História A vida escolhida por cada um. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Visualizações 32
Palavras 2.849
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite pessoal. Estamos de volta com mais um capitulo.
Peço imensamente desculpas pelo tamanho do capitulo, eu me empolguei escrevendo e não consegui dividir sem perder o contexto da narrativa.
Aproveito para pedir opiniões.
Tudo bem postar capítulos grandes? ( não exagerados).
No mas, Boa leitura.

Capítulo 2 - Sonhos meus!


Fanfic / Fanfiction A vida escolhida por cada um. - Capítulo 2 - Sonhos meus!

P.v.

O despertador emite seu alarme uma única vez antes de levar um rápido toque de minha pata, são 6:10 e ainda tenho muito tempo antes dos outros três alarmes.

Me atiro para fora da cama num salto, o cobertor ainda nem terminou de se assentar no colchão e eu já estou dentro do banheiro giro em direção ao espelho com a expressão mais animada que consegui dispor.

O espelho de parede vai do chão até um pouco acima de minha altura, então consigo dar uma boa olhada em cada detalhe… Minha expressão animada some quase que imediatamente…

Judy- Aff. É lógico que eu estaria toda desarrumada! Acabei de sair da cama! Olha só estes pelos. Que horror.

Dou mais uma olhada no pijaminha que estou usando…

Eu realmente gosto deste pijama. Com um tecido felpudo fofinho, bem leve e… sensual…

O pijama e curtinho, permite a visão de boa parte de minhas pernas. Na parte da cintura está um pouco volumoso por causa de meus quadris. Na frente ele tem um corte em “V” que valoriza os seios!

“-É, para uma coelha, eu não estou tão mau.”

Judy- Para uma coelha? Por que raios eu pensei nisso…

Aff Lá vem de novo. Não sei por que, de uns tempos para cá meu rosto fica vermelho sempre que me olho assim.

Desamarro os cordões felpudos bem devagar (Amo este pijaminha) abro-o pôr completo, tiro ele e o coloco no porta-toalhas, volto-me para o espelho…

Passo alguns segundos olhando de cima a baixo, a lingerie bege com rendinhas é linda! – Nem sei por que vesti isso antes de dormir! – Mas amei!

Viro-me de costas para o espelho e dou uma olhada por cima do ombro. Os treinamentos na academia valorizaram muito minhas curvas! Vou tirando o sutiã, e logo depois minha calcinha, volto a olhar por cima do ombro. Eu tenho que admitir, esse “pompom” é muito fofo... Eu realmente gosto do que vejo.

“- Judy hopps: Você é uma bela coelha! ”

Aff lá vem de novo. Detesto admitir, mas esse negócio de coelhos serem emotivos é verdade.

Ignoro isso e entro no box. Ligo a ducha esperando aquecer a água e me preparo para um delicioso banho…

Nunca fui muito vaidosa, mas ontem na hora do almoço tive um impulso e comprei este shampoo.- “Cheiro selvagem, pff”-vejamos se é bom.

O despertador toca novamente me avisando que meus 20 minutos de relaxamento já se foram. Capricho no shampoo... De uns tempos para cá estou com este pequeno ritual, acordo um pouco mais cedo para desfrutar de alguns momentos de… Reflexão!

Afinal de contas, meu sonho realizado! Me tornei a pessoa que na minha infância eu sonhei ser. Mesmo que cercada de crimes para resolver e a implicância de alguns membros do departamento, eu sou útil para a população. Minha carreira se consolidando, consegui alugar este apartamento bem maior do que o anterior, e meu melhor amigo se tornou meu parceiro de trabalho, meus dias com certeza passarão a ser mais alegres ainda…

Um sorriso bobo se forma em meu rosto. Eu percebi, mas não me importo, estou muito feliz.

Hum, duvido que aquela raposa preguiçosa já tenha acordado! Essa hora ele deve estar roncando, largado na cama só de samba-canção…

Sinto meu rosto queimar além do calor da água.

Toca o terceiro aviso do despertador. Hora de correr Judy. Termino minhas higienes enxugo meus pelos abro o box correndo escovo-me rapidamente, mas antes de sair… Uma última olhada no espelho…

Eu realmente gosto do que vejo…

O Quarto toque do despertador soa como um trem enlouquecido. Corro para o quarto e pego minhas roupas íntimas e meu uniforme (devidamente separados e aprontados na noite anterior).

Me arrumo rapidamente! A última peça que faltava era meu distintivo que fixo com orgulho no uniforme.

Exatamente as 6:50 eu ponho a chave na fechadura de minha porta e a abro com um semblante radiante.

