1. Spirit Fanfics >
  2. A Vampira Sedutora - A Rainha das Vampiras - Swan Queen >
  3. Uma Luta Desleal

História A Vampira Sedutora - A Rainha das Vampiras - Swan Queen - Capítulo 41


Escrita por:


Notas do Autor


Olá Swens!
Gostaria de agradecer por todos os comentários e favoritos.
Vocês são a minha razão para não desistir!
Nossa história está quase nos finalmente, fico triste com isso, mas lembrem que vocês podem me acompanhar na minha outra fic que está no início Love Me Harder Deep.
Vamos à leitura.📖

Capítulo 41 - Uma Luta Desleal


Fanfic / Fanfiction A Vampira Sedutora - A Rainha das Vampiras - Swan Queen - Capítulo 41 - Uma Luta Desleal

                                                        No Capítulo Anterior

Cheguei em casa rapidamente já se passava das 20 horas. Enquanto tateava no escuro à procura do interruptor a luz que não acendeu. Será que a lâmpada queimou? Tinha certeza que minhas contas estavam pagas, era estranho. Havia algo de errado, tateei no escuro a procura do sofá para me apoiar e chutei uma pilha de livros espalhados no chão que não estavam ali antes. Uma sensação de pânico me invadiu com violência. Não estava sozinha, havia mais alguém comigo na escuridão, e isso não era nada bom. De repente uma risada sinistra invadiu o ambiente...Meu Deus será a bruxa da Elizabeth que voltou do mundo dos mortos? Será Regina? Duvido. Ou será alguém investigando para  saber se estou envolvida nos crimes do casarão? Meu Deus será que isso nunca irá acabar?

- Quem está ai? Regina é você? - falei, vendo uma silhueta na poltrona.

Acendi um isqueiro e o que vi fiquei horrorizada.

- Quem diria sua amante te abandonou logo no momento que mais precisava?- debochou Lilyth, me deixando paralisada.

Estava sentada em minha poltrona toda cheia de poses e com uma cara nada boa. Me apavorei.

- O que você está fazendo aqui na minha casa Lilyth? Como que entrou aqui? Saia imediatamente ou terei que chamar a polícia! - falei não demonstrando todo meu temor.

Olhei para o telefone perto de mim, e apontei para ele.

- Vá em frente e chame a polícia! Eles estão  procurando você e sua namorada mesmo, pelos assassinatos de duas pessoas pelo menos Emma. Dá para imaginar? Zelena, Mulan e Elizabeth que ainda está desaparecida que poderá aumentar para três. Logicamente vocês esconderam o corpo, mas não demora muito e o tenente Graham e os policiais o encontrará. Não percebeu que esteve alguém vasculhando sua casa? Ainda me fizeram um favor de deixarem a porta aberta.

Não podia negar a bagunça ao meu redor e isso me apavorou. A casa tinha sido toda revirada. As  portas e gavetas do meu armários estavam abertas e havia muito papéis por todo o chão. Nenhum móvel tinha ficado no lugar como se procurassem por algo.

- Desgraçados! O que procuravam aqui? - gritei.

- Não sei, diga-me você. A única coisa que sei é que naquela festa do casarão aconteceu de tudo não se lembra? Meu pai não te contou? Ele está abatido com tanta coisa que a sobrinha dele fez. Ele está muito abalado Emma, por você ter vendido sua parte na Empresa e se  envolver com  sua amiguinha  estranha. Uma mulher que ninguém sabe de onde veio e pra onde foi. Ela deve ser muito boa de cama para fazer você agir dessa forma. Ela é melhor de cama que Kristin? - disse me irritando. -  Kristin dizia que era muito bom transar com você.

- Saia da minha casa agora Lilyth! - gritei no escuro.

Levantando rapidamente Lilyth bloqueou a porta que havia aberto e colocou-se na minha frente. A violência do tapa jogou-me no chão e fez meus lábios sangrarem. Levei a mão à boca dolorida e a encarei no escuro furiosa. Certamente que essa visita não seria uma cortesia entre amigas.

Na melhor das hipóteses, Lilyth tinha vindo me humilhar. A única coisa a meu favor era ter tido enfrentado coisa pior, mas isso foi antes quado fui vampira por poucas horas. Me arrepie totalmente ao ver uma faca em suas mãos, recuei com medo e me dirigi para cozinha. Estava sendo otimista demais.

- Quer a minha parte na empresa Lilyth? Você sempre foi ambiciosa sempre soube disso. Você é capaz de tudo para subir na vida. Minha parte já foi vendida, sinto informar que o tio Gold achou uma compradora que pagou o dobro. - disse a irritando ainda mais.

