1. Spirit Fanfics >
  2. A Verdadeira Forma do Amor >
  3. O Momento Tão Aguardado

História A Verdadeira Forma do Amor - Capítulo 4


Escrita por: RugalShinigami

Capítulo 4 - O Momento Tão Aguardado


Ichigo voltou da ligação radiante, contou para o Isao e para Yuriko que o encontro seria no sábado à noite.

Eles ficaram felizes ao ver que o convite tinha dado certo e garantiram para ele que eles preparariam um jantar especial para os dois.

"Tem algo que ela gosta de comer ou algum pedido especial?"

"Ela come de tudo, mas ela ama queijo com batatas".

"Entendido".

"Bem, senhor e senhora Murakami eu tenho que voltar para o trabalho. Obrigado! Eu vou voltar aqui no sábado para saber se vocês precisam de ajuda".

"Não se preocupe, somos nós que temos que agradecer. Vamos de acompanhar até a saída".

Vendo o Ichigo subir na moto e seguir rumo ao centro da cidade, a Yuriko suspirou ao lado do marido "Como é bom ser jovem."

Ele voltou para o Unagiya, tinha demorado demais para fazer a entrega, mas a Ikumi rapidamente o perdoou ao saber do motivo de seu atraso. E até o liberou do trabalho no final de semana, deixando o rapaz extremamente aliviado.

Ao pegar o celular, ele viu várias ligações de sua amiga Tatsuki e imediatamente ele as retornou. "Será que a aconteceu alguma coisa?"

"ICHIGOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO PORQUE VOCÊ NÃO ME ATENDEU?"

Ele quase ficou surdo com o grito de sua amiga.

"Quer me deixar surdo? Aconteceu alguma coisa?"

"Ichigo, é sério, quando você vai chamar a Orihime para sair? Eu sei o que aconteceu, ela está esperando a sua ligação".

Ele sabia que não adiantava esconder, ou melhor ele não tinha conseguido esconder seus sentimentos, todos sabiam disso.

"Você está atrasada, Tatsuki. Já conversei com ela".

Esta resposta surpreendeu positivamente a garota, ela não esperava que ele fosse tomar uma atitude tão rapidamente.

"Oh, entendi! E boa sorte, Ichigo!"

"Obrigado, Tatsuki".

Tatsuki ficou feliz ao terminar a ligação e sussurrou aliviada "Agora está nas mãos dos dois".

Os dias foram passando e a ansiedade dos dois só aumentava. A família Kurosaki notou o nervosismo do filho mais velho e os comportamentos dos integrantes foi o esperado: Enquanto Isshin e Karin provocavam o rapaz, Yuzu o defendia e dizia que tudo ia ficar bem.

Já era sexta feira e os dois ainda não tinham decidido o que vestir.

Orihime tentava disfarçar, mas o nervosismo estava a flor da pele. Ela tinha tirado todas as roupas do armário e não sabia o que usar. Não podia pedir ajuda para a Tatsuki, pois ela estava preocupada com a viajem para a competição regional.

A Rukia estava na lua de mel, então era fora de questão. Dois nomes surgiram na mente da ruiva. "A Yoruichi é bonita e experiente, ela pode me ajudar." Ela chegou a cogitar ir procurá-la, mas um pensamento a fez desistir no mesmo momento. "E se o Urahara-san estiver lá? Ele vai me sugerir vestir algo estranho de novo.” Ela corou ao lembrar da roupa que ele tinha separado para ela durante a guerra contra o Yhwach. O Urahara a provocava sempre que a via "Inoue-san, tenho outra roupa na minha loja e esta é feita sobre medida para impressionar o Kurosaki Ichigo." O resultado era sempre o mesmo: A moça enterrava o rosto nas mãos e morria de vergonha.

O outro nome era ainda mais perigoso, ela não teria coragem de pedir ajuda para a Tenente Rangiku. Se as dicas dela seguissem o nível de sempre, ela nunca mais iria conseguir olhar na cara do Ichigo, o que ela falava ainda era ousado demais para uma jovem tímida.