Judy- Hora de ir acordar aquela raposa dorminhoc…

Nick – Para conseguir fazer isso, você deveria estar em meu apartamento as 6:10 coelha boba!

A coelha para em frente a porta ainda com a perna direita levantada, a surpresa em seu olhar dá ao raposo a visão que tão cedo veio buscar.

Nick- cenourinha, cenourinha… O raposo começa um drama digno das grandes estrelas de teatro.- E eu que achei que poderia inspirar-me na assim intitulada melhor policial de zootopia, venho agora em tão tardia hora e a encontro quase atrasada para meu segundo dia de serviços…

Com as orelhas baixas e os olhos paralisados, a coelha fita incrédula a figura fardada que a encara com um enorme sorriso e um olhar jocoso.

Nick- O que farei agora que minha inspiração se foi- Ele continua seu teatro enquanto a coelha saindo de seu transe, tranca a porta atrás de si e passa por ele a passos apressados com expressão fechada.- Deverei eu encontrar uma nova heroína coelha para me inspirar?

Judy- Corta essa Nick! -Fala ela entrando no elevador.- Não sei se percebeu, mas você está ficando atrasado! - Já ia ela apertando o botão para o fechamento das portas.

O raposo corre e a alcança fazendo posição oficial de sentido ainda sorrindo, a coelha nota sua calda se movendo levemente da esquerda para direita numa ondulação serena. -Sim senhora! - Diz ele, e antes da porta se fechar a coelha o olha de lado e começa a sorrir baixinho.

Judy- Olha, você me surpreendeu!

Nick- “Decidido! Responsável! ...”

Judy- Está bem raposa abusada, já entendi!

Os dois riem, e em alguns minutos saem do prédio.

Judy- Direto para o DPZ Nick?

O raposo ergue uma sobrancelha e olha a coelha de lado, ela por sua vez sorri e continua a falar:

Judy- Claro! - E enquanto faz uma careta, faz a mais grossa voz que consegue.- “Sem um café Pela manhã esta raposa não serve para nada cenourinha. ”

O raposo gargalha e põe seus óculos escuros, ambos entram na grande viatura.

Judy- Então, para cafeteria do Sr. Horácio e logo depois, DPZ.

P.V. narrador

7:30 da manhã Cafeteria do Sr. Horácio. Um dos points da central square.

O distrito fica algumas avenidas do outro lado da praça daqui só se pode ver as torres de comunicação do telhado e as luzes do heliporto, mas fica fácil o acesso por isso a dupla segue tranquila com o horário.

P.V

Entro a passos rápidos toda confiante! O local está lotado como sempre e assim que as portas de vidro se abrem sou cumprimentada pela garçonete Lilem. Uma leoa muito simpática a qual fiz amizade a alguns meses.

- Lilem- Bom dia Judy! Vai o de sempre hoje?

-Oi Lilem! Para mim o de sempre! Vejamos o que meu parceiro irá pedir.

O raposo entra no local ainda não acostumado com os olhares que eles recebem, todos dentro da cafeteria em algum momento acenam ou os cumprimentam alegres, nunca foi de seu feitio chamar muita atenção, mas ele tem certeza que trabalhando com a coelha que salvou zootopia ele terá de se acostumar.

A coelha segue cumprimentando alegremente a todos os que se aproximam, e dá atenção especial para um filhote de onça que está com um colete e um quepe de policial.

Nick- Lilem, o meu será um café expresso com calda em creme. Para a viagem por favor.

A Leoa dá um sorriso simpático enquanto anota os pedidos.- Acho que já podemos anotar este como o de sempre em senhor Wilde? – O raposo concorda com um aceno e um sorriso enquanto ela se afasta dele com um girar de ombros, ele olha para a leoa por alguns segundos distraído e só agora percebeu uma loba de pelos cinzas (também garçonete) o olhando de longe. Seu olhar não parece muito amigável, mas ele ignora.

A coelha se aproxima do raposo demonstrando uma expressão alegre está é correspondida por ele, os dois passam a admirar o ambiente olhando os animais que transitam, ou mesmo que estão sentados tomando seu desjejum, a coelha não deixa de reparar que a cauda do raposo está estática.

Nick- Este era seu sonho não era?

A coelha tira sua atenção da cauda e olha para o rosto do raposo, sua resposta é de alguém que já sabia dos pensamentos dele.

Judy- Foi por isso que eu lutei tanto Nick! Para que eu possa proteger a paz das pessoas. Vê aquele filhotinho? - O raposo olha na direção apontada. – Ele disse que quer se tornar um policial igual a mim.

