História A vida vale a pena viver - Capítulo 68


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Alice, Anna, August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Elsa, Emma Swan, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Lacey (Belle), Lilith "Lily" Page, Malévola, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Vovó (Granny), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma Swan, Onceuponatime, Ouat, Regina Mills, Swan Mills, Swanqueen, Swens
Visualizações 417
Palavras 1.953
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, FemmeSlash, Ficção Adolescente, Orange, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, li todos os comentários e decidi fazer esse capítulo voltado só para elas. Espero que gostem de ler.

Quero saber se estão gostando dos capítulos extras ou se está ficando enjoativo, podem dar opiniões, ok?

Boa leitura 💜

Capítulo 68 - Expondo os sentimentos


Regina chegou na casa de Zelena um pouco triste, já era noite e Emma não havia dado um sinal de vida.


- Está tudo bem, Regina? - Zelena perguntou preocupada.


- Está sim. - disse sem ânimo.


- Henry dormiu. Quer que eu o leve amanhã cedo?


- Pode ser. Ele vai adorar mesmo! - sorriu. - Como você está?


- Estou bem. Hoje esse menino me deu um cansaço. - riram. - Mas eu amo ficar com ele aqui.


- E quando você terá filhos, hein? - Regina encostou na parede da varanda olhando pro céu.  


- Regina, você está bem mesmo? - Zelena cruzou os braços na frente dela. - Brigou com Emma?


- Sim. - respirou fundo. - Ela não deu sinal algum até agora.


- Ela deve estar ocupada, não se preocupe, ok?


- Normal, ela sempre está ocupada. - deu de ombros. - Vou pra casa, dê um beijo no meu filho, não quero acordá-lo.


- Eu darei. - Regina sorriu fraco e saiu andando em direção ao portão.


- Regina! - Zelena a chamou. - Vá com o meu outro carro. - jogou as chaves pra Regina e a morena agradeceu, indo a garagem e tirando o carro de lá.


Regina dirigiu até a casa segurando a vontade de chorar e refletindo sobre todas as brigas que ela e Emma estavam tendo. Assim que chegou em casa e constatou que não tinha ninguém, Regina foi até o quarto o colocou seu biquíni. Preparou uma salada de frutas e logo depois foi nadar. Assim que relaxou seu corpo na água, ouviu Emma chamando por ela assim que entrou na casa. Regina não respondeu, esperou que a loira fosse de encontro aonde ela estava. Emma viu Regina na piscina e subiu para por seu maiô. Assim que vestiu, pegou a caixa de chocolate e pôs na beirada da água. Entrou devagar pois a água estava gelada. Regina estava boiando na água, quando sentiu a loira ao seu lado. Regina encostou na borda da piscina e encarou Emma com um olhar indecifrável.


- Você não deu um sinal de vida desde aquela hora. - disse triste.


- Eu saí pra pensar. - olhou pro céu e respirou fundo. - Regina, nós precisamos conversar sem brigar. Eu trouxe chocolate pra você também. - disse mostrando a caixa com chocolates.


- Me comprando com doces? - riu fraco.


- Não, trouxe porque sei que ama chocolate. - sorriu.


- Diga Swan, antes que eu vá devorar aquela caixa.


- Eu estava pensando e a gente vem brigando demais. Isso tem me desgastado e eu acabo descontando no  trabalho pra não descontar em você. Eu sei que tenho estado mais fora do que aqui nessas últimas semanas, mas eu quero que saiba que eu estou fazendo de tudo pra estar com você e Henry. - Regina descruzou o braço e lágrimas escorreram pelo seu rosto, assim como escorria pelo de Emma.


- Tanto eu quanto você estávamos erradas. Eu não reconheci que você também precisa trabalhar, até porque eu ainda não consegui um emprego fixo e isso também me desgasta muito. É escola de Henry para pagar, são contas, é outro filho, são nossas brigas bobas, tudo isso me desgasta. O fato de eu estar grávida também, me lembra do que aconteceu com Henry e eu tenho medo. Eu estou mega feliz, mas tenho minhas inseguranças e meu jeito de lidar com isso.