Ela resolveu confiar no próprio estilo. Escolheu um vestido com um leve tom de roxo e botas de canos curto pretas. O vestido ia até pouco acima do joelho e fazia um contorno perfeito com sua bela cintura fina. Ele tinha um leve decote nos seios, não era nada estravagante, mas em um corpo perfeito como o da Orihime, o resultado seria devastador.

A bota tinha um pequeno salto e além de fazer um conjunto bonito com suas pernas, deixou seu quadril ainda mais empinado. Separou também uma pequena bolsa escura e um xale, de tom esverdeado, mas ainda não tinha decidido se iria usá-lo.

Iria usar um penteado simples, não queria que seu cabelo virasse uma bagunça quando ela tirasse o capacete e resolveu usar a maquiagem simples de sempre.

Ichigo não era diferente. As únicas coisas que tinha escolhido eram uma calça jeans escura e um belo sapato preto, que ele mesmo engraxou várias vezes nos últimos dias.

Yuzu dizia que ele estava bonito em qualquer roupa, Isshin falou que ele parecia um palhaço com um cabelo alaranjado sempre que ele aparecia pedindo alguma opinião. Nos primeiros vinte minutos, Karin achou graça na brincadeira do pai, mas agora ela estava com dó do nervosismo do irmão.

Assim que o Ichigo apareceu com uma camisa verde escura, Karin não aguentou e pegou um dos pacotes no quarto do irmão:

"Eu te dei essa camisa no seu aniversário e você nem olhou. Coloque ela por cima desta que você está usando".

Ele olhou o pacote e viu que era uma camisa social de tom claro e de manga curta, mais esportiva e despojada, o que era seu estilo favorito. Ele ficou com vergonha por não ter aberto o presente e resolveu seguir a dica da Karin.

Assim que ele ameaçou abotoar a camisa, ele recebeu uma bronca da irmã.

"Não, Ichi-nii. Essa camisa é feita para ser usada assim".

Ela endireitou a camisa no ombro do irmão e arrumou a gola em volta do seu pescoço. Ela combinou com a camisa que ele tinha escolhido e com calça que já estava usando.

Ichigo era um rapaz alto e com corpo extremamente definido. A camisa aberta destacava sua figura e fazia com que seus ombros parecessem ainda mais largos.

Desta vez até o Isshin mudou o tom. Ele correu até o retrato de sua esposa e começou a gritar desesperadamente "Masaki, o Ichigo finalmente resolveu se comportar com adulto, eu vou ter um neto, eu vou ser avô”.

"VOCÊ ESTÁ MUITOS PASSOS ADIANTADO, SEU VELHO MALUCO." gritou Ichigo ao escutar o que o pai falava.

O dia do encontro finalmente chegou, Ichigo acordou cedo e ficou pensando no que aconteceria hoje. Por volta das 10h da manhã, ele resolveu pegar a moto e ir até a pousada.          

Ele foi recebido pelos Murakami e ofereceu ajuda.

"A única coisa que falta é colocar a mesa de jantar no jardim, venha eu te mostro".

No canto direito do jardim, tinha um pequeno caminho de pedras que levava a um coreto, as capas passeavam a sua volta e lá seria o local do jantar. Ichigo seguiu Isao e o ajudou a colocar a mesa, as cadeiras e limpá-las. Vendo que tudo estava certo, ele voltou para a casa e contou as horas para o tão esperado encontro.

As horas passaram e o Ichigo começou a se arrumar para o encontro, ele se olhou no espelho e viu que já tinha terminado de aparar os poucos fios de barba que cresceram durante a semana.

Era ela uma mistura de felicidade e nervosismo enquanto penteava os cabelos e terminava de se aprontar.

Deu os últimos retoques no visual, conferiu se a camisa estava do jeito que a Karin lhe ensinou e se despediu de todos.

A casa estava silenciosa, Isshin e Karin abriram uma exceção e resolveram parar de pegar no pé do filho mais velho, Yuzu observava o irmão e torcia para que tudo desse certo.

