1. Spirit Fanfics >
  2. A Valentona (Blackpink) (Chaennie) (Twice) (Bts) >
  3. Capítulo 56: O Aniversário (Parte: 1)

História A Valentona (Blackpink) (Chaennie) (Twice) (Bts) - Capítulo 56


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 56 - Capítulo 56: O Aniversário (Parte: 1)


Fanfic / Fanfiction A Valentona (Blackpink) (Chaennie) (Twice) (Bts) - Capítulo 56 - Capítulo 56: O Aniversário (Parte: 1)

O final de semana havia chegado rápido. Rosé havia tentado descobrir detalhes sobre a festa de aniversário, mas a sua namorada acabou não revelando nada. Jennie queria que tudo fosse uma grande surpresa, a garota queria impressionar os seus convidados. Aquilo tudo só havia deixado Rosé ainda mais curiosa.

A garota loira não via logo a hora de ir a festa. Mas infelizmente o aniversário só começava as seis, e ainda eram dez da manhã. Rosé estava entediada jogada em sua cama, só esperando o tempo passar. Quando a sua mãe bateu na porta, entrando no seu quarto.

- Você vai mesmo ficar aí jogada, esperando dar a hora de ir ao aniversário? - Perguntou a mulher.

- Não tenho nada melhor para fazer, as horas parecem está demorando uma eternidade para passar. - Disse Rosé.

A senhora Park desviou a atenção da filha, olhando para um embrulho que havia na cama.

- Você não vai contar, oque tem dentro da caixa? - Perguntou a senhora Park, apontando para o embrulho.

- É uma surpresa. - Disse Rosé.

- Espero que a Jennie goste dessa surpresa. - Disse a mulher.

- Eu também espero. Foi tão difícil pensar em algo para dar a ela, só espero que ela não ache o presente, muito bobo ou simples. - Disse Rosé.

- Você passou a semana toda trancada nesse quarto fazendo esse presente. Tenho certeza que o tempo que você gastou valerá a pena. - Disse a senhora Park.

- É difícil dar um presente para alguém como a Jennie, ela já tem tudo. - Lamentou Rosé.

- Não acho que ela tenha tudo, nunca ninguém tem tudo. - Disse a senhora Park.

- Só quero que chegue logo a hora da festa. - Disse Rosé.

- E eu só quero saber oque tem nessa caixa. - Disse a mulher, tentando dar uma espiada.

- É segredo. - Disse Rosé, agarrando o embrulho.

- Depois eu pergunto a Jennie, oque era o presente. - Disse a mulher, rindo, saindo do quarto.

Rosé tinha certeza que a teimosia e a curiosidade, ela tinha herdado da sua mãe. A garota sorriu, olhando para o presente.

Enquanto isso, a senhora Park estava caminhando rumo até a cozinha, quando ela se sentiu tonta. A mulher tombou se apoiando sobre um móvel da casa. Ela começou a sentir uma forte dor de cabeça, como pontadas que atingia o seu cérebro. Logo ela pode notar, sangue saindo do seu nariz.

A senhora Park caminho com dificuldades, em direção a uma cadeira, se sentando nela. A mulher tentou manter a calma, ela não queria ter que pedir ajuda. Se Rosé a visse daquele jeito, a garota provavelmente ficaria muito apavorada. A senhora Park tentou conter a hemorragia, apertando o nariz para que parasse de sangrar. As mãos da mulher estavam completamente ensanguentadas, mas ela parecia está se mantendo calma. Ela sábia que ficar desesperada, não iria resolver nada.

Depois de alguns minutos, a hemorragia havia finalmente parado. A mulher se levantou, indo em direção ao seu quarto. A senhora Park trancou a porta, pós não queria correr o risco, que a sua filha a visse daquele jeito. A mulher se sentou na cama, ela parecia está muito fraca. A senhora Park sábia que o seu estado estava piorando, e sábia que não havia nada oque fazer, em relação aquilo. A mulher então começou a chorar baixinho, para que ninguém a ouvisse.

As horas haviam se passado devagar, mas finalmente já havia anoitecido. Rosé se arrumava em seu quarto, a garota queria caprichar no visual. Afinal de contas, era o aniversário da sua namorada, e ela queria está bonita para a ocasião.

Rosé se olhava no espelho, quando a sua mãe entrou em no seu quarto.

- É isso mesmo oque eu estou vendo!? Você está usando um vestido. - Disse a mulher, supresa.

- Omma! - Disse Rosé, sem graça.

Rosé usava um lindo vestido colorido esvoaçante, que deixava os seus ombros e pernas a mostra.

- Isso é mesmo um milagre, me lembre de agradecer a Jennie por isso. - Disse a mulher, rindo.

- Eu sábia que a senhora iria rir, eu deve está muito estranha nesse vestido. - Lamentou Rosé.

- Não, pelo contrário, você está realmente muito bonita, com esse vestido. Fazia muito tempo que eu não via a minha filha tão linda assim. - Disse a senhora Park, emocionada.

- Não precisa chorar, é só um vestido bobo. - Disse Rosé.

Mas o vestido não era o motivo pelo qual a senhora Park, estava se sentindo emocionada. A mulher tinha lembrado oque havia ocorrido durante a manhã. Ela só estava com medo de deixar a filha sozinha.

- Nossa mãe, você também está muito bonita. Caprichou mesmo na roupa, senhora Park. - Disse Rosé, rindo.

- A Jennie me avisou que o motorista dela, também foi convidado para a festa, então eu resolvi caprichar. - Disse a mulherer, sorrindo.

- Fala sério, não acredito que a senhora e o motorista... Eca. - Disse Rosé, fazendo uma careta.

- Ainda não, mas se depender de mim, quem sabê né. - Disse a mulher, rindo.

- Ahhhh, não quero pensar nisso. - Disse Rosé.

- Deixe de frescura e vamos logo, a nossa carona já deve está chegando. - Disse a senhora Park.

- Que carona? - Perguntou Rosé.

- Sem perguntas, pegue logo o presente da Jennie e vamos. - Disse a mulher.

Rosé obedeceu a mãe, pegando o embrulho. As duas saíram da casa, esperando na frente da residência, pela a misteriosa carona. Não demorou muito para que um carro prata, parasse de frente a casa.

- Finalmente ele chegou. - Disse a senhora Park.

- Esse carro não me é estranho. - Disse Rosé, que ficou surpresa, ao ver o diretor sair do veículo.

- Só pode tá de brincadeira! - Disse a garota.

- Boa noite. - Disse o homem.

- Sem cordialidade, precisamos ir logo, pós não quero me atrasar. - Disse a senhora Park, entrando no carro.

- Oi Rosé. - Disse o diretor.

A garota estava parada encarando o homem. Ela não parecia nada feliz, com a presença dele.

- Vamos filha, ou vamos nos atrasar. - Gritou a senhora Park.

- É só uma carona, não pense que eu te perdoei. - Disse Rosé, entrando no carro.

O pai de Rosé respirou aliviado, pelo menos dessa vez, a sua filha não o espancou. O homem entrou no veículo, dando a partida no carro. Os três então, partiram dalí rumo ao aniversário de Jennie.



Notas Finais


Eu adoro dividir as festas em partes, acaba deixando tudo mais emocionante kkkk (Sorry)

P.S: Só para vocês saberem, a minha bias é a Lisa <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...