- Cadela! Vim cobrar minha dívida! Você me deve tantos anos de serviços prestados e não vou  levar nada? Meu pai não quer me deixar nada, você sempre foi a queridinha dele! Nem pareço que sou  filha dele e sim você. Ele sempre te admirou por você ser trabalhadora e simples sem nenhuma vaidade e que só vivia para a firma, enquanto eu gostava de gastar e usar coisas sofisticadas e caras. Ele vivia me dizendo que eu devia ser como você. Eu não tenho culpa que a sobrinha dele querida era uma puxa-saca! Agora você vai ter que me pagar!!

Lilyth se aproximou e empurrou-me sobre o armário da cozinha. Bati a lateral da cabeça na quina da pia e por pouco não desmaiei. Ela me imprensou com o braço e encostando  o aço frio da faca junto ao meu pescoço. Precisava sair dali, mas o meu medo me deixava paralisada.

- Durante todos esses anos esperei Kristin se separar de você, ou você descobrir uma uma traição dela, mas ela sabia esconder bem seus casinhos aquela piranha! Quando ficou viúva pensei que você me daria uma chance, mas não. Primeiro aquela médica que vivia grudada em você ,muito atenciosa pro meu gosto e depois aquela ricaça imunda! - gritou, puxando-me com grosseria pelos cabelos.

- Largue-me sua vadia! - ordenei mesmo em minha posição.

- Você não manda mais em mim sua cretina! Não sou mais sua empregada como sempre fui. Estou cansada de mentir. - Lilyth chegou mais perto do meu pescoço. - Que marca é essa Emma?

Insana passou a língua em cima do roxo da antiga marca dos dentes de Regina que tinha voltado, pois não tinha sido cicatrizado totalmente.

- Não sabia que você curtia chupões. Eu sabia que você era pervertida, mas são sabia que gostava de ficar roxa na frente dos outros. Sua vagabunda! - gritou me dando outro tapa na cara.- Se ela fez isso com você vai ter que deixar fazer comigo também!! - disse alucinada.

Lilyth gargalhou e cobriu minha boca com a sua me forçando um beijo, enquanto me debatia feito louca para afastá-la de mim. Quando se distraiu tentando lamber meu pescoço, dei um empurrão nela. Ela me soltou o suficiente para que eu mordesse sua mão e tirasse sangue. Ainda assim não me largou, apenas me deu outro tapa que foi retribuindo com violência.

- Sua puta vai transar comigo e sei que você vai gostar! - disse  com muito ódio.

Caída no chão sentia o rosto latejar do tapa recebido. Minha boca sangrava livremente. Eu estava calada, mas meu orgulho gritava clamando vingança.

- Tenho vontade de matá-la agora mesmo. Mas serei paciente para aproveitar nosso encontro antes do seu fim Emma. Esperei muito tempo por essa transa. Prometo que durará o suficiente para compensar a demora. Espero que sinta medo e dor. Só assim me pagará tanta humilhação que sofri naquela firma por sua causa. E você não vai ter ninguém para te ajudar dessa vez sei que sua namorada se foi. - disse me dando um outro tapa.

Gemi de dor e contive o grito. Tinha de pensar em algo, não podia continuar caída e indefesa. Algo me incomodava embaixo onde caí, era uma tesoura de cortar carnes, disfarcei e tentei pegá-la. Arrastei-me sobre ela e fingi chorar ajeitando-me em cima da tesoura tentando pegá-la.

- É um milagre! Emma Swan a grande empresária chorando. Diga-me como é está do outro lado? Olhe para mim sua vadia!- disse insana.

Sem que pudesse detê-la Lilyth se abaixou e deitou no meu corpo.Minha camiseta cedeu ao seu puxão e lutei para manter meu sutiã no lugar. Frustrada batia em mim ainda mais. Seu objetivo era arrancar minha calça e me deixar nua aquela pervertida. Mas um pouco e ela teria uma surpresa.

- Do que está falando sua lunática?

- Eu deveria ter insistido mais com você na faculdade. Teria cedido e não perderia meu lugar. Ficaria com sua parte da empresa quando você morresse. Mas você se apaixonou logo por ela. Mas serei boazinha e contarei como tudo aconteceu.

- Fale logo sua desgraçada!

- Ora cale a boca idiota! Você não quer saber como consegui destruir seu casamento feliz? Tive trabalho para que ele não durasse mais do que durou. Kristin era fogosa e não perdoava um rabo de saia. Depois que se casou quis se tornar uma uma mulher fiel. Mas não resistiu as mulheres que coloquei na fita dela.

- Como pode ter feito isso comigo Lilyth? Você é  minha prima e achava que era amiga Lilyth!

