História A Vida é uma Criança (Imagine 2Won) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXID, Monsta X, WINNER
Personagens Hyung Won, Junghwa, Ki Hyun, Lee Seunghoon, Min Yoongi (Suga), Solji, Won Ho
Tags 2won, Crianças, Família, Kihyoongi, Monstax, Mpreg, Shipps, Yaoi, Yoonki
Visualizações 41
Palavras 3.063
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


▹ olá anjos, cheguei com mais um capítulo e espero que gostem. Boa leitura e desculpem o atraso, minha faculdade voltou e eu estou bem ocupada tentando permanecer viva até o fim do período (espero conseguir)

▹ Divulgue aqui seu hino: Martini Blue - DPR LIVE (escuta essa maravilha <3)

Capítulo 3 - 003 - Sorrisos


Fanfic / Fanfiction A Vida é uma Criança (Imagine 2Won) - Capítulo 3 - 003 - Sorrisos

O relógio marcava cinco e meia da tarde naquela sala teórica do jornalismo, então logo todos os alunos passaram a arrumar suas bolsas sem nem se importar se o professor havia ou não acabado de explicar o assunto. A aula finalmente havia terminado.

— Preciso ir rápido. — disse Solji organizando seus livros dentro de sua mochila simples de colegial, parecia estar bem atrasada para algo e Hoseok suspeitou de sua pressa. —

— Para onde vai? — perguntou o rapaz fazendo o mesmo, só que em uma velocidade bem mais lenta que a garota. —

— Jantar com a família de Seunghoon, tenho que ser pontual de agora em diante.

— Boa sorte. — o amigo deu de ombros, ele conhecia bem o sofrimento que Solji passou para conquistar a família do noivo, são o tipo de pessoas do tempo antigo, que nasceram para ser servidos pela nora. Triste pensar nisso. — Espero que se divirta ao lado da família perfeita.

— Wonnie. — a ruiva o encarou um pouco chateada, não gostava que o rapaz brincasse com esse tipo de coisa perto da mesma. Não deixou se abalar, afinal sabia que Hoseok nunca aprovaria seu casamento, já que nunca foi com a cara de Seunghoon. — Vai se encontrar com Yoongi?

— Vou. —  o loiro olhou para seu relógio de pulso e continuou. - Acho que ele já deve ter largado.

— Até segunda, Hoseok.

Viu então sua amiga sair da sala com passos largos e não demorou muito para que fizesse o mesmo, indo até o bloco de Arquitetura encontrar com seu colega, Min Yoongi. Não o considerava um amigo muito próximo, era o tipo de pessoa que quando Solji faltava ficava com ele. Encontrou o de cabelos negros conversando e rindo com seus amigos de turma, de forma bem descontraída, como se não tivesse problema algum para resolver.

— Oh, Hoseok! — Yoongi percebeu logo a presença do loiro no corredor e pareceu estar bem feliz, então se aproximou do colega. — Você nem vai conseguir acreditar, consegui um estágio bom, finalmente vou começar a trabalhar depois de tanto tempo.

— Isso é fantástico! — Hoseok deixou que um sorriso escapasse, mas um sorriso meio sem jeito já que infelizmente, oportunidades de estágio e trabalho quase nunca surgiam para si. — Solji me pediu para te avisar sobre aquele almoço de noivado que vai acontecer daqui há alguns dias na casa dela.

— Vai ser um mês antes do casamento, né?

— Isso, eles só ‘tão fazendo esse almoço por insistência dos sogros, mas Solji disse que os amigos poderiam ir, vai ter muita comida. — explicou o loiro. —

— Gente rica é outro nível. — o Min fez uma piadinha e Hoseok riu fraco. Os colegas passaram a andar em direção a portaria da faculdade, onde vários alunos estavam reunidos para irem para suas casas ou chegando para terem as aulas do turno da noite. — Ah, podemos levar convidados?

— Segundo ela, podemos. Mas, por favor, não apareça lá com sua família inteira.

— Não farei isso. — Yoongi tentou falar de forma irônica, mas foi impossível conter o riso em um momento desses. — Vou levar uma pessoa especial que estou conhecendo. Ah, e como foi o funeral da sua irmã?