Nick- Imagino que ele ainda não saiba o inferno que é na seleção de recrutas, e o inferno pior ainda no rigoroso e mortal treinamento dos cadetes.- o raposo sorri.

Mesmo sorrindo a coelha franze a sobrancelha e cutuca o parceiro.- falo serio Nick.

O raposo então fala enquanto olha para o filhote brincando de policial.- Nem tudo é um conto de fadas cenourinha.- A coelha olha para o rosto do raposo de orelhas baixas ela repara na cauda ainda estática, ele continua a falar voltando toda sua atenção para a coelha.- Mas admito que você me ensinou que o esforço e o trabalho duro te levam onde a falta de fé não lhe permite passagem! - As orelhas da coelha se levantam e um rubor repentino lhe toma a face.

Lilem- Ham! Senhorita Judy, senhor Wilde, desculpem interromper.- A leoa levanta uma bandeja com os pedidos sorrindo.

O raposo responde com um sorriso largo enquanto fala.- Não interrompeu Lilem. Eu só estava falando para esta coelha a quão cheirosa ela estava esta manhã.

Lilem- É mesmo Judy, eu também senti o aroma! São lírios?

Nick- Olfato apurado Lilem. Tenho certeza que são lírios!

A coelha não consegue esconder seu embaraço, e mesmo se continuasse tentando, a vermelhidão de seu rosto não deixaria.

 Judy- Parem com isso vocês do...

Radio- Atenção todos os oficiais de grande porte da central square. Fuga em andamento.

Judy- Garramansa! - A coelha pega o rádio e continua a ouvir a mensagem. O raposo agradece garçonete pelo café e se atenta junto a coelha sobre o que se passa.

Garramansa- Assalto no banco central frustrado, os suspeitos são rinocerontes fugindo em furgão preto pela central square. Estão fazendo vítimas de atropelamento durante a fuga.

Repetindo- Atenção todos os oficiais de...

Judy-Temos de ir Nick.

Nick- Cenourinha você ouviu o garra. Só animais de grande porte! Deve ser um caso especifico.

Judy- Eles estão atropelando animais na fuga Nick! Nós temos que salvar a população. Não temos tempo.

O raposo torce suas orelhas para traz franzindo a sobrancelha. – Lilem por favor, guarde para a nossa volta-.

Lilem- Certo Boa sorte!

O ambiente na cafeteria fica tenso. Todos ouviram o rádio. O único que se mostra alegre é a oncinha que apontando seus dedos como se fossem uma arma fala alegremente: “- Oficial Judy hoops está indo prender vocês bandidos. ”

A dupla começa a correr em direção a grande viatura.

Sirenes ligadas. Não é difícil para a dupla localizar o ponto de fuga dos suspeitos. Garramansa passa as coordenadas aos outros oficiais que atenderam ao chamado. Cinco viaturas estão em perseguição.

Garramansa- “ Atenção todos os oficiais os suspeitos seguem rumo ao distrito florestal, estão seguindo pela autoestrada número 6, Oficiais Rinol, Machifre e Mammuthe armem a barricada ao fim da rodovia.

Nick- Ao fim da rodovia...

Judy- eles vão pega-los lá. Vamos dar apoio!

Nick- Não cenourinha- O raposo fala em tom muito apreensivo enquanto a coelha dirige o mais rápido que pode pelas avenidas lotadas.- E hora do rush, Todos os comerciantes estão indo para suas lojas no distrito florestal. As calçadas de pedestres estarão lotadas de animais transitando...- A coelha se espanta quando percebe o que o raposo quer dizer.

Judy- .... Se eles chegarem lá...

Nick- .... Haverá muitas vítimas!

A coelha passa o rádio para o raposo que começa a falar de forma frenética.- Oficiais Wilde e Hoops a caminho! Atenção agentes em perseguição eles não podem chegar a entrada do distrito florestal, muitos civis no caminho. Repetindo...

Garramansa- Nick e Judi: Recuar! Judy é o Taurus na van. Repetindo: É o Taurus. Afaste-se daí!- O Guepardo aguarda a resposta da dupla, mas outros oficiai iniciam contato  na mesma frequência.

Rinol- Oficial Rinol na escuta! Estou na saara square a cainho pela auto estrada chegarei o mais rápido possível.

Polaris- Oficial Polaris a caminho, atravessando o distrito florestal. Garramansa, confirme identidade do suspeito, Tauros? Rinotauros? Aquele maluco está solto?

Machifre- Oficiais Machifre e Mammuthe a caminho. Estamos na savana central a caminho do distrito florestal.

Judy- Nenhum deles chegará lá a tempo!