- Foi fácil Emma, você acreditava nas cartas e telefonemas anônimas  que  enviava para você, flagrar sua esposa te traindo.

- Por que fez isso sua maldita? - perguntei cheia de ódio.

- Para ter você e tudo que seu pai e o meu construíram, depois que me casasse com você daria um jeito de acabar com você também. Eu era a pessoa perfeita para você. E não a idiota da Kristin que só pensava em rabo de saia.

Parei um minuto para analisar tanto rancor, perguntei-me se durante tantos anos de convivência, se havia feito algum mal a ela ou feito alguma grosseria com alguém. Nada tinha feito para ganhar tanta maldade. A inveja era gratuita.

- Talvez algum dia você entenda o que é amar e não ser correspondia. Decidi então que se não pode ser minha não seria de mais ninguém. Claro que podemos evitar isso. É só dizer que quer e será minha.

Temi por minha vida. Estava sozinha nas mãos dessa louca de pedra. Regina mandei embora e nunca mais a veria. Se arrependimento matasse estaria morta. Deveria ter acreditado em Regina quando me avisou que isso poderia acontecer. Se fosse vampira era ela que deveria temer.

- Diga-me que será minha Emma!

Aquela luta no casarão foi  um dos piores momentos em minha vida, mais uma para a recente coleção de perigos, mas essa  que era por incrível que pareça o pior sem sombra de dúvidas. Estava sozinha sem minha salvadora por idiotice minha. Regina tinha razão, eu jamais suportaria viver com alguém sem amor.

- Nuca serei sua, Lilyth. A morte seria uma companhia mais digna. Jamais amarei alguém como amo Regina!

-Vamos ver se você vai continuar falando isso quando sentir a ponta de minha faca te perfurando!!

Com ódio de minha resposta a vi tirando a roupa também e curvar-se sobre mim. Mordi sua orelha e senti inundar minha boca. Ela gritou e o tapa que me deu quase me deixou inconsciente. Puxou minhas pernas e tentou passar a mão em minha buceta  me deixando enojada. Tonta senti ela puxar meu sutiã para baixo. Estava na hora de agir.

Soltei uma das mãos que ela me segurava e desmanchei sua expressão vitoriosa de antes de cravar a tesoura a altura de suas costas sem dó. Seu grito de dor tirou-me do choque. Corri para cozinha de algo para me defender. Encontrei o conteúdo dos armário espalhados no chão.

Lilyth avançou furiosa com um jorro vermelho descendo pelo corpo. Atirou a tesoura ensanguentada para longe mas sem largar a faca das mãos. Aproveitei os seus insultos para pegar o garfo de churrasco que vi aos meus pés.

- Fique longe de mim Lilyth! Ou juro que vai sofrer um bocado também. - falei vendo-a sangrar.

Estávamos exaustas, mas nenhuma de nós pretendia ceder. Lilyth apoiou na parede para retomar o fôlego, respirava com dificuldade. Sentia meu corpo pegajoso com mistura de suor e sangue.

- Sabe Emma a Kristin não me deu trabalho para morrer. Parecia uma criança perto de você. - comentou irônica.

- Do que você está falando?

- Eu acabei com seu casamento perfeito. Mandei um capanga jogá-la do carro para fora da estrada quando ela voltava para casa depois de encher a cara com suas amantes. Foi muito fácil não acha?

- Sua assassina! Você vai ter o que merece Lilyth tenha certeza disso!  Eu nunca irei te amar - gritei chorando.

Quando ela chegou mais para perto de mim com a faca apontada em minha direção tentando me enforcar com as duas mãos eu sem tempo dela recuar. Enfiei um garfo que peguei na cozinha em seu pulso, corri para sala e sem conseguir fugir levei outro soco e caí no tapete da sala. Caída no chão vi seus olhos castanhos bem perto, era o olhar dos meus pesadelos, aquele que me perseguia e que me matava roubando-me a vida. Aquela mulher que me matava não era Elizabeth e sim Lilyth afinal. 

Lilyth como uma louca avançou furiosa não conseguindo impedir que a faca penetrasse meu abdomen com firmeza. O aço frio fez todos os pelos de meu corpo se arrepiarem no último reflexo .Escorreguei pelo chão tentando fugir de minha agressora mas não tinha forças era o fim da linha. Ela recuou sem uma expressão definida no olhar, no limite da sanidade. A dor queimava minha entranhas. Fechei os olhos e chamei por Regina, imaginando seu sorriso lindo. No meu delírio de morte eu sorria também.

 

 

 


Notas Finais


Swens eu sei que foi forte esse capítulo mais foi preciso pelo andamento da história.
Não me matem ainda tem muita coisa para acontecer.
Relevem os erros.
Até a próximas.
Kisses!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...