 

Quando o Ichigo chegou na porta, ele escutou a voz da Karin o chamando:

"Ichi-nii, me faça um favor? Convide a Orihime-chan para jantar com a gente. Temos que dar boas-vindas a nossa cunhada e boa sorte!"

"Obrigado, Karin".

Ele pegou sua moto, deu uma última conferida no bolso e viu que o presente que tinha comprado ainda estava lá. Vendo que estava tudo certo, ele foi em direção ao apartamento de sua amada.

Orihime também estava nervosa, mas conseguia se controlar bem. Tatsuki mandou algumas mensagens de apoio e a ruiva conseguiu se arrumar rapidamente. Ela pensou vários tipos de penteados, até ensaiou fazer uma trança, mas no final resolveu usar o formato natural de seus cabelos. Decidiu que assim seria fácil de arrumá-los caso eles se bagunçassem durante o passeio de moto ou no momento em que retirasse o capacete.

A maquiagem foi o processo mais rápido, ela sempre usava pouca coisa, apenas o necessário para destacar os seus traços. Mas desta vez ela decidiu usar um batom com um tom de vermelho mais forte.

Ela se sentou no sofá e encarou o relógio até ouvir o barulho da campainha.

Após tocar a campainha, Ichigo deu um passo para trás, se escorou no parapeito e esperou que ela aparecesse.

Ele não podia acreditar na sua visão "Como ela pôde ter ficado ainda mais linda?" Seus olhos percorreram todo o rosto da moça a sua frente. Ele viu os cabelos ruivos que sempre amou, olhou seus olhos brilhosos e sentiu um desejo de mergulhar naqueles lábios vermelhos. Ele reparou no vestido que ela usava, viu um leve, mas tentador decote e disse com a voz rouca:

“Nossa, Inoue, você está muito bonita”.

Ao olhar o rapaz que estava na porta de seu apartamento, Orihime percebeu que ele estava usando um de roupa diferente do normal.

E como ele estava com os cotovelos apoiados no parapeito, seus ombros estavam mais rígidos e os músculos de seu peito estavam marcados de leve em sua camisa. Ela gostou de vê-lo usando uma camisa social aberta, isto estava chamando a atenção para os seus ombros largos. A ruiva também sentiu um desejo de mergulhar no peito do rapaz, de apoiar a cabeça no ombro dele e simplesmente deixar o tempo passar.

"Obrigada, Kurosaki-kun. Você também está lindo, este estilo de roupas combinou com você".

Eles continuaram conversando enquanto desciam as escadas.

 

Ichigo a ajudou a colocar o capacete e subir na moto.

Conhecendo a personalidade da Ikumi, a sua moto não poderia ser comum. Definitivamente não era o último modelo, mas os rumores diziam que a própria Ikumi utilizava aquela motocicleta em seus tempos de juventude e durante as corridas noturnas de Karakura. E observando a forma que ela espancava aqueles vadiavam em frente da sua loja, poucos seriam capazes de duvidar desse rumor.

O espaço para o carona era um pouco reduzido, portanto, Ichigo e Orihime ficaram bem próximos e quase abraçados.

Ele pediu para a moça segurar firme e finalmente deu partida e seguiu rumo ao encontro que tinha planejado.

No começo ele andou devagar, mas o acelerador da moto parecia conectado ao seu coração, ele ainda não sabia o que iria acontecer no final da noite e sua única certeza era de que agora não tinha mais volta.

O trânsito estava tranquilo e eles conversavam sempre que paravam em um sinal de trânsito.

"Estou pilotando rápido, Inoue?"

"Não, estou gostando de andar de moto, me lembrou da vez que a Yoruichi-san me carregou por toda a Soul Society".

"A comparação é injusta, ela deveria estar umas cem vezes mais rápida".

Eles seguiram assim até chegarem no último sinal de trânsito antes da saída para a as áreas montanhosas.

"Inoue, agora vamos ter que subir um morro, se segure bem".

Ela apertou seu abraço na cintura rapaz, apoiou sua cabeça em suas costas e pôde sentir o calor de seu abdômen definido.