O Shin acabou parando de andar e parecia estar congelando, a verdade era que ele havia se esquecido disso. Do fato de que sua irmã havia partido. Como ainda não conseguia acreditar nisso, achou melhor deixar de lado e esquecer por um tempo, mas sempre sentia-se culpado ao lembrar que Shin Minah havia morrido.

— Desculpe, eu não devia ter perguntado isso. — Yoongi coçou a garganta e olhou para Hoseok, que voltou a andar depois de alguns segundos. — Solji contou para mim e… Eu fiquei bem triste por você. Desculpe, não vou falar mais sobre isso.

— Tudo bem. — o loiro fungou e continuou seu caminho até a saída. — Ainda ‘tá sendo um pouco difícil, mas eu consigo.

Andaram e quando Hoseok estava pronto para se despedir do colega e ir até o ponto de ônibus, surpreendeu-se ao ver que na frente da faculdade estava Hyungwon e a pequena Jinah, sentados em um banco na espera que o mesmo largasse.

— Vai pegar ônibus? — perguntou Yoongi. —

— Uh… Acho que não vou embora agora. — Hoseok gaguejou um pouco e logo corrigiu a voz. — Preciso resolver umas coisas no financeiro antes, nós vemos amanhã?

O de cabelos negros seguiu seu caminho e quando o loiro percebeu que já estava longe, foi até Hyungwon e sua sobrinha. O modelo usava um boné (como se isso escondesse que realmente era) e expressava um sorriso ao ver seu amado aproximar.

— O quê… Estão fazendo aqui? — Hoseok arqueou suas sobrancelhas estranhando. —

— Viemos buscar você. — o  mais novo sorriso e passou a cochichar então. — Olhe por um lado, consegui tirá-la de casa.

— Uh, o-oi… — Hyungwon não conseguia dizer quem era mais tímido: Jinah ou Hoseok? O loiro gaguejava e as vezes falhava nas palavras, com certeza não é muito bom com crianças. — Como foi seu dia, Jinah?

Infelizmente, a menina não disse nada. Apenas escondeu-se um pouco mais atrás de Hyungwon e manteve seu silêncio.

— Hoseok, cada coisa de uma vez. — Hyungwon tentou segurar o riso. — Vamos para  casa.

Dentro do carro, escutavam uma playlist meio louca que Hyungwon fez, misturou vários estilos musicais em uma só lista e sentia orgulho da bagunça sonora que havia feito. Como sempre, o modelo estava com as mãos no volante e tinha um sorriso até engraçado no rosto, Hoseok acabou estranhando.

— Aconteceu algo? — perguntou o loiro. —

— Aconteceu. Consegui uma entrevista para a revista Vogue Korea, aquela que é bem famosa.

— Nossa, isso é demais. — Hoseok abriu um sorriso sincero, ele sempre estava do lado de Hyungwon nas conquistas da carreira de modelo. — Logo seu rosto vai estar estampado em várias revistas da Coreia.

— Hyungwon, é difícil ser modelo? — a voz fina de Jinah foi escutada do banco de trás do passageiro, o que fez Hoseok arregalar os olhos, nunca havia escutado a voz da menina. —

— Não, Jinah. — o rapaz respondeu com os olhos na estrada. — É até bem fácil no começo. Por que? Se interessa por moda?

— Eu adoraria ser modelo. — disse calma olhando pela janela. —

— Meu Deus, vocês dois se conhecem há quanto tempo? — Hoseok disse surpreso e ao mesmo tempo feliz por ver o quanto Hyungwon e a menina estavam trocando palavras. — Eu vou para a faculdade e quando volto, vocês parecem ter se conhecido há tanto tempo. O que ele fez para você, Jinah?

Mais uma vez, a criança não respondeu nada para o tio, então apenas o bufar do mais velho foi escutado. Hyungwon queria segurar, mas acabou rindo sem querer.

— Jinah, precisa falar com seu tio. — Hyungwon disse. — Uma hora ou outra vão ter que trocar uma palavra.

O rapaz então olhou pelo retrovisor interno e percebeu que a menina fez uma expressão um pouco triste, como qualquer criança faz ao entender que havia levado uma bronca.

— Uh, mas tudo em seu tempo, querida. — continuou um pouco sem jeito, logo percebeu que seu comentário havia desencadeado um silêncio tenso. — O que acham de jantar uma pizza?

