História A Viagem de Chihiro 2 - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias A Viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no Kamikakushi), Kamisama Hajimemashita (Kamisama Kiss), Mononoke Hime, O Castelo Animado
Personagens Calcifer, Chihiro Ogino, Haku (Kohaku), Howl, Markl, Nanami Momozono, Personagens Originais, Sophie, Tomoe
Tags A Viagem De Chihiro, Chihiro, Haku, Mononoke Hime, O Castelo Animado
Visualizações 7
Palavras 993
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Fantasia, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Vou repetir isso como um mantra ~ não transforme a historia em um hentai ~ ate eu entender KKK

Capítulo 4 - Mistérios revelados, o romance intacto


Fanfic / Fanfiction A Viagem de Chihiro 2 - Capítulo 4 - Mistérios revelados, o romance intacto

- Olha – ela inspirou fundo e continuou – primeiro um deus raposa me arrasta para cá por querer de Zeniba, depois eu descubro muitas coisas sobre você e agora eu vejo um monstro atacando você e ainda não mereço uma explicação? Meio injusto, não acha?

Com relutância Haku começou a falar.

- Quatro anos depois que você se foi e toda história você já sabe, apareceu um deus enfurecido e começou a destruir a cidade que você vê a balsa chegar com os deuses que utilizam de nossos serviços. Demorou 4 anos para que ela ficasse de pé novamente. – Hiro o interrompeu.

- Haku, mas o que é um deus enfurecido? Eu sei que ele estava em fúria, mas, por quê?

- Um deus enfurecido aparece quando ele está quase morto em batalha e não aceita sua derrota, acaba ganhando poderes de destruição e por onde passa tudo morre. Lutamos com ele por 3 anos, aparecendo nas mais inusitadas horas, foram três anos sem descanso. Haviam aparições repentinas, mas ele estava tão fraco que era necessário apenas um ataque e ele então sumia.

- Haku, então esse mal é para a vida toda? – A expressão de Hiro era a de mais puro desespero.

- Há um modo de remediar tudo isso. Existe uma floresta em que houve uma batalha idêntica, onde uma princesa loba e um rapaz de uma aldeia muito distante derrotaram um espírito javali nas mesmas condições. Expedições foram feitas, mas nunca encontramos a floresta de fato. Daqui a uma semana um amigo meu irá vir com a familia e iremos, eu e Hane. Abordo de seu castelo, ele disse que viu o espirito da floresta em sua forma divina á noite, talvez se nos seguirmos ele no mesmo horário, consigamos achar a tal princesa. Eu tenho que te levar para casa antes e – antes que Haku pudesse continuar ela ficou possessa de raiva e queria gritar na cara dele que não iria nunca mais para longe dele. Ela respirou fundo e começou já interrompendo ele.

- Haku – Ela suspirou – Depois de muito tempo eu pude rever você e finalmente lembrar quem é você e o que você significa para mim... não me faça ficar longe de você. Temos um mês para resolver tudo isso e eu com ou sem o seu consentimento estarei ao seu lado! – Haku lhe lança um olhar de surpresa e abaixando a cabeça Hiro continuou – E eu espero que você não se ponha em meu caminho, se não...

- Se não o que, Chihiro? – Falou ele aproximando-se demais – Eu não creio eu você fará algo contra mim. – Suas bocas estavam muito próximas, mas o olhar de Hiro continuava baixo – ei, olhe para mim, o que eu significo pra voce? – Haku puxou o queixo dela para cima lhe capturando o olhar.

- O quanto eu não tenho dimensão, mas... – Ela fechou os olhos, respirou fundo e o encarou novamente – Eu amo você, desde a primeira vez que o vi eu nutri sentimentos que me atingiram em cheio – e com as bochechas vermelhas ela novamente olhou para o chão.

- Eu também a amo, eu a visitei tantas vezes em seu mundo, a protegi tantas vezes, muita delas você nunca me viu. Não houve um dia em que eu não pensasse em você.

Haku a beijou com urgência, os braços enlaçando o pescoço dele, suas respirações ofegantes. Hiro sentia seu corpo mole como uma gelatina, Haku fervia, a queria tanto que parecia se descontrolar. O beijo foi interrompido por Hane, que pigarreou chamando a atenção de ambos.

- Não querendo atrapalhar, mas já atrapalhando, temos assuntos urgentes, é sobre o Howl. – Raposa maldita pensava Haku, Hane tinha um sorriso de canto, simbolizava que sabia o que Haku estava pensando.

- Tudo bem, irei assim que terminar. – Haku virou-se para ela e com um sorriso encantador disse – Hiro, pode me deixar sozinho?

Ela assentiu e pediu para que ele comesse tudo saindo com Hane da sala. Enquanto ela e Hane desciam para ver Yubaba, Hiro lembrou de sua família.

- Hane! Estou há três dias aqui! Meus pais... eu não deixei nenhum bilhete dizendo que saí e – Ele a interrompeu.

- Não se preocupe, tenho outro amigo raposa que se disponibilizou a se passar por você e dizer que você estava a caminho da cidade vizinha e que voltaria no início das aulas.

- Muito obrigada Hane, realmente você é o meu protetor – disse Hiro abraçando-o.

Hiro decidiu ir até o campo de flores que ficava ao lado dos celeiros, passou pela ponte e um sentimento de nostalgia a cobriu, ela sentiu a presença de alguém, mas apenas ignorou e continuou até seu destino. Pobres porquinhos, será que são algum humano que cometeu o mesmo erro de meus pais? Hiro pensava se compadecendo por eles e lembrando do fatídico dia que a levou por dias em uma aventura que jamais imaginou passar. Ela então decidiu procurar Yubaba, desde que chegara não conseguiu falar com ela direito. Ao chegar onde Yubaba estava, ela percebeu que os ânimos não eram dos melhores, criados corriam de um lado para o outro, Lin dava ordens que nem louca e Yubaba gritava “PUXEM! ”. Hiro estava se divertindo ao ver a mesma cena de dez anos atrás quando o espirito do rio apareceu e lhe deu aquele bolo de ervas.

Quando tudo se acalmou o espirito do rio gritou “CHIHIROOO” a voz dele ecoou por toda casa, e logo Hiro correu para vê-lo, ele soltou uma gargalhada e disse

- Tome cuidado minha menina, nesse mundo toda proteção é pouca, não confie em todos, e aprenda a diferenciar ilusões de realidade.

Hiro curvou-se em cumprimento e o espirito do rio se foi. Como da última vez a casa toda comemorou e Yubaba deixou o saquê por conta da casa. As palavras que lhe foram ditas não saiam de sua mente, será que ele estava falando de alguém? Pelo visto aquilo iria aterrorizá-la por um tempo. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...