O Ichigo percebeu que os volumosos seios da garota estavam pressionando as suas costas e o calor de suas mãos quando ela abraçou a sua cintura. E Imediatamente começou a prestar ainda mais atenção na estrada, ele não podia distrair agora.

Eles ficaram assim por quinze minutos, entretidos um com o calor do outro e presos em seus próprios mundos até que finalmente chegaram ao seu destino.

Orihime viu a placa que indicava o nome do lugar e se perguntou como o Ichigo tinha conhecido aquele local.

Ichigo estacionou a moto, tirou o capacete e ajudou a bela moça a fazer mesma coisa.

Orihime balançou a cabeça de um lado para outro, fazendo com que seus cabelos dançassem ao vento. O olhar do Ichigo acompanhou aquele bailar e ele viu que ruiva começou a alisar os fios com uma das mãos, enquanto conferia o resultado pelo retrovisor da moto.

 

Ele percebeu que ela estava preocupada com o visual e resolveu se oferecer:

"Inoue, me deixa te ajudar".

Ela acenou com a cabeça e ficou de costas para o rapaz. Ele percebeu o quão macios eram aqueles fios, eles deslizavam entre seus dedos e o perfume daquela cabeleira ruiva invadiu os seus sentidos.

“Pronto, está perfeito".

Ela riu e o agradeceu.

Ele viu que seus próprios cabelos estavam mais bagunçados e passou as duas mãos sobre eles. Seu objetivo era jogá-los para trás e depois arrumá-los da maneira de sempre.

Orihime viu esta cena, fez um beicinho e começou a atrapalhar o cabelo do rapaz. Ele não entendeu bem, olhou no espelho e viu que os fios estavam tão bagunçados como sempre.

"Sério?" disse apontando para o espelho.

"Sim" o beicinho ainda estava em seu rosto. "A não ser que o Kurosaki-kun esteja querendo copiar o penteado do Aizen".

"O QUE? Bagunce eles mais Inoue, prefiro até copiar o visual do Ikakku". A voz rouca do Ichigo estava com um tom agudo que ele sabia que conseguia alcançar.

Ela deu um riso ao imaginá-lo careca e começou o a cuidar do seu cabelo.

"Agora parece o Kurosaki-kun".

Eles seguiram o caminho de pedras batida da pousada e finalmente chegaram no portão principal.

Ichigo avisou sobre sua chegada e o casal foi recebido pela Shizuka.

 

"Olá e sejam bem vindos!”

"Obrigado, senhora Murakami. Esta é a Inoue Orihime".

"Meu Deus, como você é linda seja bem vinda e fique à vontade, Inoue-san! Querido, eles chegaram".

Orihime agradeceu e achou a Shizuka uma pessoa bem simpática e energética.

Neste momento, Isao apareceu e disse aos risos:

"Hahaha não é de esperar que o Kurosaki estivesse..." Ele não conseguiu terminar a frase, pois a sua esposa o interrompeu com um beliscão antes que ele falasse demais.

A moça olhava para a interação dos dois com curiosidade e se perguntava como que o Ichigo tinha conhecido este lugar e este casal. Shizuka percebeu o olhar curioso da garota e fez um pequeno resumo do que tinha acontecido.

Eles seguiram para o fundo da pousada, passando pelo caminho dos chalés e indo em direção ao jardim.

Assim que os olhos da Orihime viram o cenário a sua frente, um sorriso inocente apareceu em seu rosto. A brisa confortável trazia o perfume das flores e ela inspirou profundamente.

O jardim hoje estava totalmente iluminado e o brilho a lua apareceu no lago das carpas. Ichigo procurou o coreto e viu que ele estava com as persianas de bambu abaixadas. Não dava para ver a mesa de jantar no seu interior e ele ficou agradecido por isso. Essa era a parte final da surpresa.

Orihime queria passear por todo aquele jardim, ela imaginou o trabalho que dava para cuidar daquele pequeno paraíso, mas ela adoraria ser a responsável por isso. Seus pés estavam inquietos, sua visão percorria cada canto daquele lugar.

"Vou deixar vocês à vontade".