- Regina, você não arrumar um trabalho, não é problema, você sabe. E eu sei que essa fase também é difícil para você.


- Para você, Emma, mas eu não gosto de depender de ninguém e você sabe disso. Toda vez que a gente sai e você paga, ou paga as contas sem eu saber, me deixa chateada sabia? Não estou trabalhando, mas tenho meu dinheiro guardado. Nós somos casadas, tínhamos que dividir as coisas e não cada uma fazer por si. Reconheço meu erro de querer exigir de você sem pensar nas suas coisas, mas agora teremos outro filho e hoje era o dia especial. Eu queria você comigo na hora, eu queria apertar sua mão e ver seus olhos marejados, seu sorriso ao ouvir que seremos mãe novamente. - Emma começou a chorar intensamente. - Eu errei sim, em te tratar daquela maneira e não ver seu lado, mas você também errou no momento que saiu daquele quarto me deixando sozinha. Não é porque eu estou carregando o nosso filho, que eu lidarei com isso sozinha. Esqueceu que eu perdi a infância toda de Henry? Eu já tenho um filho, mas assim como você, sou mãe de primeira viagem. Nunca troquei uma fralda, nunca senti o prazer de sentir meu filho com cheirinho de cocô. - sorriu com o nariz vermelho. - Nunca fiz papinha, nunca segurei um bebê no colo e nem sei como dar banho na criança. Eu perdi toda essa fase e agora, não quero perder um minuto. E se forem dois ou mais? Trigêmeos, quadrigêmeos ? A gente precisa estar preparada pra isso e pro que vier. Se continuarmos assim, ficará difícil de seguir e eu não digo da boca pra fora, eu digo sério. Não quero continuar brigando com você enquanto tem um fruto do nosso amor gerando aqui dentro. Ele não merece ouvir suas mães brigando por besteira.


- Eu sei, não estou querendo dizer que só você foi a culpada. Nós duas somos. Não temos nem dois meses de casadas e já brigamos assim, imagina daqui há anos? - Regina não estava gostando do rumo daquela conversa, mas elas precisavam expor os sentimentos.


- Sempre teremos momentos assim se não vermos ambos os lados. Agora, teremos dois filhos, Emma. A atenção será dobrada, o cuidado será dobrado, a despesa será dobrada. Eu disse que pra isso, precisaria de planejamento, eu disse que não seria fácil, sem contar que eu fico chata demais nessa fase, mas você quis esse filho tanto quanto eu e fizemos as coisas sem pensar.


- Eu sei. - disse fungando. - Mas eu também não posso deixar tudo nas costas do meu tio. Eu sou a dona de lá e a empresa é muito conhecida. Eles precisam de mim lá para assinar documentos, para ir em eventos e para viajar a trabalho. E quando isso acontecer e você não puder ir comigo? Como ficaremos? Pediremos divórcio? - Regina encarou Emma. - Não, Regina. Teremos que saber lidar com isso e termos maturidade. Dizer uma à outra o que estamos sentindo. Não podemos sempre guardar as coisas porque uma hora explode e aí...vai acabar machucando uma a outra e só Deus sabe o que pode acontecer.


- Eu entendo. - soltou o ar.


- Tem algo mais que eu faça que você não goste? - Emma perguntou encostando na borda da piscina e olhando pro céu.


- O jeito que você às vezes fala comigo. Eu sei que é o seu jeito, mas você esses dias segurou meu braço com certa força e me respondeu com grosseria. Eu não esperava aquilo de você e acabou me assustando. - Emma abriu a boca lembrando-se do dia. Ela e Regina estavam discutindo sobre a escola de Henry. O menino estava ouvindo palavras de mau gosto de um colega de classe. Emma ficou fora de si querendo falar com os pais do menino, mas Regina disse que resolveria no dia seguinte quando fosse a escola. Emma se irritou com a calma de Regina em lidar com aquela situação e por um ato sem pensar, segurou a morena com força. Estava cheia do trabalho e dos problemas em casa. - Você estava de saco cheio porque algo tinha dado errado na empresa e com aquilo do colégio de Henry, parece que você perdeu a noção e acabou me machucando. Isso não era motivo.