Ah, pizza. A luz no fim do túnel para qualquer criança que está entristecida. E para Hoseok, que adorava aquelas pizzas com bordas recheadas com muito queijo, o loiro logo deixou o brilho saltar de seus olhos ao ouvir aquilo.

— Wow! — Hoseok comemorou. — Preciso de queijo para recuperar minhas forças, aquela aula acabou comigo.

— Você gosta de pizza de quê, Jinah? — perguntou o rapaz com as mãos no volante. —

— Hum, acho que… — a garota demorou pensando, mas respondeu com entusiasmo. — Com muito queijo.

— Pizza de queijo, lá vamos nós.

Compraram a delícia e foram para casa, Jinah esbanjava um sorriso fraco, mas pelo menos mostrava os pequenos dentes, isso era um grande avanço. No dia anterior, todos estavam sofrendo pelo falecimento de Minah, mas hoje, todo mundo estava fazendo o possível para deixar o luto passar e seguir em frente com a vida.

Chegaram na casa de Hyungwon pelo horário da noite e comeram na mesa juntos, os mais velhos contavam novidades do trabalho e da faculdade, enquanto Jinah deliciava com seu jantar.

— Estava muito bom. — disse Hoseok levando seu prato até a pia. — A pizza daquele lugar é maravilhosa.

— Quem vai lavar os pratos? — o modelo ironizou. —

— Eu não lavo os pratos da minha casa. — Hoseok rebateu. —

— Chama aquilo de casa?

Ambos riram mais uma vez. Hoseok cedeu e lavou os pratos, raramente fazia essas coisas em seu apartamento, mas praticamente estava vivendo de favor na casa do mais novo, teria que fazer algo para retribuir. Enquanto o loiro estava na cozinha, Jinah estava sentada na sala olhando algumas bobagens na televisão, então Hyungwon não perdeu a chance de aproximar-se.

— O que acha de assistirmos um filme? — perguntou, jogando-se no sofá ao lado da menina. — Tem algum em mente?

— Hum… — Jinah pensou um pouco e assim que o primeiro filme veio em sua mente, abriu o jogo para o que queria assistir. — Eu queria assistir ‘Os Vingadores’...

— Oh, boa escolha! Vou procurar na internet.

Hyungwon colocava o filme para carregar quando Hoseok, que finalmente havia terminado de lavar os pratos, passou pelo lugar.

— Wonnie, não quer assistir um filme com a gente? — perguntou o modelo. —

— Uh… Eu tenho uns trabalhos da faculdade… Bom filme para vocês. — disse o loiro coçando a nuca e em um tom fraco de voz, como se estivesse cansado. —

O companheiro deu de ombros e deu ‘play’ no filme, sentando-se ao lado mais nova com a mente aberta pronta para entender o universo Marvel. Wonho foi para o escritório no primeiro andar, tirou alguns livros de sua bolsa e passou a folheá-los já que não estava nem um pouco afim de fazer um resumo sobre as teorias do jornalismo. Pegou seu celular e checou suas redes sociais, nada interessante. Quando estava finalmente destinado à estudar e largar o telefone, uma mensagem de sua mãe chegou. Abriu o chat de conversa e encontrou uma foto e uma mensagem que a mais velha havia enviado.

Eu sabia que ela sempre te amou”, isso era o que estava escrito, enquanto na foto estava Hoseok criança ao lado de uma menina um pouco mais alta na praia. Os dois estavam sentados na areia e brincavam de montar castelos. O rapaz logo concluiu que sua irmã havia guardado essa foto por anos. Sentiu um aperto em seu coração, algo que não sabia explicar, um sentimento tão triste. Logo, lágrimas começaram a rolar lentamente pelo rosto pálido de Hoseok, sua alma sofria, queria ter tido apenas a oportunidade de ter se despedido.

— Hoseok? — Hyungwon perguntou mexendo nos braços fortes do mais velho, que havia adormecido em cima dos livros da faculdade. — Acorde.

O loiro acordou um pouco desnorteado, sem saber muito bem o que havia acontecido, afinal a última coisa que se lembrava era de ter olhado seu celular e apagado de vez. Talvez tenha subestimado o tamanho de seu cansaço.

— Aish… — Hoseok reclamou baixinho enquanto espreguiçava-se. — Acabei cochilando enquanto estudava…

— Não pode forçar muito a barra, Won. — disse o modelo recolhendo os livros da mesa. — Você ainda ‘tá se recuperando do luto e… Sabe que não consegue aguentar tudo isso sozinho.

