1. Spirit Fanfics >
  2. A Usurpadora nos Mares >
  3. Meu filho!

História A Usurpadora nos Mares - Capítulo 20


Escrita por:


Capítulo 20 - Meu filho!


Fanfic / Fanfiction A Usurpadora nos Mares - Capítulo 20 - Meu filho!

A Usurpadora nos Mares

Capítulo vinte: Meu filho!

Mais uma manhã começou nos Mares temperamentais, o mar não é tão agitado assim, mas quem navega neles... É outra história.

Elisa acordou cedo como sempre, o navio nunca ficava desprotegido se dependesse dela. Mas uma coisa estava incomum. Além da presença do Arthur? O incomum era o que fazia.

—Eu não vou fazer isso. — O homem murmurava, mas sua voz ainda estava firme.

—Para de ser orgulhoso! E vá fazer o que é correto!— Benjamim dizia com o cenho franzido, nunca imaginava lidar com uma birra de um homem já adulto.

—Ela é uma pirata!

—E você não está sendo melhor do que ela ao fazer isso!— Benjamim replica, já deixando-o sem opção.

Arthur suspira derrotado.

Desde ontem Benjamim o perturbava para desculpar-se com a pirata, mas o mesmo negava isso. Onde já se viu, se desculpar, ainda mais a uma pirata.

Mas, assim ele foi.

Caminhou até o leme à contra gosto e disse bem baixo:

—Me desculpe.

—Como?— Elisa dá um sorriso de ladinho, o olha de canto e o questiona com cinismo imensurável.

Arthur cerra os dentes, mas repete:

—Elisa..

—Capitã Elisa Sparrow. Capitã.— Ela o interrompe.

—Capitã Elisa Sparrow... Me desculpe..

—Pelo o quê?— ela não deixa de mostrar seu dentes, surpreendentemente brancos.

—Você sabe o quê! Deixe de ser cínica!— branda.

Elisa rapidamente olha para sua tribulação ao ouvir choque de metais, e olha todos segurando suas armas. E Gibbs estava à frente.

—Você..?— Arthur questiona abasbacado olhando para o Joshamee.

Elisa não perde a postura, e continua atenta.

—O que está acontecendo?

—Foi ele quem me sequestrou! Ele fez eu ir à forca! — Gibbs disse com um tom sanguinário.

—É verdade, foi meu último serviço ao Crápula. — Arthur disse sem remorso.

—Ele caçou muitos de nós, capitã. — um marujo brandou.

—Lutar até a morte! — Pintel gritou e todos avançaram.

—CHEGA! — Elisa brandou sacando sua espada. Um silêncio se instalou de imediato.

O ar estava belicoso.

—Ele está conosco! São novos mares, ele se rebelou contra o príncipe. —Elisa falava e aos poucos os piratas guardavam suas armas. Gibbs foi o último, e guardou a mesma à contra gosto. ­— Ele está conosco! Pelo menos por hora..

Assim o ar de guerra se dissipou (por enquanto).

Assim que todos se acalmaram, após um tempo, Elisa foi ter com Benjamim e Arthur em particular, o que irritava muitíssimo o velho Jhosamee Gibbs.

—Antes de irmos à Corte dos Piratas, nós precisamos voltar ao reino do Dylan. — Ela diz risonha, amava ver o principezinho irritadiço. 

—Precisamos mesmo voltar?! — Benjamim diz com um tom cansado.

—Com certeza, embora odeie concordar com essa... Essa pessoa, precisamos voltar, reconhecer o perímetro e buscar coisas para nossa vantagem. — o Johnson fala pensando muito bem a como se referir a jovem, afinal, ela tinha uma espada na cintura. E ele ainda se perguntava como o Peter Jordan perdeu seu tempo criando essa criatura, ela devia dar ouro, esse seria o único motivo que lhe vinha à mente.

 

—Já entendi. Tenho alguns papéis em casa e objetos de valor, estamos de precisando de moedas também. — Benjamim fala manso.

—Decidido então, entraremos lá e iremos direto à sua casa. — Elisa fala por fim e eles concordam.

 

Os dois rapazes estavam de saída. À respeito do mais velho a jovem moça nem se importava muito, mas sobre o outro...

Ela queria que ele ficasse, que falasse aquelas frases irritantes ou apenas uma despedida. Mas não, ele apenas saiu, deixando a mesma à sós com seus pensamentos.

``Onde eu fui me meter... Que estupidez!!´´ A jovem pensou aborrecida.

Após dois dias de navegação, eles chegaram ao nada desejado reino do péssimo líder, Dylan. Apenas iriam: Gibbs — com muita insistência—, Benjamim, Elisa e o nada agradável Arthur Johnson. Os mesmos estavam muito bem disfarçados, bem, nem tanto.

Adentraram com facilidade na casa do jovem.

´´Nem se importaram deu voltar, muito obrigado, príncipe`` Benjamim pensou irônico.

