1. Spirit Fanfics >
  2. A vida sabe o que faz >
  3. Capítulo 1

História A vida sabe o que faz - Capítulo 1


Escrita por: ryah_kallena

Notas do Autor


Se você como eu é fã da saga crepúsculo mas nunca entendeu como o Jake ficou com a Nessie quando fazia muito mais sentido ficar com a Leah, você veio ao lugar certo.
Vai ser uma shortfic, em torno de 4/5 capítulos.
Espero que gostem!

Capítulo 1 - Capítulo 1


Capítulo 01 

 

Eu costumava acreditar que a vida sabe o que faz. Que não importa o caminho que decidamos seguir, vamos acabar exatamente onde devemos acabar. Com quem devemos ficar. Eu acreditava nisso com todo meu coração.  

Minha vida era incrível. Eu ia me formar em menos de um mês e pretendia fazer a prova de recrutamento do FBI. Claro que não ia ser fácil. Minha vida social se resumia a ir até a biblioteca nos últimos tempos. Estudar e treinar para a prova física tomavam quase todo o meu tempo. Por isso eu decidi fazer essa surpresa para meu namorado. Antes eu nunca tivesse conhecido esse babaca. 

Como hoje era quinta-feira ele deveria estar trabalhando no clube. Ele já era gerente júnior e iria ser efetivado quando se formasse. 

Cheguei ao apartamento dele com as sacolas de compras. A ideia era fazer um jantar especial e namorar muito para compensar o tempo que fiquei afastada. 

Eu quis fazer a surpresa e acabei surpreendida. 

Meu cérebro parecia ter dificuldade de registrar a cena. Sam estava com uma mulher. Uma das mulheres que eu vi no clube quando trabalhei em um evento. Suas calças estavam suspensas abaixo dos joelhos e ele estava entre as pernas dela. 

Assim que consegui recuperar os movimentos de meu corpo outrora usurpados pelo choque, fechei a porta com força. 

“Continue andando, Leah. Saia daqui logo”, era o que repetia para mim mesma. 

Eu podia ouvir os gritos dele atrás de mim. “Não é o que parece”. “Eu posso explicar”.  

Sem me importar em olhar para trás, andei até o ponto de taxi que ficava a uma quadra do prédio dele. 

Enquanto o motorista me levava até meu apartamento, mandei mensagem para minhas colegas de casa dizendo que estava voltando.  

Tudo que eu não precisava agora era chegar e ver a Vic pegando alguém no nosso sofá. 

Quando cheguei à nossa casa, nenhuma delas tinha dado sinal de vida ainda, então eu me sentei e abri a garrafa de vinho que tinha comprado para beber hoje a noite. Com ele. 

Dispensei a taça, bebendo direito da garrafa mesmo. 

Vic foi a primeira a chegar. 

Ela estava com um blazer preto que fazia sua figura esguia parecer ainda mais imponente, mas por baixo ela usava uma camiseta do guns'n roses. Olhei para seu all star amarelo e pensei em como os professores levavam ela a sério. Ah, é  porque ela é talentosa. Acabei rindo do meu devaneio e ela me olhava com cara de quem já sabia de tudo. 

“Não diga nada” pedi à ela. 

 A verdade é que Vic nunca gostou de Sam. Eu deveria ter ouvido ela, sempre sabe quando alguém não presta. 

“Me faça ouvir então” disse ela, sentando-se na poltrona a minha frente. “O que ele fez?”. 

Antes que eu pudesse abrir a boca e começar a contar sobre a cena deplorável que vi, Sabrina entra pela porta como se fosse um furacão. Sua calça de ginástica era parcialmente encoberta pela camisa xadrez amarrada em sua cintura. 

“O que eu perdi?” Perguntou ela, carregando duas sacolas de supermercado e se jogando ao meu lado. 

“Nada, por enquanto. Ela não começou a falar. Ainda” respondeu Vic. 

“Ela não é um dos seus réus. Isso soou como uma ameaça, Vic”. 

Sabrina tinha razão. Vic tinha o talento de ser assustadora mesmo sem perceber. 

“Sam me traiu” disse eu, sem rodeios. 

Observei Sabrina me olhar com pesar enquanto Vic apenas levantou a sobrancelha. Era o jeito dela de dizer que ia me deixar falar, mas já tinha me avisado que a história terminaria assim. 

“Eu queria fazer uma surpresa para ele, por isso fui até o apartamento dele” apontei para as sacolas na mesa de centro e bebi os últimos goles do vinho. “Como essa garrafa acabou tão rápido? Será que a Vic bebeu e eu não vi?”, pensei. 

“Não” respondeu ela. 

Levantei minha cabeça em choque. Ela podia ler mentes. 

“Você falou em voz alta” esclareceu ela. 

“Você pegou ele no flagra?” perguntou Sabrina. 

“Sim! O cretino estava literalmente entre as pernas dela e disse que podia explicar. Que não era o que eu pensava”. 

Senti a raiva subir por meu corpo novamente. 

Eu não tinha explodido na hora porque fiquei chocada demais. Agora repensava se não teria sido melhor dar na cara dele. 

Sabrina não sabia o que dizer, estava escrito na cara dela. Vic parecia querer dizer algo, mas não abriu a boca. 

“Eu preciso de mais álcool” disse eu, me afundando mais no sofá e encarando o teto. 

Ouvi os sons se alguém se levantando e procurando algo na cozinha. 

Quando ergui a cabeça novamente, vi Vic se aproximar com uma garrafa de tequila e três copos de shot. Ela encheu os três e pegou um para si. 

“À vida de solteira” propôs ela, virando sua dose logo em seguida. Sabrina e eu a imitamos. 

Eu não sei dizer como, mas em algum momento da noite, concordei em ir para um bar com elas. 

Vic me fez deixá-la escolher minha roupa e agora eu me sentia quase nua. Estava com um vestido dourado que mal ia até metade de minhas coxas e deixava minhas costas nuas. Uma sandália preta de salto enfeitada meus pés e deixava minhas pernas ainda mais longas. 

“Eu sou muito gostosa” foi o que pensei quando me vi no espelho do banheiro daquele lugar. 

Peguei minha bolsa e voltei para a mesa em que nós estávamos. Vic segurava duas bebidas agora. 

“Aquele cara ali” disse ela, sinalizando para um cara que estava sentado no bar, com o perfil virado para nós. “Te mandou essa bebida”. 

Ela m estendeu o copo que continha um drink elaborado com um enfeite de guarda-sol. Eu não sabia quem era o cara, mas a ideia de mais álcool me agradou. 

Peguei o copo e dei um gole. 

“Você deveria ir e agradecer” disse ela. 

Sabrina não falou nada, mas ela nos observava como se soubesse de algo que eu não sabia. 

Se fosse uma loucura, Sabrina impediria Vic de me jogar nessa. Elas eram o equilíbrio perfeito. 

Então, olhando para o cara, eu percebi que queria ir falar com ele. Ele parecia bonito daqui, e foi gentil da parte dele me mandar o drink. 

“Não esquece, amiga” disse Vic, chamando minha atenção. “Coração partido se cola com porra.” 

E com essa obscenidade eu dei as costas à ela é fui na direção do estranho no bar. 


Notas Finais


Se você eu até aqui, obrigado!
XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...