A coelha faz uma curva fechada pela direita e após pegar uma reta em direção a estrada número 6 ela toma o rádio das patas do raposo.- Oficiais Judy e Wilde Interceptando os suspeitos na avenida de ligação da 6° com a 7°.

Como se estivessem conectados, o raposo entende de imediato o plano da coelha. Ele abre o compartimento de armas e pega uma pistola tranquilizante de grosso calibre. Enquanto a coelha pega nova curva a direita acelerando ao máximo que a prudência permite.

Em alguns minutos ela vira bruscamente para a esquerda indo para a avenida número 7 que se separa do número 6 por uma cerca grossa de metal. Ela para paralelamente a cerca, e eles veem o furgão preto na interseção mais à esquerda da avenida. Sua posição é de cerca de duzentos metros à frente, e tal qual o raposo havia previsto. Mil e duzentos metros à frente deles os portões do distrito florestal repleto de pedestres indo e vindo.

Judy- Nossa viatura é leve demais para parar um furgão com três rinocerontes...

Nick- Mas se estourarmos os pneus de um dos lados...

Judy- E abalroarmos a dianteira deles...

Nick- O próprio peso deles ira quebrar seus eixos parando esses animais!

Judy- Vamos parar aquele maluco!

Os suspeitos estão a cem metros de distância e vindo em alta velocidade.

A coelha aperta o cinto e é imitada pelo raposo. Ela acelera a viatura e ruma em direção a cerca que com um grande estrondo se rompe abrindo passagem para a avenida 6. Esta e composta por Quatro faixas que estão lotadas de veículos de médio e grande porte. A habilidade da coelha ao volante é notável. O barulho das sirenes das viaturas em perseguição é enorme. Eles atravessam a avenida e fazem frente ao enorme furgão dos animais em fuga reparando na quantidade de furos de disparos que a carroceria tem.

O raposo mira no pneu traseiro a direita com um dos olhos fechados.- Na mira cenourinha.- Diz ele, e em seguida atira. Dois disparos são necessários para estourar o pneu. Logo depois ele mira no dianteiro.- Se prepara Nick.- A coelha grita girando o volante em direção à frente do furgão. Quase que ao mesmo tempo o raposo dispara duas vezes seguidas. O primeiro disparo erra o alvo. O segundo, no entanto, faz o trabalho estourando o pneu, fazendo com que o furgão abaixe até quase tocar o asfalto. Ao mesmo tempo em que a frente da viatura bate no local onde existia o pneu com muita violência, colando o para-choque do furgão no asfalto arrancando um grande naco do chão, desacelerando o veiculo até quase zero de velocidade. 

A viatura recebe um grande solavanco, impedindo a coelha de manter o controle da direção, o veículo dá uma guinada violenta para a direita e é arremessado de encontro a uma mureta divisora de faixas, virando do lado da motorista e se arrastando por vários metros até parar. O furgão tomba capotando várias vezes antes de ficar imóvel...

Por alguns segundos nada se move dentro da viatura.

​Do lado de fora passadas pesadas são ouvidas, se aproximando rapidamente.

A coelha é a primera a entender o que está acontecendo, Olhando para a direção do raposo que se encontra desacordado. Neste momento a viatura recebe um pesado golpe no teto perfurando-o e arremessando o veiculo que bate na mureta de proteção, chocando-se com os pneus no asfalto já recebendo um segundo golpe com um forte impacto em sua lateral.

Radio- Oficial Polaris interceptando, ouve uma colisão, Rinotauros está atacando a viatura tombada. Oficial entrando em confronto!

Sons de disparos. Urros. Gritos! A oficial vê o enorme rinoceronte negro sento atingido constantemente por disparos de tranquilizantes mas em nada ele detém sua fúria.

Ela tenta soltar o cinto sem sucesso quando vê o animal em outra investida. Uma grande forma com pelagem branca se arremessa contra o rinoceronte, e mesmo seu grande peso não refreia o avanço selvagem.

Judy- Polaris!

Um impacto fortissimo na porta do motorista atinge também a coelha que perde os sentidos, restando a escuridão....

Quebra de tempo.

Silêncio dentro da viatura.

Do lado de fora, um estrondo é ouvido.

O raposo tosse enquanto sente seu pescoço dolorido. Demora um pouco para ele analisar a situação, a fumaça não ajuda a identificar o ambiente, mas ele descobre mesmo tossindo, ser capaz de falar...

 Cenourinha? Judy?...


Notas Finais


É isso ai pessoal. espero estar criando algo que vocês gostem.
Me perdoem se houver erros, estou melhorando.
Vou tentar postar mais um capitulo até domingo.

Um grande abraço.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...