"Vamos? Eu queria te mostrar este lugar desde que eu o vi" Ele apontou para frente e eles seguiram adiante.

Enquanto eles passeavam pelas pequenas pontes que ligavam cada parte do jardim, as carpas se agitavam, como se estivessem saldando casal que passava por ali. A cada nova flor, o sorriso da garota ficava mais vivo e mais bonito. Ela respirava profundamente e tentava guardar este momento em sua memória. E Ichigo estava fazendo a mesma coisa.

Eles passaram pelo canteiro de girassóis, seguiram pelo de tulipas e chegaram na parte das hortênsias. O Ichigo disse que não conhecia esta flor e a Orihime lhe disse o nome dela.

O rapaz só tinha visto cada sessão  do jardim de longe e ficou feliz de conhecer os detalhes junto da mulher que estava ao seu lado. E eles finalmente chegaram ao último canteiro.

Ele era todo coberto por rosas e marcava o fim da pousada. A montanha ficava mais íngreme após este canteiro e a brilho das luzes da cidade de Karakura podiam ser vistas dali.

"Elas parecem vagalumes, Kurosaki-kun!" Disse a moça animada.

Ele não aguentava mais, queria se confessar depois do jantar, mas ele já tinha esperado muito tempo. "Chega, eu a quero".

O rapaz olhou em volta e viu um pequeno tronco que poderia ser utilizado como banco, parece que a árvore foi cortada porque as suas raízes estavam atrapalhando a estabilidade do solo.

"Nós podemos sentar aqui e apreciar a vista, não precisamos ter pressa".

Eles sentaram e ficaram ombro a ombro, apenas apreciando a paisagem.

"Inoue" finalmente ele começou " Eu gostaria de conversar algo com você".

A questão que estava na cabeça da ruiva durante toda a semana finalmente tinha aparecido. Ela respondeu que estava tudo bem e pediu que ele continuasse.

"Por onde eu começo? Bem, eu estive pensando nisso nos últimos dias, na verdade desde os últimos meses ou até anos e eu fui um idiota por não ter percebido ou tido coragem de encarar este sentimento antes. Mas tem uma garota que eu sou completamente apaixonado e eu não sei a quanto tempo este sentimento existe. Será que é desde que a conheci? Ou foi quando comecei a conviver com ela? Tem anos que isto está guardado no meu peito e eu quero gritar isso para o mundo".

Ele achou que seria difícil colocar os sentimentos em palavras, mas assim que ele começou a falar, as coisas fluíam com facilidade, sua mente estava a mil por hora, as vezes ele tropeçava no que queria dizer, mas finalmente ele estava conseguindo se expressar.

Orihime olhou com atenção para o Ichigo enquanto tentava absorver tudo que ele estava falando. Eles se conheciam a muito tempo, mas foi a primeira vez que ela o ouviu falar tanto sobre os seus sentimentos. Uma ponta de dúvida surgiu em sua mente quando ele disse que gostava de uma garota e o seu nome não foi citado.

"Ultimamente tudo que passa na minha cabeça é esta garota. Eu fico pensando se ela está feliz e me preocupo quando não a vejo. Sempre que experimento algo saboroso, penso que seria melhor se tivesse sido compartilhado por ela. Eu vi este lugar e pensei que ela iria adorar passear por aqui."

O coração de Orihime quase parou, seus olhos se encheram de lágrimas e ela se controlou bastante para não cair no choro, ela entrelaçava os dedos dos pés dentro bota, tamanho era o seu nervosismo.

"Eu conheço esta garota a muito tempo, nós passamos por muitas coisas juntos. Sofremos e choramos nas derrotas, crescemos e rimos nas vitórias. Eu sempre fui um lutador solitário, mas quando ela estava do meu lado, eu me sentia invencível. Eu não podia perder na frente dela, eu não queria perder na frente dela. "Se levante, lute, ela está olhando." minha mente sempre falava isso. E quando eu enfrentei meu inimigo mais terrível, foi ela que ficou do meu lado, ela cuidou das minhas costas e me curou enquanto eu lutava. Foi a primeira vez que eu confiei em alguém em uma luta e acho que jamais confiaria minhas costas ou vida a outra pessoa."