— Foi apenas um descanso. — o mais velho levantou-se e apagou o abajur, acompanhando seu companheiro até o quarto do mesmo. — Que horas são?

— Duas da manhã. — disse o mais magro olhando o relógio na parede. — Na metade do filme, Jinah acabou dormindo, achei melhor colocá-la na cama.

— Você e ela se tornaram tão próximos. — Hoseok tinha uma expressão triste, como se também quisesse aquilo para si. —

— Não estamos “tão” próximos assim. — Hyungwon disse enquanto arrumava os lençóis de sua cama. — Mas você devia se abrir mais com ela, é tio da menina.

— Ela não me responde! — estava começando a achar que não nasceu para cuidar de crianças, ou melhor, tinha certeza disso. — Hyungwon, eu sou péssimo com crianças.

— Você não é péssimo, só precisa conhecê-las melhor. — deitou-se em sua cama, onde finalmente pode relaxar suas costas doloridas. — Ah, temos que contratar algum professor particular para ela.

— Para?

— Para ela aprender a cozinhar. — ironizou. — Pensei que você fosse mais inteligente. Claro que é para ela aprender, Hoseok. Jinah não pode simplesmente largar os estudos.

— Mas ela nem vai passar muito tempo com a gente. — o loiro deu de ombros, deitando-se ao lado de Hyungwon na cama. —

— Sem discussões, amanhã eu vou atrás de algum professor bom. Deveria chamá-la para sair enquanto eu resolvo essas coisas e dou minha entrevista para a Vogue.

— Se for um caos, a culpa é sua.

Hyungwon não conseguiu conter o riso e logo as luzes do quarto foram apagadas, assim que todos estavam aconchegados. O modelo estava entre os braços fortes de Hoseok, sentindo-se protegido, por mais que na maioria das vezes fosse ele quem protegesse o loiro.

Na manhã seguinte, Hoseok acordou cedo e foi diretamente para o escritório tentar estudar o que não conseguiu na noite passada. Então aproveitou que Hyungwon acabou dormindo mais do que o normal para fazer seu enorme resumo e atolar seu belo rosto nos livros de teoria. Quando terminou, o relógio marcava quase meio dia e Hoseok estava satisfeito por finalmente ter conseguido acabar esse assunto. Também estava feliz ao perceber que teria a tarde de sábado toda livre.

— Eu sabia que você estaria aqui. — a voz de Hyungwon foi escutada da porta. Ele estava bem vestido (como sempre) e parecia com pressa. — Vou resolver aquelas coisas de ontem, Jinah está almoçando na cozinha, esquentei algo para você também.

— Vai mesmo fazer isso comigo em pleno sábado? — Wonho encarou Hyungwon fazendo um pequeno bico nos lábios. —

— Quer trocar de lugar? Eu fico em casa relaxando enquanto você vai trabalhar? Eu troco de boa.

— Bom trabalho, Chae Turtle! — Hoseok riu e acenou, fazendo o outro rir também. —

— Não esqueça de Jinah.

Agora não tinha para onde fugir, teria mesmo era que enfrentar e tentar conversar qualquer coisa com sua sobrinha, mesmo que levasse um terrível vácuo, faria o impossível para escutar pelo menos um “a” da menina. Não podia ficar a tarde toda em casa, pensou. Então simplesmente pediu um pouco sem jeito para que Jinah tomasse banho e se arrumasse, pois os dois iriam sair. A menina não negou e logo ajeitou-se para passear com o tio.

Shin Hoseok não fazia ideia de onde levar Jinah, apenas saiu pelas ruas à pé com a mais nova e procurou algum lugar interessante para irem. Não muito longe, avistou um parquinho onde várias crianças brincavam, achou que ali sim poderia ser um bom lugar para Jinah ficar descontraída.

— Pode brincar, ficarei sentado aqui nesse banco te observando. — disse o mais velho sentando-se em um banco de madeira. —

Olhava Jinah de longe brincar na areia sozinha, enquanto as demais crianças brincavam dentro da casinha em grupo, aquilo chateou bastante o rapaz. Então levou seu foco para uma moça muito bonita e bem vestida que sentou-se ao seu lado com um sorriso malicioso nos lábios.