- Me sinto tão mal agora. Eu não havia percebido que tinha te machucado.


- Emma, não me leve a mal, mas...deixa pra lá! Tem algo que eu faça que você não goste?


- Isso o que acabou de fazer. Você sempre começa a falar as coisas, mas para quando vê que pode me magoar. Como vou saber o que te perturba se você não me conta? Não ficarei chateada.


- Eu acho que você precisa ir a um psicólogo. - Um silêncio pairou no ar.


- Você tem medo que eu machuque as crianças?- perguntou baixinhos  com a vista embaçada.


- Não é isso, eu sei que não faria nada de ruim aos nossos filhos, mas é por você. Desde o mês que começou a trabalhar lá, você não percebe, mas às vezes levanta no meio da noite e fica dizendo coisas em relação a morte de seus pais. Eu fico preocupada com você. Tem muita coisa te estressando, você precisa de ajuda.


- Eu entendo. Eu irei procurar um psicólogo. - disse cabisbaixa.


- Agora me diga o que não gosta que eu faça.


- Quando você também age comigo de forma grosseira sem eu ter culpa. Você muda de humor rápido e eu já sei lidar com isso, mas tem vezes que na raiva, você me diz coisas que me deixam triste e na dúvida de que fizemos o certo em nos casar agora. - Regina sentiu seu peito apertar, não esperava por aquilo. Ouvir de sua esposa que ela estava com dúvida se deveria ter se casado, era ruim. - Mas sempre que essa dúvida surge, eu olho pra você e me lembro do porquê eu te escolhi para ser minha mulher e mãe dos meus filhos.


- Eu sei que sou explosiva e impulsiva. Isso é algo que eu tenho trabalhado em mim para não machucar mais as pessoas. Me perdoe por isso.


- Também não gosto quando você não me escuta e sai dizendo as coisas sem pensar. Tipo hoje, eu tinha ligado pro meu tio pra cancelar meus compromissos, mas quando voltei você nem me deixou falar. Já foi dizendo aquelas coisas, por isso saí quando você disse que eu poderia ir embora e ao contrário do que disse, não fui trabalhar, fui ver lojas para bebês. - Emma sorriu vendo o sorriso de Regina no rosto.


- Tem mais alguma coisa? - Regina perguntou.


- Não e você?


- Também não.


- Eu vou em todas as consultas com você. Já programe minha agenda pros meses a frente, mas terá um dia que eu não poderei ir, mas, Henry estará com você e me ligará pelo Skype, ok? Será só um dia.


- Tudo bem. Eu serei mais paciente e te ouvirei mais.


- Eu também te ouvirei mais e não irei mais pagar as contas sem você saber. - riram.


- Eu prometo ser mais sincera e quero que você prometa o mesmo.


- Eu prometo! Iremos conversar como adultas e ouviremos as duas para acharmos uma solução.


- Dividiremos as tarefas de casa e reorganizaremos nossas rotinas para que todas fiquemos felizes. - disse Regina.


- E sempre quando brigarmos, ficaremos ao lado uma da outra e nos lembraremos o porque de estarmos juntas.


- E o amor que sentimos uma pela outra,  será nossa resposta.


- Me perdoa amor? - Emma a abraçou forte.


- Eu perdoo. Me perdoe também? - Regina acariciou os cabelos loiros molhados.


- Eu te perdoo. - Emma se afastou  e tomou os lábios de Regina com carinho e paixão. Assim que o ar fez-se necessário, elas se afastaram. - Vamos comer um chocolate agora?  


- Trouxe meus favoritos?


- Tem o de recheio com laranja, morango, chocolate amargo. Todos que você gosta - Regina a beijou.


- Eu te amo tanto, Emma! - disse beijando-a.


           - Hmm, eu também te amo, minha morena. 


Notas Finais


o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...