História A vida é uma DROGA e é uma DROGA estar nela. - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amigo Imaginário Etc, Comedia, Depressão, Família, Garota Solitária, Hentai, Sonhos
Visualizações 24
Palavras 727
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 6 - Dialética


Fanfic / Fanfiction A vida é uma DROGA e é uma DROGA estar nela. - Capítulo 6 - Dialética

Não me tortures, vida, com tantas chegadas e depois partidas imprevisíveis e insuportáveis, porque nessa linguagem não consigo compreender uma palavra do que dizes, tamanhas dores, só cuido de mim. A largata cumpre seu destino e torna-se borboleta por que não vê saída,vivendo pouco em seguida ao acontecido, descobri isso outro dia, ao ocaso, mais escuro que de tarde disse pra mim mesma :repousa em paz agora,que teu dia foi prolixo,quero dizer, foi profícuo o teu dia,querida.  Por isso que a sua vida tem gosto de bile. Esse fel que você mesmo produz. Esse vazamento de máquina defeituosa. Visco que chega a boca por que seu fígado já está cheio de porcaria, bebidas, frustrações, coxinha da esquina, óleo velho, raiva,ódio,derrota; é tanta coisa lá dentro daquele pudim heróico que ele usa seu esôfago como o ladrão de uma represa transbordante e faz subir o jato de dejetos intrínsecos tão próprios, individuais como uma digital; erupção verde de personalidade perdida, de indecisão,de falta de prumo, de fragilidade. Tudo o que passou é processado nas entranhas, nada mais difícil do que conviver com o peso daquilo que você deixou. Quando não há mais tempo para volta atrás, como o fumo que absorve pelas papilas e vai pro fígado e é devolvido em cuspe . O arrependimento você masca, você cospe,mase nunca se livra dele, ele já penetrou em você. Aí fica o tempo todo mascando e cuspindo a vida, ao mesmo tempo que verte as lágrimas secas que ninguém nunca verá. Sobram palavras que você só dirá  a você e falta força para se livrar da corrente que prende seus tornozelos à masmorra das escolhas. Você não tem dúvida que poderia estar livre se tivesse deixado a chave do cadeado mais perto em vez de ter atirado ela pela janela, mais quando você dá aquela blitzes na vida você acha que está cem por cento e que não vai mais precisar de mais nada, joga tudo fora sem lembrar que pode precisar loucamente voltar atrás e depois fica vendo tudo com coração rasgado, sangrando toda vez que ousa enxergar o que perdeu . O que você ganhou? Viagem de carro, ônibus, avião, táxi? Uma graninha que possibilita luxozinhos? A companhia de gente sinistra, de prostituta de todo tipo, de gente rica, de gente esperta, culta e inteligente? Mais de dez anos de solidão gelada? Mais de dez anos de ardentes sensações? Isso é ruim? Isso é bom? Você é bom, ruim,só um dejeto? Não tenho a menor certeza, não posso me olhar por fora, só consigo me olhar por dentro e se eu fosse verdadeiro comigo mesmo teria fotografia exata do que sou e de como eu me veria se fosse um desses que tiveram a chance, nada auspiciosa, de conviver comigo. Eu acho puramente idiota sentar num bar e representar esse papel de gente de boa vontade que dá a mendigos o privilégio de compartilhar de suas companhias, em rodada de dominó repletas de pena e escárnio. Mesmo tentando parecer igual a todos mortais,inclusive esmoleiros pinguços, não consegue deixar de se transparecer um sentimento típico daqueles que se sentem ungidos. Tonto é você que fica tentando ser como eles e cada vez mais fica certo que nunca conseguirá. Você sempre quis fazer parte dos poucos e bons. Tem vergonha de querer e tem vergonha de não ser. Sempre está a margem dessa gente que sabe das coisas, eles e seus pensamentos único exercitado em gesto comum, as mesmas caras para expressar sentimentos, a mesma languidez de seus corpos à vontade em qualquer situação. Você tenta pateticamente mimetizar esta joie de vivre, estudo com olhos absorventes seus modos e depois os incorpora,como se fossem acessórios e opcionais que você põe num carro. Mas o resultado é o pior possível, é como pôr um aerofólio em um velho sedã de passeio. Me sinto certas como um Dodge Polara podre e oxidado, porém cheio de acessórios esportivos último tipo, que desperta riso e dó por onde passa. As tristezas inventadas são as mais tristes e as mais insistente, por que tem origem no ego; você sabe disso mais continua a ter todos esses pensamentos compreensivos e autoindulgentes sobre o seu estado, não consegue abandonar esse desalente. Você sempre soube tudo, a maneira certa de agir e fazer qualquer coisa, mais nunca soube aplicar qualquer conhecimento desses em uma hora que precise.

Notas Finais


Não tenho que ser perfeita, apenas observar o intervalo entre duas respiração.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...