Um sentimento bonito e quente começou a surgir no coração da ruiva, ela esperou ouvir isso durante toda a vida. Ela sonhava com este momento, mas nem nos seus sonhos ela conseguiu imaginar que o Ichigo iria falar tantas coisas bonitas para ela. Ele era reservado demais e ela estava amando ver esta nova faceta do seu amado.

"Esta pessoa hoje é minha amiga e eu não consigo mais achar que isso seja o suficiente. Eu fiquei com medo de perdê-la, de assustá-la, mas meu coração foi mais forte. O que eu quero dizer é o seguinte:

"Inoue Orihime, eu te amo do fundo do coração, eu te amo demais!"

Esta última frase derrubou todas as barreiras da ruiva, as lágrimas não paravam de escorrer pelo seu belo rosto. Era o choro mais feliz de sua vida e ela queria que este momento durasse pra sempre.

Percebendo a reação da Orihime, Ichigo se apressou e falou:

"Eu não estou de pressionando e vou enten..." Ele não precisou continuar falando, pois Orihime levantou um dedo e colocou nos lábios do rapaz. Ele já falado tudo que ela queria ouvir e agora era a vez dela dizer o que sempre guardou no coração.

"Sabe, eu comecei a gostar de um garoto no dia mais triste de minha vida, eu perdi meu irmão e ele me confortou. Ele me deu forças para continuar vivendo e tentando ser feliz”.

“Eu gostava de olhar para sua cara fechada, achava ela bonitinha e engraçada. Por um tempo, isso foi o suficiente para mim. Um dia, ele salvou a minha vida e libertou a alma do meu irmão de seu sofrimento”.

“Eu o via lutando e desejava estar ao seu lado. Me esforcei para isso, mas ele parecia sempre estar um passo à frente. Eu tentei salvá-lo quando fui para o Hueco Mundo, mas foi ele que desbravou aquele lugar hostil e me resgatou. Naquele momento eu já sabia que não conseguiria viver sem ele. Eu o amava silenciosamente e adorava conversar com ele”.

“Eu não me importei em ir para a guerra ao seu lado, me esforcei para poder protegê-lo. Não queria que ele se machucasse, isso cortava o meu coração. O tempo passou e o meu amor por este garoto somente cresceu, eu o via no meu local de trabalho e ficava feliz com isso. Contava as horas para ele voltar. Eu também queria falar para ele que o amava, mas eu era boba e insegura demais para isso”.

"Ele me convidou para sair e o meu coração se encheu de esperanças. E quando eu ouvi da boca dele que ele me amava, eu não sabia que poderia ficar tão feliz assim. Eu não sabia que tanta felicidade poderia existir".

"E acho que ele também merece ouvir como eu me sinto: Eu também te amo, Kurosaki Ichigo. Você sempre foi e sempre será o amor da minha vida".

Ichigo estava extremamente feliz ao ouvir a resposta da Orihime. Durante todo o tempo, ele olhou fixamente para os seus belos olhos castanhos e a cada palavra ouvida, a sua felicidade aumentava.

Seus olhares estavam dizendo o que eles queriam fazer. Ichigo segurou carinhosamente o rosto de Orihime, enquanto se aproximava dela. Ela segurava o ombro do rapaz, apreciava o toque em face e fechou os olhos ao perceber a aproximação da boca que tanto desejou.

Um beijo tímido e carinhoso aconteceu, eles ainda não sabiam o que fazer ou como se comportar. Ficaram um tempo com os lábios colados até começarem a brincar um com a língua do outro. Eles estavam aprendendo juntos e no seu próprio ritmo.

Seus lábios só se separaram quando o fôlego acabou, eles abriram os olhos e se olharam com vergonha. Orihime limpou a marca de batom que ficou no rosto do Ichigo e disse que eles ainda precisavam praticar. Ele respondeu que tinham todo o tempo do mundo e a puxou para mais um beijo.