Logo, os que ali estavam, foram pegando os restos de alimentos que tinham e todos os objetos de valor que encontraram; Benjamim então tomou uma atitude suspeita: ele se agachou e tirou um pedaço de madeira do chão, e dentro dele havia muitos papéis; Lincoln simplesmente pegou todos e saiu, mas, em meio à sua caminhada um dos papéis caiu, a carta tinha um tom avermelhado,  o mesmo nem demonstrou importância e continuou a caminhar.

— E este daqui?! — Arthur questiona.

Benjamim deu de ombros e disse:

—Deve ser uma cobrança, nada para se preocupar. — fala indiferente.

Arthur também considera supérfluo, mas Elisa intervém ao dizer:

—Calma, vamos ler, e ver se é realmente sem importância!

—Por quê?! — Johnson indaga.

—Pressentimento meu. — fala em um tom de desinteresse.

Arthur dá uma risada abafada e fala:

— E eu achando que o Gibbs era supersticioso!! —  e nesse instante, eles mal notaram que estavam à sós no cômodo¹.

E assim começaram a ler:

´´Ben, meu querido aventureiro, pelo visto finalmente você começou a ler as cartas debaixo da madeira, lembro que você dizia que as de cor avermelhadas eram sempre cobranças; e por isso decidi usar essa cor, porque mesmo revelando a verdade, ainda queria que não lesse, a verdade é sempre dura, e está sendo muito doloroso para mim guardar isso por tanto tempo...

Ben, você não é meu filho

Eu te encontrei dentro de um barril perto da casa do Arthur Johnson, vi a casa pegando fogo e fugi contigo. Eu não tinha pensado muito bem, eu agi por instinto! Depois disso fiquei sem ver o Arthur por sete semanas... E você crescia.

Você sabe que nossa casa é bastante privilegiada pelo tamanho e silêncio, e graças a isso, e pelo meu cargo perante ao príncipe, poucos vieram questionar e quando viam, aceitavam às minhas desculpas esfarrapadas.

  Quando Arthur finalmente voltou, ele logo disse que Dylan pegou seu filho ainda recém nascido e estava o chantageando. Logo juntei as peças: sua mãe faleceu no incêndio, mas antes disso, ela te salvou colocando-te no barril; e Dylan, ardiloso como era, usou isso a favor dele, e Arthur... O meu companheiro estava cego pelo ódio e pela tristeza.

Sim, Benjamim, você é filho do Arthur Johnson e da Anna Johnson.

Bem... Assim que eu assumi você em público, contei a história de minha esposa ter me dado um filho, ela aceitou de bom grado, ela já amava você. Eu já amava você.

Arthur estava cada vez mais frio e amargo, e eu sentia cada vez uma dor no peito, ainda mais quando soube o porquê dele a cada sete dias sair de viagem, trabalhava para o Dylan de modo triste, ele matava em nome do Dylan, tudo isso para ver o filho novamente, mal sabia ele que o próprio filho sempre esteve ao lado dele, embora o Johnson sempre viajasse, havia entre vocês uma conexão, era como se apesar do minha do meu erro, o laço de pai e filho ainda exista entre vocês.

Eu sei que devia ter contado, mas eu não consegui. Temia sua reação, temia que me abandonasse para ir atrás de seu pai. Mas eu queria ser seu pai.

Carrego um fardo tremendo por fazer meu amigo sofrer por anos, mas para ter a chance de ser seu pai, eu faria tudo de novo.

Eu te amo, Benjamim.

Phillip Lincoln``

 

Após o término da leitura, a dor era palpável, o silêncio se instalou de forma imediata e sufocante.

—Como ele pôde?! — Arthur balbuciou; sua voz era amarga.

—Eu sinto muito, Arthur. — Elisa o consola, ou tenta.

—Ele escondeu ele de mim por anos.. — o homem bagunça seus cabelos e sua voz era rouca, ele segurava o choro— Ele.. Ele é meu filho!! — ele fala dando uma risada fraca.

—O que fará?!

—Não conte nada a ele!! — Arthur volta-se para a jovem e seu olhar mostrava súplica, ao contrário de sua voz.

—Por quê?!?!

—Ele precisa estar concentrado no objetivo, que é derrotar o Dylan. Afinal, ele só topou isso porque o Dylan matou o seu pai— Ele fala desconcertado— O Phillip. — se autocorrige.

—O que você diz é...

—Se ele souber a verdade, abandonará o Pérola e tudo o que fizeram para derrotar o Dylan, ficará abalado!! — ele fala firme— Não pode contar nada a ele! Precisam seguir o plano! Precisam derrotar o Dylan.

Elisa estava abasbacada.

—Não diga nada, Elisa, por favor!

Antes que Elisa possa replicar algo, ele diz:

—Apenas me ouça!

E assim eles começaram a conversar, Arthur começou a lhe dizer tudo o que precisava ouvir.

Até que...

—O que está acontecendo?! — a voz de Benjamim se fez presente.

...

 


Notas Finais


¹ Pensaram besteira no à sós, né! KKKKK
Enfim, galera, espero que tenham gostado! Eu tive que queimar minha cabeça para manter o foco!!
Sugestões? Dúvidas? Respostas? As aguardo com carinho!!
Beijocas da Clark!!!
<3333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...