— É sua menina? — perguntou a mulher. —

— Uh? — o loiro não era muito bom em descobrir quando estavam flertando consigo. — Minha sobrinha.

— Cuida dela sozinho? — estava estampado na testa da mulher que ela queria o número (ou algo mais) de Hoseok, espremia seus braços perto de seus peitos, isso não era nada legal de se ver. — Eu adoro homens que são solteiros e cuidam de crianças…

Toda essa fama faria algum sentido se Hoseok não estivesse olhando para Jinah sozinha mais uma vez. Sentiu dó pela menina que havia perdido a mãe e estava morando com dois desconhecidos há tão pouco tempo tendo apenas seis anos de idade. Shin Jinah estava passando por maus bocados e por mais que todos se esforçassem, estava sendo realmente muito difícil lidar com a perda de Minah. O loiro então levantou-se, deixando que aquela mulher enxerida ficasse falando sozinha e andou até a caixa de areia que Jinah brincava sozinha com uma expressão bem triste. Arregaçou sua manga e juntou-se a menina na areia, pegando as pás e um balde pequeno.

— Vamos, vou montar um grande castelo de areia. — disse o rapaz. — Preciso de alguém forte o suficiente para me ajudar com isso.

Jinah não entendeu muito bem o que acontecia, então apenas olhava para o que seu tio estava fazendo e se manteve em silêncio.

— O que está esperando? — Hoseok sabia bem como fingir uma briga. — Não vou conseguir montar esse castelo para as princesas sozinho, elas precisam de um lugar para morar! Vai me ajudar ou deixarei elas dormir na rua?

Não foi com muito tempo, a pequena levantou-se, pegou alguns baldes e começou a brincar também. Em poucos minutos, tinham um castelo de três andares, o que chamou a atenção das demais crianças para se juntarem. Uma à uma estavam indo até a caixa de areia para ajudar e Hoseok estava rindo tão naturalmente, que no meio de tanta brincadeira, mal percebeu que Jinah também estava falando com ele.

— Tio Hoseok, precisamos de mais areia no andar da Cinderela! — Jinah expressava sua tamanha criatividade entre sorrisos sinceros. —

— Areia está à caminho! — o mais velho também se expressava bastante. —

Foi uma tarde completamente diferente do normal, Hoseok nunca imaginaria que voltaria para casa perto do começo da noite com as roupas e o cabelo sujos de areia por ter se divertido bastante, nunca diria que isso aconteceria consigo.

— Será que se voltarmos amanhã, o castelo ainda vai estar lá? — perguntou a menina. —

— Acho difícil, se não estiver lá, é porque a rainha má destruiu. Temos que derrotá-la amanhã.

— Isso mesmo, tio Hoseok.

O rapaz surpreendeu-se ao ver que Jinah pegou em sua mão. Um ato simples porém tão verdadeiro e inocente, para quem mal estava falando. Sentiu seu corpo gelar, mas fez o possível para não demonstrar o que estava sentindo. Segurar na mão é sentir-se protegido e não era qualquer pessoa que fazia isso com Hoseok, nem mesmo Hyungwon fazia tanto isso. Sentiu-se especial, uma pessoa feliz. Uma pessoa realizada.

Entraram na casa de Hyungwon e perceberam que o mesmo ainda não havia chego.

— Jinah, quer terminar de assistir 'Os Vingadores' comigo?

— Sim. — a menina sorriu, mas logo se deu conta que havia um conhecido seu na sala. — Oh, unnie!

Ao chegar na sala, Wonho percebeu que sua prima Junghwa estava na sala, não conseguia fazer ideia do que ela fazia ali, mas só pensava que se Hyungwon a visse ali, daria uma terrível crise de ciúmes tradicional.

— J-Junghwa? O que faz aqui?


Notas Finais


▹ gente, não sei se vocês notaram, mas agora em todo capítulo novo nas notas iniciais vai ter um tópico "divulgue aqui seu hino", pois é, é onde eu colocarei alguns nomes de MV's ou músicas fodas que muita gente não conhece, ajudando na divulgação. Se possível, comente o que achou do que foi divulgado, isso me deixaria muito feliz.

▹ Espero que tenha gostado desse capítulo, o que acharam da atitude do nosso Wonho? Estão gostando da relação que esse trio tá tendo? Até a próxima, queridxs
Kissus e XoXo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...