Ela finalmente conseguiu mergulhar no peito do seu amado. Ela sentiu a batida forte de seu coração e o calor de seu abraço. Ele finalmente a tinha em seus braços e pôde sentir a macies de sua pele e o conforto nos seus braços.

Ficaram assim por alguns minutos até que o Ichigo quebrou o silêncio:

"Eu queria me confessar no final da noite, mas eu não consegui resistir." Ele se levantou e pegou uma caixinha que estava no seu bolso.

Ele abriu a caixinha, retirou um colar com um pingente e se ajoelhou na frente dela:

"Orihime, você aceita namorar comigo?"

Foi a primeira vez que ele a chamou pelo nome, ela se surpreendeu e percebeu que eles já deveriam ter quebrado essa barreira faz tempo.

"Eu aceito, Ichigo". Ele nunca achou que ouvir o próprio nome seria tão bom.

A ruiva pegou o colar e se emocionou ao ver os desenhos gravados neles. Ichigo colocou os pingentes lado a lado e ela viu o morango e a espada, a presilha de seu cabelo e o escudo. E que juntos, eles formavam o símbolo da eternidade. Esta era a síntese perfeita do seu relacionamento.

"Posso?" ele pegou o colar e ela a afastou os longos cabelos ruivos de seu pescoço. E           Enquanto o rapaz colocava o colar, a moça brincava com a pingente entre os seus dedos. Aquilo era a prova que o dia de hoje foi real.

"Minha vez agora?" Ela disse com um sorriso e repetiu o gesto do Ichigo. Ele torceu para que ela não percebesse que todo o pelo de seu pescoço estava arrepiado.

O estômago da moça roncou neste momento, passado todo o nervosismo ela finalmente lembrou que estava com fome. Envergonhada, ela disse que ficou muitas horas sem comer, pois estava ansiosa demais pela noite de hoje.

Ichigo riu e disse que ainda tinha mais uma surpresa, ele se levantou e estendeu sua mão para ela. Seus dedos se cruzaram e foi a primeira vez que eles andaram de mãos dadas e como namorados.

Eles voltaram para a pousada e os Murakami já estavam de prontidão. Isao e Shizuka ficaram felizes ao verem que eles estavam de mãos dadas.

"Acho que está na hora do meu primeiro jantar com a minha namorada!" Orihime gostou de ouvir o rapaz dizer isso em voz alta.

Eles voltaram para o jardim e desta vez foram para a direita, na direção do coreto. Assim que as persianas foram levantadas, Orihime viu uma bela mesa de jantar, as velas foram acesas e o Ichigo puxou uma cadeira para que ela sentasse.

Shizuka voltou com uma bandeja e a colocou no meio da mesa. Assim que a tampa foi retirada, um cheiro delicioso de batatas e queijo invadiu o ambiente.

"Batata gratinada com três queijos e bacon. O Kurosaki-san disse que você ama queijo com batatas". Ela acenou com a cabeça e riu para o namorado.

O resto da noite passou em um piscar de olhos e eles não queriam incomodar ainda mais os donos da pousada.

Quando eles ameaçaram recolher os pratos, Isao apareceu e disse para eles não se preocupem com isso.

Eles voltaram para a pousada de braços dados e ombros colados.

Ichigo agradeceu aos dois e disse que este lugar sempre ficará na sua memória e Orihime concordou com ele, ela sabia que esta não seria a última vez que eles viriam até este lugar.

Isao e Shizuka ficaram observando o casal enquanto eles subiam na moto.

Shizuka suspirou profundamente e disse ao marido:

"O amor dos jovens é tão bonito".

Ele pensou um pouco e respondeu a esposa:

"Nós temos mais tempo de casados do que eles têm de vida. E pra mim, a forma mais bonita do amor é poder envelhecer ao lado de quem você ama. E olhando aqueles dois, eles também entenderão isto um dia".

Shizuka riu e deu um beijo no marido antes dos dois voltaram para a pousada.

Fim


Notas Finais


Terminei minha pequena homenagem a Bleach e a esse casal que eu sempre curti!
Obrigado aos que leram e Bleach Forever!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...