achava que apenas uma pessoa sabia esse golpe.

—Eu também achava... Como sabe dele? — Elisa novamente indaga com sua voz, apesar de firme, mostrava uma súplica.

Arthur arquea a sobrancelha, afinal, ele que perguntou isso.

—Peter Jordan.. — Benjamim fala baixo encaixando as peças. Os olhares foram diretos a ele.

—Como você sabe? — Arthur questiona.

—Como você o conheceu? — a jovem pergunta.

—Ele era o parceiro que citei mais cedo.

Os olhos de Elisa perdem a cor, ela se afunda na cadeira.

—Peter... matava? — sua voz saiu arrastada, ela estava surpresa em como conseguiu falar.

—Sim. Mas como falei, era por necessidade.

—Matava... — Elisa murmurou.

O silêncio que se formou ali era torturante, Elisa pensava em mil coisas. Seria possível estarem falando realmente da mesma pessoa? Peter mentiu ainda mais a ela? O que ele escondia? Ou melhor, quem era de fato Peter Jordan?

Arthur olhava de soslaio para Elisa, questionava somente com o olhar para Benjamim. O jovem correspondeu ao seu sinal, e assim, soube que fazer.

—Vou te contar o que quer saber. — Elisa o olha devagar, seus olhos ainda estão sem cor. —Mas antes, me diga, até que ponto sabe sobre Peter Jordan?

—Morava em PurgaCity, a serviço do James, conhecido como Martelo. Sua esposa, Elisa Jordan, estava morta. Mas... Vi que no túmulo dos dois diz que a causa da morte foi suicídio, o que duvido muito. Enfim, é isto.

—Bem, vamos do início... — Elisa logo deu atenção a ele — Peter foi recrutado por Dylan para matar, afinal, o Jordan era jovem, era valente e por mais que você não o tivesse conhecido assim, era temperamental. Ele tinha acabado de perder os pais numa pequena luta civil, e assim, estava sem casa, sem família e sem dinheiro. Precisava de algo, e assim que Dylan ofereceu, aceitou. No decorrer do tempo, ele passou a ficar eficaz no que fazia, era manipulador, mentia com facilidade, e ao matar ficou indiferente; até tentei trazer ele de volta, mas parecia que já era tarde, até que..

Elisa se segurava para não chorar, todas aquelas revelações, todas aquelas histórias, mexiam com ela.

Arthur suspirou um pouco, e após tomar ar continuou:

—Até que conheceu Elisa Clark, uma jovem mulher graciosa e gentil, ela o mudou bruscamente. Durante um mês, ela fez o que não consegui fazer em um ano, trazer o velho Peter de volta. Logo o Jordan passou a questionar o Dylan, passou a ter falas moralistas, deixava seus alvos viverem, seus olhos já não desejavam sangue, mas tranquilidade. Estava farto daquilo. — o ar de tensão era palpável ali — Ele se casou com Elisa, e após isso, disse que não faria mais nada para o princípe, nem por diversas moedas de prata.

Elisa sentiu seu coração aquecer, sentia orgulho dele.

—Então, Dylan disse que ele teria apenas uma última missão, ir para PurgaCity e.. — ele hesitou.

—Fale, Arthur! — Elisa pediu.

—E que matasse o líder em nome do Dylan, para assim, ali ser território do princípe. — Johnson soltou como se estivesse preso há muito tempo.— James, o tal Martelo, foi mandando por Dylan para verificar se Peter faria o que lhe fora ordenado.

—E se ele se recusasse? — Benjamim perguntou mas já previa a resposta.

—Elisa Jordan morria.. — Elisa e Arthur falaram em uníssono, ambos com pesar na voz.

—E tudo o que Elisa pedia era que ele não matasse mais, que não voltasse a ser o que era. — Arthur falava cabisbaixo. — Nem que isso custasse a própria vida..

—E assim ele se recusou, e assim que Martelo deu com língua nos dentes, ela se foi. E como ele não tinha para onde ir, decidiu ficar ali, perdeu tudo o que ele mais amava, o que mais ele poderia querer? —Arthur falava com um tom de ira, Dylan estragou a vida de todos.

—Só estranhei ele não me falar nada de você, provavelmente era pra te proteger. — Arthur fala por fim, depois dá um longo suspiro.

—Eram amigos? — Elisa pergunta com sua voz rouca.

—Sim. Ele que recomendou que eu fugisse.

Uns instantes de silêncio surgiram, mas logo Benjamim questiona:

—Por que será que Peter morreu? Ele não tinha mais nada a oferecer.

—Ele morreu..? — Arthur questiona.

—Ele cuidou de mim, a partir dos meu treze anos até os meus dezessete. Ele me ensinou tudo o que sei, e me ajudou a fugir de PurgaCity. —Elisa fala olhando para o nada.

—E assim que Dylan quis você fora da jogada, quis saber tudo à seu respeito, desde sua origem à seus defeitos. — Arthur fala sério.

—E Martelo deve ter falado tudo. — Elisa cerra os punhos — Bem que ele me disse que a Corte tinha ido ver o Peter, mas eu não tinha ideia que eles o mataram.. — Elisa sente uma pontada no coração.

—Ele morreu enforcado? — Arthur questiona seco.

—Sim. Segundo o Martelo, sim.

—Era um dos métodos que o próprio Peter matava, foi um deboche da parte deles.

A tensão aumentou mais.

—Por que o deixou lá? — Johnson pergunta.

—Ele meio que não me deixou opção.

—Sempre tem uma opção. E não tinha como você chamar menos atenção? Todos sabem da Elisa Sparrow, a que enfrentou o Príncipe. — Arthur disse com tom de irônia. — Tinha que ter em mente que Peter seria um alvo.

—Eu..

—Não foi o Dylan que matou o Peter Jordan, foi você!! — e assim Arthur sai do gabinete bruscamente.

Benjamim vai atrás dele.

—Eu sei.. — Elisa fala baixo, deixando enfim suas lágrimas saírem — E eu nunca vou me perdoar por isso.

...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...