História A Vida de um Serial Killer Temporal - Capítulo 36


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Assassino, Serial Killer, Viagem No Tempo
Visualizações 4
Palavras 725
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sci-Fi, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem e boa leitura!

Capítulo 36 - A Fuga - Um a Menos


Fanfic / Fanfiction A Vida de um Serial Killer Temporal - Capítulo 36 - A Fuga - Um a Menos

 Olivier: Santa, só pra eu ter certeza, eu posso torturá-lo bastante, contanto que não morra. Certo?

Joana: Certo. Eles só podem morrer quando estivermos todos reunido.

Olivier: Perfeito.

Ele sacou uma de suas facas de arremesso e a jogou em meu joelho, porém, não me feriu. Na verdade a ponta da lâmina se entortou.

Elena: Seu idiota. Essas não funcionam. Toma, vou te dar mais algumas.

Olivier: Ótimo. Agora sim o show vai começar.

Elena: De nada. Mal educado.

Não demorou muito para eu sentir dor. Eu pensei que, depois que eu me tornasse um Ceifador, tudo seria muito mais simples para mim. Mas aparentemente eu estava errado quanto a isso.

Quando abri os olhos, não consegui ver ninguém na sala além de mim e de Olivier.

John: Que foi? Tava tão tedioso que elas se cansaram de ver?

Olivier: Enfim acordou? Então acho bom continuarmos.

Em momento algum eu estive dormindo. Em momento algum eu parei de pensar em uma fuga, mas isso simplesmente me parecia impossível.

Olivier: Vamos com algo novo agora.

Ele pegou um frasco com um líquido amarelo e derramou uma gota na lâmina de uma das adagas.

Olivier: Espero que goste disso.

Pouco depois, a adaga começou a soltar faíscas, como se esta estivesse eletrificada.

Ele encostou com a adaga na grade e eu senti toda a cela se eletrocutar.

John: AAAAHHHHHHHH!!!!!!!

Aquilo não estava me machucando. Apenas a arma me machuca, e não seus efeitos.

John: AAAHHHHH!!!!!

Olivier: Parece estar gostando.

Ele acreditou que eu estava sentindo dor. Seu primeiro erro.

Ele se aproximou de mim. Seu segundo erro.

Ele me mostrou as chaves da cela. Seu terceiro erro.

Ele colocou algumas gotas do frasco no molho de chaves. Seu quarto erro.

Ele as jogou para mim. Seu quinto e último erro.

Ele virou de costas para mim e começou a falar sozinho. Honestamente, eu esperava mais de alguém tão forte como ele. Mas parece que suas habilidades estavam compensando pelo extremo nível de burrice.

Eu peguei as chaves e fingi gritar de dor.

John: AAAAHHHHHHHH!!!!

Ele começou a rir.

Tanto o grito quanto a risada foram o suficiente para abafar o som do barulho das chaves.

Mesmo tendo aberto a porta, continuei a gritar. John:AAAAAAHHHHHHHAHAHAHAHAHA!!!!!!

Olivier estranhou o meu grito de repente ter se tornado uma risada. Ele se virou o mais rápido que pôde, mas eu já estava atrás dele. Quando ele virou a cabeça, fui rapidamente para sua frente, onde o soquei no diafragma, impossibilitando-o de respirar.

John: Você cometeu cinco erros. E esses erros te levaram à morte.

Joana estava estranhando a longa pausa dos meus gritos, então decidiu ver o motivo. Quando ela entrou, se deparou com um corpo morto dentro da cela onde eu estava. Este corpo era de Olivier, e ele possuía uma carta em uma de suas mãos.

Joana encostou na cela, mas ela ainda estava eletrocutada.

Joana: Desgraçado!!

Ela colocou luvas de borracha, abriu a cela e leu a carta.

Carta:

Este homem cometeu cinco erros no fim de sua vida. Porém, o número de erros por ele cometido em toda sua vida é incalculável; assim como o de qualquer outro ser humano.

Porém, de todos os erros durante sua estadia neste mundo, o pior não foi ter nascido. Foi de ter nascido em um mundo em que eu surgiria. Em um mundo em que, ao colocar meus pés nele, se tornou meu domínio.

Não. Vocês não entendem com quem estão se metendo. Um meio Ceifador? Sim; mas não só isso. Vocês estão lidando com o maior Serial Killer que o tempo já viu.

Então... vou repetir mais uma vez.

Não. Vocês não têm ideia de com quem estão lidando.

Agora, enquanto eu não alcanço vocês, lhes dou esse tempo para tentar consertar seus pecados e, talvez, não sofrerem no Inferno. Mas nós sabemos que, depois de eu os matar, nosso próximo encontro será no Inferno.

Ass: John, o Assassino Temporal.

Eu sabia que Joana iria ficar muito irritada com isso. Mas era exatamente isso que eu queria.

Já chega de brincadeiras.

Já chega de tentar ser legal.

Já chega de ter piedade.

JÁ CHEGA de fingir ser um ser humano com sentimentos.

Não. Eu não sou um ser humano. Nunca fui. Um ser humano não mataria a si mesmo quando bebê.

Um ser humano não

mataria os próprios pais.


Notas Finais


Vou deixar a história em pausa por umas semanas. Talvez um mês, talvez mais, talvez menos. Não sei.
Espero que tenham gostado e até mais!!!

Próximo capítulo:
O Órfão - O Fim de Uma Família


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...